Transgressões Amargas Seguir historia

vanychan734 Vany-chan 734

Shisui se tornou um nukenin quando usou seu Sharingan contra àqueles de seu próprio clã, tentando assim, evitar o Golpe Uchiha. Por uma fatalidade, Fugaku não ficou preso em sua ilusão, e logo todos se revoltaram, obrigando-o a fugir e a aniquilar parte dos membros da ANBU que tentaram impedi-lo, já que ele também havia atacado Danzou. Agora um dos prodígios Uchiha era um foragido internacional, e entrava para o livro Bingo. Como vingança, Danzou e Fugaku – agora um dos Conselheiros da Folha – ordenaram sua captura, e o único capaz de realizá-la era o antigo parceiro do filho de Kagami: Itachi Uchiha.


Fanfiction Sólo para mayores de 21 (adultos).

#Uchihacest #Universo Natural #UN #Nommassacre #ItaShi #ShiIta #lemon #Naruto #yaoi
13
7.2mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único - Transgressões Amargas

~Capa pela Ana Paula Pereira (Nyah) e enredo baseado na arte do Surfaçage (capa).

--------------------------------------------------X---------------------------------------------------------

O Sol se punha no horizonte, deixando o céu maravilhoso com vários tons coloridos. Roxo, rosa, azul e laranja, era um espetáculo natural, e ele gostaria de estar apreciando-o sem sentir a culpa se alastrar no peito.

Danzou ainda era um dos Conselheiros da Vila, o mais respeitado e influente, e havia designado Itachi para aquela missão. Não poderia recusar sem levantar suspeitas, mais ainda do que já tinham sobre si, afinal, não havia como Shisui ter saído vivo da Aldeia após cometer um atentado contra o próprio clã e ainda contra uma personalidade pública tão importante – não sem a sua ajuda.

O próprio Fugaku fechava os olhos para o possível envolvimento do primogênito na escapada do filho de Kagami, Itachi só não sabia o porquê. Era medo da desonra? Era aflição por ter que castigar o filho e expulsá-lo do clã? Era por Mikoto, que não o perdoaria se o fizesse? O gênio Uchiha sempre observava o olhar estreito que o pai lhe dava quando o assunto “Shisui” era posto em discussão. Após o atentado, o patriarca se consagrou um Conselheiro de Konoha, e exigia a captura do desertor – além de querer lidar com ele pelas regras dos Uchiha’s.

Itachi suspirou, ainda analisando as chances de voltar para a Vila sem o antigo companheiro ao lado – seja morto ou desmaiado. Sabia que o conflito seria preocupante, nunca esteve preparado para as provocações e dissimulações do amigo. Também sabia dos motivos que levaram o atual nukenin a agir daquele modo, e com certeza não o julgava por tal; até porque, após aquilo o golpe não se consagrou, e apenas ele teve a honra manchada. Claro, não que Shisui ligasse para isso, ele estava preocupado com a Folha em primeiro lugar, assim como Itachi – que queria um lugar seguro para o irmãozinho viver e crescer.

“— Se fizer isso será um desertor!

— Sim! E Konoha estará a salvo da nossa família!

— Escute os absurdos que você fala! Tem outro jeito! Podemos surpreender Danzou...

— E Sasuke? Vai deixá-lo sozinho com aquele Velhote por aí? O que seu irmão pensaria do amado Itachi Uchiha se rebelando contra a própria família?”

Shisui foi baixo, muito baixo naquele dia. Manipulá-lo envolvendo Sasuke era algo que nunca esperaria do ex-amante, mas ele o havia feito mesmo assim, e como previsto, Itachi se calou durante a discussão, pensando apenas no bem-estar do seu irmão, ignorando que aquilo significava abandonar o próprio romance e ajudar na desonra do primo.

Respirou profundamente enquanto comia uma barra de cereais. Droga, Shisui! Mesmo longe vivia lhe dando problemas!

Não queria ter que escolher – mais uma vez – entre a Vila e ele, mas levá-lo de volta era o mesmo que expor o planejado golpe Uchiha e os Conselheiros corruptos que o governavam, além de assumir o próprio crime federal ao auxiliá-lo na fuga. Se o deixasse, voltando sozinho, mandariam outros atrás dele, e aquela bola de neve nunca acabaria, assumindo na melhor das hipóteses, que não o iriam prender.

Estava cansado de ser manipulado por ambos os lados, sua única e real preocupação era Sasuke. Não se importava com as consequências que viriam para si, mas também não poderia suportar mais um dia com a culpa de ter permitido aquele destino a Shisui.

Queria poder ser livre como os seus corvos, voando no céu.

Queria voltar há exatos quatro anos, quando ele e o primo se amaram no riacho perto do distrito do clã, sem quaisquer preocupações que sua família pudesse vir a lhes causar, somente aproveitando a sensação boa que era o calor dos corpos um do outro.

“— Itachi-kun... – Shisui ronronou em sua orelha quando começou a ir mais fundo e rápido.

A boca do mais novo procurou a do parceiro, dando-lhe um beijo voraz, transmitindo a efervescência que lhe borbulhava o sangue. O namorado mexia com seus sentidos, com seus pensamentos, com ele por inteiro.

— Oh! – a voz arrastada demonstrava que estava perto do ápice.

— Shisui... – encostou suas testas enquanto continuava estocando furiosamente.

Mesmo banhados pela água fria do riacho, os corpos de ambos se mantinham quentes, e quando o mais velho finalmente gozou, amolecendo nos braços de Itachi, este lhe sorriu, libertando-se também e aproveitando a sensação letárgica começar a dominá-lo.

— O que o senhor Fugaku pensaria disso? – o maior brincou, distribuindo beijos pela clavícula do outro.

— Eu não me importo.”

Terminou a barrinha e recolheu os pertences. Estava decidido, o levaria de volta consigo e exporia a verdade para todos, quem ousasse encostar no amado, seria brutalmente afastado dele. Abaixou a máscara ANBU e continuou a corrida até a campina, onde sentia o chakra dele.

Shisui.

Aterrissou no gramado e não se surpreendeu quando o encontrou alguns metros à frente, esperando-o. Ele estava sozinho, vestia a capa negra de nuvens avermelhadas, indicando que fazia parte da organização de nukenin’s, assim como a bandana que continha o símbolo da Folha riscado. Estava mais alto, mais forte, mais bonito, mas também conservava aquele sorriso perfeito, completamente alinhado e com caninos bem pontudos.

— Tachi! – chamou, referindo-se ao apelido carinhoso da infância — Confesso que estava ansioso para saber quando o mandariam! Me deixa te ver, faz muito tempo...

Itachi girou a máscara, deixando o rosto a mostra, e o olhou sentindo vontade de vomitar. Antes de ser escalado para a missão jurava que o tinha superado, mas agora, sentindo e relembrando tudo o que sentia, soube que o sentimento por ele nunca havia diminuído.

— Shisui... – sussurrou, mas sabia que ele o ouviria.

— Você emagreceu, tem comido direito? – perguntou preocupado, embora conservasse com o sorriso aberto — Tia Mikoto não deveria deixá-lo vir para um missão com fome.

Por que ele tinha que tornar tudo ainda mais complicado? Levou as mãos às têmporas e as massageou. Suspirou pesadamente e o olhou de forma séria, observando a expressão do outro mudar também.

— O que está fazendo aqui? – ele questionou, abandonando o ar amistoso.

— Tenho a missão de levá-lo de volta – respondeu sem ânimo.

— O que realmente está fazendo aqui? – franziu as sobrancelhas.

Ambos sabiam que Itachi não o faria.

— Shisui, podemos voltar juntos, ainda há...

— Não – interrompeu – Eu sou mais útil onde estou. Não há motivos para voltar, nós sabíamos as consequências dos nossos atos e as aceitamos.

Itachi semicerrou os olhos, não tinha tido horas de reflexão para o convencido à sua frente dizer-lhe o contrário. Se preciso fosse, o levaria de volta à força.

— Tenho a missão de levá-lo de volta – repetiu, embainhando a katana das costas.

O outro Uchiha sorriu, retirando a própria katana e se posicionando. Seria como nos antigos treinos em que lutavam juntos, suavam, mas que ele sempre ganhava no fim.

“— Mais rápido – apareceu atrás do menor e chutou-lhe as costas.

Itachi voou alguns metros e caiu rolando no chão, porém ainda não havia acabado; quando foi se levantar para contra atacá-lo, observou a palma esquerda do mais velho estendida. Olhou ressabiado para ela, mas quando Shisui gargalhou da sua expressão desconfiada, ele aceitou a ajuda. E foi naquele instante que os sintomas de sua paixonite começaram. Sentiu a própria mão formigar e conscientemente não largou a mão do primo, na verdade, entrelaçou os dedos devagar e sentiu o estômago revirar, da mesma forma quando sua mãe cozinhava sopa de ervilhas.

— Itachi-kun? – perguntou, sentindo as bochechas corarem.

Se limitou a sorrir, mas começou a se envergonhar, e então soltou a mão do companheiro, ainda sentindo o formigamento na sua. Shisui continuava o fitando, parecia petrificado, ansioso e até constrangido, mas por fim sorriu.”

O prodígio Uchiha havia sido treinado por anos na ANBU, exatamente para essa situação, e mesmo que o adversário fosse quem mais lhe ensinou as técnicas de batalha, Itachi se sentia pronto para derrotá-lo.

Seria Sharingan contra Sharingan.

Não soube quem começou os ataques primeiro, mas a sincronia de ambos era tão perfeita que o fazia sorrir. Os sons das katanas e kunais reverberavam pela campina, afugentando os pássaros e animais próximos dali. Shisui se abaixou rapidamente, desviando da katana certeira de Itachi e lhe deu uma rasteira que o fez cair, mas seu corpo se desfez em corvos, e quando o mais velho percebeu, já havia levado um chute nas costas, voando alguns metros à frente.

— Mais rápido – disse com um sorriso zombeteiro.

Os olhos do primo se estreitaram, irritado, mas quando percebeu a referência da fala, o rosto suavizou e sorriu mostrando os caninos pontudos.

— Estou esperando você me estender a mão – repreendeu com o tom amável.

Como amava Itachi! Kami-sama, sabia bem. Só tinha se permitido fazer aquilo por ele, porque Itachi estava acima de Konoha para si, assim como Sasuke estava acima de qualquer coisa para ele.

O mais novo sorriu de lado, o que era para ser um sorriso sereno parecia um sorriso canalha, e Shisui sentia o estômago revirar por vê-lo novamente, já que da última vez em que estivera presente, Itachi gemia sob si.

— Volte comigo e nunca mais precisará afastar a sua mão da minha – decretou ameno, estendendo a mão livre.

Shisui vacilou. Itachi não podia aparecer de repente e simplesmente mudar todos os seus planos! Estava começando a ganhar a confiança da Akatsuki agora, não podia perder as informações sigilosas das quais tinha acesso... ainda assim, a mão estendida do amado era algo tão tentador que lhe doía o peito.

“— O que está fazendo? – perguntou impaciente, afinal, Itachi não fazia segredos consigo.

— Você fala demais – respondeu, e Shisui riu da grosseria intrínseca dele.

Parou de andar após mais alguns minutos de caminhada silenciosa na mata fechada e puxou a mão, fazendo birra e um beicinho.

— Se não me disser, não vou – disse firme, franzindo o cenho e esperando que sua falsa chantagem emocional funcionasse.

Itachi o olhou sobre o ombro arqueando uma das sobrancelha, como se dissesse “Jura? Chantagem? Nem Sasuke faz isso”, fazendo as bochechas do mais velho corarem com o pensamento, o conhecia tão bem que até seus olhares desvendava.

— Para onde vamos? – questionou, depois de pigarrear.

O menor revirou os olhos, mas se aproximou dele e o puxou pela nuca. Shisui não teve tempo de repeli-lo, e quando sentiu os lábios macios sobre os seus, não sentiu vontade de fazê-lo. Apertou a cintura do companheiro, puxando-o mais para si e sorriu durante o beijo, ao sentir as mãos de Itachi entrarem por baixo de sua blusa.

— Vamos tomar banho no riacho – respondeu, enterrando a cabeça na curvatura de seu pescoço.”

Itachi trocou o peso do corpo de uma perna para a outra. Odiava se sentir ansioso, e sempre se sentia assim quando Shisui estava perto, ou quando era a causa de suas aflições. Fechou a mão estendida ao perceber que ele não o escolheria, sentindo o coração literalmente doer com a rejeição.

Agora o iria derrotar por causa da sua indignação transformada em raiva. Não iria aceitar deixá-lo naquela organização e cometer crimes sem nenhum filtro ou redenção. Era Shisui ali, seu primo, seu amigo, seu amante. Não poderia ignorá-lo, mesmo que quisesse.

Novamente, não soube quem começou os ataques. Os Sharingan’s ativos deixavam a luta equilibrada, já que sempre conseguiam prever os ataques um do outro e contra atacá-los no tempo perfeito. Jutsus de diferentes elementos eram feitos, e conseguiam apenas matar a paisagem, além de gastar o próprio chakra.

Shisui criou um clone e juntos avançaram sobre Itachi, cortando o tórax dele, que teve o corpo dissipado em corvos, sumindo da visão do outro mais uma vez. Achava um charme quando ele fazia isso, mas na atual batalha, estava começando a irritá-lo. Olhou rapidamente pelo campo e quando avistou um corvo parado em um galho, usou genjutsu, prendendo-o em uma falsa ilusão; o corvo caiu do galho, atingindo o chão e se transformando no corpo desacordado de Itachi. Mesmo com o Sharingan, Itachi não era capaz de sair de sua ilusão sem um grande tempo preso e então o maior pôde observar mais uma vez aquela beleza imaculada dele. Nem mesmo os pequenos cortes na bochecha e braços eram capazes de manchar a imagem daquele ser. Na verdade, davam-lhe um ar ainda mais erótico.

— Foi um prazer revê-lo, Tachi – afagou a bochecha do primo e se levantou, pronto para deixar a campina.

Mas ao se virar, viu Itachi parado diante de si, a expressão era serena enquanto a postura mantinha-se altiva, como sempre. Olhou chocado sobre o ombro e viu o clone derreter-se em lama, virou-se novamente para o companheiro e girou a katana nas mãos. Itachi fez o mesmo movimento para depois correr em sua direção e continuar deferindo ataques contra o amado.

Shisui ainda se questionava como ele havia saído de seu campo visual e como o havia enganado com um clone, além do porquê dele tê-lo esperado perceber o deslize para atacar-lhe; e foi nesses míseros segundos de reflexão que o desertor se distraiu, dando abertura para Itachi socar-lhe o rosto. Ele cambaleou, levando a mão ao queixo e cuspindo sangue, olhando-o com um misto de orgulho e devoção.

Itachi não parou uma segunda vez, avançou sobre o mais velho e com uma combinação veloz de golpes, clones e jutsus, conseguiu encurralar o primo em uma árvore, apontado a katana para seu peito, deixando claro o aviso sobre o perigo que corria. Embora tivesse ganho a luta, não se sentia satisfeito com isso, afinal o que faria se o outro ainda se negasse a segui-lo? Não tinha coragem de perfurá-lo verdadeiramente no coração.

O peito de Shisui subia e descia rapidamente, enquanto soltava lufadas de ar, olhando para o amado fixamente. Ver Itachi diante de si, com aquele expressão inquieta, com os olhos vermelhos e com a katana apontada para si, deveria ser uma visão negativa, ao menos desagradável, mas tudo que consegui pensar e sentir era em como aquela situação era excitante. Desativou o próprio Sharingan e deu dois passos à frente, sentindo a ponta afiada da katana roçar-lhe o peito.

— Faça – sibilou de forma sensual.

Momentaneamente, Itachi perdeu a compostura, engolindo a seco e arregalando os olhos. Ele via o divertimento no brilho jocoso das íris cinzentas, e sentia o próprio corpo responder àquilo.

— Faça logo, Itachi.

“Eles estavam sentados, lado a lado, observando os raios solares sendo refletidos nas águas límpidas do riacho. Shisui encostou a cabeça no ombro de Itachi, e mesmo percebendo o ato, ele se manteve ali, como uma pilastra para o outro.

— Se eu te beijasse agora – ele engoliu a seco — Você ficaria bravo?

— Não.

Ele olhou para o companheiro apoiado e permaneceram se olhando por intermináveis segundos. Itachi esperava paciente e Shisui ficava cada vez mais nervoso, principalmente ao encarar aqueles olhos amistosos.

— Vai me rechaçar ou se afastar de mim depois?

— Não.

Voltaram ao silêncio e aos olhares.

— Se eu... – disse depois de ponderar brevemente.

— Shisui, faça logo.

Ele não precisou pedir duas vezes. No mesmo instante os lábios cheios do primo estavam sobre os seus e se arrastavam num movimento erótico e ao mesmo tempo carinhoso.”

— Não.

Abaixou a katana, ao mesmo tempo que Shisui a afastava dele com um tapa, o metal caiu na grama com um estalo alto, mas ambos os Uchiha’s o ignoraram. Não precisava pedir, não precisava nem mesmo esperar uma permissão, puxou o mais velho, roubando-lhe um beijo saudoso enquanto o pressionava contra o tronco seco.

As línguas batalhavam por espaço, pela dominância naquele beijo. Sempre tiveram dificuldade em aceitar quem comandaria os atos, mas também achavam isso ainda mais excitante. Shisui puxou a máscara de Itachi, jogando-a longe para enfim poder explorar os fios macios que tanto amava, e o companheiro apenas retribuiu o gesto roçando ainda mais em si, sentindo a ereção do outro começar a despontar.

— Tachi... – Shisui gemeu baixinho, quando o Uchiha passou a beijá-lo no pescoço.

Itachi arrastou a língua até o lóbulo da orelha esquerda do parceiro e dedicou alguns segundos a ela até sentir Shisui tremer sutilmente sobre si. Se afastou delicadamente para observar o outro, penetrando sua alma apenas com os olhos – agora negros.

— Vai me rechaçar ou se afastar de mim depois? – repetiu a frase do primo, com outro intuito bem explícito.

— Não.

Não se conteve mais, aquele simples “não” era uma carta branca para qualquer ato que sua cabeça libertina viesse a pensar. As mãos que acariciavam o rosto do amado, desceram velozmente para aquela capa ridícula e em segundos ela estava caída no chão, Shisui já havia solto seu cabelo e o beijava na base do pescoço. Itachi levou a mão direita até a bunda do parceiro, apertando a nádega com força, já a esquerda fora para dentro da calça de Shisui, tocando e acariciando lentamente o órgão pulsante dele, enquanto sentia-o impulsionar os quadris para si, como se pedisse para aumentar a velocidade do gesto.

Mordeu o lábio inferior dele e viu com os olhos semicerrados a expressão prazerosa no outro ao atender seu pedido silencioso. Se regozijava com aquela visão, sentido o próprio pênis doer sob a calça. Shisui cansou de apenas observar o amado e então puxou o colete de Itachi, amaldiçoando a peça pela demora em ser tirada, e quando conseguiu libertar o tronco dele, girou seus corpos, imprensando-o contra a árvore.

— Minha vez.

Não era uma pergunta. Shisui gostava de dar ordens e Itachi gostava de não obedecê-las no âmbito sexual, mas por saber o que o outro iria fazer, ficou calado à sua espera. O amante o beijou fervorosamente de novo, masturbando-o sob a calça, mas logo desceu os beijos para seu pescoço e de lá trilhou um caminho até sua virilha. Passou o nariz suavemente pelo trajeto de pelos que Itachi tinha desde o umbigo e desceu ainda mais, puxando rapidamente a calça – levando junto a cueca – e abocanhando o membro sem delongas. Itachi apreciava sua decisão por estar saudoso e necessitado, assim apoiou as costas no tronco atrás de si e fechou os olhos, absorvendo completamente cada arrepio que Shisui lhe causava.

O mais velho não tinha paciência alguma para provocações depois de tanto tempo separados, ele queria senti-lo logo na boca para descobrir se ainda mantinha o mesmo gosto de anos. Sugava o pênis por inteiro, contornando a glande com a língua ao passo que a mão esquerda massageava as bolas do amante, e descobriu que sim, o pré-gozo de Itachi continuava com aquele sabor levemente adocicado – embora adstringente no início.

— Shisui... – sussurrou, levando a mão direita ao cabelo do parceiro, ditando o ritmo.

E o desertor levou aquilo como um estímulo à mais. Ainda chupava o pênis de Itachi quando passou a sugá-lo até a virilha, sentindo o órgão do companheiro atingir sua garganta, causando uma sensação momentaneamente desconfortável, que logo passou com a expressão prazerosa e orgulhosa do amado.

— Porra, Shisui! – resmungou, abrindo os olhos e fitando o primo ajoelhado à sua frente, sugando seu pênis com devoção.

Em seu interior, Shisui jubilava ao ver aqueles olhos negros ainda mais intensos por sua total e exclusiva culpa. Sabia que, diferente de si, Itachi não havia se relacionado com mais ninguém e que era o único a vê-lo tão próximo da insanidade.

Itachi já sentia um calor abrasador se espalhar pelo corpo, e sabendo bem o que aquilo significava, puxou os fios rebeldes e cacheados do primo para cima, indicando que aquela preliminar havia sido encerrada. Shisui sorriu lascivo quando seus lábios se chocaram com violência, decidindo ceder ao beijo possessivo de Itachi.

Dessa vez, o deixaria comandar.

As mãos mágicas do amado lhe deixavam desnorteado. Itachi masturbava-o tão bem enquanto o beijava que poderia gozar apenas com aquilo, o que exigia de si uma grande concentração para não acabar com sua diversão. O mais novo largou seu pênis enrijecido e puxou sua blusa pela barra, Shisui o auxiliou, erguendo os braços, ficando com o peitoral nu e possibilitando que Itachi passasse as mãos cuidadosamente por cada pedaço da pele ali exposta, fazendo-o arrepiar.

Não aguentava aquela expressão devota do amado, então puxou seu maxilar para cima e roubou-lhe um beijo luxurioso. Itachi o correspondia e ainda massageava seu abdômen, de modo que arrepios surgiam da base de sua nuca até os dedos dos pés. Se separaram quando o filho de Fugaku se curvou rapidamente, livrando-se por completo das calças negras e sandálias, voltando a ficar ereto em seguida. Shisui o olhava com expectativa, e desejando avidamente saná-la, Itachi o pegou pelos braços e jogou-lhe conta a árvore, porém dessa vez, ele estava de costas para si.

— Itachi-kun... – gemeu, apoiando ambas as mãos no tronco.

O parceiro distribuía beijos por seu pescoço, depois mordeu a omoplata direita e desceu arrastando a língua por toda linha da coluna vertebral do rapaz. Shisui gemia e tremia sob si, reforçando-o a continuar seu objetivo. Impulsionou as calças roxas do primo e mordeu a nádega esquerda – agora exposta.

— Itachi! – gritou, surpreso, olhando sobre o ombro para o parceiro.

Este lhe sorriu, e dissimulado como era, começou a lamber a região da mordida lentamente, apenas para provocá-lo. Shisui engoliu a seco, sentindo o pênis latejar com a visão e quando achou que não poderia ficar mais excitado, Itachi passou a circundar seu ânus com a língua, fazendo-o gemer alto o seu nome. A mão do mais novo foi de encontro ao seu pênis, estimulando-o enquanto ainda o beijava naquela região.

— Tachi... – ronronou, pedinte — Eu preciso...

Itachi se afastou e ficou em pé novamente.

— Tire logo essa roupa e empine a bunda.

Shisui olhou-o sobre o ombro com um sorriso maroto. Era impagável a expressão inquieta e libidinosa que conseguia despertar no sempre tão sereno Itachi Uchiha..

Me ajude, Tachi – provocou, rebolando de encontro ao pênis do parceiro.

Itachi grunhiu, agarrando sua cintura com mais força que o necessário. Shisui continuava com seu sorriso provocativo, e Itachi cansou de esperá-lo. Com as próprias mãos, afastou as nádegas do primo o máximo que conseguiu, sendo auxiliado pelo próprio no processo, dando-lhe a liberdade para direcionar seu pênis ao encontro de seu orifício. Introduziu-se de uma vez, ganhando um tapa do outro.

— Porra, Itachi! – reclamou, fincando as unhas na bunda do prodígio Uchiha.

— Fui eu quem venceu, Shisui... – justificou, sóbrio e provocativo, voltando a investir contra o parceiro.

“— Vá com calma... – pediu, ainda receoso.

— Não vou te machucar – respondeu, beijando o ombro exposto abaixo de si.

— Eu sei que não – garantiu, sentindo-o entrar lentamente.

Estavam no quarto de Shisui. Itachi de quatro sobre a cama, enquanto o outro estava de pé sobre o piso, introduzindo o pênis em seu ânus. O mais novo apertava os lençóis da cama até os nós dos dedos se tornarem brancos, descontando toda a dor e impotência que sentia com a genitália do outro dentro de si. Shisui sentia as paredes internas do primo envolverem-no deliciosamente, e – esquecendo-se momentaneamente da virgindade de Itachi – estocou com avidez, resultando num urro do parceiro.

— Shisui! – Itachi gritou, sentindo lágrimas escorrerem.

— Oh, me desculpe, eu esqueci! – tentou se desculpar, mas a carranca no primo deixava claro que não era ouvido – Desculpe, é que você é muito gostoso, ainda mais assim...

Itachi enrijeceu o corpo com o elogio recebido, não sabendo se deveria respondê-lo ou apenas permanecer quieto. Optou pelo silêncio, mas teve vontade de socar o amado quando o ouviu dizer:

— Fui eu quem venceu, Itachi-kun.

Embora o mais novo achasse que ele se referia ao treino mais cedo, como se isso justificasse seu ato anterior, Shisui na verdade se referia ao encontro deles dois, ele fora o único que venceu aquela “barreira” antissocial do primo, e se sentia especial por isso.

— Se fizer isso de novo, eu vou te matar – ameaçou irritado e com o Sharingan ativo.

Shisui riu pelo nariz, voltando a distribuir beijos pela coluna do amado, observando como sua postura relaxava gradativamente com o ato, sabendo que logo aquelas palavras – e a dor – seriam esquecidas, e ele poderia investir livremente no mais novo.”

Itachi continuava investindo contra o primo num ritmo acelerado, impulsionando-o para frente com o choque de seus corpos. Shisui apertava sua bunda, puxando-o ainda mais para si, querendo senti-lo por inteiro. Ficaram minutos extasiantes naquela posição, até a casca da árvore começar a rachar no local em que o mais velho se apoiava, obrigando Itachi a diminuir momentaneamente as estocadas.

— Por que está parando?! – o parceiro reclamou, impulsionando a bunda de encontro à sua virilha.

Itachi usou a mão esquerda para retirar os fios negros do rosto, jogando-os para trás, dissipando o ar cansado.

— Vamos tentar uma nova posição, fica de quatro.

— Hã? – ele olhou-o por cima do ombro, confuso.

Itachi revirou os olhos, odiava quando o primo se fazia de lesado, com a mão direita impulsionou a costa dele para baixo, fazendo-o entender a mensagem. Shisui agarrou o tronco da árvore com ambas as mãos, agora em local diferente, sentindo o mais novo voltar a investir contra si. Exatamente na sua próstata.

— Oh! Itachi-kun! – gritou, inebriado pelo prazer.

O mais novo sorriu. Reconhecia aquele gemido, então voltou a se chocar naquele ponto exato. A cada estocada os gritos de Shisui se tornavam mais altos, principalmente quando começou a masturbá-lo no processo. Não demorou para que o sentisse tremer sobre si e gozasse em sua mão, deixando-a pegajosa e quente. Deu mais três estocadas e ele próprio ejaculou dentro do parceiro, sabendo que ele apreciava a atitude.

Itachi estava curvado sobre o corpo do primo, que só se mantinha em pé por causa do tronco da árvore à sua frente, e começou a beijar as costas suadas dele, dedicando-lhe todo o carinho que sentia. Shisui ainda tinha a respiração errática, mas após se recuperar, levantou o tronco, ficando ereto e obrigando o parceiro a fazer o mesmo, moveu a cabeça para esquerda e encontrou a boca de Itachi, beijando-o com carinho.

Abriu os olhos e enxergou a plenitude que o parceiro exalava. Itachi era tão bonito que o fazia tremer ao pensar que sempre podia contemplá-lo, beijá-lo e amá-lo. Nunca desejou tão fervorosamente um homem como o desejava. Viu as íris negras se abrirem lentamente, enquanto se retirava de dentro de Shisui, e o olhou com tanta devoção que automaticamente um sorriso se formou em seus lábios.

Itachi não sorriu para si, mas afundou a cabeça em seu pescoço e depositou um beijo suava ali. E aquele simples gesto bastava para o mais velho, que acariciou os fios negros do outro com o mesmo carinho de sempre. Shisui sentiu-o circundar sua cintura com os braços, abraçando-o de verdade, e quando pensou em dizer qualquer coisa, ele o fez.

— Senti sua falta – ronronou em sua orelha e levou dois dedos a sua testa, cutucando-a.

“Caíram no chão, exaustos e suados. Itachi estava sentado em seu colo, passando os braços ao redor de seu quadril, como se o abraçasse, e tinha a cabeça sobre seu coração, ouvindo cada batida. Shisui também o abraçava, mas suas mãos faziam uma massagem no couro cabeludo parceiro, desejando que adormecesse em seus braços, como nos velhos tempos.

— Senti sua falta.”

Shisui engasgou surpreso com a declaração. Sentiu os olhos arderem com a vontade violenta de chorar. Itachi sentia sua falta tanto quanto ele havia sentido a dele. Aquela era sua melhor declaração e, naquele momento, soube que nunca mais iriam se separar, que não suportaria mais ficar longe dele.

Ele havia dito “volte comigo e nunca mais precisará afastar sua mão da minha”, e com certeza aceitaria a proposta. Entrelaçou sua mão direita a livre dele e a arrastou até sua boca, beijando-a castamente.

Itachi olhou para ele, sorriu levemente e beijou seus lábios com candura.

— Vamos voltar para casa. 

25 de Febrero de 2018 a las 20:35 6 Reporte Insertar 3
Fin

Conoce al autor

Vany-chan 734 Fada do Fluffy e maluca dos angst. Luto pelo fim dos leitores fantasmas, por SasuSaku e por ShiIta, meus OTPs! "KakaSaku - Uma Chance para Nós" não será repostada aqui até ter sido devidamente betada, assim como "O Caminho que Trilhamos".

Comenta algo

Publica!
A. G. Mars A. G. Mars
Quem escreve ShiIta não é nem gente, é anjo! PQP HEIN Como amo meus filhos AAAAAAAAAAAAAAAAA Amo eles flex assim, sabe? Reizinhos do amor! Tão canônico o jeitinho deles... sério, a cena deles lutando e o Tachi com a mão formigando entrelaçando os dedos é canônica e se me permitir vou fazer algo parecido na minha fic HSUAHSUAHSJA caralho meus filhos que amo demais! Pena que é one... fic boa deles é long, miga... faz, por favor, nunca te pedi nada... Enfim... amei o lemon... amei a one... Bjs
1 de Abril de 2018 a las 15:51

  • Vany-chan 734 Vany-chan 734
    AI CARA. SABER QUE MEU SHIPP TÁ FICANDO MAIS CONHECIDO É UM BÁLSAMO PRA MINHA ALMA. EU AMO ELES E VOU DEFENDÊ-LOS. Aliás, migo, se quiser procurar um grupinho ShiIta no facebook, procura Congregação do Sagrado ShiIta, é só responder as fics e viver feliz. Eles são muito flex sim, eu acho maravilhoso explorá-los na cama e nas sutilezas. Eles são supercanonicos gente. Eu já listei 10 motivos pra shippa-los só pelo canon, imagina com os meus headcanons? Se eu for 'lembrava' nas notas, pode fazer numa fic sua sim! Ai tu me ajuda e eu te ajudo? Merchan da amizade é sempre válido UAHSSAUASH OLHA, sinceramente? Transgressões é meu trabalho preferido. Divórcio (sasusaku) tá superando, mas eu amo essa one. Sim, eu quero fazê-la uma long fic, eu tenho até um plot na cabeça, MAS eu tenho medo de acabar estragando meu plot bebezinho sabe? Então, tem chances SIM de Transgressões virar long, mas ao mesmo tempo nao tem, pq eu fico com medo de fazer merda. Por isso, sigo com projetos de ones. Enfim, beijocas! E saiba que eu tneho outras ones deles viu? Fui! 1 de Abril de 2018 a las 19:27
Flora Gois Flora Gois
HINO DA MINHA VIDA♡ Foi aqui que comecei a sofrer por mais um casal.
28 de Febrero de 2018 a las 15:26

  • Vany-chan 734 Vany-chan 734
    Tanto orgulho de ver essa devota à minha Igreja <3 UHASHUASHU Meu ship é muito lindo, olha pra cara deles de que vão trepar até o cu arder. É isso, beijos <3 28 de Febrero de 2018 a las 15:45
Quézia Cristina Quézia Cristina
Meu shippzão especial de Naruto aaaaaaa Menina eu já disse que to amando de paixão suas histórias? Eu adorei a luta! A forma que vc escreve a conexão dos dois é fluida e profunda aaaaaaaaaaaaa to surtando <3 Só espero não estar te assustando com esse montão de comentário, é que eu já tinha lido hoje de manhã mas não podia parar pra comentar. Enfim, cê me conquistou e eu só tenho 3dias de Inkspired hahahaha
27 de Febrero de 2018 a las 11:20

  • Vany-chan 734 Vany-chan 734
    OLAAAAR DE NOVO! AH, que bom que vc gostou! Eles são meu OTP, to tentando me convencer a aceitar a ideia de que desbancaram SS no meu coração AUHSAUHSAH Enfim, eu amo demais Transgressões, foi meu primeiro lemon (sei que tenho muito a melhorar), mas eu gosto da proposta. QUE BOM QUE VC GOSTOU DA LUTA! Era uma cena bem importante, não era só pra "encher linguiça", era um combate bem complicado entre eles e eu adorei como ficou; que bom que vc gostou tbm!! PODE MANDAR UM MONTÃO DE COMENTS, EU AMO ELES (respondo eles tbm viu? dont worry). Pode voltar sempre, vou tentar trazer mais fics pra cá quando a preguiça der lugar HSAAHUA Por isso, mais uma vez, eu tenho conta no nyah com tudo publicado. Enfim, beijocas <3 27 de Febrero de 2018 a las 15:55
~