loremkmorais Lorem K Morais

catarse substantivo feminino 1. PSICOLOGIA liberação de emoções ou tensões reprimidas, comparável a uma ab-reação.


Short Story For over 18 only.

#psicologia #pensamento #catarse
Short tale
2
2.5k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Catarse

Tem um monstro que mora debaixo da minha cama.

Ele nunca sai durante o dia, pois ele teme a luz mais do que tudo. Sempre que tento o convencer a sair, ele se retorce e geme, se encolhendo para o canto mais afastado da parede.

O monstro debaixo da minha cama está sempre sentindo alguma coisa. Há noites em que ele chora de forma copiosa, reclamando da minha apatia com seu sofrimento enquanto tento dormir.

"Saia daí então."

Seus olhos, vermelhos e chorosos me olham de forma acusatória.

Olhando assim, ele nem mesmo parece tão grande ou assustador.

Só quando ele rasteja para fora, se aproveitando do escuro, eu consigo ver quão grande ele é, o quanto ele cresceu nos últimos tempos.

No escuro, ele prospera.

O monstro debaixo da minha cama diz que está sempre com raiva, e é a raiva que o faz chorar. É um sentimento constante e sem direção, sem um alvo. Ela fez residência em seu corpo, como o monstro fez residência debaixo da minha cama.

Quando a raiva aflora eu não consigo dormir, tentando impedir que o monstro grite.

Eu abafo sua voz, o empurro para baixo da cama.

"Se não ficar quieto, eu te jogo para a luz."

Sempre funciona, ele sempre se cala.

Eu consigo ser muito cruel com meu monstro.

O monstro debaixo da minha cama está sempre procurando alguma coisa.

Ele fuça meu quarto no meio da noite, jogando os papéis da mesa e me atrapalhando quando tenho que estudar. Ele bebe meu café e se pendura nas paredes, me pedindo para contar mais uma vez aquela velha história, sobre como a culpa é minha sobre tudo.

O monstro debaixo da minha cama e eu temos uma relação estranha de amizade. Uma amizade abusiva, em que o chuto para debaixo da cama e ele grita todas as minhas culpas e fala todos os meus medos.

"Está tudo bem." Ele sorri. "Podemos falar disso no escuro, ninguém vai saber."

Ele muda de rostos, tentando me fazer chorar, mas é ele que sempre chora.

Eu não choro há anos, nem sei se consigo mais chorar. Mas o monstro insiste.

O monstro debaixo da minha cama tem piedade de mim, esses dias ele me pediu para o deixar sair na luz.

"Se você sair, você vai morrer."

"Eu sei, mas não tem mais espaço aqui embaixo. Você me deixou crescer demais."

Eu não quero deixar meu monstro ir.

O monstro debaixo da minha cama se arrastou para a luz. Sua raiva fazendo as paredes tremerem, seu choro encharcando o quarto, em um rastro pelo caminho.

Fascinada, eu o vejo se encolher, o seguindo pela porta.

A luz do sol faz meus olhos lacrimejarem, depois de muito tempo.

Eu tento lembrar se é a mesma sensação de chorar.

Finalmente o monstro consegue soltar sua raiva em um grito, antes de finalmente desaparecer.

Quando retorno para o quarto, ainda ouço o eco dos gritos.

Eles se parecem com os meus.

April 12, 2020, 11:50 p.m. 2 Report Embed Follow story
13
The End

Meet the author

Lorem K Morais Cosmopolita, cafezeira e ranzinza. Estou sempre de um lado para o outro, sem pouso certo. Uma hora aqui, outra acolá. Cirurgiã-Dentista e escritora por ocasião, porque preciso colocar em palavras tudo o que vi. Entre aqui e acolá. Em comum a vontade de fazer as pessoas sorrirem. Vocês podem me encontrar também no meu blog Anjo Sonhador [loremkrsna.blogspot.com]. Não se acanhe não, se achegue aqui. Deixe te contar uma história.

Comment something

Post!
DC David Cassab
Gostei muito, alguns trechos me lembraram o porme do pássaro azul do Buwoski, meus parabéns.
May 01, 2020, 02:17
Raquel Terezani Raquel Terezani
Olá, Lorem! Sou da equipe de verificação e venho lhe parabenizar pela verificação da sua história. Gostei muito da primeira frase do seu conto, uma afirmação clara e direta sobre o que será tratado na história, despertando a curiosidade do leitor sobre o monstro ser algo real ou não. E fiquei encantada com o modo como você construiu a analogia entre o monstro e a amargura da protagonista, é algo com que a maioria de nós se identifica, todos temos nossos “monstros”. A gramática e ortografia também estão muito boas, gostaria apenas de apontar um equívoco, quanto à colocação pronominal: no trecho “eu o vejo se encolher, o seguindo pela porta” correto seria “seguindo-o pela porta” (porque quando há um verbo no gerúndio deve ser usada ênclise). O encerramento da história complementou muito bem a imagem a respeito do monstro representar alguma questão interna da protagonista, soou bastante poético. Continue assim! Obrigada e até breve.
April 27, 2020, 14:27
~