Uma nova vida. Seguir historia

biialightwoodpotter B. L. P.

Naruto por muito tempo não foi Naruto. Anos passados em um corpo que não era seu. Anos passados ao lado do amor da sua vida. E mais anos que serão passados com uma família mais completa. (23/12/2017) Imagem: Snow124 https://www.flickr.com/photos/45305087@N02/37004904494/in/dateposted/


Fanfiction Anime/Manga Todo público.

#yaoi #naruto #sasunarusasu #au #transexualidade #universo-alternativo #naruto-sasuke
Cuento corto
24
7305 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Bela e Abençoada.

Naruto por muito tempo não foi Naruto.

Ah não, ele não pertencia àquele corpo. Ele se sentia perdido, entristecido e completamente horrível. Horrível em todos os sentidos possíveis imagináveis.

Ele já não se sentia bem quando criança, mas aos treze anos de idade, quando começaram a aparecer os seios que todas as menininhas da escola ficavam felizes ou envergonhadas com tal coisa, ele se sentia quase como um extraterrestre. Olhava para seu peito no espelho e via aquelas coisas cada dia mais aumentando e se sentia pior consigo. Ele sabia que não deveria ter aquilo e que seu corpo não deveria ser daquele formato.

Quase um ano depois Naruto começou a entender o porquê se sentia daquela forma. Tudo aquilo para entender que ele era um menino.

Era simples.

Simples na mente dele, pois quando na inocência foi falar com sua mãe, ela ficou um tanto quanto... Chocada.

Naruto – que naquela época carregava o nome feminino de nascença – na visão de Kushina nunca tinha demonstrado ser um menino por dentro. Ela nunca tinha sido uma mãe que o proibia de fazer coisas "de menino", ele era livre para brincar e usar o que quisesse. Quando falou com Minato, ele momentaneamente pensou que essa liberdade no uso de "coisas de menino" que tinha influenciado seu garoto, mas depois – com melhor entendimento – descobriu que era só um pensamento ridículo.

O mais novo tivera muita sorte. Seu pai era professor e sua mãe uma psicóloga levemente renomada, ou seja, mesmo com aqueles pensamentos errôneos de começo, ambos sabiam como tratar a situação e como seria o futuro para Naruto.

O Uzumaki passou mais alguns anos no seu corpo de garota, até que finalmente começou a transitar para seu verdadeiro corpo.

Levou algum tempo, até por que era um processo lento e Naruto estava no meio do seu processo da famosa puberdade. Por meses ele tomou sua testosterona e foi mudando seu porte físico, sua voz, seu rosto e finalmente começando a ser quem ele realmente devia sempre ter sido. Naruto.

Aos vinte anos, conseguiu mudar oficialmente seu nome no Estado e agora ele estava completo.

E com essa mesma idade foi quando ele conheceu o amor da sua vida.

Sasuke Uchiha era aquele típico garoto que faz sucesso em tudo. Eles tinham acabado de entrar na faculdade, o moreno fazia Direito e Naruto prestava Veterinária. O Uzumaki sempre teve uma única certeza na vida: ele gostava de garotos. Antes e durante sua transição ele tinha tido algumas paixões platônicas e até beijado umas pessoas aleatórias, mas nada muito sério. E foi ai que chegou o Uchiha em sua vida.

Era de saber social que Sasuke não ligava para o sexo da pessoa que ele beijava, o importante era se ele gostava de tal. Então, para Naruto, aquilo era o mar de rosas.

Quando finalmente ele conseguiu tomar coragem – com muito incentivo de sua amiga de infância Sakura Haruno – e foi falar com o moreno, tinha o coração quase saindo pela boca. Foram amigos por muito tempo, mesmo com Naruto tendo um forte sentimento pelo Uchiha, mas não saíam disso, pois o loiro tinha medo de perder o outro por vários motivos idiotas. O principal era sobre sua troca de sexo.

Já Sasuke também passou muito tempo apenas apreciando a amizade que tinha com o outro, mas dia após dia seu olhar sobre o Uzumaki mudava e ele começou a se questionar se não gostava de Naruto mais romanticamente.

O moreno era um tanto difícil – ou era assim que gostavam de denomina-lo – em relação a com quem ele ficava. Ele já gostava de pensar que era seletivo. Mesmo que todos soubessem que já tinha ficado tanto com homens quanto com mulheres, esses foram poucos. Sasuke não era o tipo pegador. Ele precisava apreciar muito a tal pessoa para que pudesse no mínimo sentir vontade de beija-los. Em relação ao sexo então nem se fale. Foram dois desses poucos. Um garoto e uma menina, há um tempo considerável atrás.

E agora Naruto. Ah sim, ele sentia vontade do corpo de Naruto, e isso tinha crescido gradualmente depois de um tempo de amizade. O Uchiha sentia que podia confiar no loiro e que ele o entendia mais que ninguém.

Quando eles começaram a frequentar um a casa do outro, seu irmão Itachi também começou a o infernizar sobre como eles ficariam lindinhos como um casal. No começo Sasuke negava, hoje ele concorda com o idiota do seu irmão mais velho.

E então chegou o dia fatídico.

Era sábado, Sasuke e Naruto estavam assistindo um filme qualquer de suspense no quarto do moreno. O Uzumaki estava ali desde a manhã, tinham ido caminhar e depois ficaram vegetando na casa do Uchiha até resolverem maratonar filmes.

Porém no meio do atual filme que viam, o mais novo começou a ficar entediado e para se divertir começou a jogar pipoca – que tinham feito algum tempo antes – no amigo, que no momento que sentiu o milho estourado se chocar com seus cabelos, mandou-lhe um olhar mais do que irritado.

— Naruto – rosnou.

— O que? – o loiro se fez de desentendido.

— Pode parar – falou Sasuke.

— O que? – perguntou mais uma vez com um sorriso querendo lhe sair pelo canto da boca.

— Argh – fez Sasuke e se jogou para o lado, querendo acertar socos no Uzumaki.

Alguns tapas e risos depois, largados na cama de Sasuke, os dois meninos tentavam regular suas respirações quando Naruto finalmente olhou para o lado e ficou a apreciar as formas e detalhes do rosto do amigo que já tinha voltado a prestar atenção no filme. O moreno rapidamente percebeu o olhar pesado do Uzumaki em si e sorriu de lado para depois encarar o mais novo.

— O que tanto olha? – falou debochado – Perdeu alguma coisa?

— Vai se foder seu idiota – Naruto riu e mirou a televisão como se nada tivesse acontecido e ele não estivesse morrendo de vergonha por ter sido pego no flagra.

— Ei – o Uchiha chamou baixinho e o loiro atendeu prontamente, virando seu rosto mais uma vez.

Antes que Naruto pudesse entender o que tinha acontecido, sentiu seus lábios serem pressionados com uma leveza e carinho não imagináveis, e arregalou os olhos. Assim que as írises negras se encontraram com as suas uma enxurrada de sentimentos desceu pela mente do loiro, mas a única coisa que conseguiu fazer foi voltar o contato com a boca de Sasuke.

E então o clima começou a esquentar.

Ambos estavam felizes por serem correspondidos nas vontades, que ficaram mais do que perdidos com todas as sensações do corpo um do outro.

Sasuke puxou o loiro para o seu colo e sentou-o, mas a princípio apenas para um melhor contato, porém durante beijos e mais beijos, algumas pegadas mais fortes, ele resolveu que precisava sentir o outro excitado para ter um pouco mais de coragem. Foi então levando uma de suas mãos que estavam nas coxas do Uzumaki até o centro das pernas dele e não sentiu nada.

No mesmo momento, Naruto pulou de seu colo e foi quase que parar fora da cama. Sasuke se sentiu o pior ser humano do mundo achando que tinha passado dos limites e ficou sem saber o que falar ou fazer, e ainda mais confuso do por que Naruto não tinha nem ao menos o pequeno volume característico.

— S-Sasuke... – o loiro começou a falar baixinho.

— Me perdoa Naruto – o moreno o cortou totalmente preocupado de não ter sido consensual seus atos – Eu achei que você queria, não pretendia forçar nada... Me desculpa...!

— Calma Sasuke – Naruto se aproximou mais do moreno e pegou em suas mãos que arranhavam uma a outra (um costume que o loiro já tinha percebido que Sasuke fazia quando ficava nervoso) – Eu queria sim Sasuke – sorriu.

— Queria mesmo? – perguntou inseguro.

— Claro que sim – riu de leve acariciando o rosto do outro – Eu só fiquei... Só fiquei com medo.

— Medo? – Sasuke estreitou seus olhos, um tanto confuso – Medo de que? Sexo é uma coisa bem normal no geral – riu, mas parou rapidamente ao ver o olhar triste de Naruto para os lençóis – Você é virgem? – questionou e recebeu um aceno como resposta – Ah Naruto, me des...

— Mas não é só por isso que eu estava com medo – dessa vez, Naruto quem interrompeu ainda tendo a cabeça baixa.

— Então era por quê? –pegou-o pelo queixo e levantou seu rosto para que pudesse o ver.

— Por que tive medo de você me julgar – o loiro desviou o olhar o mais rápido que pôde.

— Te julgar? – Sasuke sorriu pelo quão fofo o Uzumaki estava sendo naquele momento – Eu nunca ia te julgar por você ser virgem e...

— Por eu ser trans, Sasuke – corrigiu e temeu a reação de Sasuke.

Sasuke ficou muito tempo sem dizer nada. Foi quase como se sua mente explodisse. Agora ele entendia por que não sentiu o volume nas calças de Naruto, mas ao mesmo tempo não conseguia visualizar que de fato ele não tinha um pênis. Naruto era um homem, era o que ele via ali a sua frente, mas... O que?

— Você quer ficar sozinho? – o loiro perguntou baixinho e se afastou de novo do mais velho, que concordou silenciosamente enquanto sua cabeça estava a mil.

Naruto pegou os recipientes de comida que estavam espalhados e seus pertences e saiu do quarto deixando o outro pensar sozinho e em paz. Tudo que o Uzumaki queria era que Sasuke fosse racional com os fatos.

No outro dia, Sasuke não foi à faculdade. Naruto o procurou por todos os cantos, certificou-se em perguntar para os colegas de sala dele e saiu mais uma vez a procura do moreno para comprovar que ele não estava em lugar nenhum dentre aqueles prédios.

Pensou em ligar para o Uchiha, mas se repreendeu no mesmo momento. Tinha que deixar o amigo pensar e não o incomodar.

No dia após, ele apareceu.

Naruto não o tinha visto chegar de manhã, mas no almoço ele estava lá, com o grupo de colegas de Direito e quando viu o loiro com a face levemente rubra e uma expressão preocupada, foi logo em direção a ele.

— Sasuke...? – o Uzumaki tentou falar, mas foi pego de surpresa pela mão e quase carregado.

O Uchiha o levou para fora do campus, em um lugar um pouco escondido e assim que pararam, olhou para o mais novo.

— Oi – disse baixinho.

— Oi – respondeu Naruto e ficou esperando alguma fala, mas o outro parecia meio perdido e agitado, então resolveu tomar a dianteira – Tá tudo bem?

Sasuke concorda com a cabeça, mas continua sem dizer nada. Que martírio! Ele não conseguia colocar pra fora seus sentimentos e tudo que havia pensado nesses últimos dois dias, e a expressão curiosa e preocupada de Naruto deixava tudo pior!

Foi então que uma ideia lhe passou pela cabeça. Se não conseguia falar, iria demonstrar.

Naruto que estava ficando tão aflito quanto o ele, que chegara até a começar a balançar um de seus pés, não soube como reagir – de novo – quando o moreno colocou suas mãos em seu pescoço e puxou-o para um beijo.

E não foi um beijo ousado, desesperado pelos lábios um do outro. Foi só uma grande demonstração de carinho e cumplicidade, de que Sasuke não se importava para qual gênero Naruto tinha nascido ou não. Que Sasuke gostava dele por motivos além daquilo.

Então, depois de mais alguns beijos trocados, eles começaram a namorar.

Depois de alguns encontros e uma certeza de estabilidade do relacionamento tiveram a primeira vez, que Naruto ri até hoje, pois Sasuke ficou um tanto quanto surpreso ao saber que o loiro não tinha feito sua faloplastia e que no final das contas a preparação dele era bem mais simples. Não que ele se importasse muito com tudo aquilo.

Passaram então a morar juntos já para o final da faculdade e infelizmente mal passavam os dias juntos, pois agora faziam também o estágio obrigatório de cada curso. Assim, nos finais de semana preferiam ficar juntinhos, abraçados no sofá assistindo alguma série na Netflix - e é claro transar, afinal Sasuke era bem animado para tal coisa.

No final em si das faculdades eles agora tinham um pouco mais de tempo para o outro já que trabalhavam no período normal de todos os cidadãos e estavam mais felizes.

Um dia, então, Naruto voltou para casa todo sorrateiro. Entrou e gritou Sasuke para saber se ele estava em casa, e sim ele estava. Tentou passar pelo escritório dele sem ser notado, mas o Uchiha já estava achando estranho o loiro ter perguntado de si ao chegar e quando o viu passar pela porta em direção ao quarto deles sem dizer uma palavra, resolveu ir atrás.

Viu o Uzumaki olhar para todos os lados e cantos do quarto como se precisasse achar um lugar e antes mesmo de poder assusta-lo e rir da cara dele, viu-o tirar do bolso uma caixinha.

Seu coração quis sair pela boca quando entendeu do que era aquela caixinha e não quis estragar a surpresa que o loiro tinha tentado planejar, então voltou em passos largos e silenciosos para seu escritório e esperou Naruto ir vê-lo.

Quando o moreno foi abraça-lo para dar-lhe oi, fingiu que nada tinha acontecido.

Nas semanas que se passaram, o Uzumaki ficava jogando para cima de Sasuke a conversa sobre casamento, e como era tudo lindo, como Sakura estava preparando tudo para o dela com Rock Lee, se eles deviam oficializar o que tinham, e que linda decoração essa da vitrine de bolos!

Por fim, depois de duas semanas achando que tinha conseguido amaciar a fera Uchiha, Naruto finalmente o pediu em casamento no dia em que começaram a namorar e foi aceito com vários beijos.

O casamento civil foi feito apenas com a família e amigos mais próximos, tudo em cores claras e que representavam os noivos. Com as mães deles chorando de alegria e os amigos gritando quase bêbados.

Cinco anos depois de casados, Naruto chega com uma conversa – que um tanto preocupava Sasuke – durante o jantar, sobre terem filhos.

— Filhos? – o moreno repetiu o que o marido tinha acabado de dizer.

— Filhos – o outro concorda segurando um sorriso de canto, pois já sabia que a ideia de crianças para Sasuke era... assustadora.

— Nós já temos filhos – ele disse e Naruto riu.

— Um gato e um cachorro não são filhos – o loiro riu mais ainda.

— Mas você chama Kurama e Denka de filhos! – o Uchiha falou claramente se magoando pelos animais.

— Eu sei! – o mais novo levanta e vai até o colo do marido – Eles são meus nenéns também, mas eu estava pensando em um nosso. Seus genes combinados nos meus.

— E como você pretende fazer isso? – Sasuke circula o corpo do loiro com os braços e olha-o meio cético.

— Transando? – riu pelo nariz – É assim que se faz bebes meu querido.

O Uchiha por sua vez rolou os olhos, mas riu da idiotice do marido.

— Fala sério Naruto – pediu.

E então o loiro começou a explica-lo que já tinha conversado com seu ginecologista de sempre e perguntado sobre como ele poderia fazer aquilo. Como ele não tinha feito a faloplastia e nem a histerectomia ele ainda podia gerar filhos, porém precisava parar de tomar a testosterona para que seus ciclos menstruais voltassem e também acompanhar tudo aquilo com o médico.

Sasuke ficou meio incerto com tudo aquilo, mas aceitou por fim – até porque no fundo ele queria filhos também.

Três semanas depois, o ciclo de Naruto voltou e o Uchiha começou a ficar tenso. Ele começaria a agir a partir daquele momento para começar a ideia de filhos.

A semana após foi quando tudo realmente começou a acontecer. O loiro tinha feito uma estimativa da sua janela fértil e como um cara determinado, fez com que o Uchiha participasse dela todos os dias. Infelizmente nesse primeiro mês acabou não dando certo e seu médico disse que aquilo era esperado já que seu corpo estava se acostumando a não receber o hormônio masculino.

Porém, no segundo mês de tentativa ele quase saiu gritando pelas ruas que estava grávido.

Já Sasuke estava com o cu na mão.

Estava preocupado com Naruto, pois independentemente de tudo, sabia que ele podia correr alguns riscos durante a gravidez – sem contar o preconceito -, com os custos que um bebê da desde antes mesmo de nascer, e como ele seria um pai que não sabia nem abotoar a camisa às vezes.

Já no começo da gravidez Naruto deixou sua clínica com os outros veterinários e só cuidava das finanças, pois seu médico pediu que ficasse em casa visto que os três primeiros meses sempre são os mais complicados e ainda mais na questão dele era quase o dobro. E Sasuke tinha comprado cinco livros sobre bebês – desde o nascimento até como educar uma criança a modo francês.

E sim, o Uchiha estava ficando completamente pirado.

Primeiro que ele queria já começar a fazer estoque de fraldas, pois já tinha pesquisado os preços e descoberto que bebes utilizam em média oito fraldas por dia. Também já estava pensando em como iriam reformar e decorar o quarto vago de bagunças para a criança (e onde enfiariam todas as tranqueiras).

Naruto apenas ria de como o esposo estava desesperado.

Passados os primeiros meses onde Naruto mal saia de casa, a não ser para ir no supermercado ou visitar os pais, ele resolveu que ia voltar a trabalhar dia sim e dia não na clínica veterinária.

Sasuke por sua vez começou a ter mais uma preocupação.

Sabia que todos os companheiros de trabalho de Naruto conheciam a história do mesmo e compreendiam o porquê de ele ter tirado esses três meses de repouso, mas nem todo mundo tinha a mesma cabeça.

A barriga de Naruto já estava começando a aparecer (na verdade no atual momento parecia apenas que ele estava mais gordo) e ele mesmo ainda conseguia esconder tal fato e nenhum de seus clientes havia percebido, porém o moreno não dava mais dois meses até as pessoas começarem a olhar estranho para seu marido.

E Sasuke tinha medo de tudo o que podiam fazer contra ele.

Quando a vigésima primeira semana chegou, a barriga de Naruto ainda continuava na mesma.

Ele tinha ido aos médicos necessários e todos diziam que seu bebê estava saudável e crescendo como deveria. Perguntou sobre sua barriga e todos confirmaram que aquilo era normal.

Chegou até conversar com Kushina sobre aquilo e descobriu que a mesma também teve pouca barriga na sua gravidez dele.

Sasuke agradecia internamente por aquilo – e Naruto também. Aparentemente o loiro teria um pouco mais de barriga até o final da gestação e eles não teriam que viver um inferno de julgamento dos outros (o que poderia afetar diretamente a criança se Naruto ficasse muito estressado).

Na vigésima sétima semana eles resolveram que numa próxima ultrassom iriam pedir para Kakashi (o médico que acompanhava Naruto desde a primeira menstruação) revelar o sexo da criança.

Até aquele momento eles tinham conversado sobre aquilo. Se queriam ou não descobrir antes ou no momento do nascimento. Para Naruto aquilo não era exatamente necessário. Ele não seria o tipo de pai que compra tudo em azul ou tudo em rosa, afinal era dele de quem estamos falando. E mesmo que Sasuke quisesse muito saber o sexo do bebê, entendia Naruto.

Já os nomes não foram problema. Tinham decidido isso muito antes de pensarem em ter filhos.

Quando a trigésima quarta quinta foi completada agora sim Sasuke podia dizer que estava se cagando. Tinha mais ou menos mais três ou quatro semanas para tudo realmente começar. Já tinham o quarto completamente pronto, em cores alegres, o estoque de fraldas estava feito, portãozinho para que Kurama não destruisse tudo, o moreno ainda iria montar o berço no quarto deles, e já tinham reservado o quarto do hospital.

Naruto estava mais inchado naquele mês. Ainda trabalhava, porém com menos frequência agora. Suas costas doíam mais e tinha ganhado um pouco mais de peso e a barriga agora era idêntica se tivesse cinquenta anos e tomasse cerveja todos os dias.

— Sasuke... – choramingou Naruto enquanto comia pipoca, assistia a um filme e acariciava a cabeça de Denka.

— Sim? – respondeu o moreno que fazia pesquisas para um caso que estava trabalhando.

— Pega sorvete para mim – ele sorriu mostrando todos os dentes.

— Você é um folgado, Naruto – o Uchiha levantou e foi até a cozinha pegar o que o marido havia pedido.

— Eu estou grávido! – retrucou o loiro, rindo.

— Mas não perdeu as pernas! – respondeu o Uchiha, que resolveu deixar o caso de lado e sentar no sofá com o mais novo. Denka desceu do colo de Naruto com cara feia e foi até Kurama que estava deitado ali perto.

Depois de alguns minutos em silencio, enquanto prestavam atenção na comédia que passava, Naruto teve uma ideia.

— Hey – chamou mais uma vez o marido – Sasuke...

— Sim? – respondeu agora um pouco distraído e beliscava a pipoca.

— Você quer fazer sexo? – Naruto perguntou divertido ao mesmo em tempo que o cutucava na costela com o pé.

— O que?! – quase engasgou com a pipoca que comia – Naruto...

— O que? – repetiu. – É totalmente seguro. E já até li que pode trazer benefícios!

— Benefícios? – o moreno riu – Tipo quais?

— Algo sobre o sêmen ajudar na contração do útero... – deu de ombros e fez o Uchiha rir mais ainda. – É sério! – exclamou e resolveu tentar mais.

Levantou-se do sofá e ficou de frente para o marido, que lhe sorriu carinhoso. Sentou-se então no colo do mesmo, ficando de frente para ele e disse com cara de choro e um bico:

— Você não me quer? É por que eu estou gordo?

— Mas é claro que não! – Sasuke respondeu rápido tentando não magoar o loiro – Eu só acho que não é seguro...

— Mas é seguro, seu idiota! – recebeu um tapa do marido – Eu já pesquisei e falei com Kakashi sobre isso e ele disse o mesmo!

— Sério? – perguntou desconfiado.

— Sério – o Uzumaki respondeu com firmeza e de prontidão começou a receber beijos no pescoço do moreno enquanto sorria vitorioso.

— Espera, os meninos estão aqui – Naruto empurrou de leve o marido – Vamos para o quarto.

— Quando você vai se incomodar com os animais nos assistindo transar? – Sasuke falou.

— Nunca – riu e saiu do colo dele, estendendo-lhe a mão – Não é certo os pais fazerem esses tipos de coisas na frente dos filhos.

E então chegou a trigésima nona semana.

No mesmo dia Naruto acordou com dores nas costas. Não era insuportável, só presente. Trabalhou nas finanças da clínica, assistiu alguns filmes, não contou nada para Sasuke (pois tinha certeza que ele iria pirar) e foi arrumar a mala do bebê.

No dia seguinte acordou com contrações. Tinha certeza por que eram na frente e bem mais doloridas. Ligou para Kakashi, fez Sasuke ir comprar suco e avisar o hospital que estariam lá a qualquer momento dali em diante.

À noite, as dores estavam mais fortes do que nunca e ele já respirava mais rapidamente. Sasuke já tinha deixado tudo pronto no carro deles e quando subiu novamente para o apartamento viu o marido chorando, sentado numa poltrona com Denka no colo e Kurama sentado no chão ao seu lado.

— Naruto – agachou para poder olhar nos olhos dele – Ei, calma.

— Eu estou calmo – riu enquanto enxugava as lagrimas – É só emoção.

Sasuke sorriu e acariciou o rosto dele com uma das mãos e a outra segurava as mãos de Naruto.

— Eu sei amor. Eu sei.

— Ela vai nascer Sasuke – o loiro voltou a chorar mais intensamente e continuava a sorrir.

— Ela vai – o moreno concordou com a cabeça e começou a chorar também.

Ficaram mais alguns minutos ali rindo e chorando, explodindo de felicidade com Kurama pulando ao lado até que o Uchiha respirou fundo e disse que precisavam ir logo. Naruto se levantou e abraçou o marido que também já estava de pé.

Saíram do apartamento tentando manter os animais dentro dele e se despedindo de ambos.





No final das contas Naruto acha que não foi tão ruim assim.

Desde o primeiro mês da gravidez ele havia pesquisado e conversado sobre como seria o parto e Kakashi sempre lhe dizia que era necessário manter a calma e ficar a maior parte do tempo em casa para se manter confortável.

Fez tudo o que lhe foi dito e estava bem até aquele momento na poltrona. Foi quando lhe bateu a ansiedade.

Chegou bem até o hospital e foi acompanhado por Tsunade – sua doula – até o quarto enquanto Sasuke assinava documentos e guardava as malas.

Tsunade deitou Naruto na maca e foi encher a banheira do quarto. Abaixou um pouco a luz e pôs uma música calma – que Naruto mesmo tinha escolhido – e ficou conversando com o homem.

Para Naruto aquilo estava sendo uma eternidade. Tinha dor, estava cansado, irritado e nada daquela menina sair!

Kakashi chegou algum tempo depois e disse a ele que estava com quase nove centímetros de dilatação e Tsunade sugeriu que ele entrasse na banheira.

Assim que sentiu seu corpo ser envolto pela agua quentinha, a dor pareceu diminuir e seu corpo relaxar. Sasuke estava ao seu lado, segurando uma de suas mãos, mas precisava dele mais perto. O moreno não entrou na banheira, apenas se sentou na borda dessa e ficou acariciando seus ombros.

A todo momento ele precisava fazer força e nada acontecia. Até que tudo parou e sentiu que precisava fazer mais pressão. Mudou de posição e fez o maior impulso daquela noite. Sentiu ela sair.

Kakashi a entregou nos braços e tudo que conseguiu fazer foi olhar para ela.

Sasuke cortou o cordão e se juntou a eles na banheira.

Mieko chorava baixinho e as vezes arregalava os olhos enquanto olhava para os dois homens que sorriam encantados para ela.

Foram então para a maca novamente e Sasuke preparou o leite de Mieko e deu a Naruto para que a amamentasse junto a seu peito.

Depois disso ficaram os três novamente juntos ali, aconchegados um no outro até caírem no sono.

No outro dia tudo era alegria. As famílias dos dois estavam no quarto com eles e Mieko olhava para todo mundo com muita curiosidade.

— Ela é linda! – Kushina disse no meio de lágrimas.

— Parabéns meu filho – Minato colocou a mão no ombro do filho e depois enxugou as lágrimas que caiam.

— Olha só – Itachi riu – Parece que ela pegou toda a beleza dos Uchiha – recebeu um olhar bravo de Naruto e continuou rindo.

— Eu carrego nove meses para essa menina nascer a cara do outro pai! – exclamou Naruto – Você já nasceu sendo ingrata garota!

— Naruto! Não fale assim com ela – Kushina lhe deu um tapa na cabeça.

— Mas é verdade – Sasuke sorriu enquanto se abaixava para pegar a filha – É a minha cara!

— Sangue Uchiha sempre foi forte – comentou Fugaku pegando na mãozinha da neta.

— Isso é verdade – riu Mikoto.

— Querem parar de jogar isso na minha cara? – o loiro cruzou os braços.

— Você não pode reclamar muito Naruto – a ruiva falou e sentou-se numa cadeira do quarto – Você mesmo saiu escarrado o seu pai. Ela só seguiu a mesma linha.

Na mesma tarde eles saíram do hospital e foram para casa.

Antes mesmo de abrir a porta, puderam ouvir Kurama latir e chorar do outro lado e Sasuke teve que entrar primeiro para evitar que o cachorro não pulasse em Naruto e Mieko.

O loiro fez questão deixar o cão cheirar a bebê, pois tinha lido que precisava fazer com que ele se acostumasse logo com ela e não tivesse ciúmes. Denko por sua vez apenas assistiu tudo de cima do balcão da televisão - mesmo que depois, quando Mieko já estava no bebê conforto ele foi a cheirar e lamber um pouquinho.

Estavam exaustos. Naruto e Sasuke. Havia sido dois longos dias, mas finalmente poderiam dormir.

Colocaram então Mieko no berço (que Sasuke tinha montado dias antes) e ficaram vários minutos ali vendo-a respirar calmamente no seu sono profundo de recém-nascida até que o moreno puxou a mão do marido e os levou em direção à cama, abraçando-o apertado assim que deitaram para dormirem e quando acordarem começarem a ter a rotina de uma família enfim completa.


26 de Febrero de 2018 a las 01:39 4 Reporte Insertar 9
Fin

Conoce al autor

B. L. P. 20 anos. Escorpiana. Tento escrever, às vezes sai alguma coisa.

Comenta algo

Publica!
Luana Modesto Araújo Luana Modesto Araújo
Amei....
19 de Septiembre de 2018 a las 05:08

  • B. L. P. B. L. P.
    Que bom! Obrigada por comentar! 19 de Septiembre de 2018 a las 22:07
KL Kitsune Lyra
Gente que fic linda, e esse parto humanizado ai com Naru divando, acompanhante doula tops? Encantadaaaa *-------* parabéns, li todas suas histórias sns e achei todas maravilhosas <3
4 de Junio de 2018 a las 22:24

  • B. L. P. B. L. P.
    Eu amei descobrir sobre parto humanizado! É a coisa mais linda dessa mundo respeitar a mãe e o neném tanto dessa forma e precisava colocar nessa história! Aaah, muito obrigada mesmo! ❤️❤️❤️ Fico muito feliz com isso!!! 19 de Septiembre de 2018 a las 22:07
~