Crônicas de um caderno engavetado Seguir blog

sweet-mary Mary Escreva, escreva, escreva. Você não pode correr do seu destino, viver implica esse risco. O de os planos não darem certo. O de uma recaída fazer com aqueles dez passos para frente que você tinha dado com tanto custo sejam vinte para trás. O de uma tristeza que não passa. O de no fim das contas o caminho ser outro. Há dias mais difíceis do que outros, em que estar sob o efeito de um bloqueio criativo torna a realidade mais cinzenta do que o costumeiro, todavia viver também significa acreditar que essa pausa se faz necessária para as grandes vitórias que virão. E aí? Vem comigo?
Historia No Verificada

#poesia #amores #solidão #descobertas #pensamentos #memórias #perdas #escritora-mary #saudades #decepções #inspirações
AA Compartir

mesmo pequena, infinito

Era dia, mas anoiteci.

Me tranquei em mim.

Era noite, eu cinza.

A escuridão era clara,

Queimava feito fogo.

As labaredas consumiam

O passado de desalentos

Encolhida numa conchinha.

Segura de mim mesma?

Do temível e incontrolável?

De baixar a guarda

E aceitar o inevitável?

Era dia, e eu era noite.

Eu era meus passos morosos.

Eu era tudo, menos eu.

Nessa ardente escuridão

Um refresco para a alma

Nuances claras para o cinza

Para encobrir as feridas

E fazer desses versos uma avenida

Onde as cores encantam

E mesmo quando é noite

O sol se projeta no verso...

E por falar nele, onde está?

Onde você souber enxergar...

Se não for no meu, é no seu!

É na magia do olhar que tanto diz

Sem nada precisar dizer.

O olhar úmido como a chuva

Para o tempo presente

Para dentro do próprio coração

Que se abre devagarinho

Para o mundo que se chama,

Para o amor que existe no fazer

Que existe por si só e cresce

Sem caber dentro do peito,

Sem caber em si, nem na linha.

Então, eu sou esse verão

E sou a outra face da moeda.

De noite, sou dia.

De dia, sou meio eu meio mundo,

Mas do coração para dentro

Sou além das impressões,

Primeiras ou definitivas,

Sou o amor que sinto

Mesmo pequena, infinito.

11 de Abril de 2019 a las 00:00 0 Reporte Insertar 0
~

por que choras, menina mulher?

— Por que choras, menina mulher?

— Porque tenho feridas que nem a indulgência do tempo é capaz de fechar.

— Não chore assim. Você é maior do que o mal que te causaram.

— Quem me causou tanto mal ainda causa porque na cabeça dessa pessoa, eu estou sempre à disposição. Ele pensa que agiu corretamente e eu estou errada. Eu tento seguir a minha vida, é o que faço todo dia, tentar seguir com o que sobrou de mim. Ele, não. Ele saiu vencedor do embate e ainda assim parece disposto a não sacramentar o ponto final nessa história, então como essa ferida vai se fechar? Ele nunca se importou com os meus sentimentos, só priorizou os dele, só enxergou a si mesmo e tampouco se arrependeu do que fez. A ferida aberta me mudou pra sempre, por isso eu choro, porque eu nunca mais poderei ser quem eu era antes de tudo acontecer.

— Você pode ser melhor do que "antes de tudo acontecer".

— Perdi muito do meu brilho interior, minha confiança nas pessoas, minha alegria de viver...

— Você pensa que perdeu, mas é impossível alguém apagar aquilo que não sai de você. A dor encobre a alegria, o sorriso, mas não apaga a luz interior. A depressão furta o ânimo de viver, mas os mesmos ventos que trouxeram tristeza e dor haverão de trazer boas notícias.

— Você acha que algum dia eu vou voltar a sorrir como se nunca tivesse me quebrado?

— Querida, você  faz isso!

— É sério?

— Todo dia, por mais mecânico que pareça, quando você abre os olhos e faz a cama, você diz a Deus que está disposta a viver e se permitir. Mesmo agora que você está triste por conta dessas feridas que dão a impressão de não se fechar, Deus está olhando por você e tratando desse coração magoado. Hoje é só um dia em que você acordou triste, pensando em como seria a sua vida se tivesse feito escolhas diferentes, porque você olha para tudo à sua volta e não se encontra, mas é apenas um dia ruim. As escolhas que te levaram a sentir dor são aquelas que te ajudaram a se tornar a mulher que hoje você é, a mulher que mesmo com o coração ferido, ainda é capaz de sentir amor. A pessoa que rejeitou tudo de bom que existe em você é minoria, não vale a pena, nunca valeu, se te persegue é porque conhece a sua força e quer roubá-la de você. Ele não soube amar você, não soube valorizar a princesa que você é, não se deu conta do privilégio que teve e um dia a conta vem, você não precisa saber. Se ele semeou maldade, é maldade que colherá. Ele não entrou na sua vida para ficar, mas para te ensinar a não ser como ele. Não se esconda por ter medo dele, não esconda sua beleza, seu sorriso, sua simpatia, seu talento, só porque ele te persegue ou porque a rejeição te fez pensar que você era o que ele te fez sentir.

— Tem dias em que eu até consigo sobreviver, que penso que vou superar, mas em outros, quando eu caio em mim e analiso a minha vida, fico tentando imaginar o que eu poderia ter feito de diferente pra nunca tê-lo conhecido...

— Infelizmente você vai supor um monte de hipóteses, mas nunca vai poder comprovar. O fato é que não se pode voltar atrás e reescrever os capítulos feios da nossa história, como um escritor pode fazer se não gostar do desfecho do livro ou da novela. Na vida real, procede de outra forma. É preciso ter uma leitura crítica e sábia das coisas, tentar extrair dos parágrafos amargos o que pode ajudar alguém numa dada altura da existência. E você é mais do que um capítulo ruim da sua história. Tem tantas pessoas bacanas no mundo que adorariam te conhecer, tantos lugares pra se visitar, tanto amor pra se sentir, que não vale a pena chorar de raiva de um embuste egoísta e mimado que sempre teve uma vida fácil, só fez esforço pra nascer. Ou nem isso.

— Eu choro porque ele decidiu por mim algo que eu como pessoa deveria decidir e fez sua maldade de maneira que eu não posso denunciar, sendo obrigada a conviver com essa dor no meu peito e na minha alma, pensando no que posso ter feito de tão mal pra merecer o que aconteceu. Às vezes, de noitinha, eu peço perdão pra Deus até pelos pecadinhos que cometi na infância, por tudo que fiz e não deveria ter feito, fico refazendo meus caminhos, imaginando que por alguma razão eu fui castigada. Sei que isso não me define como pessoa, mas a maneira como ele me fez sentir dói porque nenhuma mulher merece passar pelo que passei naquela quarta-feira de inverno, dia 24 de junho de 2015, o dia em que eu morri, mas se esqueceram de me enterrar. Ele tocou o carro, seguiu em frente, sumiu, me deixou louca e não se importou em nenhum momento com nada. Ele me reduziu ao “nada”.

— Um dia a conta vem. Um dia alguém vai fazer com que ele se sinta um “nada” e ele vai se sentir exatamente como você se sentiu e talvez você nunca nem fique sabendo. Mas não chore mais, não por isso, não pelo que já foi, porque você não teve culpa e não pode passar o resto dos seus dias se escondendo como se fosse você a criminosa, por medo de que alguém te machuque de novo. Você ainda tem tanta vida pela frente, confie em Deus que ele toma nota de cada lágrima que você derruba, ele sabe de cada noite que você passou acordada chorando, presenciou todo o seu sofrimento e nos momentos como agora em que você pensa estar sozinha e se sente “menor” que as outras porque as outras não têm no coração “essa ferida que tanto dói”, ele está te colocando no colo e cuidando de você. Descanse sua dor em Deus. Não se vingue. Semeie flores, que seu caminho florescerá. Você não precisa correr o mundo atrás do amor verdadeiro, se você continuar insistindo em viver e se amar mesmo que ninguém te ame, ninguém te espere, afinal de contas, você é uma princesa, foi, continua sendo e sempre será. E você é a princesa de alguém, talvez essa pessoa ainda nem saiba que vai te conhecer e ver o sol brilhar nesses olhos de jabuticaba, mas eu sei, porque eu sei que quem sonha em viver um grande amor, um dia realiza esse sonho. Não desista! Não desista de encontrar um grande amor! Nunca, nunca, nunca desista!


(baseado em fatos reais)

8 de Abril de 2019 a las 00:01 0 Reporte Insertar 0
~

não olhe pra trás

Enquanto você chora ao rememorar um passado que já está morto faz muito tempo, o presente te estende as mãos para te dar um presente. 

Suas lágrimas não vão reescrever a história. Comece outro livro. Nada como o cheirinho de caderno novo. Solte esses dedos suados e deixe esse balão pesado de mágoa ir embora.

Não olhe para trás!

Você errou, mas não precisa passar o resto da sua vida se martirizando. Perdoe a quem te machucou mesmo que essa pessoa não mereça, mas se perdoe...

Uma porta se fechou, um sonho acabou, mas oras, há janelas de onde se pode vislumbrar o nascer e o pôr do sol, outras portas se abrirão, outros amores virão, outros amigos, outros sonhos...

Você sempre será conduzida ao lugar onde deve estar. Que sua alma esteja em comunhão com seus desejos e que eles sejam seus.

Que hoje tenha sido o último dia que você desperdiçou sofrendo por esse passado que não volta mais e também tinha lá às suas imperfeições das quais você costumava se queixar... Porque você também não estava satisfeita com ele...

Deixe seus dedos sentirem pela última vez a textura desse barbante e vá soltando aos poucos esse balão...

E, não, não olhe para trás!

5 de Abril de 2019 a las 00:00 0 Reporte Insertar 0
~

amigos, amores, desafetos e reflexões

Conhecemos inúmeras pessoas ao longo da nossa vida, disse a minha professora de português do ensino médio, muitas memórias para administrar, muitos nomes para decorar, associações a serem feitas, explicação feita por ela para mostrar quão grande é o nosso mundo e que eu guardei, muita gente que estava naquela aula nem deve ter prestado atenção, entretanto aproveito esse ensejo da inspiração para complementar que são poucas as que realmente deixarão marcas em nossos corações. 

Tivemos muitos professores ao longo da nossa vida acadêmica, porém sempre haverá aqueles que foram mais marcantes, seja pelo carisma, pela personalidade inflexível ou porque nos despertou algum sentimento de paixão, porque nos acendeu a luz para a nossa vocação e nos fez perceber o potencial escondido por trás do medo, da timidez, da resistência que temos com determinados assuntos.

Teremos muitos amigos ao longo da vida. Muitos é um modo de dizer. Conheceremos colegas que serão elevados ao status de amigos de acordo com o contexto, como os amigos de escola, aqueles com quem aprendemos a conviver porque são eles que nos ensinam que nem sempre sabemos lidar com as diferenças. São com eles que aprendemos o quanto é importante reconhecer quando se excedeu numa discussão, quando é o momento de ceder diante de uma negociação, como é importante oferecer uma palavra amiga para uma pessoa que está tendo um dia ruim, às vezes apenas ouvir, sem julgar, sem prescrever soluções, deixar o outro extravasar a tristeza até o peito suspirar aliviado porque alguém no mundo dedicou importantes minutos para acolher a dor alheia e mostrar que sozinhos não vamos muito longe. Nem sempre tem reciprocidade, contudo não devemos fazer o bem esperando que todos sejam gratos e reconheçam.

E depois os amigos de escola até prometem que vão manter contato, mas no calor da emoção que o fim do ensino médio desperta, o medo do futuro que é tão incerto, tão assustador, o fim de ciclo apavora qualquer um e então nos damos conta de que até aquelas picuinhas que nos aborreciam sobremaneira não eram tão insuportáveis assim, só que já é tarde demais, o que vivemos deixa de ser rotina para integrar lembranças, registradas ou não em bilhetes, fotografias, cartinhas e conversas inesquecíveis, momentos que mesmo sem estar escritos, existiram. Com o passar do tempo, conhecidos se tornam estranhos. Raros exemplos superam os portões do colégio e seguem adiante. A grande maioria se separa e hoje em dia stalkeia a galera para saber o que a vida fez com cada um.

Algumas pessoas abençoadas conseguem conservar as amizades de infância por toda a vida. Muitos de nós cresceram (digo isso por mim) vivendo de ciclos, demorando um pouco para encontrar um lugar o qual nos encaixássemos pelo menos por um determinado tempo. Em alguns momentos temos que ser nossos melhores amigos porque não podemos fugir de nossos compromissos e precisamos nos apresentar ao mundo como se nosso universo interior não estivesse estilhaçado.

Amigos de verdade são poucos. Pouquíssimos. E cada amigo que entra em nossa vida tem seu jeito de ser, suas manias, necessidades, portanto não tratamos os nossos amigos da mesma maneira, sempre temos um cuidado especial com eles, sabendo que há aqueles que têm uma personalidade mais extrovertida e que por mais que eles tenham outros amigos, não significa que não tenhamos a nossa relevância na vida deles. Temos, sim. Cada amigo nos ama da maneira que pode, que sabe, que é válida porque é verdadeira.

Acredito que podemos amar algumas pessoas ao longo da vida, mas de todas elas, sempre haverá uma que nos marcará mais profundamente. Pode ser a primeira ou não. A ordem não importa, não é assim que se mede o amor, mas imagino que enquanto você lê meu texto, deve vir à mente o nome de alguém especial a quem você ama neste instante ou que já povoou seus pensamentos, todo o seu ser. 

Às vezes eu imagino o que nos faz gostar tanto de um ser humano sem que ele tenha nos dado qualquer motivo para isso, que seja, como se diz, "de graça", aquela coisa de sentir uma empatia, um bem querer tão grande que é difícil de ilustrar com a habilidade de um romancista. Eu acho isso tão lindo, gostar de alguém desse jeito, só por gostar... No entanto, parece bonito falar de amor. Não parece, é. Amar é bom. É o que faz valer a nossa existência aqui na Terra. Aquele momento em que nos sentimos cobertos pela poeira das estrelas e todos percebem no brilho do nosso olhar que emana a emoção, de onde transborda a plenitude.

Também preciso adentrar num assunto um tanto quando delicado, o de refletir a respeito daquelas pessoas que marcam a nossa vida por terem nos magoado, injustiçado, humilhado, usado, traído, ofendido. Não sou uma especialista em perdão, aliás, tenho MUITA dificuldade em perdoar e sei que não sou exemplo para ninguém porque ainda tenho muito para evoluir nesse sentido porque também estou do outro lado, também posso ter sido alguém que provocou dor e desgosto, mesmo que sem intenção ou talvez imbuída por algum sentimento que eu desejava extravasar para expurgar a raiva que sentia, o ciúme, a insegurança, a falta de maturidade para encarar certas situações porque o entendimento às vezes vem de brinde com o sofrimento, quando os papeis se invertem e as noites em claro amargando uma lancinante dor me ajudam a me colocar no lugar de quem feri.

Quando alguém nos fere, dói muito, mas sem dúvida a pior punhalada é aquela que parte de alguém a quem estimamos sobremaneira porque nós nos inquirimos a respeito do que podemos ter feito para merecer tamanha injustiça. 

Falei de coração partido?

Pois bem, muitos de nós já tivemos o coração partido em algum momento da vida e desacreditamos do amor, mas tal como a escrita nunca morre de verdade para quem tem o dom, o amor também nunca morre. As lágrimas denotam que existe esperança. No deserto da vida, quando estamos nos recuperando de uma grande desilusão, nos fortalecemos como a águia e não tem nada mais bonito quando entendemos de uma vez por todas que UMA pessoa não pode ser o nosso motivo de desacreditar de viver, só porque ELA não soube valorizar o privilégio que teve de fazer parte de nossa vida e aceitar o amor que tínhamos para oferecer, não significa que todas as outras irão nos desprezar.

O coração partido leva embora a inocência, eu reconheço. O sorriso se murcha, o nariz fica assado de tanto chorar, alguns de nós ganham uns quilinhos na balança, outros perdem. Alguns de nós se isolam completamente para evitar novas desilusões, outros procuram amores de uma noite por aí. Todos, do seu jeito, tentando curar aquela feridinha que dói do lado de dentro, que mamãe não pode beijar como fazia com os joelhos ralados.

Ferida essa que um dia vai deixar de doer porque um amor pode te partir o coração e outro pode curar. Sim, o amor pode curar. Seu amor pode servir para inspirar alguém a enfrentar seus maiores medos, a superar inclusive o medo de amar de novo (ou pela primeira vez), como o amor de alguém pode nos tirar da zona de conforto e nos fazer enxergar que a minha professora tinha razão, o mundo é grande, existem muitas pessoas, e mesmo que não decoremos os nomes de todas, tampouco estreitemos vínculos, algumas delas passarão pelas nossas vidas.

Já pensei muitas vezes que queria morrer sozinha, isolada de qualquer contato humano, mas quando proferi isso estava chateada porque me prendia a UM episódio desagradável para julgar todo o restante do contexto (por exemplo, me sentir terrível porque eu gostava de alguém e não podia contar e alguém gostava de mim, mas eu não conseguia gostar), então era fácil gritar, espernear, fazer de tudo para afastar iminentes perigos, mas nada me blindou da decepção que me transformou pra sempre.

Poderia ser o destino dizendo que nasci para ser sozinha, mas o que me ajudou a enfrentar a vida após o coração partido foram as pessoas, cada uma do seu jeito, e uma pessoa, por outro lado, me mostrou que não valia a pena deixar de acreditar no amor só porque UMA não soube valorizar o privilégio de fazer parte do meu mundo, não soube me amar, me acarinhar, me apreciar, me incentivar, pois todo o tempo que perdi sofrendo por alguém que não merecia, eu não percebia os sinais, mas era a vida me ensinando a caminhar sozinha, a me amar um pouco mais, não me humilhar pela atenção de quem não fazia questão de mim, de quem não me priorizava, logo eu entendi que não escolhemos por quem vamos nos apaixonar, mas temos que saber até onde vale a pena sofrer...

Talvez o tempo enfraqueça minha memória e eu me esqueça de muitas pessoas que passaram pela minha vida, por isso eu gosto de escrever sobre elas, mesmo que nem sempre promova um nome em especial, pois mesmo que elas deixem de fazer parte da minha rotina ou sejam levadas por Deus, serão eternas em minhas palavras e posso dizer que quem consegue entrar no meu coração e ter o meu carinho, precisa cultivar esse bem querer porque por mais dura que eu pareça na queda, meu coração é infantil, bobo, sentimental, eu não quero me tornar fria e insensível, quero amar e aprender também a pedir desculpas quando não agir de uma maneira aceitável, quando magoar alguém, mas quero que aqueles que estão no meu coração não me façam abrir as portas para que partam, que quando tiverem de fazê-lo, deixem lembranças boas para eu guardar no meu baú de segredos e sonhos, aquele baú que ninguém vê, que não tem valor monetário, porém é onde guardo tudo o que é bom pra mim.

Aí, eu penso com os meus botões coloridos espalhados pela bancada: será que eu estou dentro do coração de alguém? Será que eu apenas passo por entre a multidão e de mim ninguém nem se lembra do nome? Será que em algum momento eu já fui o amor de alguém ou ao menos uma grande amiga? Será que eu parti o coração de alguém tão profundamente que essa pessoa sofreu e pensou que o amor não existia ou que não valia a pena acreditar nele? Será que alguma palavra minha magoou muito alguém ou inspirou?

Gostaria de ser, pelo menos para uma pessoa, a personificação para o amor. Talvez de um ser em especial. Talvez ser, para cada pessoa que amo, a representação mais fidedigna do bem querer, só não queria passar por esse mundo em vão, sem deixar nenhuma marca, nada que faça com que eu seja lembrada, por isso pensei tanto em escrever esse texto, porque tenho tantas ideias e não acho justo aprisioná-las. Eu aprendi a escrever de tanto insistir e a amar, amando, não tem outro caminho...

Se eu viver pelo menos por mais cinquenta anos, conhecerei muitas pessoas e esse texto será apenas mais um que escrevi numa noite qualquer em que o desejo de externar minha inspiração era mais forte do que a vontade de ter a razão.

2 de Abril de 2019 a las 00:00 0 Reporte Insertar 0
~
Leer más Página de inicio 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11