alexzerograu André Barreto

Nova Lyon é uma cidade rica, com abundância de petróleo e turistas, mas a cidade sofre com vários sanguessugas. Políticos corruptos, famílias poderosas e pobreza. Esse é o contexto onde um casal de imigrantes venezuelanos e seus dois filhos se encontram. A criança terá que lidar não só com os problemas de sua família de sangue, mas consigo mesma. Também sendo publicada no Spirit e Wattpad


Aventura No para niños menores de 13.

#crime #aventura #lgbt+ #brasil #família #irmãos #personagens-originais #cartel #o-batedor #hyperium #Imigrantes
1
1.4mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 10 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Cruzando a linha.

– ¡Cariño, hija, mira lo que llegó en el correo! – Meu pai chega correndo pela porta da nossa pequena casa, balançando uma carta aberta na mão. Ele me pega no colo e dá um beijo carinhoso no rosto da minha mãe. – ¡Vamos a Brasil!

Eu não sabia muito bem o que era um Brasil, mas descobri que o caminho para chegar lá era muito longo. A gente teve que ir voando de avión e foi muito legal, mesmo que mi mamá estivesse com bastante medo. Eu vi as nuvens bem de perto e papá disse que elas eram feitas de algodão doce, mas acho que el estaba bromeando comigo porque uma aeromoça que estava passando deu uma risadinha.

Durante o voo, papá ficou lendo um livro com um monte de palavras que eu não entendia, porém tinha umas figuras bastantes coloridas de várias pessoas diferentes e até de uma estátua de um homem de braços abertos. Mas o voo estava muito longo e comecei a ficar muito cansada. A última coisa que vi antes de dormir foram mis padres sorrindo para mim.

Eu fiquei sonolenta o resto da viagem. Sinto braços fortes me carregando para fora e depois sinto braços mais macios e uma voz doce cantando algumas músicas na nossa língua nativa. Ouço vários sons e vozes desconhecidas falando coisas que não entendo, mas mantenho meus olhos fechados. Eu estava bastante assustada.

Finalmente, depois do sol está quase se pondo, ouço mi mamá falar alguns coisas com o motorista que nos trouxe até aqui e depois sinto um beijo na minha testa. Abro os olhos e vejo onde estamos. O lugar era muito maior do que onde morávamos antes. Tinha um quintal enorme que dava pra mi mamá e papá finalmente terem um jardim que eles sempre falavam para mim, e bastante lugar para eu jugar também! Desço do colo e vou correndo na frente, me desequilibrando um pouco e sendo segurada pelo mi padre.

– Espera, filha. Vai com calma. – Vejo ele sorrindo para mim e ouço mi madre rindo no fundo. Sorrio também para ele e vou andando devagar para a porta. O lugar estava cheio de caixas de diversos tamanhos. Diferente do lado de fora, onde as paredes estavam pintadas de um leve tom de azul, por dentro os cômodos mantinham diferentes tons de branco.

– Nossa, esse lugar é muito bonito...

– A empresa também disse que ia dar os móveis?

– Eu… não tenho certeza.

Antes que eu possa escutar o resto da conversa de mi padres, subo as escadas engatinhando. Infelizmente, todas as portas estavam fechadas e eu não alcançava a maçaneta, mas no fundo do corredor tinha uma janela e algumas caixas por perto que dariam uma escada perfeita para mim. Subo e coloco meu rosto encostado na janela. Eu nunca estive numa casa de dois andares, e a vista era muito bonita. Dava pra ver de longe que tinha um parque cheio de brinquedos e algumas crianças brincando. Desço correndo e vejo meus pais no que parecia uma pequena discussão.

– Você disse que tinha cortado laços com ela! Isso só vai trazer perigo para todos nós. – Mi madre dizia com uma expressão triste e cansada.

– E eu cortei! Pode não ser ela, a empresa parecia bastante generosa. – Mi padre rebateu, tentando manter o tom baixo.

– Empresa generosa? Em que mundo você… Oi filha, está a quanto tempo ai? – Finalmente eles me percebem e tentam disfarçar a briga que tiveram. Eu nunca tinha visto os dois falando daquele jeito e me deixou bem triste.

– Por que estão brigando? Eu fiz algo? – Cruzo as pernas e olho para baixo com os olhos marejados.

– Claro que não, meu amor. – Mi papá se aproxima na escada e me pega no colo. – Não é mesmo, Carmen?

– Sim, querido. Só estávamos um pouco… emocionados. – Mi madre segura meu rosto e sorri. – Desculpa te preocupar.

O resto da tarde foi mais tranquilo. Mi padres descobriram uma caixa com uma televisão colorida, a primeira da minha vida. Eles colocaram em um canal onde estava passando uns desenhos e foram desencaixar as outras caixas. No começo eu não estava entendo nada, mas depois de um tempo comecei a compreender o que eles estavam dizendo. Não eram tão diferentes de espanhol e mamá às vezes cantava algumas canções da infância dela em português. Ela dizia que a vovó e o vovô moravam no Brasil, mas resolveram voltar pro país deles, a Venezuela, por saudades.

Depois de algumas horas eu reclamei de fome e eles resolveram parar para termos nossa primeira refeição em família na nossa nova casa. Mi padre achou uma caixa com alguns alimentos, e resolvemos fazer uma rápida refeição. O clima de antes sumiu completamente e estávamos somente aproveitando a companhia um do outro.

25 de Marzo de 2021 a las 14:19 0 Reporte Insertar Seguir historia
2
Leer el siguiente capítulo Um bolo sem velas.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 12 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión