Cisne Branco Seguir historia

delryne Delryne Aligheri

Uma perfeita mistura de metáforas e poesias em cada palavra dita por ela, sentimentos plenos e duradouros transmitidos pela bela anatomia do teu rosto destacado entre tantos outros. Era uma bailarina solitária dançando em um salão vazio igualmente ao teu coração.


Drama Todo público. © Todos os direitos reservados.

#drama #amor #Entrepreneur #tristeza #bailarina #solidão #insegurança #aflição #amor não correspondido #balé #cisne
Cuento corto
8
7479 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Coração Empoeirado

Em poucas palavras, não irei conseguir descrever tamanho esplendor daquela linda mulher, que com teus passos leves e sedativos impressionava qualquer um que voltasse seu olhar para vê-la bailar. Uma perfeita mistura de metáforas e poesias em cada palavra dita por ela, sentimentos plenos e duradouros transmitidos pela bela anatomia do teu rosto destacado entre tantos outros. Era uma bailarina solitária dançando em um salão vazio igualmente ao teu coração.

Adorava admira-la mesmo sendo em uma grande distância, não podia aproximar-me, pois caso contrário, iria me cegar-me com teu brilho. Um cisne negro também é capaz de expor tua luz, mas uma luz que somente eu poderia ver. Apesar de toda essa iluminação, conseguia enxergar claramente tua boca avermelhada como sangue atentando-me para que a minha avizinhasse junto a dela. Por algum motivo aparente, sou apto o suficiente para controlar-me. Mal sabia eu que na realidade, estava desperdiçando tudo o que um dia desejei ter.

Em meio aquele salão vago, avistei alguém próximo ao cisne negro, que de repente, foi tocado pelo desconhecido transmitindo uma luz ainda mais forte. Tapei minha visão e quando olhei, havia tornado-se um deslumbrante cisne branco. Estava ainda mais linda, teus cabelos negros caíam pelo teu rosto destacando tua pele branca como neve e lisa como seda. Hipnotizou-me, meus olhar estava preso ao dela, porém meus pensamentos só conseguiam voltar-se-á ao misterioso que surgiu ao lado da bailarina agora não mais solitária.

As luzes do salão acenderam, existia uma platéia oculta que aplaudiram o espetáculo que mal havia começado. Pude ver que era, alguém que não conhecia, dançava apaixonadamente com o belo cisne branco que antes estava apenas com teu coração vazio. Transbordava agora sentimentos de amor, carícia e ternura. Eu a admirei tanto que acabei por esquecer completamente do meu, atualmente, vazio e empoeirado.  

2 de Marzo de 2018 a las 01:25 1 Reporte Insertar 9
Fin

Conoce al autor

Delryne Aligheri Apenas mais uma sorumbática escritora vagando por um funébre mundo. A partir do momento em que comecei a ter percepção da existência, prometi a mim criar inúmeras histórias onde o caos e a soturnidade reinavam como verdadeiros imperadores de um vazio já existente. O verdadeiro reflexo de Edgar Allan Poe procurando um espaço maquiavélico e silencioso. Além de autora, também sou artista, poetisa nas horas vagas e futura violinista.

Comenta algo

Publica!
Mateus Álvaro Mateus Álvaro
Essa é um dos seus textos mais bonitos, interessante é que conta do ponto de vista de um personagem que é somente observador do romance. Pode ser interpretada de um jeito triste ou feliz, depende do que a pessoa tá vivendo no momento.
1 de Marzo de 2018 a las 19:42
~