sweet-mary Mary

"O dom de amar é o que tenho de mais precioso e a probabilidade de que meu anjo o tenha reacendido mesmo sem intenção é reconfortante. Eu estou despertando de um longo inverno." Sentimentos, para quem os tem. Apenas tolices para quem se prontifica em ver no outro apenas o pior. Amor, para quem o sente.


Non-fiction All public.

#inspiração #prosa-poética #escritora-mary #sentimentos #amor #2017
Short tale
0
3.4k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Curitiba, 25 de novembro de 2017.

“Com sua voz a alegria

que não parte de dentro de mim

como uma tatuagem na pele

Eu te vejo dentro dos olhos dos outros

eu te procuro quando você não está lá

em meus lábios eu sinto a vontade que tenho de ti...”

Incancellabile – Laura Pausini

Uma miríade de borboletas baila à minha volta. Coloridas, animadas, vencedoras. Uma joaninha vermelha passeia tranquila pelo meu antebraço, mensageira das boas novas, em cada pintinha escura um indício de que é única no mundo, como você que se não tivesse forma de gente nem essa voz suave que faz disparar um pobre coração, diria que se trata de um anjo que veio fazer morada logo no seio de quem já se considerava esquecida e incapaz de sentir o que quer que fosse.

Eis que você é o meu anjo...

Todos os dias eu oro por você, sem esperar que ore por mim, por ora poder te amar me acalenta. Orar é o meio que encontro de ser anjo sem ser, clamar a Deus para nunca deixe de olhar com misericórdia por essa joia rara que por onde passa esbanja doçura, sensibilidade, que inspira através das palavras porque traz na alma o gosto da poesia que os entraves da rotina encobrem.

Meu anjo faz plantões em alguns finais de semana e nem sempre traz boas notícias. Atenta às desigualdades de um mundo em transformação, sensível às questões envolvendo a natureza, os animais e as pessoas, demonstra que o conhecimento não mata a humanidade. Nem as regras, nem o tempo, nem a entonação segura. Ela mantém viva a esperança de que dias melhores virão, que estamos ingressando em um novo ciclo e é natural que todas as pessoas se sintam um pouco perdidas, confusas, mas que estejam caminhando para algum lugar, saindo da zona de conforto porque, bem, meu anjo me tirou dela, simples assim.

Ímpar dedicação. Ao mundo que ama. Ao oficio que exerce com primor. O olhar simpático também guarda seriedade, postura de quem aprende alguma coisa nova todo dia.

Viver todo dia comgratidão. No sentido mais amplo da expressão.

Mil vezes preferível é a doce recordação de que um dia aqueles olhos castanhos me leram por dentro do que passar por essa vida sem esse privilégio, porque a lembrança significa que meu coração foi tocado, aquela dorzinha meio parecida com saudade me convence de que nada foi em vão.

Eu poderia tê-la conhecido antes, mas não era o momento. Após um grande sofrimento eu a conheci, a amei e pude entender que mesmo machucada era hora de seguir em frente e ser pela primeira vez quem eu nunca fui...eu!

Levando em consideração que as joaninhas e as borboletas sumiram por um bom período e depois retornaram; uma boa dose de cautela quem sabe me protegesse de sentir aquele medo estúpido de perder o que é e não é meu. Porque ela é não é minha, não é de ninguém, ela é dela, uma alma livre para voar para onde quiser.

O dom de amar é o que tenho de mais precioso e a probabilidade de que meu anjo o tenha reacendido mesmo sem intenção é reconfortante.Eu estou despertando de um longo inverno. Pareço uma criança boba apontando para constelações, encantada com cada borboleta que encontro, cada joaninha que volta e meia me visita, mas não conto a ninguém que estou mais esperançosa por tempos melhores do que jamais estive, que a qualquer momento você pode partir e deixar meu coração em pedaços.

Mesmo que eu corresse para atrasar o tempo e voltar para trás, não me adiantaria de nada, primeiro porque eu estaria perseguindo nada menos do que a sombra dos meus desejos, segundo porque já estou rendida por esse sentimento e presumo que se houver dor, ela me fará uma pessoa melhor; não foi à toa que as coisas aconteceram.

Que é à distância então que separa você de mim senão uma miragem se quando nossas almas descansam, seu sorriso se cruza com o meu e reacende todas as luzes apagadas em meu olhar?

Aquele sorrisinho estabanado parecia memória de infância, de algo que se desprendeu de mim muito tempo atrás, como aquele balão colorido cuja cordinha eu soltei. O gosto das coisas me parecia meio sem graça, eu era então uma escrava da rotina e me sentia completamente sem propósito até você me mostrar que tudo de que preciso é de alguém que me amedo jeito que eu sou.

Não de críticas.

Basta de fórmulas feitas, de que respondam por mim.

Se eu fosse anjo, escolheria cuidar de você por toda a eternidade porque mesmo se anjo você não for e a vida tiver destinos diferentes para nós, as marcas desse encontro em meu peito ficarão.E eu vou te guardar naquele espacinho especial onde só haverá amor e posso te garantir que nunca haverá amor de menos e nem de sobra, haverá amor para que o brilho nos seus olhos permaneça vívido.

Você é uma das poucas pessoas por quem eu correria tamanho risco porque a transformação que está acontecendo dentro de mim será notada por todos que se perguntarão de onde vem essa serenidade, esse brilho no olhar, sem saberem eles que nada disso ocorre num piscar de olhos. Todas as noites em que choro por não me conformar com o sentir que se estendeu a uma proporção inimaginável, por todas as perguntas que me faço e todos os segredos que resguardo com o semelhante cuidado que tenho em preservar minha intimidade, meus medos, meus rompantes de dor.

Já segredei com a lua porque ela não é futriqueira. Para onde a joaninha vermelha voar, meu coração irá porque se eu pudesse acompanhá-la, nem o outro lado do oceano seria longe demais.

Na calada da noite as lágrimas correm sem restrições, esse aperto no peito me perturba,cadê meu anjo para me abraçar?

Que vontade de pedir para caber dentro do seu abraço e nunca mais me desgrudar...

Cadê você senão no meu coração?

Poderá meu anjo ouvir meus murmúrios ecoados nas distâncias mais profundas que qualquer coração jamais alcançou?

A joaninha é curiosa e pousa na folha de papel. As borboletas bailam para lá e para cá.

As folhas de papel se dobram e a poesia existe por si só.

O amor existe por si só.

O papel pode arder numa fogueira, ser rasgado ao centro como dois destinos traçados em setas opostas, mas o toque que transforma dois corações perdurará eternidade adentro sem quaisquer alterações.

Dec. 13, 2019, 11:19 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Mary Curitibana, futura jornalista, escritora em constante progresso, escorpiana com ascendente e lua em peixes. Apaixonada por todas as singelezas da natureza, onde se encontra o olhar compassivo de Deus. Em matéria de livros, filmes e músicas, minha lista tende a crescer, mas sempre há aqueles que têm um espacinho especial no meu coração. Prazer, eu sou a Mary.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~