Honestidade Seguir historia

ohhtrakinas Sasah Trakinas

Se não fosse o "efeito" da honestidade que a bebida causava, nada daquilo teria acontecido.


Fanfiction Todo público.

##midoriya ##todoroki ##tododeku
Cuento corto
11
7.2mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

one-shot

Estava aéreo, não podia negar. Depois de alguns shots de tequila e uns copos de energético com vodka, Todoroki Shoto tinha certeza que não responderia por seus atos.

Nunca foi esse tipo de pessoa, a que sai e se diverte fora de casa. Sempre fora um rapaz reservado que agia com seriedade, todavia, tal comportamento mostrou-se menos praticável depois de uns tempos pra cá. Assim que fez vários amigos de confiança, sentia que poderia se soltar, agir com liberdade, e até sair a noite para uma balada qualquer e encher a cara.

-Por que não liga pra ele? –Disse uma mulher desconhecida que trabalhava no balcão da balada.

-Eu não sei se deveria... –Murmurou Todoroki com a voz arrastada. Estava debruçado sobre o balcão, segurando um pequeno copo que continha whisky.

-Já é a décima vez que diz isso!

-Eu... Eu deveria mesmo? Mas não sei se deveria...

-Céus, está tão bêbado que não dá para ter um dialogo com você! Quer saber? Vou pegar um pano para limpar esse balcão e eu já volto.

-Tudo bem... –Deu de ombros, logo em seguida virando o pequeno copo e sentindo a garganta arder.

Por breves segundos de puro silencio de sua parte, o dono de cabelos bicolores logo se perguntou como diabos a tal mulher sabia de seu desejo em fazer uma ligação para Midoriya. Por que ela disse: “Por que não liga para ele”?

Mal sabia ele próprio que havia contado de praticamente toda a sua vida para a mulher estranha. Não costumava abrir-se para os outros, mas parecia que quando ficava bêbado, virava uma pessoa comunicativa que era amigo de todo mundo.

-O que será que eu disse pra ela? Será que eu contei que eu gosto do Midoriya? –Estreitou os olhos, preocupado –Merda, eu espero que não –Esfregou os cabelos, respirando fundo.

Vendo que estava sozinho naquele balcão, enquanto todos os seus outros amigos estavam na pista dançando, bebendo e gritando entre si, para se distrair, Todoroki puxou seu celular e começou a mexer.

Entrando na galeria, observava as imagens que tinha sem muito interesse, porém, de repente, não soube como, estava digitando números aleatórios no celular até que o coloca na orelha.

Para quem estava ligando?

-Alô?

-Puta merda, Midoriya!? –Gritou, desesperado, pronto para desligar.

-Todoroki?

-POR QUE EU ESTOU FALANDO COM VOCÊ?

-P-por que você acabou de me ligar...

-Eu te liguei?

-... Vocês está bem?

-...

-Todoroki?

-Ah, desculpe, desculpe... Eu não queria incomodar.

-Você queria falar alguma coisa comigo? Nossa, que barulheira é essa?

-Padaria...

-Uma balada?

-Padaria...

-Todoroki, não precisa mentir para mim, hahahaha. Com essa barulheira toda, acredito que esteja numa balada.

-Um pouco...

-Um pouco? Hahaha, você está falando de uma maneira estranha, Todoroki! Por acaso está bêbado?

-Tô não...

-Não adianta mentir pra mim, Todoroki, eu sei! Eu me pergunto porquê você ligou justo para mim quando está bêbado.

-Eu também não sei.

-Já ouviu falar que o homem bêbado é o mais honesto?

-Não.

-Pois bem, vou aproveitar de sua honestidade para saber o porquê de você ter me ligado em plena a madrugada. Pois então, por que me ligou?

-Por que eu te amo.

-... Que?

-Que?

-O que você disse!?

-... Ahm... Tchau.

E desligou o aparelho com tamanha rapidez que duvidava ter.

-Que porra eu acabei de fazer? –Disse a si mesmo, embriagado, desacreditado, horrorizado, em pânico.

Seu coração batia descontroladamente, e soava frio. Pensava que a qualquer momento iria desmaiar, e que de fato, iria!

Nunca, jamais, em momento algum, se imaginaria falando tais coisas para Midoriya. Não descaradamente, por impulso. Não mesmo! Gostava do mesmo de forma escondida, ninguém sabia de seus sentimentos para com o esverdeado.

Ninguém além da estranha que trabalhava no balcão...

De repente, leva um grande susto ao sentir seu celular vibrar.

Olhando no visor, sua expressão tornou-se horrorizada novamente assim que identificou o número.

Engoliu a seco, e tomou coragem. Por fim, atendeu:

-Oi... –Disse contidamente.

-... É verdade?

-O que?

-O que você disse pra mim!

-... O que?

-Não se faça de sonso, Todoroki! Sabe muito bem o que acabou de dizer pra mim! Disse que me amava!

-Disse?

-Disse!

Apertou os lábios, cogitando seriamente em suicídio. Arrependia-se de ter bebido, de ter despertado esse terrível novo sentido chamado honestidade.

Todavia, uma lambada acendera em sua cabeça. Poderia botar a culpa na bebida, afinal, está bêbado.

Que mal haveria dizer tudo o que realmente sentia para Midoriya?

Foda-se, pensou.

-É...

-É, o que?

-Eu disse isso mesmo.

-Eu sei o que você disse!

-Eu fui honesto.

-Foi?

-Demais...

-...

-...

-... Todoroki, eu... E-eu não sei o que dizer, tipo...

-Diga que me ama também, Midoriya... –Ousadia. Descobriu que, além da honestidade, a bebida despertava ousadia.

-Ora essa, hahahaha –Não estava ao lado de Midoriya, mas sabia que naquele momento o mesmo estava corado. Ah, que gracinha seria o ver corado e rindo...

-É recíproco? –Perguntou, impaciente.

-Eu não sei... Confesso que também te admiro bastante, Todoroki, e ouvir isso de você tão repentinamente me assusta... Talvez seria melhor escutar isso quando estiver sóbrio.

-Mesmo?

-Mesmo...

-...

-...

-... Ok...

-Te vejo amanhã então?

-Sim, claro...

Se é uma coisa que você vai ver amanhã, é eu” Pensava.

-Heh, ok, então. Boa noite e se cuide... Não beba muito. –Tarde de mais.

-Ok.

-Cuidado...

E por fim, Midoriya desliga, encerrando a chamada.

Assim que passara a escutar os toques do fim da chamada, Todoroki despencou o braço no balcão, permanecendo imóvel por algum tempo, em choque. Ainda não acreditou que aquilo realmente aconteceu, que contou de seus sentimentos para Midoriya e que parecia ser recíproco!

Num baque de realidade, abriu bem os olhos e seu cérebro voltou a funcionar.

Rapidamente, pulou o balcão e correu em direção á uma pequena porta desesperadamente.

-ROSANA, VOCÊ NÃO VAI ACREDITAR!!! 

26 de Febrero de 2018 a las 14:28 1 Reporte Insertar 9
Fin

Conoce al autor

Sasah Trakinas Alcoólatra triste.

Comenta algo

Publica!
Avonlea Babe Avonlea Babe
aaaaaah que coisa fofa! principalmente a última parte, quando ele vai falar para a Rosana todo animado o que aconteceu!
March 04, 2018, 17:13
~