Idiotamente Apaixonado Seguir historia

taimatsu_kinjou Taimatsu Kinjou

Por que não consigo tirar esse egípcio idiota da minha cabeça?? Eu não gosto dele, p****!!! (escrito em 2012)


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18. © Kazuki Takahashi

#Marik Ishtar #Yami Bakura #sexo #lemon #yaoi #romance #comédia #yu gi oh! #thiefshipping
2
6749 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

I Parte

"Urg! Maldita dor de cabeça." me sentei no sofá gemendo, tenho que me lembrar que não é uma boa ideia dormir no sofá. Esfreguei minha testa, minha cabeça doía como se estivesse se preparando para explodir em milhões de pedacinhos a qualquer momento.

Olhei ao redor, mas isso só fez com que minha cabeça latejasse mais e mais, então voltei a me deitar esperando que isso ajudasse. Bufei encarando a TV, porra, o controle estava no chão, mas alguns míseros centímetros pareciam zombar da minha cara e se mantinham entre mim e o controle. Rosnei como se isso fizesse o objeto inanimado criar pernas e correr ate mim por medo ou pulasse em minha mão.

MALDITOS OBJETOS INANIMADOS! EU OS AMALDIÇOU!

Não faço ideia do por que estou me sentindo tão mal nesses três dias. Era algo que me embrulha o estômago, me tira o sono, faz minha cabeça latejar e me deixa mais irritado que o normal. Resumindo: eu me sentia como um monte de merda!

Rangi os dentes quando me levantei porra de dor de cabeça. Caminhei ate a cozinha. Meu apartamento não é grande, é de um bom tamanho apenas para duas pessoas viverem e como eu moro sozinho às vezes parece grande demais. Olhei na geladeira e não encontrei nada que parecesse comestível, eu sei muito bem que é minha culpa isso acontecer, afinal estou trancado, mofando, dentro desse lugar já faz três dias e nem me preocupei em sair pra comprar comida.

Bufei, mesmo que tivesse algo tenho certeza que não conseguiria comer, meu estômago embrulhava e reclamava, mas não de fome. E isso estava me deixando irritado.

Caminhei ate o banheiro, eu estou ciente que preciso de um banho pra tentar relaxar, mas não é algo que esta me preocupando no momento. Olhei para o espelho, estou mais pálido que de costume, e são visíveis olheiras abaixo dos meus olhos.

Ai cacete.

Realmente to um lixo.

Com um ranger de dentes abri o armário pedindo internamente que ainda tivesse algum remédio pra acabar com essa porra de dor de cabeça! Para a minha alegria, ainda existe isso no meu armário. Levei um à boca o engolindo sem água mesmo, escovei os dentes, eu não devia ter comido aquele frango na noite passada, aquilo grudou nos meus dentes igual cimento!

Terminei de lavar o rosto e me encostei a pia olhando sem expressão para a parede a minha frente, eu sei que deveria sair e comprar decente algo pra comer, mas não é como se eu já estivesse me sentido preparado para enfrentar o mundo la fora.

Eu realmente não quero sair ainda! Principalmente ir a uma loja de conveniência e ter que aturar funcionários imprestáveis e uma fila enorme!

Voltei a sala e me deitei no sofá novamente, agora com o controle nas mãos, liguei a TV mudando de canal enfadonho, realmente não passa nada que presta. Tentei achar uma posição confortável no sofá, o que era impossível! Tenho que me lembrar de troca-lo quando tiver dinheiro sobrando, o que só vai acontecer quando o inferno congelar, já que estou sem emprego.

Como se isso fosse alguma novidade... E não me perguntem como eu sobrevivo, porque nem eu sei explicar isso.

Meus olhos vagaram ate o relógio, meio dia. Eu poderia ter percebido isso se eu tivesse deixado a luz do sol entrar no meu apartamento nos três dias que estou trancado aqui, mas nem me preocupei em abrir as cortinas. Pra quê eu iria querer ver a porra da luz do sol?

Desliguei a TV me virando para encarar o teto. Passei as mãos em baixo das almofadas tentando achar o maço de cigarros "Tenho certeza que deixei aquela porra aqui." murmurei para mim mesmo.

Deixei um largo sorriso se formar no meu rosto quando o encontrei junto com o isqueiro. Quase desesperadamente, levei um aos lábios e o acendi dando uma longa tragada e logo em seguida deixei a fumaça sair da minha boca satisfeito.

Cigarros. Eles são relaxantes e me ajudam a pensar melhor.

Esse é o único vício que adquiri ate hoje. Não sou um fumante compulsivo, mas preciso dos meus cigarros quando estou com raiva, estressado ou quando tem algo me incomodando e não sai da minha cabeça. Momentos como este que estou passando agora.

Observei a fumaça ondular sobre mim, levei o cigarro aos lábios novamente tragando de olhos fechados. Deixo meu braço pendurado ao lado do sofá, o cigarro quase tocando o chão, enquanto olho para o teto. Silencio. Esse é um dos motivos deu morar sozinho, ninguém pra me encher por estar fumado ou pra me obrigar a limpar o apartamento.

Mas junto com o silêncio vem as imagens, memórias que eu tinha deixado jogadas e intocadas no fundo da minha mente, mas elas não estavam querendo me deixar em paz. É exatamente nesse momento que eu odeio o silêncio do meu apartamento e gostaria de ter alguém pra conversar e me distrair.

Porra, eu só quero sossego! Esquecer essas memórias. É pedir demais!?

E essas lembranças tinham cabelos loiros, pele caramelo, brilhantes olhos lavandas e um lindo sorriso....

Perfeito, agora essa imagem vai ficar me atormentando o resto do dia! Tão de sacanagem com a minha cara! Só pode!

Senti um grunhido querer escapar da minha garganta, mas o estrangulei, esfreguei meus olhos como se isso ajudasse a esquecer tudo. Eu tinha que esquecer isso, merda! Eu tinha que parar de pesar no que aconteceu há três dias.

PORRA, EU NEM SEI O QUE TINHA ACONTECIDO PRA EU FICAR ME SENTINDO UM LIXO!

~o~

Bufei, provavelmente pela milésima vez desde que acordei, e fui ate meu quarto com uma toalha enrolada na cintura e outra secando os cabelos, precisava encontrar roupas limpas. Revirei meu guarda roupa, encontrei uma camiseta preta que parecia estar limpa e uma calça moletom surrada, as vesti. Olhei para o espelho novamente e desisti na hora em tentar desembaraçar meu cabelo, esta pior do que estou acostumado a ver.

Voltei a cozinha vasculhando os armários, ainda havia chá, peguei um copo, que para mim deveria estar limpo, coloquei água e o levei ao micro-ondas. Eu realmente amo o micro-ondas! É simplesmente a melhor coisa que já inventaram.

Procurei meu maço de cigarros nos bolsos da calça e com alegria levei um cigarro aos lábios o acendendo. Traguei me sentindo relaxar mais. Olhei em volta, eu realmente precisava dar uma limpada nisso, mas não era como se eu estivesse no animo pra fazer isso nesse momento.

Tamborilei meus dedos na mesa esperando meu chá e senti as memórias começarem a voltar, mesmo que eu lutasse contra elas, e minha cabeça voltou a doer. Porra, quando o remédio vai fazer efeito?

Meu chá ficou pronto e me sentei bebendo um gole desse liquido relaxante, fechei os olhos apreciando o sabor do provável chá de canela. Levei o cigarro aos lábios o prendendo entre eles sem tragar. Suspirei fundo, estava tudo silencioso.

Rosnei jogando o copo no chão e sorri para o som do vidro se quebrando, já faz muito tempo que eu não destruo algo, isso me fazia ficar tão calmo e é muito bom ouvir algum som ecoando no meu apartamento, mas logo tudo voltou a se silenciar. Suspirei olhando para a mesa, novamente o silencio e isso só ajudou as lembranças voltarem a me atormentar.

Meus supostos amigos...

Uma conversa sobre alguém especial...

A falta daquele lindo sorriso infantil...

E um rosto bonito e angelical...

...

...

...

PUTA MERDA.

EU PENSEI ISSO MESMO!?

CACETE, O QUE TA ACONTECENDO COMIGO?

Desde quando eu penso em rosto bonito e angelical? O que havia de errado comigo? Eu costumava dizer que aquele era um rosto de criança e assistia com orgulho aquele rosto ficar irritado e aqueles lindos olhos lavandas me encararem como se quisesse me matar!

...

...

...

PARA DE PENSAR NISSO, BAKURA!

QUAL O SEU PROBLEMA, SEU PUTO?

ESQUECE aqueles lindos olhos lavandas!

Por favor, me da uma folga. Eu não quero pensar nele hoje. Por favor, por favor...

Cacete, tô pedindo por favor, então dá pra parar!?

Rosnei apagando o cigarro em cima da mesa mesmo, levei as mãos aos meus cabelos os puxando com força como se isso fosse afastar todos esses pensamentos, mas isso só piorou minha dor de cabeça. Estou começando a pensar se aquele remédio realmente era para dor de cabeça.

"Porra! Sai da minha mente!"

Eu disse para mim mesmo tentando evitar me lembrar. Eu queria esquecer de tudo, chorar de frustração, gritar ate que minha voz sumisse! Eu só queria que essas sensações parassem, porra!

Parei com o meu mini ataque quando o meu telefone começou a tocar. Eu precisava destruir aquela coisa! Ele continuou e continuou. Aquele dispositivo de controle de mente estava começando a me tirar do serio. Primeiro que não era útil, já que somente uma pessoa se preocupa em ligar para mim e segundo: que essa maldita pessoa não podia apenas ligar e desligar ao perceber que ninguém iria atender. Não! Tinha que deixar uma mensagem na esperança que eu ligue de volta pra saber o que ele quer!

"Alô, Bakura. É Ryou." Revirei os olhos, claro que é, você é o único que liga pra infernizar minha vida. "Bakura, estou ficando preocupado, já faz três dias que não te vejo e... Me ligue quando ouvir essa mensagem, pelo menos pra mim saber que você ainda esta vivo, ok? Te ligo mais tarde."

Caminhei ate o sofá me jogando sobre ele, pegue o telefone, levei o aparelho a orelha e disquei o numero, estava prestes a chamar, mas deixei minha mão cair junto com o aparelho, desistindo. Eu realmente não estava com vontade de falar no momento, especialmente com Ryou, que iria querer saber qual quer o meu problema e eu não queria me lembrar qual quer o meu problema.

Suspirei fundo fechando os olhos e senti as lembranças voltarem lentamente, como se quisesse me torturar muito antes de voltarem a escuridão da minha mente. Fui tirado do meu momento de transe pelo maldito dispositivo de controle de mente! Tentei ignorar o som irritante, mas parecia que o aparelho tocava em irritação por não ser atendido.

"Bakura, sou eu de novo." revirei os olhos. O mais tarde dele é um minuto depois? Quando ele vai desistir? "Atende, eu sei que você esta aí! Não seja um idiota anti-social, nós realmente estamos preocupados com você..."

Nós, ele queria se referir a meus outros amigos, que nem se deram ao trabalho de me ligar pra saber se o imprestável aqui esta vivo. Mas também nem me importo, não sou muito próximo de Yugi e os outros, dos amigos do Ryou, só falo mesmo com Melvin, o namorado estúpido do Ryou e... Marik.

Esse nome faz a minha cabeça doer mais ainda!

"Eu sei que você não acha que todos eles se preocupem, mas eles se preocupam..." ele fez uma pausa suspirando "Especialmente Marik..." meus olhos se arregalaram e meu sangue gelou, instantaneamente me virei para encara o aparelho como se Ryou estivesse ali "Você deveria tê-lo visto, ele não parava de me perguntar se você me ligou de volta e deu sinal de vida. Ele realmente esta preocu..."

Peguei o aparelho antes que ele terminasse a frase "Já chega, Ryou!" o ouvi rir um pouco e pude ver o sorriso idiota que deveria estar em seu rosto "E limpe o provável sorriso estúpido do seu rosto!"

"Mas ainda nem cheguei na melhor parte... Eu queria ter certeza que você esta em casa antes de ir ai por isso te liguei..." resumindo: ele queria me infernizar antes de aparecer pra me infernizar mais ainda "... e Marik mandou que eu te entregasse um bolo de chocolate. Intocado!"

Eu estreito os olhos encarando o aparelho com desconfiança e depois voltei a pressiona-lo contra minha orelha "Mas eu pensei que ele adorasse bolos de chocolate..."

"Como você sabe que ele adora bolo de chocolate, Bakura?"

Rosnei, ele sabe muito bem como eu sei disso, mas Ryou queria me atormentar. Aquele puto! Eu sentia o sorriso triunfante na voz dele. Bastardo! "É impossível não saber, ele é um tipo de tara por bolos de chocolate!" o ouvi rir um pouco.

Mas eu não estou mentindo! Marik é viciado em bolos, a primeira vez que o vi atacando um bolo eu fiquei horrorizado, aquilo era...

Traumatizante...

Assustador...

Bizarro...

E acima de tudo, era hilário...

"Também tem uma mensagem junto ao bolo. Devo dizer agora ou quando eu estiver ai?" rosnei "Ok, acho que vou te dizer quando estiver ai."

Olhei para o aparelho em descrença. Ryou faria isso comigo? O desgraçado sabe que eu sou extremamente curioso e vai me torturar com isso! É uma bicha mesmo.

"Ryou!" rosnei o ouvindo rir do outro lado. Babaca.

"Hm... Serio Bakura, seria mais interessante entregar a mensagem com o presente, não é?"

É, seria muito interessante, mas ai eu enfio a minha curiosidade aonde? No teu rabo? Suspirei fundo me segurando pra não responder desse jeito ou ele faria coisa muito pior do que me deixar na curiosidade. Ele comeria o bolo que Marik me mandou! Ele tem que parar de passar tanto tempo com o Melvin, tá começando a me assustar.

"Não é presente!" pude ver o sorriso se formando no rosto dele "Ryou, eu juro que te espanco quando você aparecer aqui se não me disser a merda da mensagem agora!"

"Calma, não precisa fazer ameaças." Calma é o cacete! Eu sei que você só quer me torturar! "A mensagem é: Deixa de frescura e coma isso pra não morrer de fome, aberração albina!"

Eu comecei a rir "Depois de todos esses anos ele ainda usa esse apelido idiota? É apenas estúpido!" Não só pelo apelido idiota, mas também porque Ryou não fala palavrões. Ele se recusa a dize-los. Provavelmente a mensagem era: Deixa de frescura seu puto! E coma isso pra não morrer de fome, aberração albina!

"Mas falando serio, Marik esta preocupado com você, Bakura."

Parei de rir no mesmo instante e franzi a testa seriamente. O que ele quer dizer com isso, caralho? "E por que eu deveria me importar com isso?"

"Puxa, não sei... Talvez porque você gosta dele?"

"Eu não gosto dele."

"Bem, então porque você só sai comigo e meus amigos quando digo que Marik vai estar lá?" Abri a boca, mas resolvi fecha-la, qualquer coisa que eu diga agora, vai ser usado contra mim em algum momento mais tarde. É assim que as coisas funcionam com Ryou. "E porque você parece mais feliz quando Marik esta por perto?"

"Eu apenas gosto de discutir com ele." respondo distraidamente olhando para a TV desligada.

PUTA QUE PARIU!

Dei um tapa na minha própria testa e arregalei os olhos ao perceber o erro que acabei de cometer. Eu tenho que aprender a calar a minha boca!

"Sim, e vários casais se comunicam dessa forma." O que foi que eu disse? O Ryou não presta! "Admita Bakura, você gosta do Marik!"

"Não, eu não!"

"Você esta agindo como uma criança birrenta agora."

"E daí?" pergunto erguendo uma sobrancelha para o nada.

"Bakura, apenas admita que você se preocupa com alguém e essa pessoa é Marik." Agora ele usou aquele tom chato de mãe quando esta dando bronca. Típico do Ryou.

"Não tenho nada pra admitir"

"Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik."

Olhei para o aparelho em horror. Ryou tá de sacanagem com a minha cara, néh? Ele realmente faria isso!? Ele ficaria repetindo ate que eu me irritasse e concordasse com ele ou apenas desligasse na cara dele. Mas isso seria um problema, pois o puto iria ligar novamente e mesmo que eu não o atenda vai deixar milhares de mensagens repetindo isso só pra transformar minha vida em um inferno!

Ele já fez isso comigo quando eu disse que não gostava de doces, o que era uma mentira, por fim acabei admitindo que gostava de doces ou eu o socaria só pra calar a boca dele e me deixar em paz.

"Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik."

"Quem esta agindo como uma criança agora?" pergunto bufando. Ele não vai parar tão cedo "Você sabe, só porque você fica repetindo isso, não vai se tornar verdade." Mas ele não parou.

Eu balancei a cabeça, eu não podia admitir isso, eu nunca vou me apaixonar! NUNCA! Eu sempre pensei apenas em mim mesmo, sempre fui sozinho e isso não iria mudar só porque o puto do Ryou fica repetindo uma frase estúpida! Eu queria poder calar a merda da boca dele nesse momento! De preferência com um soco, mas uma mordaça também seria útil.

"Bem, faz sentido que você goste do Marik. Você gosta de coisas doces." juro que vi ele sorrindo bem na minha frente.

"Marik não é doce, ele é chato!"

"Serio? Então por que você o chamou de docinho no outro dia?"

"Era para irita-lo, nada mais!"

"Ok, mas eu me pergunto: como você sabe se Marik é doce ou não?"

Agora ele me irritou! Desliguei na cara dele e cruzei os braços carrancudo! Sim, sou um mau humorado do caralho, e daí? Olhei para o aparelho como se o desafiasse a tocar e o desgraçado teve a ousadia de tocar! Ignorei, liguei a TV coloquei em um canal qualquer apenas para abafar o som do dispositivo de controle de mente! Mas logo em seguida veio aquela voz. Estridente. Irritante. Chata. E muito afeminada.

"Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik.Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik."

Olhei para o aparelho, meu olho esquerdo começou a se contorcer. Ryou realmente faria isso comigo? Suspirei fundo quando ele desligou, coloquei a TV no mudo para o caso dele ligar novamente. E eu estava certo, ele voltou a ligar.

"Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik.Você gosta do Marik. Você gosta do Marik. Você gosta do Marik.Você gosta do Marik."

Fui ate a cozinha ignorando a voz dele, peguei outro copo e o enchi de água, da torneira mesmo, bebi um longo gole antes de erguer uma sobrancelha percebendo o silencio que voltou a reinar. Ryou finalmente desistiu!

Agora você me pergunta: Bakura seu idiota, não seria mais fácil tirar o telefone do gancho?

Não, porque estou esperando que pelo menos alguém me ligue dizendo que tenho um novo trabalho, então definitivamente eu não posso fazer isso e me arriscar a ficar sem emprego por mais tempo!

Voltei a sala me sentando no sofá, olhei em volta, o silêncio finalmente. Fechei os olhos deixando minha cabeça descansar sobre o encosto e suspirei fundo tentando relaxar. Minha mente vagou ate a imagem de certo egípcio viciado em bolo de chocolate.

E foi ai que minha mente me traiu!

Comecei imaginar Marik lindo, leve e solto comendo bolo.

...

...

...

PUTA. QUE. PARIU.

QUE TIPO DE PENSAMENTO FOI ESSE!?

Caralho, que imaginação mais filha de puta que eu tenho! Imaginar Marik comendo bolo, livre, leve e solto!?

ISSO É MUITA BIZARRICE PRA UMA PESSOA SÓ!!!


27 de Febrero de 2018 a las 12:13 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo II Parte

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 2 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión