Nightingale Seguir historia

sr.-artie Sr. Artie

O inverno é só uma estação. Isto é, para muitos. ´ Para ele, o inverno é a metáfora perfeita para definir seu coração: frio, infértil e triste. Mas o inervo finda-se com o canto de um rouxinol – o prenúncio da chegada da primavera. Poderia seu inervo metafórico findar também?


Fanfiction Anime/Manga Todo público.

#Romance #Sakura Haruno #Sasuke Uchiha #SasuSaku #Naruto
Cuento corto
14
7358 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único: Nightingale

Notas da História:

Os personagens pertencem ao Masashi Kishimoto, porém, a história é de minha autoria.
Último volume da série "Cartas". (Continuação de Superman)

Capa criada pela Caroll Gois
História betada pela lindíssima e prestativa Bonnie Wolff (Nyah Liga dos Betas).
História baseada na Música Nightingale da Demi Lovato ~Rainha do meu coração~
História postada no Nyah, SocialSpirit e Wattpad
*SasuSaku*


Nightingale

By: Sr. Artie

Capítulo Único


Estava no chão frio, deitado sobre um enorme véu branco de neve. Os olhos de ônix, impassíveis, olhavam o céu negro e imponente que se estendia até o horizonte. O braço direito – o único braço que possuía – encontrava-se embaixo da cabeça, servindo de travesseiro para mais uma noite de sono. Tinha uma expressão vazia no rosto, como se o coração tivesse sido expurgado de todas as emoções.

Inutilmente, tentava dormir essa noite. Estava impaciente e confuso desde cedo, devido à correspondência que colhera ao passar pelo País da Cachoeira. No começo, acreditou que era mais uma simples missão para cumprir a mando de Kakashi. Contudo, enganou-se terrivelmente. Era uma carta. Dela.

Temeroso, Sasuke a leu.

A sua primeira reação foi xingar mentalmente a sua ex-companheira de time pela carta de amor que recebeu. Aquilo era uma grande piada. Ele era um vingador, ou melhor, um ex-vingador. Em todo caso, não poderia ser associado a um super-herói. Ela estava fazendo chacota e rindo à sua custa, por fim, concluiu.

Depois, sorriu, repuxando timidamente o canto da boca. Ela nunca seria capaz de fazer-lhe isso. Era uma comparação tola, admitia. Porém, ainda assim, era somente Sakura sendo a Sakura. Demonstrando o seu amor como sempre fez, sem esconder os seus sentimentos e restringi-los para dentro de si.

Apesar disso, agora, ele estava extremamente nervoso. Não conseguia dormir. Toda hora a sua mente o levava a pensar na declaração da menina. Não era novidade o que a kunoichi sentia pelo Uchiha mais novo. Também não era novidade – ao menos para ele – a vontade que o mesmo possuía em retribuir devidamente os sentimentos da garota.

Só que não estava pronto ainda, sabia disso. No momento em que decidisse entregar-lhe o seu coração, o ofereceria completamente preenchido por sentimentos bons. Sem ódio, raiva ou mágoas. Dar-lhe-ia o seu coração quando nada mais habitasse nele senão o amor que sentia por ela.

Você realmente irá me esperar Sakura?

O moreno indagou em meio ao amontoado de pensamentos. Estava aflito com a carta, embora a expressão em seu rosto não demonstrasse isso. Estava angustiado com a declaração que não esperava receber. Não ali, tão longe de casa. Sakura era impressionante, pois sempre o surpreendia.

Puxou o papel do bolso da sua capa preta. Releu-o.

Ela compreendeu o poke.

Ficou feliz ao saber que menina com o nome de flor havia entendido o acordo mudo. E embora ela não soubesse sobre isso, tratava-se de um acordo que decidiria a vida de ambos. A vida a dois que eles levariam quando o garoto apaixonado, que se encontrava deitado sobre a neve, retornasse para casa.

Amar-me tornou-se uma dádiva?

Perguntou mentalmente. Sorriu. E não um sorriso contido, como o que deu mais cedo. Sorriu expondo toda a arcada dentária. A Haruno o esperaria até o fim dos tempos. Teve a total certeza. Porque fora ela que o vira como um super-herói, mesmo que não fosse digno de tal título. Também, fora ela uma das pessoas que mais se arriscara para protegê-lo, afinal.

Guardou a carta.

Novamente, tentou dormir. E conseguiu. Por míseros vinte minutos.

Seus olhos tornaram a abrir e seus pensamentos concentram-se outra vez na carta da Sakura e nos seus sentimentos. Pensou e repensou sobre o conteúdo que já tinha lido e relido diversas vezes.

Deveria eu responder?

Negou, balançando a cabeça. Sakura não esperaria uma resposta para aquela carta. Ela tinha ciência que ele não era do tipo romântico. Não responderia aquilo, não mesmo.

Não custaria nada agradecer pela carta e pelos seus sentimentos.

Possuía noção de que nunca havia dado o tratamento correto ao afeto de Sakura. No passado, existiam fatores externos de maior importância que necessitavam de maior atenção dele do que questões amorosas.

O portador do sharigan era, antes de tudo, um abnegado. Sasuke, por anos, reprimiu os sentimentos que tinha pela Sakura para cumprir a sua vingança. Hoje, entretanto, sabia que o melhor para si próprio e para Sakura, talvez, fosse não ter fugido daquilo que sentia e ainda sente. Seu irmão, embora fosse uma grande incerteza, poderia estar vivo. Mas talvez ainda fosse o alvo de todo o seu ódio. E Sasuke, apesar dos acontecimentos fatídicos, hoje tinha consciência que o Itachi não o merecia.

Decidiu então, pela primeira vez, deixar o amor aflorar no seu coração surrado. Retirou papel e lápis da bolsa que carregava seus pertences. E sobre o céu negro de uma noite fria de inverno, pôs-se a escrever tudo que manteve oculto por anos.


Sakura,

Recebi sua carta. Nunca imaginei que você iria encontrar uma maneira de declarar-se para mim, mesmo eu estando tão longe de casa. Você é irritante. Sempre me surpreendendo. Mas não vou mentir como nas demais vezes. Eu gostei de recebê-la.

Sinto-me honrado por ser aquele que está no centro dos seus sentimentos. E igualmente agradecido, também, por ser capaz de me amar após todo o mal que eu causei, principalmente, a você.

Eu não consigo dormir essa noite. Estou acordado e confuso. Meus pensamentos estão voltados para você, Sakura, e eu sinto medo disso. Não sei se serei capaz de retribuir o que sente adequadamente e eu não desejo mais feri-la. Tudo está ordem, o mundo shinobi está em paz, mas entenda que eu ainda estou ferido. E não sei por quanto tempo permanecerei assim.

Chamar-me de herói foi um grande absurdo. Não chego perto disso. Sou indigno de tal tratamento. Não consigo salvar a mim mesmo, quem dirá a outro alguém. O amor está afetando sua capacidade de julgamento, Sakura. A verdade é que sou eu quem precisa de uma voz para ecoar. De uma luz que me leve para casa. De uma estrela que me guiasse. Eu não sei. Algo tipo uma heroína, ela não seria você?

Nunca enxerguei a vida como algo bom. Na verdade, a vida nunca me foi algo bom. Sempre se mostrou adversa a mim, fazendo-me provar do seu pior lado – marcado pelo ódio, pela dor e pelas mágoas. É por isso que eu nunca vi o bosque, sempre enxerguei apenas o mato. Eu poderia usar sua melodia, sua voz, pois eu estou um pouco cego. Acho que é, finalmente, o tempo para você me encontrar, Sakura.

Eu preciso de alguém que fale comigo. Estou me sentindo péssimo, como em um inferno. Preciso de você para me responder. Sozinho, eu estou sobrecarregado. Eu não sei o que eu faria sem sua presença em minha vida. Sem suas palavras. Elas são como sussurros, elas me atravessam e provocam algum efeito positivo em mim.

Então, quando esse longo inverno acabar e a primavera despontar como uma nova estação, você poderia ser meu rouxinol? Cantar para mim e me trazer paz, pois é você minha sanidade. Alguma noite, quando eu voltar à Konoha, eu espero que cante para eu dormir e me diga que será meu rouxinol, por favor. Porque eu sei que enquanto te tiver ao meu lado à noite, eu estarei bem.

Aquele que precisa de você,

Uchiha Sasuke.


Os olhos negros estudaram todo o conteúdo do papel. Examinou a caligrafia trabalhada e decorou cada palavra escrita.

Sorriu.

Por fim, adormeceu sobre a neve fria.

4 de Marzo de 2018 a las 13:54 0 Reporte Insertar 2
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~