fernando-camargo1554138998 Fernando Camargo

Após ver o padrasto matar sua mãe e irmãos, Lucas foge na esperança de sobreviver a fúria doentia de um homem


Short Story For over 18 only.

#gatilho #abuso-físico #abuso #conto #olhos #vidrados #fabricantedehistorias #padastro #crianças #morte #faca #suspense #389
Short tale
0
3.9k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Olhos vidrados

- Volte aqui, seu irresponsável!- Lucas correu o mais depressa que pôde. Atrás dele, o padrasto, armado de faca e com os olhos injetados de sangue e fúria. No rosto gotículas de sangue e um sorriso maquiavélico se desenhava fantasmagoricamente. Lucas tremia, respirava com dificuldade e mal sabia o que fazer naquele momento. Como poderia lutar contra aquele monstro se não tinha arma alguma para tal?
Encaminhou-se para floresta. Esconder-se-ia detrás de árvores e ali esperaria o assassino ir embora. Pobre Lucas, quatorze anos, espinha enfeitando a cara e hormônios a flor da pele. Sonhava com meninas e pensava estudar arquitetura na universidade perto de casa. Mas o destino lhe fora cruel.
Viu o pai ser assassinado quando tinha cinco anos de idade. De chupeta na boca, não compreendeu quando uns homens vestidos de cinza derrubaram a porta de sua casa, tiraram o pai que assistia televisão na sala, o levaram para fora e sem explicações lhe deram três tiros. A mãe, uma dependente química, ficou sabendo da notícia, mas lotada de cocaína, pouco se importou; Lucas ficou sozinho em casa, chorando, enquanto o pai morto olhava pra ele com os olhos vidrados.
E não demorou muito tempo para a mãe de Lucas surgir com outro homem. Lucas, agora com sete anos ganharia irmãos e sua vida se transformaria em um verdadeiro inferno. O padrasto, um bebum fedido e ignorante entraria na vida da família para castigar os filhos e espancar a mulher, e ai daquele que ousasse dedurar seus feitos horrendos a polícia.
Por tantas vezes Lucas tentou fugir. Mas a pedido da mãe o padrasto ia atrás do enteado e o achava, e quando era encontrado levava uma surra, tão forte que o menino ia para escola cheio de hematomas. Como desculpa dizia ter caído em casa, infelizmente para ele todos acreditavam até mesmo os professores.
Foi até estranho quando o padrasto deixou de beber e por consequência as surras tiveram um basta. Mas não durou muito. Convidado para ir a uma festa, o padrasto bebeu além da conta e ao voltar para casa deu de cara com a mulher cavalgando em cima de outro homem. Enfurecido ele foi embora.
Ninguém soube durante meses sobre o paradeiro do homem. A mãe continuou dando suas escapadas, e Lucas retomou sua vida normal. Tudo parecia estar em paz, quando o padrasto retornou, armado de faca e de fúria. A primeira vítima foi à filha de cinco anos. A menina que ninava a boneca foi atingida com três facadas. Depois foram os dois irmãos, ambos esfaqueados até a morte. Ele pouco se importou com os corpos dos filhos pequenos espalhados pela casa, a filha menor agarrada à boneca o olhava de olhos vidrados, os filhos homens também. E ficou ali, sentado em uma velha cadeira de metal, de pintura descascada, com o olhar perdido no horizonte, enquanto passava a língua pelos lábios; parecia faminto, ávido por vingança.
- Amélia? Renato? Tadeu? – Era a voz da mãe chamando pelos filhos que não poderiam responder, estavam mortos. Ao notar a presença da esposa o padrasto escondeu-se. De costas ela entrou e logo em seguida pisou em algo estranho, era a cabeça da filha, ao perceber e visualizar tal cena gritou tão forte que pôde ser ouvidos a milhares de quilômetros de distância.
Como fosse um fantasma o padrasto surgiu, seu rosto estava com sangue e seus olhos injetados de ira olhavam para a mulher.
- Assassino! – Gritou ela. A voz rouca e o coração despedaçado. De faca em punho ele atacou. Em principio ela conseguiu se desvencilhar, mas foi por pouco tempo. Cada estocada da faca acertava em cheio, fazendo sangue jorrar por todos os lados.
Lucas chegava da escola em silêncio como sempre fazia, e pela janela ele viu aquilo que nunca na vida desejava ver, toda a família morta. Ficou ali petrificado. O padrasto virou o rosto num instante visualizando Lucas.
- Vou acabar com a tua raça, seu maldito! – Disse o homem se levantando e partindo atrás do menino.
Com o coração disparado e tremendo muito ele encontrou forças para fugir. Embrenhou-se entre folhas e arbustos e ali ficaria até o padrasto se cansar. E se ele não ficar esgotado? O que faria? Morreria.
- Volte aqui, seu irresponsável! – Finalmente Lucas e o padrasto estavam um de frente para o outro. O velho sujo de sangue e arma em punho. Lucas abaixado recuava lentamente enquanto seu oponente avançava. Com as mãos tateou a terra e as folhas jogadas no chão na esperança de achar algo que lhe servisse como arma, mas sua busca foi em vão. E a cada passo dado pelo padrasto o corpo de Lucas se contraia.
Foi quando ele se deu por vencido, fechou os olhos e aguardou pelo pior, sua morte. O padrasto se aproximou e se abaixou e ficou olhando para ele, com a faca ensanguentada acariciou o rosto do menino.
- Vou te matar! – Falou o velho puxando a faca para o alto.
- Mate-me então! – Falou o menino com voz firme e decidida.
De repente Lucas viu a expressão de o padrasto mudar, de outrora um rosto diabólico para uma aparência de medo, ele estava sofrendo um ataque cardíaco. Lucas ficou em pé observando aterrorizado a cena. As mãos do homem ficando fracas deixando a faca cair no solo para desabar em seguida de olhos vidrados.
FIM!!!
COMPARTILHAR

April 2, 2019, 7:40 p.m. 3 Report Embed Follow story
120
The End

Meet the author

Fernando Camargo Escrevo desde os oito anos de idade, culpa da professora de português. De tanto gostar de fazer isso (escrever), resolvi estudar jornalismo. Formado, atualmente eu passo meus dias a criar personagens e novas histórias.

Comment something

Post!
Fernando Camargo Fernando Camargo
Foi revisado outra vez.
May 17, 2019, 23:29
~