Quer Casar Comigo? Seguir historia

way_borges229 Way Borges

Meus sentimentos sempre foram confusos, eu nunca soube dizer se gostava ou não de alguém, se estava com raiva ou feliz, mas aprendi com o tempo a diferenciar minhas emoções, porém, nunca senti o que era a sensação de amar uma pessoa fora da minha família, sempre soube o que era, só não havia experimentado, ao menos até conhecer o Naruto. #NaruSasu (+18) (UA) (Capítulo Único)


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18. © Naruto e seus derivados pertencem ao Kishimoto, porém a história é inteirinha minha. Capa editada por mim - créditos da imagem ao(s) autor(es).

#romance #drama #yaoi #LGBT #fanfic #boylove #BL #naruto #sasuke #narusasu #way_borges229 #snschurch #fanfic naruto
Cuento corto
20
7220 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único


Acordei sobressaltado, sentei na cama sentindo o meu coração bater forte e acelerado, meu corpo tremia e suava. Liguei o abajur que estava em cima do criado mudo ao lado da minha cama, olhei para o outro lado a procura do Naruto, fique aliviado ao ver que ele continuava dormindo usando seu ridículo moletom laranja e respirando sem dificuldades.

O loiro tem uma profissão extremamente perigosa, ele adora ser bombeiro e salvar vidas, e é apaixonado pelo o que faz, mas o que o levou para um hospital não foi o seu emprego, por incrível que pareça, o que o fez parar em um hospital foi uma gripe mal tratada.

Tenho pesadelos com o Naruto morrendo desde que ele recebeu alta, me amaldiçoei por ter viajado e deixado ele gripado e sozinho. Se eu soubesse que iria chegar ao apartamento dele e o encontrar encolhido no sofá queimando de febre e com dificuldades para respirar, jamais teria o deixado sozinho, pediria para alguém para cuidar dele, talvez falado com a sua prima e informando o estado do loiro, já que o mesmo tem a terrível mania de não querer incomodar os outros, mesmo doente. Mas nunca imaginei que a gripe do Naruto fosse evoluir para uma pneumonia severa, muito menos que iria me fazer sair correndo para o hospital e muito menos vê-lo respirando com a ajuda de aparelhos.

Nunca tive tanto medo na minha vida, se não fosse o apoio do Itachi, eu não sei como teria lidado com a parada respiratória que o Naruto sofreu e os 15 dias que ele precisou ficar internado. Desde que saiu do hospital, mesmo sob forte protesto, ele tem vivido no meu apartamento, nunca mais o deixo sozinho e doente, mesmo agora que ele já está melhor, não o deixo sozinho, a funcionária do lar sempre fica de olhos nele por mim.

Vi o loiro remexer incomodado com a luz, abrir os olhos e me encarar confuso.

– Aconteceu alguma coisa Sas? – perguntou rouco e sonolento.

Não respondi, em vez disso ataquei os seus lábios e os tomei em um beijo intenso, ele me puxou para mais perto colando nossos corpos. O Naruto está tão impregnado e mim, na minha pele, na minha cabeça e no meu coração, tentei passar isso através do beijo, tentei transmitir toda a importância que ele tem na minha vida, tudo que ele significa e que não consigo colocar em palavras.

Encerramos o ósculo por falta de ar nos pulmões, permaneci de olhos fechados apreciando o calor do seu corpo, encostei nossas testas, sua respiração batia na minha pele, ele segurou meu rosto com as duas mãos.

– O que foi? – sussurrou, consegui sentir a preocupação em sua voz.

Continuei em silêncio, escondi meu rosto na curvatura do seu pescoço, aspirando ao seu perfume e o apertando em meus braços, ele retribuiu o abraço, começou a fazer cafuné e foi sentindo seus carinhos que adormeci novamente.

Despertei com o som incômodo do despertador, por uns instantes tive que abandonar o calor gostoso do corpo do Naruto e desfazer a posição confortável que estávamos só para poder desligar a música irritante que zoava pelo quarto. Voltei a me acomodar na cama, deitei de lado e de frente para o Naruto, ele fez o mesmo, estávamos tão próximos que sentia sua respiração na minha pele, ficamos perdidos nos olhos um do outro.

– O que aconteceu, por que você acordou no meio da noite? – perguntou baixinho rompendo o silêncio.

– Não precisa se preocupar com isso – respondi no mesmo tom.

– Por favor, me diz o que foi que aconteceu, não é a primeira vez que isso acontece, estou começando a me preocupar – falou sincero, não consegui evitar que um sorriso se formasse em meus lábios, ele preocupado comigo e eu preocupado com ele.

– Foi só um pesadelo que vem se repetindo há algum tempo.

– Posso saber que pesadelo é esse?

– Você morrendo e eu não conseguindo evitar – disse sincero.

No primeiro momento a expressão no rosto do Naruto foi de surpresa, depois um sorriso terno se abriu em seus lábios, seus olhos transmitiam tanto carinho e amor que fez meu peito aquecer. Ele beijou meus lábios e foi prontamente retribuído, tinha tanto sentimento no beijo que me causou uma sensação tão boa, tão aconchegante, tão feliz, sinto como se o mundo tivesse parado e só existisse esse momento, como só existisse esse beijo e mais nada. Já não consigo me ver sem esse idiota do meu lado. Eu realmente sinto algo muito forte pelo Naruto, esse sentimento me faz querê-lo de uma forma quase insana.

– Me diz que você não tem trabalhar hoje? – o loiro perguntou manhoso.

– Infelizmente, por sorte hoje é sábado e só trabalho até meio dia – respondi e ele bufou.

– Esse é meu último final de semana da minha licença, semana que vem já volto ao trabalho, já não aguento mais ficar de molho, a única coisa boa nessas férias forçadas foi poder ficar assim com você, bem juntinhos – disse me abraçando e começando a passar as mãos pelo meu corpo.

– Pode parar, seu loiro pervertido, já entendi o que você quer – resmunguei sentindo suas mãos adentrarem o moletom que estou usando e beijos no meu pescoço.

– O que eu estou fazendo? – perguntou ficando sobre mim e beijando meus lábios lascivamente.

– Eu tenho que ir trabalhar – interrompi o ósculo quando senti sua mão invadir a minha calça, isso sem contar o volume que está crescendo entre as pernas do loiro.

– Só uma rapidinha, Sas? – falou rouco no meu ouvido arrepiando os pelos do meu corpo.

– Não senhor pervertido, conheço bem as suas “rapidinhas” – falei o afastando, ele bufou contrariado.

O loiro se jogou no espaço livre na cama, coçou a cabeça se sentindo frustrado.

– À noite eu te compenso – avisei.

– É bom mesmo, vou cobrar – falou fazendo um bico.

Dei um selinho demorado em seus lábios, sai da cama direto para o banheiro o ouvindo falar que vai me deixar sem andar. Loiro pervertido da porra! Eu sei que a maioria das merdas que ele fala é só para me deixar constrangido, mesmo sabendo disso, não consigo evitar que a vergonha tome conta de mim. Nunca fui um cara que fala abertamente sobre sexo como ele, sempre fui muito reprimido nessa questão, principalmente depois de assumir a minha sexualidade. Mesmo pegando vários caras, não saio falando sobre sexo. Meu maior problema era o uso exagerado de palavras de baixo calão, mas depois de muitas brigas com minha mãe, diminui o uso desse tipo de palavreado em quase 90%.

Fiz a higiene matinal e tomei um banho frio, foi difícil resistir a um Naruto excitado. Voltei para o quarto e o loiro não estava mais na cama, provavelmente deve ter ido fazer o café, vesti um terno e fui para cozinha.

Adoro assistir o Naruto cozinhando, ainda mais quando é na minha cozinha e usando o avental cheio de babado e ridículo que comprei para ele querendo zoar com a sua cara, mas o infeliz adorou, foi aí que tive a confirmação que sua cor favorita é laranja. Hoje em dia, graças ao Naruto, eu sei me virar em uma cozinha, mas vê-lo cozinhando para mim é algo que me traz conforto e familiaridade, traz lembranças da minha mãe cozinhando para gente aos domingos.

Depois te tomar café com o Naruto, fui para empresa da minha família, assim que cheguei ao andar do meu escritório, solicitei que não fosse incomodado e me perdi em meio aos documentos que tinha que analisar e meus sentimentos e pensamentos conflitantes.

– Sasuke. – Me sobressalto com a voz do meu irmão, estava tão absorto na confusão que estava minha mesa e mente que não o notei entrar.

– Porra Itachi, não sabe bater não? – perguntei irritado.

– Mas eu bati na porta, irmãozinho tolo, você que não ouviu – falou se sentando em uma cadeira na frente da minha mesa. – Vamos almoçar ou está de dieta?

– Almoçar? – O olhei confuso, peguei o celular para verificar as horas, ele marcava 13 em ponto, fiquei surpreso com isso, não notei o tempo passar.

– Sim, almoçar, ou marcou com o Naruto?

– Não marquei nada. – respondi e vi o Itachi estreitar os olhos.

– Aconteceu alguma coisa entre vocês, estão brigando, ou o Naruto adoeceu de novo?

– Não aconteceu nada, estamos bem, só que... – Esfreguei o rosto com as mãos, depois a apoiei no meu pulso esquerdo.

– Só que? – Itachi me incentivou a continuar.

Estou precisando desabafar, ou irei ficar louco com esse turbilhão de emoções que tem tomado conta de mim desde o dia que tive que leva o Naruto às pressas para o hospital. Apesar se um chute no saco por boa parte do tempo, Itachi sempre foi um bom conselheiro, suspirei cansado.

– Eu estou pensando em pedir o Naruto em casamento. – Fui direto.

– O que? Isso é sério? – perguntou abismado.

– Sim, o Naruto é importante demais para mim, mais do que eu gostaria de admitir. Quando não estamos juntos, eu sinto falta daquele idiota, de tudo nele, entendi? Ao seu lado me sinto tão leve, seguro, confortável. Meu coração quase parou quando ele foi parar no hospital, fiquei tão angustiado, senti tanto medo de que algo de ruim acontecesse com ele, nunca imaginei que me sentiria assim por alguém que não fosse da família. Ele é tão aconchegante, me sinto feliz quando ele está por perto e quero tê-lo para sempre ao meu lado. Eu acho que já está na hora de pedi-lo em casamento.

– Até que fim você vai tomar uma atitude de homem, irmãozinho. – Lancei lhe um olhar mortal. – Você tá enrolando o pobre a 3 anos, não sei como ele te suportou por tanto tempo.

– Dá para falar sério seu, fuinha? – ralhei, o idiota do meu irmão sorriu debochado.

– Tá bom, parei, mas o que você quer? Minha opinião?

– Sei lá Itachi, só não quero tomar a decisão errada.

– Sasu, eu sabia que você era completamente louco pelo Naruto antes mesmo de conhecê-lo, apenas de te ouvir falando dele consegui notar os seus sentimentos por ele, só você que demorou a enxergar isso. Você mudou desde que o conheceu, está mais receptivo às pessoas ao seu redor, sua expressão suaviza quando está perto dele, você até sorrir mais desde que o conheceu. Se isso não for paixão, ou amor, eu não sei o que é. Então, se você quer mesmo a minha opinião, sim, eu acho que você deve pedir o Naruto em casamento.

Gostaria de dizer que meu irmão estava completamente errado, mesmo eu querendo negar isso, até mesmo para mim, é a mais pura verdade, só demorei para aceitar que amo o Naruto. Meus sentimentos sempre foram confusos, eu nunca soube dizer se gostava ou não de alguém, se estava com raiva ou feliz, mas aprendi com o tempo a diferenciar minhas emoções, porém, nunca senti o que era a sensação de amar uma pessoa fora da minha família, sempre soube o que era, só não havia experimentado, ao menos até conhecer o Naruto.

Será que se ele me ama?

Ele não estaria comigo todo esse tempo se não sentisse nada por mim, ou estaria?

Se ele me ama, será que é o suficiente para casar comigo?

Cocei a cabeça sentindo a angústia crescendo em mim, essa possibilidade faz meu peito doer, quero aquele loiro do meu lado, falar com o Itachi criou mais dúvidas na minha cabeça.

– Relaxa irmãozinho, o Naruto também está louquinho de amores por você e vai aceitar seu pedido de casamento – falou como se soubesse a confusão que está a minha mente.

– Por que acha isso? – perguntei ansioso por sua resposta.

– Por causa da maneira que ele te olha. Acredite em mim, aquele loiro é completamente louco por você, ele não vai te deixar tão cedo. Agora deixa de papo e vamos comer, meu estômago está grudado nas costas, se eu não me alimentar dentro de meia hora, vou cair durinho.

– Deixa de drama seu fuinha – zombei.

– Não estou fazendo drama, é sério. Estou quase desmaiando aqui – falou se levantando com a mão no coração.

– Perdi a fome. – Eu não sentia a mínima vontade de sair.

– Para de ser chato Sasu, vamos logo.

– Às vezes você consegue ser mais gay do que eu, Itachi – brinquei.

– Cala a boca pirralho, levanta essa sua bunda branca daí antes que eu faça você levantar.

– Fuinha imbecil.

– Branca de Neve.

– Rapunzel – retruquei com um sorriso de desdém.

Revirei os olhos e suspirei cansado, ele não vai me deixar em paz até receber um sim, para evitar maiores aborrecimentos, achei melhor ceder e ir com ele. Liguei para o Naruto avisando que ia almoçar com o Itachi e que depois iria direto para casa, ele falou que eu não precisava ter pressa já que ele teria que ir ao quartel se inteirar de uns assuntos antes de voltar ao trabalho e só voltava à noite, também pediu mil desculpas por esse imprevisto.

Até que almoçar com meu irmão não foi uma completa perda de tempo, ele não ligou o modo cretino ordinário e tivemos uma boa conversa, depois do almoço fomos ao cinema localizado perto do restaurante que escolhemos. Foi agradável passa a tarde com meu irmão, acho que faz uns 7 anos que não passamos tanto tempo juntos, essa experiência estreitou mais o laço que nós uni.

Cheguei em casa por volta das 20 horas, abri a porta devagar dando de cara com eu apartamento sendo iluminado apenas por velas, entrei e minhas narinas foram preenchidas por um maravilhoso cheiro de rosas, olhei ao meu redor e tinha varias rosas vermelhas se misturando com as velas, o Naruto estava parado bem no meio da sala segurando uma rosa amarela nas mãos, ele usava um terno preto, uma camisa branca para contrastar com a gravata preta, os cabelos bagunçados e um sorriso lindo no rosto. Fiquei surpreso com tudo que estava ao meu redor, meu coração começou a bater mais forte no peito, à expectativa tomou conta de mim, mas não demonstrei nada disso.

Naruto veio até mim, sem quebrar o contato visual ou diminuir o sorriso em seus lábios, me entregou a flor que ele segurava, colocou as mãos nos bolsos e desviou os olhos dos meus, o vermelho em suas bochechas o deixa ainda mais lindo.

– Eu não sei como fazer isso... eu realmente não sei... – falou depois de um tempo em silêncio, coçou a cabeça de maneira nervosa, suspirou e voltou a olhar para mim. – Sas eu... –abaixou os olhos, suspirou novamente e voltou a me encarar – eu não sei como fazer isso. Eu sou um cara quebrado, você sabe disso, sabe o que passei e já viu o meu pior lado, não tenho nada para te oferecer além desse sentimento que tem dentro de mim. É algo tão forte, eu nunca me senti assim, nem ao menos sei nomear direito o que sinto, só sei que é seu, é por você que meu coração bate. Poucas coisas boas aconteceram na minha vida, conhecer você é de longe a melhor delas. Somos completamente o oposto um do outro, mesmo assim, eu não consigo te deixar, não por que você me completa, eu já sou uma pessoa completa, mas por que você acrescenta e me sinto feliz ao seu lado. – Tirou uma caixinha aveludada azul do bolso. – Eu te amo Uchiha Sasuke, te amo muito e quero passar o resto da minha vida ao seu lado, por isso eu quero te fazer uma pergunta.

Depois de terminar de falar, ele abre a caixinha aveludada deixando à mostra duas alianças douradas. Meus olhos começam a arder anunciando as lágrimas, meu coração começa a bater ainda forte no meu peito, às borboletas no meu estômago ficaram em polvorosa. Balancei a cabeça, incrédulo demais com que estava acontecendo, eu estava sendo pedido em casamento pelo cara que tem bagunçado a minha mente e meus sentimentos, o cara que eu pedir para casar comigo foi mais rápido e fez melhor do que eu faria.

– Você aceita casar comigo? – Ele me olhava em expectativa.

– Idiota – resmunguei.

Segurei seu rosto com as duas mãos e tomei seus lábios em um beijo necessitado e urgente, ele agarrou minha cintura colando nossos corpos, eu o apertava em meus braços mais e mais.

– Acho que isso é um sim? – perguntou sorrindo.

– Ainda tem dúvidas? – respondi com uma pergunta.

O sorriso que se formou nos lábios do Naruto foi tão grande que por um instante achei que iria saltar de sua face, ele pegou uma das alianças e colocou no meu dedo, fiz o mesmo com ele e depois voltei a beija-lo com toda a força dos meus sentimentos. Desci meus lábios pelo seu pescoço, minha mão a direita foi para seu membro, onde comecei a estimulá-lo e um suspiro escapuliu de seus lábios.

– Vam-vamos jantar, eu fiz comida para a gente – falou arfante.

– Eu quero outra coisa – falei tirando o seu blazer e voltando a beijá-lo com volúpia.

– Porra, eu tô tentando ser romântico, Sas – resmungou quando interrompemos o ósculo por falta de ar.

– Foda-se. Não, melhor, me fode – pedi voltando a massagear seu membro sobre a calça.

Hoje meu orgulho vai para puta que pariu, serei do Naruto, apenas dele.

– Arg... Filho da pu... – Apertei seu pau com mais força.

Isso foi o suficiente para fazê-lo perder todo resquício de controle que ainda tinha, então tomou meus lábios com vontade e desejo, a sua língua dançava com a minha, nossas bocas se chocavam, tão gulosas, como feras desejando mais e mais um do outro. Ele me apertava com ferocidade, como se estivesse tentando marcar seu toque no meu corpo. Senti minhas costas se chocar contra a parede e começou a esfregar sua ereção na minha virilha, suas mãos passeando pelo meu corpo e tirando minha camisa fez meu membro reagir ao seu contato.

– Espero que saiba o que me pediu, porque eu vou enterrar meu pau com toda a minha força nessa sua bundinha deliciosa, te fazer gritar e gozar gostoso em cima dele, te foder até você esquecer o próprio nome e só saber falar o meu – falou rouco no meu ouvido, um arrepio gostoso percorreu meu corpo, gemi excitado.

– Tá esperando o que? Um convite formal, Usuratonkachi? – sussurrei atrevido no seu ouvido, minha voz estava tão rouca quanto à dele.

Sorri malicioso, mordi seu pescoço puxando sua camisa e arrancando todos os botões, seus lábios voltaram para os meus, suas mãos desceram para bunda e me ergueu fazendo minhas pernas enlaçasse seu quadril, apertando sua ereção na minha, depois saiu andando para o quarto, sorri entre o beijo com a expectativa de como será essa noite, pois promete que será longa e prazerosa.

24 de Febrero de 2018 a las 22:22 2 Reporte Insertar 7
Fin

Conoce al autor

Way Borges Nome: Waynne Borges Idade: aí depende da ocasião Sou um universo em constante expansão, sempre aprendendo coisas novas e aberta a novas experiências. Tímida no primeiro contato, mas depois o difícil vai ser me fazer parar de falar. Sou gentil, atenciosa e educada com todos e espero a mesma cortesia, entretanto, isso não significa que eu não saiba ser grossa quando necessário. Adoro chocolate, séries, filmes e desenhos. Cachorros e gatos sãos meu ponto fraco, fico toda derretida.

Comenta algo

Publica!
Laisso -chan Laisso -chan
Ahhhhhh parou na melhor parte!!! Hahahaha ADOREIIIIII
27 de Febrero de 2018 a las 19:34

  • Way Borges Way Borges
    rsrsrs... é só dá uma olhadinha nas minhas outras historias que você terá uns lemon's bem quentes... a one Entregue é um lemon ;-) 27 de Febrero de 2018 a las 20:36
~