Infinito Seguir historia

ksutaguo Louise Alves

"Eles eram diferentes, mas talvez por isso eles combinavam tanto. Peças diferentes do mesmo quebra cabeça que se encaixavam com perfeição, tanto nos assuntos mais triviais do cotidiano quanto nos assuntos carnais, eles eram água e fogo. Naruto era a Luz, junto de Sarada, que o Uchiha tanto precisava, e ele não poderia ser mais grato ao destino por colocar aquele loiro desmiolado no caminho do moreno."


Fanfiction Sólo para mayores de 18. © Os personagens dessa estória pertencem a Masashi Kishimoto. Fanfiction criada de fã para fã sem fins lucrativos.

#Natal #Naruto #Yaoi #Sasuke Uchiha #Naruto Uzumaki #SasuNaru #NaruSasu #Desafio de Natal #Slash
13
7082 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único — Feliz Natal


Sasuke acordou cedo naquele dia. Já era a quinta vez consecutiva que acordava com a prótese dormente, pois Naruto sempre se aninhava no seu braço sintético no meio da noite. Ele não tinha jeito mesmo. Tirou o braço debaixo da cabeleira dourada do seu marido, alongando e contraindo o braço formigando conforme as orientações de Sakura em sua última consulta. O moreno devia tanto a ela...

Ele e Sakura tinham uma filha, Sarada, fruto dessa união fracassada, porém ambos amavam a filha mais que amavam a eles mesmos. Sakura não era cega, sabia que o amor que Sasuke sentia por ela não era o mesmo amor que ela sentia por ele, sabia que ele aceitou se casar com ela por conta de todos esses anos de dor e sofrimento que ele causou a todos; então quando decidiu deixá-lo partir: Sarada estava a caminho. Deus sabe como a cabeça deles deu um nó depois da notícia da gravidez dela.

Mas a mulher dos cabelos primavereis teve uma gravidez tranquila e repleta de mimos, uma vez que Naruto não deixava a mulher mover um dedo. Ele virou um tio babão. Depois um pai babão.

Ela não ficou nem um pouco surpresa, pouco mais de três anos depois de Sarada nascer, de ver Sasuke confessar seus sentimentos em relação a Naruto. Foi duro, verdade, doeu bastante, mas logo foi curada por um elétrico shinobi que era mais musculoso que a maioria dos shinobis que conheceu na vida e cabelo de cuia. Sarada dizia, depois de mais velha, que tinha três papais e uma mamãe.

— Ohayo...

— Te acordei? — O loiro assentiu devagar — Desculpe-me, mas você deitou no meu braço de novo.

— Não tenho culpa se você é um ótimo travesseiro. — O futuro Hokage enlaçou a cintura do ex vingador e se aninhou no peito dele — Agora fica quietinho...

— Eu preciso ir ao banheiro, Naruto.

O Uzumaki bufou e largou o marido, agarrando um travesseiro e adormecendo logo em seguida.

Assim que saiu do banheiro, mais limpo e cheiroso, ouviu o choro de uma criança. Reconhecia esse chorinho em qualquer lugar do mundo. Boruto tinha um jeito de se espernear que provava o parentesco com o loiro. Os pulmõezinhos do garoto eram fortes como os do pai.

— O que foi, pirralho? — O bebê loiro estava de pé no berço com as bochechas vermelhas de tanto chorar; Sarada sentou na cama descabelada. Sasuke afagou os fios negros da menina antes de se aproximar do pequeno Uzumaki.

— Tudo bem, Sarada, volte a dormir. Eu dou um jeito nesse escandaloso.

A menina obedeceu coçando os olhinhos negros enquanto o pai apanhava o bebê pesado no colo. Trocou a frauda do garoto, e partiu para a cozinha. Deixou o pequeno numa cadeirinha e foi cortar rodelas de um tomate.

Fazia frio, igual ano passado, e nos outros anteriores. Dezembro era carregado de neve e melancolia na vida daquela família. Fazia um ano que Hinata se foi. Ela enlouqueceu quando Naruto resolveu por um fim no relacionamento, e mesmo com o filho praticamente recém nascido, se afundou em uma depressão tão profunda que a fez pular do monumento dos Hokages. O pai de Hinata queria Naruto preso numa jaula com leões. O loiro precisou de ajuda profissional para lidar com a situação, Sasuke nunca pensou que Sakura seria fundamental na recuperação psicológica do loiro, mas graças aos céus ela foi.

— Está com fome? Espere um pouco.

Ele preparou a mamadeira do rapazinho e a amornou, Boruto pegou a mamadeira e mamou com gosto. Gostava mais das mamadeiras que Sasuke fazia do que as do pai.

— Desculpa deixar você no alto, mas preciso começar a me mexer, fedelho.

...

— Ai não, uva passa não.

— Deixe de besteiras Naruto, eu e Sasuke faremos um pratinho sem uvas pra você.

— Eu te amo, Sakura-chan.

— Deveria socar uva passa em tudo e largar ele pra lá.

— É assim que trata seu marido, Sasuke?

— Você não faz diferente com o Lee, não me transforme no vilão aqui. — Sakura riu enquanto Lee respondeu baixinho “Realmente”.

— Vocês dois — Naruto e Lee fitaram a mulher — Vão comprar o que está nessa lista e eu juro, por tudo que é mais sagrado nesse mundo, se alguma coisa faltar eu esfolo os dois, entenderam?

E assim a dupla mais energética de Konohagakure correu para o mercado mais próximo, deixando o ex casal cuidando dos filhos e da comida. Sarada com todo cuidado de uma criança de quase quatro anos tentava a todo custo ensinar seu irmãozinho a dar seus primeiros passos, com supervisão do Uchiha e da Haruno.

— Incrível como ela aceitou tão rápido — Sasuke disse como num sussurro.

— Crianças tem esse dom de nos surpreender, né? — Ele assentiu — Quase quatro anos e já esnoba os amiguinhos da creche, pouco antes das férias, dizendo que tem três pais.

— Isso causou algum problema pra você?

A mulher ficou um tanto surpresa pela preocupação inesperada, afinal, Sasuke não fazia o tipo preocupado.

— Bom, fui chamada para conversar com a professora, mas não foi nada demais. Achavam que ela estava imaginando coisas. Mas esclareci o ocorrido, eles ficaram um pouco surpresos, mas “entenderam”. Nós somos uma família estranha.

— Somos — Sasuke deu um dos seus sorrisos de lado, quando levantou seu braço artificial para amarrar o cabelo, sentiu incômodo forte — Merda. Sakura me ajuda com esse braço.

— O que houve?

— Naruto.

— Te fez de travesseiro de novo? — Ele assentiu e a flor de Primavera espalmou as mãos com brilho esmeralda no braço artificial do ex — Ele não muda nunca... Melhor?

— Muito. Obrigado.

— Por nada, Anata.

Sasuke fitou os olhos esmeraldinos e brincalhões da mulher. Ela também não mudava nunca.

...

O inverno não estava para brincadeiras. A neve e o vento fortes quase congelaram Naruto e Lee lá fora; realmente aquele Natal seria um dos mais frios do ano. A nevasca era tamanha que uma árvore acabou cedendo ao peso alvo da noite e desabou numa rua perto do distrito Hyuuga. Se Hiashi não fosse tão orgulhoso, Naruto certamente teria convidado a sua ex família para um Natal em sua nova casa — Apesar de Hanabi o visitar com frequência para ver o sobrinho e jogar conversa fora.

A Hyuuga não conseguiu enrolar o pai o suficiente para vir, infelizmente, mas mandou vários presentes, tanto para Boruto quando para Sarada. Lee se apaixonou pelo bebê Uzumaki vestindo o macacãozinho jeans oliva da tia.

— Na meteorologia disse que amanhã teremos chuva.

— Chuva? — Sakura disse segurando Boruto em um dos braços — Esses caras só podem ter enlouquecido. Olha essa neve! Dá pra fazer um exército de anjos na calçada!

— Não seja exagerada, minha flor.

— Exagerada? — Sakura levantou uma sobrancelha para Lee — Esqueceu o que enfrentou para chegar até aqui?

— Não, não — Ele beijou a testa do bebê que sorriu para o “tio” — É só que não estava tão forte assim... — Claramente ele mentia só para se sentir um pouco mais “másculo”, pois na verdade ele tremia feito um epiléptico ao lado do Uzumaki noite adentro

— Já está tudo pronto! — Naruto pôs um delicioso peru no centro da mesa muito bem decorada — Vamos comer!

— Ah! — Lee interviu — Eu espero que vocês não se importem, mas convidei Tenten para vir passar o Natal conosco. Sabe, ela sempre ficou sozinha desde a morte de Neji...

— Eles tinham alguma coisa? — Naruto perguntou enquanto Sasuke passava o braço natural nos ombros do parceiro.

— Ah... Ela nunca me disse, mas suspeito que eles tiveram um lance. Eles mudavam quando estavam juntos, sabe. Parecia que os estilos de luta deles se completavam, era muito bonito de ver os dois lutando juntos... — Lee se apoiou pelo cotovelo, absurdamente nostálgico; ele sentia muita falta do Hyuuga. — Mas ela seguiu em frente, ela está namorando Kiba. Fico muito feliz por ela sabe, ela é como uma irmã...

— Mas vocês tem um filho juntos — Sakura disparou antes de tomar um gole de vinho. Lee ficou gago enquanto os outros dois riam baixinho.

— Ora, Sakura-chan... Não, não é... Ah, não sei o que aconteceu naquele dia...

— Fácil — Sasuke disse — Vocês dois estavam juntos em algum lugar e de repente teve um clima e vocês se beijaram e acabaram na cama. Nada de original.

— Concordo. — Sakura disse — Inclusive, história familiar, não Sasuke?

Sasuke engasgou o vinho quando a campainha tocou. Naruto foi atender a porta ainda rindo da saia justa do marido, e a mulher de coques esperava com uma travessa enorme e um guarda-chuva grande. E Metal segurava a mão grande do padrasto e o pelo espesso do cão gigante que estava montado, passando os olhos castanhos pela varanda da casa, disparou para dentro da casa assim que Naruto abriu a porta, correndo até o pai e a madrasta.

— Oi! Boa noite! Trouxemos torta de framboesa!

Sakura tinha razão, eles tinham uma família muito estranha.

...

Metal e Sarada brincaram tanto com Akamaru e seus brinquedos novos que desabaram os três no tapete da sala do casal Uchiha-Uzumaki. O cão quase não soltava pelos e era uma exímia babá, surpreendendo a todos os adultos, até latiu quando viu Boruto escorregando da cadeirinha, dando tempo para Naruto socorrer o filho e largar da torta incrível da Mitsashi.

O pequeno Boruto bocejava às duas e pouca da manhã, convencendo o pai de parar de lavar a louça e colocá-lo no berço. Sakura apanhou sua menina junto a Lee que segurava seu menino no colo, os casais se despediram depois de um Natal regado a boas histórias, comida, bebida e muitas gargalhadas.

— Preciso de um banho.

— Precisa mesmo, está cheirando a álcool.

— E você adora — Naruto abraçou o Uchiha por trás, beijando o pescoço pálido do moreno.

— Vá escovar esses dentes, Naruto. Não vou beijar um bêbado.

— Ah, chato... — Ele afastou um passo dele, mas antes de partir, deu uma bela bofetada na nádega do marido, e correu para o banheiro antes que ele quebrasse um prato na sua cabeça.

Eles eram diferentes, mas talvez por isso eles combinavam tanto. Peças diferentes do mesmo quebra cabeça que se encaixavam com perfeição, tanto nos assuntos mais triviais do cotidiano quanto nos assuntos carnais, eles eram água e fogo. Naruto era a Luz, junto de Sarada, que o Uchiha tanto precisava, e ele não poderia ser mais grato ao destino por colocar aquele loiro desmiolado no caminho do moreno.

Sasuke sorriu ao terminar de lavar a louça, ele estava verdadeiramente feliz com seu caminho. E talvez Naruto iria demorar mais nesse banho, pensou o Uchiha atravessando a casa e afrouxando as calças.

— Precisa de ajuda com as costas?

26 de Febrero de 2018 a las 00:15 1 Reporte Insertar 3
Fin

Conoce al autor

Louise Alves Bióloga de segunda à sexta; Ficwriter, jogadora de videogames e procastinadora profissional aos fins de semana.

Comenta algo

Publica!
Mandy Mandy
AI MEU DEUS AAAAAAAAAAAAAAAAA QUE NENÊ LINDO DE FIC Eu adorei a relação amigável da família (mas socorro minha Hinata mano tadinha vou chorar) e esse jantar de natal me deixou muito soft socorro aaaaa SARADA IRMÃ NENÊ INDO VER O BORUTO NO BERÇO E O METAL E ELA BRINCANDO AAA TO MUITO SOFT COM ESSA FAMÍLIA SOCORRO TO APAIXONADA E o final meu Deus aaaaaaaa eu vou ter um surto, tô desejosa por um lemon agora dkmakdkwx
25 de Julio de 2018 a las 11:42
~