Yu Yu Hakusho - A Saga dos Deuses Seguir historia

ocarina Ocarina

Yusuke Urameshi, detetive sobrenatural e descendente do poderoso demônio Raizen, tenta levar uma vida normal ao lado de sua esposa Keiko, porém a visita do antigo amigo e líder do Mundo Espiritual está prestes a mudar isso: Koenma o avisa sobre uma série de acontecimentos estranhos no Mundo dos Humanos e sobre uma iminente guerra no Mundo dos Deuses. Tudo indica que esses acontecimentos estão relacionados à uma garota, que se encontra desaparecida e parece ser a chave para desvendar o que está acontecendo. Yusuke e seus companheiros de luta, Kuwabara, Kurama e Hiei, terão encontrado algo muito maior do que tudo que já viveram antes?


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18. © Yu Yu Hakusho e seus personagens são propriedade de Yoshihiro Togashi. No entanto, nessa fanfic haverão também personagens originais de minha autoria, assim como toda a trama envolvida. Plágio é CRIME.

#romance #mistério #aventura #ação #fanfic #yu-yu-hakusho #Yusuke #Kuwabara #kurama #Hiei #anime #mangá #deuses
5
7.2mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 30 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Estranhos Pressentimentos


Ningenkai, quase dois anos após o primeiro torneio do Makai.


YUSUKE POV

Um som estridente fez com que eu abrisse os olhos repentinamente num susto. Era o despertador tocando ao meu lado, anunciando que já era hora de acordar. Olhei sonolento para a outra metade vazia da cama e logo percebi que Keiko já havia saído de casa antes de mim. Me espreguiçando, levantei e me arrumei para trabalhar enquanto lembrava do sonho que eu acabei de ter. Estávamos Kuwabara, Kurama, Hiei e eu prontos para começar o segundo torneio de luta do Mundo dos demônios que definiria o próximo governador do Makai. Koto, a jurí do torneio perguntava à torcida se eu me vingaria de Yomi e venceria dessa vez e eu me animava com a ideia [1]. Havia sido apenas um sonho, mas parecia tão real e cada vez mais perto de se tornar realidade.

Saí de casa apressado para não me atrasar para o trabalho. O negócio que eu montei estava finalmente nos dando lucro. Keiko e eu nos casamos muito cedo, quando tínhamos apenas 18 anos, ou seja, no ano passado, mas eu sabia que estava pronto para dividir minha vida com ela e que enfrentaríamos qualquer dificuldade para sobrevivermos, desde que estivéssemos juntos.

No começo as coisas foram mais complicadas. Sou um detetive sobrenatural que nunca foi bom com os estudos e que abandonou a vida humana por um tempo para ir até o Mundo dos Demônios para conhecer o seu ancestral e lutar. Até porque, lutar era o que eu mais gostava e sabia fazer. Assim, conseguir um emprego no Mundo dos humanos foi muito difícil, porque todo lugar exigia graduação e mais um monte de coisas que não vejo sentido. Isso é ridículo. As pessoas perdem metade de seu tempo estudando e não aproveitando a vida. Mas enfim...eu abri meu próprio negócio: uma barraca de lámen [2] e felizmente a clientela foi crescendo e hoje tenho um restaurante que modéstia à parte vem fazendo bastante sucesso na região. Keiko e eu o administramos juntos, mas ela também estuda para se tornar professora [3] e então eu trabalho sozinho no restaurante na maior parte do tempo. Finalmente achei algo em que sou bom, algo pra me orgulhar de conseguir dar uma vida descente para minha esposa. É claro que o meu carisma e ideias geniais para o negócio ajudam no nosso sucesso.

Hoje depois da faculdade, como de costume, Keiko me encontrou aqui no restaurante e me ajudou até acabar o serviço. Mas hoje é um dia um pouco diferente, porque nós estávamos nos preparando para fechar o negócio e nos encontrarmos com nosso melhor amigo Kazuma Kuwabara. Faz tempo que não nos vemos, sei que ele tem estudado muito para "se tornar alguém na vida", mas antigamente ele foi meu parceiro de luta também. Vivíamos nos metendo em várias tretas, algo que já não o vejo fazer faz muito tempo.

— Keiko, tô pronto! Vai demorar muito? – Anuncío à minha esposa. Keiko é o oposto de mim, inteligente, educada e responsável. Mesmo quando eu era o maior badboy do colégio ela nunca desistiu de ficar comigo. Até mesmo quando fiquei um tempão no mundo dos demônios ela não seguiu sua vida sem mim e esperou pacientemente eu voltar. Tenho sorte de alguém como ela ter se interessado em um cara como eu. As vezes nós brigamos, é claro...bom na verdade brigamos muito, mas sempre foi assim e esse é o jeito que temos de demonstrar o quanto nos amamos.

— Já vou Yusuke, não me apressa! – Ela respondeu gritando de dentro da cozinha.

— Assim Kuwabara vai pensar que nos esquecemos dele!

— Já tô pronta! Minha nossa, custa esperar um pouco? – Ela saiu da cozinha com uma cara de brava, como sempre fazia quando eu a contrariava. Confesso que às vezes eu a deixava brava de propósito, porque adoro os grandes olhos castanhos dela me olhando dessa maneira. Ela ficava linda de qualquer jeito.

— Tô só brincando com você – Eu disse sorrindo, segurando-a pela cintura quando ela se aproximou de mim. – Vamos.

Ao tentar abrir a porta da frente do estabelecimento para sairmos do local, senti o impacto com algum obstáculo e escutei um grito de dor vindo do lado de fora. Maravilha! Eu dei uma portada na cara de alguém que ia entrar!

— Um cliente a essa hora? – Disse Keiko.

Saí apressado para me desculpar seja lá com quem fosse.

— Ô meu filho me desculpa, não vi que alguém ia entrar ao mesmo tempo em que eu ia sair. Ah e a propósito estamos fechados por hoje. Você pode voltar aman...

Não terminei a frase, pois o homem caído no chão tirou as mãos do rosto e me encarou, me deixando surpreso ao ver a abreviação "Jr" em sua testa.

— KOENMA! Caraca, quanto tempo! O que você tá fazendo aqui?! – Estendi meu braço pra ajudá-lo a levantar do chão. Ele aceitou o gesto.

Koenma é o filho do Rei Enma Dai-oh e o atual líder do Mundo espiritual. Ele que decide se as almas das pessoas que morrem vão para o céu ou para o inferno. Ele na verdade faz isso desde que o conheci, mas a função era do seu pai, que foi descoberto pelo próprio Koenma por cometer crimes de lavagem cerebral em demônios fracos para atacarem os seres humanos. Desde que o Rei Enma foi deposto, a vida de Koenma não tem sido fácil e ele ficou muito mal por ter sido responsável por desmascarar seu próprio pai. [4]

— E aí Yusuke? – Ele disse ainda com os olhos lacrimejando e o rosto vermelho pela pancada que levou – Você deveria tomar mais cuidado com seus clientes, sabia?

Ele me cumprimentou com um forte abraço, afinal fazia tempo que não nos víamos.

— Mas me conta...o que te trás aqui? Não me diz eu veio só pela comida?

— Na verdade não mesmo, preciso falar com você. Ah...oi Keiko, não vi que estava escondida aí atrás, como vai?

— Olá Senhor Koenma, vou bem e você?

— Já estive menos dolorido – Disse ele apontando para seu rosto vermelho pela pancada.

Keiko riu – Yusuke, Kuwabara já deve estar nos esperando. Depois vê se não coloca a culpa do atraso em mim.

— Ah olha só quem é que tá com pressa agora, parece que o jogo virou não é mesmo? – Keiko me olhou com uma cara de "como você é criança" – Koenma essa sua conversa é urgente? Precisamos ir, combinamos de encontrar Kuwabara hoje. Se quiser pode vir com a gente.

— Acho conveniente. O assunto também pode interessar a Kuwabara.

Fomos caminhando os três juntos para a casa de Kazuma. Koenma estava na sua forma adulta, com a chupeta na boca como sempre e não tinha mudado nada. Fomos jogando conversa fora enquanto andávamos pelo caminho, mas pude notar que ele estava um tanto distraído e preocupado com alguma coisa, provavelmente isso tinha relação com o que ele precisava me falar.

Olhei um segundo pra Keiko e notei que ela parecia preocupada também. Isso sempre acontecia após as visitas de Koenma, porque em geral nos falávamos quando estava ocorrendo algum problema e geralmente eu acabava me metendo em confusões pra ajudar a salvar o Mundo...coisa de detetive sobrenatural, fazer o que? A verdade é que ela não gosta que eu saía por aí pra lutar, arriscando minha vida, eu sei disso, mas como posso simplesmente fingir que não tenho nenhuma relação com esses assuntos sobrenaturais? É impossível, considerando que eu sou um youkai.

Quando chegamos na casa de Kuwabara, Keiko e eu fomos recebidos com um grande sorriso e um abraço apertado. A princípio ele não notou a presença de Koenma.

— Caramba! Pensei que vocês nem vinham mais! Porque demoraram tanto?

— Que isso cara, ficou contando os minutos pra nossa chegada, tá tão carente assim?

— Claro que não Urameshi, você mal chegou e já vai ficar tirando uma com a minha cara é? Pode parar com isso.

— Olá Kuwabara, bom te rever. – Koenma interrompeu anunciando sua presença.

— Koenma?! Nem tinha reparado que você tava aí escondido! Como você tá? Que surpresa! Tá fazendo o que aqui no Mundo dos homens?

— Várias coisas, amigo.

Kuwabara nos levou para dentro de sua casa e nos ofereceu aperitivos e bebidas. Ficamos conversando um bom tempo sobre nossas vidas, cada um relatando que rumo tomou após a última vez que nos vimos. Shizuru Kuwabara, irmã de Kazuma, se juntou a nós. Foi uma noite divertida, rimos, brincamos e falamos sobre todo o tipo de coisa e até jogamos cartas. Eu sentia falta desses momentos em que estávamos sempre juntos, como antigamente.

— Yukina não tava morando aqui com vocês? [5] – A pergunta de Keiko fez com que Kuwabara corasse na mesma hora. Caramba, ele é muito lento, se apaixonou pela youkai de gelo desde o primeiro momento que a viu e mesmo assim nunca conseguiu se declarar pra ela.

— Ela tá, mas não fica aqui todos os dias...boa parte do tempo ela fica no templo da mestra Genkai ajeitando as coisas por lá. Olha só, tá ficando bem tarde, melhor eu arrumar essas coisas – Disse Shizuru, se levantando para recolher a louça suja da mesa – Keiko você me ajuda? Acho que esses três tem coisas pra conversar em particular.

Shizuru e Kazuma são ambos muito sensitivos, com certeza ela sabia que Koenma estava lá não só pra nos fazer uma visita, mas ele não diria nada com Keiko ouvindo.

— Claro. – Respondeu Keiko desanimada, com uma cara de quem acabou de levar um banho de água fria.

Ficamos os três quietos por um minuto. Até que eu resolvi quebrar o silêncio.

— Fala aí Koenma, o que você precisa nos dizer realmente?

— Bom...é meio confuso, porque nem eu sei direito.

— Como assim não sabe? Você é o líder no mundo espiritual não é? O manda chuva? Então você sabe de tudo.

— Não é bem assim Kuwabara, coisas estranhas tem acontecido, principalmente muitos ataques de youkais a humanos.

— Ué, pensei que os youkais e humanos estavam vivendo em paz. Desde que a barreira entre os dois mundos foi retirada eu não soube de nenhum ataque de demônio, tanto que meu trabalho de detetive espiritual tá decadente, justamente por não ter nenhum caso pra resolver. [6]

— Exato Yusuke, no começo tudo ia bem, mas agora parece que isso está mudando. Youkais tem vindo pra cá e atacado humanos e além disso...parece que uma guerra se aproxima. Vocês não andaram sentindo nada diferente?

— Pra falar a verdade não. – Respondi torcendo pra que Kuwabara dissesse que não também. Seria meio vergonhoso ser o único a não perceber algo assim.

— Hm...bom, eu senti... – Kazuma respondeu pra minha infelicidade – Senti maus pressentimentos, algo que eu nunca tinha sentido antes. Mas não achei que fosse pra me preocupar com uma guerra. Que papo é esse?!

— Explica esse negócio de guerra aí Koenma.

— Não é uma guerra comum, parece que está tendo conflitos entre os Mundos. Como eu disse, muitos demônios tem vindo do Makai para o mundo dos homens e causando problemas pros humanos, mesmo com a imposição de Enki de que não se deve comer carne humana [7]. Os ataques aos seres humanos tem aumentado consideravelmente. E o mais estranho de tudo... – ele fez uma pausa antes de continuar.

— Hum...o que? – Perguntei, aflito pelo que viria a seguir. Kuwabara olhava com cara de quem estava sentindo dor.

— O mundo dos Deuses...parece que está vivendo algum conflito. Podemos sentir isso no mundo espiritual.

— Deuses? Mundo dos Deuses? Como assim?! Não tô entendendo nada. – Parecia que Kuwabara ia explodir com tanta informação de uma vez. Não que ele fosse burro, mas pensar nunca foi o seu forte.

Koenma suspirou profundamente – Olhem, acho que eu nem deveria falar disso com vocês, mas preciso conversar com alguém. Além do Mundo dos demônios, do Mundo dos homens, do Mundo Espiritual, existe também o mundo dos Deuses, habitado por Deuses que deram origem a todo o planeta. Existem vários Deuses e pelo que parece o Mundo deles está entrando em conflito, ou seja, eles tendem a brigar entre si, e nessa briga estarão envolvidos também os outros mundos. Mas eu não sei o que está acontecendo ao certo, o único que poderia ter essa informação diretamente do mundo dos Deuses é o meu pai. Eu nunca tive contato direto com nenhuma divindade e desde que meu pai foi deposto do seu cargo devido aos inúmeros crimes que cometeu, ele também perdeu esse contato. Tudo que eu sei é que os acontecimentos aqui no Ningenkai e no mundo dos Deuses podem estar interligados. Algo grande pode estar pra acontecer. Entenderam?

Kuwabara e eu ficamos em silêncio olhando para Koenma como se ele fosse um louco. Será que ele não tinha bebido ou fumado alguma coisa? Do nada ele surge com essa história bizarra e quer que a gente acredite?

— Não sei o que dizer, você tem certeza que tá sóbrio Koenma? – Precisei fazer uma piada para aliviar a tensão no ar.

— O que?! Mas é claro Yusuke, não fala bobagens.

— Mas como assim, Deuses? Você nunca falou disso antes.

— Deuses ué, criadores de tudo. Cada um tem um título e habilidades próprias, cada um teve sua influência no Mundo. Simples assim. Se não contei antes foi porque não havia necessidade e na verdade eu nem deveria fazer isso. Há muito tempo eles já estiveram em guerra e demoraram pra estabelecer a paz, mas hoje parece que estão querendo reviver os tempos de terror. Por isso perguntei se vocês haviam sentido algo.

— Que doidera, isso é muito maior do que eu pensava. Tô até sentindo calafrios – Kuwabara disse assustado.

— Bom...era isso que eu tinha pra falar. Eu vim ao Mundo dos homens investigar os ataques dos demônios pra ver se descobria algo, se alguém estava enviando eles.

— E conseguiu alguma coisa?

— Não, ainda estou sem respostas. Mas me digam. Se algo chegar a acontecer...o que vocês fariam? Eu poderia contar com vocês nessa guerra?

Essa pergunta me pegou de surpresa, embora eu soubesse que ele a faria mais cedo ou mais tarde. Ele sabe a resposta. Óbvio que eu o ajudaria, porque lutar é o que eu fazia de melhor. Além disso, apesar de ter nascido como humano e vivido no Ningenkai toda a minha vida, eu sou filho de Raizen, o demônio que por muito tempo dominou o Makai, aquele que todos temiam. Tudo que tem relação com esses dois mundos me envolve. Eu faço parte dessa luta, não tem como escapar.

— Bom...Koenma acho que você me conhece. Já estou envolvido demais pra poder me desvencilhar agora. É claro que eu estarei aqui se você precisar.

— Eu já sabia. Muito obrigado Yusuke, você é um grande amigo. E você Kuwabara?

— B-bom...é que...eu.. – Ele gaguejava sem parar ao mesmo tempo em que suava frio – Olha... eu não luto faz tempo...e eu tava estudando, tentando levar uma vida normal...desculpem, não sei se posso e nem se quero participar disso.

— Kuwabara não precisa se preocupar e nem se desculpar. Vou entender completamente se não quiser participar. Você não vai deixar de ser meu amigo por isso.

Apesar das palavras sinceras de Koenma, a chateação ficou estampada no rosto de Kuwabara.

— Bom...fiquem atentos por enquanto, cuidado com os demônios que tem invadido o Mundo dos homens. Estejam sempre alertas. – Concordamos com a cabeça. – Yusuke, qualquer coisa volto a entrar em contato com você. Combinado?

— Sim, bom vou chamar a Keiko pra irmos embora.

NÃO! – Como se de uma hora pra outra tivesse enlouquecido, Kuwabara gritou me fazendo pular de susto.

— O que foi cara? Tá maluco?

— Até parece que vocês não me conhecem! É claro que vocês podem me chamar se precisarem! Eu sempre estive com vocês e não é agora que vou faltar. Não me deixem de fora. Entenderam?

Koenma e eu sorrimos. Kuwabara não é o tipo de pessoa que deixa alguém na mão. Na verdade é o melhor amigo que alguém poderia desejar.

É assim que se fala garoto! – Respondi o agarrando pelo pescoço.

Keiko e eu nos despedimos de todos e fomos para casa, sem trocar uma palavra pelo caminho. Foi um dia cheio e exaustivo, então apenas chegamos em silêncio e nos preparamos para dormir. Eu sabia que ela estava preocupada e queria saber o que estava acontecendo, mas não tive coragem de falar e então só a observei sentar na cama, encarando fixamente o chão até conseguir reunir forças para me perguntar.

— Você vai entrar em alguma confusão mais uma vez?

— Isso depende. Você mais me apoiar como das outras vezes?

Ela ficou cabisbaixa. Sabia que ela estava prestes a chorar e isso me dilacerava por dentro.

— Não quero que você suma de novo Yusuke, como a gente fica nessa história?

— Keiko...eu não vou sumir, mas eu preciso fazer o que acho certo. Nós vamos continuar sempre juntos, porque você é tudo que eu tenho de mais importante na vida, isso nunca vai mudar. Por favor...

Eu a abracei e segurei seu rosto, o virando em direção ao meu e então pude ver as lágrimas contidas em seus olhos.

— Eu vou com você...pra onde você for.

— Keiko pode ser perigoso, você não pode ir. Sem chance.

— Sem chance digo eu. O mesmo perigo que existe pra mim existe pra você. Já pensou o que eu faria sozinha se algo te acontecesse? Não Yusuke...eu vou com você sim.

Eu não estava em posição de discutir e sabia que ela não ia desistir dessa ideia. Então, apenas a beijei com toda a vontade que eu tinha, gesto esse que foi retribuído e se tornando cada vez mais íntimo. Quando dei por mim, minhas mãos apressadas já estavam retirando a camisola que Keiko havia acabado de colocar. Naquele momento nada me importava. Nenhuma história de guerra ou Mundo dos Deuses, eu só queria estar com ela.


Notas finais:

[1] Referência ao episódio "O Segundo Torneio do Makai de Yu Yu Hakusho – Eizou Hakusho" – é um OVA de mais ou menos 1 minuto que vem após o término do anime. Tomei a liberdade de transformá-lo em um sonho do Yusuke na minha fanfic. Link para assistir: watch?v=7dLIlnTTcP0

[2] No fim do mangá Yusuke começa a trabalhar fazendo lámen na rua.

[3] No fim do mangá Keiko revela que vai se dedicar ao magistério.

[4] Fato que ocorre no fim do mangá, mas não no fim do anime.

[5] Yukina no fim do mangá fica morando com a família Kuwabara.

[6] Yusuke ao fim do mangá termina ainda sendo um detetive sobrenatural, mas não tem muito serviço, já que humanos e youkais passam a conviver em harmonia.

[7] Lembrando que no fim do Anime e do mangá, Enki foi o vencedor do torneio no Mundo dos demônios e seu primeiro desejo como "presidente" foi que os demônios não perturbassem os humanos.

7 de Marzo de 2018 a las 14:00 0 Reporte Insertar 3
Leer el siguiente capítulo Clã Komorebi

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 20 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión