sweet-mary Mary

"Eu quero liberdade!", esse era meu convicto grito de guerra aos nove anos de idade para que meus pais me dessem um voto de confiança para ir à aula sozinha. Infelizmente, falhei, mas não sem tentar. Várias conotações podem abranger esse conceito e formarem um leque de possibilidades, me conduzirem a caminhos mais longos e repletos de placas me orientado a seguir para o norte ou o oeste, depende de onde quero chegar e o que me motiva a seguir. A vontade de criar sempre esteve presente na minha vida, desde as cartinhas para o meu saudoso cachorro Tigre até minha última história publicada on-line. Apesar de nesse entremeio entre as cartas para um fila brasileiro desengonçado que morreu com um ano de idade e a sétima série, quando eu estudava num colégio opressor e sofria bullying pesado por parte das outras meninas, descobri que escrever era uma forma de sonhar com os olhos abertos. E a poesia? Ela se tornou uma extensão de mim. Por anos, sempre que meu peito pesava ou eu queria expressar meu amor por alguém, utilizava-me de versos. Apesar de não serem dignos de estarem numa antologia, orgulho-me deles. Sempre receei os olhares de reprimenda daqueles mais resistentes aos versos livres e aí aquela menininha teimosa de nove anos coloca as mãozinhas em volta da cintura e grita a plenos pulmões: "Eu quero liberdade!". Dessa vez, ninguém vai me impedir de escrever com toda plenitude que me couber. E com liberdade. Para me conectar a corações que se sintam abraçados pela minha construção poética. Não escrevo para críticos, mas para validar a minha existência através da poesia.


Poetry Not for children under 13.

#questionamentos #sonhos #lembranças #amizades #reflexões #dismorfia #mulher #pensamentos #desejo #amor #escritora-mary #autobiográfico #sentimentos #versos-livres #poesia
4
454 VIEWS
In progress
reading time
AA Share

D i s c l a i m e r s

Olá, amigos e amigas! Como vão?

Os últimos dias foram difíceis para mim, aconteceram algumas coisinhas desagradáveis em casa, mas é o preço de se estar em quarentena e enquanto ela durar, é meu dever resistir.

Hoje abro meu espaço das poesias que escrevi em 2020.

♥ Se você acha que só soneto é poesia.

♥ Amanda Lovelace tocou meu coração e sigo o lema dela: POESIA É O QUE EU QUISER QUE SEJA POESIA.

♥ Eu sei utilizar o caps lock do meu teclado, mas vou escrever meus poemas do jeito que EU quiser porque são os MEUS sentimentos, as MINHAS ideias e eles não podem ser julgados com base em achismos.

♥ Bom, se tiver gente legal aqui, que se identifique com os meus sentimentos, beleza, pois muitas vezes escrever em versos me ajuda a colocar para fora muita coisa que eu guardo no peito, deixando-o pesado.

♥ Tenho alguns poemas que pretendo compartilhar (não todos), porém sempre que puder atualizar, estarei aqui, na medida do possível.

♥ Receosa de receber críticas que tentem tolher o meu sentir, sou obrigada a deixar avisos no início porque o título tem a ver com o meu antigo apelido, dado pelos meus amigos: Leoa. Ah, antes de alguém quebrar meu coração e me enfraquecer, eu costumava ser uma leoa, lutava com todos os meus garrotes pelo meu espaço e impunha respeito a quem queria me afrontar. Às vezes sinto falta de ser a "Leoa", mas eu sei que ela só está dormindo em algum lugar dentro de mim.

♥ Se você ainda quiser continuar, boa leitura!

March 31, 2020, 2:44 a.m. 0 Report Embed Follow story
2
Read next chapter durma bem

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 11 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!