The Chilling Story of Kyungsoo Follow story

jongstar Raquel

CHANSOO| AU! INSPIRADA NA SÉRIE O MUNDO SOMBRIO DE SABRINA Kyungsoo só queria fazer logo 16 anos para poder ingressar na Academia de Artes Ocultas e se ver livre daquela escola de mortais idiotas. Mas aí apareceu Chanyeol que, mesmo sendo um humano igualzinho os que ele odiava, conseguiu conquistar o bruxo das trevas com seu jeitinho especial.


Fanfiction Bands/Singers Not for children under 13.

#fluffy #chansoo #chanyeol #kyungsoo #exo #sooyeol #kpop #lovexhate #bruxos
Short tale
1
4.7k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Kyungsoo e Chanyeol

Do Kyungsoo e Park Chanyeol eram opostos extremos. Chanyeol era um garoto doce, estava sempre rodeado de amigos e com um sorrisão divertido no rostinho fofo. Era encantador. Enquanto isso, Kyungsoo era o baixinho esquisito que só vestia preto e andava por todos os lados segurando livros com símbolos macabros e sendo seguido o tempo inteiro por uma gatinha preta. Era estranho, além da aura sombria vivia com uma carranca enorme só para assustar os curiosos. Parecia estar sempre com raiva de todo mundo, não tinha nenhum amigo e quase não falava com ninguém, completamente diferente do animado Chanyeol. Ah, e tinha também o fato de que ele era metade bruxo, metade humano e, para sua infelicidade, estava perdidamente apaixonado por um mero mortal, o Park, no caso. E para piorar tudo, ele era correspondido.

Kyungsoo era filho de uma grande sacerdotisa que enfrentara seu clã para se casar com um humano. Infelizmente, ele não conheceu os pais, pois estes foram assassinados por um feiticeiro quando ele era apenas um bebê. Por essa razão, ele foi entregue aos tios e levado para uma cidadezinha pacata de humanos para sua proteção até ter idade suficiente para se batizar na Igreja das Trevas e ingressar na Academia de Artes Ocultas.

Apesar de ser filho de um humano, Kyungsoo desprezava a humanidade. Fora criado por tios extremamente preconceituosos, que prezavam o sangue puro acima de tudo e odiava o próprio pai — que sua família de bruxos julgava ser o responsável pela morte da mãe — assim como odiava sua parte humana. Aliás, Kyungsoo odiava todos os humanos, sem exceção. Achava-os desprezíveis por não possuírem sangue mágico e detestava viver em meio a eles. Mas tudo isso mudou quando conheceu Chanyeol.

Kyungsoo estava vivendo sua vidinha trevosa e seguindo com suas adorações a Satã quando Chanyeol esbarrou nele, derrubando-o no chão por acidente. Naquele momento, ele quase amaldiçoou o mortal imundo que teve a audácia de tocar em seus preciosos livros, mas percebeu que nem valeria a pena porque o garoto não passava de um novato. Kyungsoo estudara a vida inteira em uma escola de humanos, mas isso não significava que ele estava acostumado a interagir com pessoas da sua idade — seus tios o matariam se fizesse isso — então achou super estranho quando Chanyeol começou a sentar ao seu lado no almoço, puxar assuntos aleatórios e lhe esperar na saída das aulas. Ninguém nunca fizera isso antes. Ele até mesmo pediu seu número, coçando a cabeça de jeito estranho e com as bochechas vermelhinhas, parecendo super envergonhado. Muito esquisito. Ele também se esforçava ao máximo para fazê-lo rir, mais esquisito ainda. Kyungsoo achou que aquilo só duraria durante as primeiras semanas de aula, logo Chanyeol faria amizade com pessoas normais e o deixaria em paz. É verdade que Chanyeol não demorou muito para fazer amigos, ele se tornou popular rapidamente , mas isso não o fez desistir de Kyungsoo. Na verdade, tinha pena do garoto, não gostava de vê-lo sempre sozinho pelos cantos parecendo infeliz. Queria trazer nem que fosse um pouquinho de alegria para a vida dele e talvez outras coisinhas mais, que não vem ao caso. Ignorava as patadas e até mesmo os tapas e beliscões que recebia do outro e insistia em lhe fazer companhia durante o almoço e os intervalos. Kyungsoo tentou — e muito — se livrar dele, mas acabou cedendo ao jeitinho fofo de Chanyeol e foi assim que, pela primeiro fez na vida, Kyungsoo acabou fazendo um amigo. Sua primeira amizade o deixava nervoso com contatos físicos repentinos e o fazia querer que o final de semana passasse rápido só para vê-lo de novo na segunda-feira, mas tudo bem, ele podia lidar com isso.

Com o passar do tempo, porém, Kyungsoo percebeu que aquilo não era apenas amizade. Gostava muito de Chanyeol e quando descobriu que estava apaixonado já era tarde demais. Que inferno, ele se apaixonou por um mortal igualzinho a sua mãe! Aquilo só podia ser uma maldição que jogaram na família Do, certeza que foram os Byun, aqueles feiticeiros detestáveis. De qualquer forma, ele estava apaixonado por Chanyeol e não havia como voltar atrás, nem mesmo o bruxo mais poderoso do mundo tinha o poder de controlar os próprios sentimentos. Daquele momento em diante, tudo que ele precisava fazer era esconder aquela paixão ao máximo para ninguém perceber. O quão decepcionados seus tios ficariam consigo se descobrissem que ele estava seguindo os mesmíssimos passos da mãe e se relacionando com humanos? E pior, e se aquela paixão o impedisse de assinar O Livro da Besta? Não, seus tios sequer podiam pensar em uma coisa daquelas. A vergonha perante a comunidade bruxa seria muito grande.

Ele tentou, sem sucesso, se afastar de Chanyeol. Começou a chegar mais cedo na escola e sair mais tarde das aulas, apenas para não correr o risco de encontrá-lo nos corredores, mas Chanyeol percebeu sua estratégia rápido e também mudou seus horários. Nem mesmo sua gata Avalon conseguiu mantê-lo longe, Kyungsoo até fez alguns feitiços simples — que não interferissem no livre arbítrio de Chanyeol, é claro — mas nada adiantou. Ele já estava quase abandonando a escola quando Chanyeol o parou no final de uma aula com a expressão mais triste do mundo. Parecia um cachorrinho que caíra do caminhão da mudança. Se aproximou timidamente e perguntou com a maior fofura do mundo "por que você está fazendo tudo isso para se afastar, Soo? Eu sei que você também gosta de mim." Então ele o abraçou forte, como se dissesse que não o deixaria fugir e o encheu de beijinhos por todo rosto, sem se importar com os olhares que recebiam dos alunos que passavam pelo corredor. Aí meu amigo, não teve jeito. Kyungsoo não conseguiu se segurar e acabou dando o maior beijão no Park ali mesmo. Depois disso teve que admitir para os tios e para si mesmo que estava apaixonado por um humano.

Eles eram mesmo muito diferentes, mas isso não os impediu de gostarem um do outro. Depois do primeiro beijo pouca coisa mudou, Chanyeol continuava cheio de amigos e estava até mais sorridente, fazia questão de andar grudadinho com o quase-namorado por todos os lugares. "Quase" porque Kyungsoo relutava em aceitar o seu pedido de namoro. Kyungsoo sentia borboletas rodopiarem em seu estômago toda vez que Chanyeol sorria, mas tudo bem. Sentia as bochechas queimarem toda vez que Chanyeol lhe dizia algo fofo e o deixava envergonhado, tudo bem também. Mas namorar um humano já era demais. O que seus futuros colegas da Academia de Artes Ocultas iriam pensar?

Os tios de Kyungsoo demoraram a aceitar que o sobrinho estava caindo de amores por um mortal que sequer sabia que bruxos existiam, mas acabaram aceitando. Inclusive fizeram questão de investigar toda a árvore genealógica de Chanyeol em busca de qualquer vestígio mágico, mas nada encontraram. Decepcionante. Até a gatinha Avalon estava morrendo de ciúmes de ver seu dono encantado por alguém tão normal.

Os Do, temendo que aquele relacionamento aflorasse ainda mais a humanidade do sobrinho, trataram de organizar o mais rápido possível seu batismo profano. Queriam que Kyungsoo fizesse logo 16 anos para assinar O Livro da Besta. No entanto, suas preocupações eram desnecessárias. Kyungsoo amava seu clã e queria ir o mais rápido possível para a Academia. Seu grande objetivo era tornar-se um bruxo poderoso e ir atrás do feiticeiro que assassinara seus pais, pois queria vingança.

No dia do seu aniversário de 16 anos, Kyungsoo decidiu contar a Chanyeol sua verdadeira origem. Não era justo esconder aquilo dele, ainda mais porque ele iria sair da escola na semana seguinte. Precisava ser honesto e explicar suas razões. Estava ansioso pois não sabia como ele iria reagir. Combinou de encontrá-lo no início da noite e depois iria para a floresta, onde seus tios e o padre estavam para batizá-lo. Chegou na entrada do cinema minutos antes do combinado e ficou esperando-o. Chanyeol chegou um pouquinho depois dirigindo o carro que ganhara da mãe de aniversário e deu algumas buzinadas, pedindo para Kyungsoo entrar. Ele entrou e se surpreendeu ao encontrar Chanyeol com um olho roxo e uma carinha de choro.

— O que aconteceu? — perguntou assustado.

— O meu padrasto, e-ele...— Chanyeol nem ao menos conseguiu terminar a frase e começou a chorar. Kyungsoo se aproximou para abraçá-lo e ele desabou em lágrimas. O bruxo sentiu o coração apertar, nunca o vira daquele jeito.

— Você precisa me contar o que aconteceu, Yeollie. — chamou-o carinhosamente, beijando o rostinho machucado com cuidado. — O que fizeram com você?

— E-eu tentei contar para a minha mãe sobre a gente. — ele começou, tímido, e se afastou de Kyungsoo.— Eu sei que você não quer nada sério comigo, Soo, mas eu queria compartilhar com a minha mãe o motivo de eu estar tão feliz nesses últimos dias. Acontece que o meu padrasto chegou bem na hora e ouviu tudo. Ele ficou furioso e me bateu por eu estar saindo com um garoto.

— Ele o quê?! — Kyungsoo cerrou os punhos, sentindo uma raiva enorme tomar conta de seu corpo. — Como ele ousa fazer uma coisas dessas?

— Me desculpe. — Chanyeol secou as lágrimas com a manga da blusa e fungou baixinho. — Eu não queria estragar o seu aniversário. E a propósito, parabéns.

Ele abraçou Kyungsoo novamente e selou seus lábios com carinho, mas aquilo não foi o suficiente para acalmá-lo. Kyungsoo estava prestes a explodir de ódio por alguém ter tido a ousadia de machucar Chanyeol.

— Me leve para sua casa, eu quero falar com o seu padrasto.

— O quê? Não! E se ele machucar você também?

— Me machucar? Ora, é ele que vai se machucar! Ele precisa aprender a não bater no namorado dos outros.

— Eu não posso te levar lá, você é todo pequenininho e ele é muito mais forte do que você. — Kyungsoo revirou os olhos.  — Espera aí. Você disse namorado?

— É, eu disse. — sorriu timidamente. — Você já tinha me pedido em namoro, esqueceu? Ou o seu pedido não está mais valendo?

— É claro que está!

— Então pronto, você é meu namorado agora e eu não vou deixar ninguém machucar você nunca mais.

Chanyeol se derretou todinho com aquela frase, ficou até com o rosto vermelhinho e se inclinou para dar um beijo na boca bonita de Kyungsoo, seu namorado.

Kyungsoo fez um carinho suave nos cabelos cacheadinhos de Chanyeol, sentindo-se estúpido por não ter aceitado o pedido de namoro dele antes. Ele estava preocupado demais pensando no que os outros iriam pensar se descobrissem que ele estava namorando um humano. Que besteira! Ele gostava de Chanyeol exatamente do jeitinho que ele era, tendo sangue bruxo ou não e aquilo que importava. E Chanyeol fora tão corajoso em contar para a mãe sobre a relação deles... Kyungsoo sabia o quanto a sociedade dos humanos era homofóbica. Chanyeol não merecia apanhar só por gostar de alguém do mesmo sexo. Nem ele nem ninguém.

Movido a ódio, Kyungsoo pediu novamente a Chanyeol para levá-lo até sua casa.

— O que você vai fazer?

— Vou ensiná-lo uma lição. — sorriu perversamente.

— Você está me assustando, Soo.

— Não faça essa cara, será divertido. Você pode me ajudar com isso, certo? O seu padrasto tem medo de algo?

— A-aranhas. Ele morre de medo delas, mas por quê?

Kyungsoo abriu um sorriso maquiavélico gigantesco. Aranhas? Aquilo seria mais divertido do que ele imaginara.

— Esquece isso, Soo. Você não disse que tinha um compromisso super importante com a sua família?

Ah, sim. Kyungsoo tinha que estar na floresta à meia-noite para se batizar.

— Pode ficar para depois. — respondeu simples e Chanyeol ligou o carro. Atazanar humanos era um de seus passatempos favoritos e ele iria caprichar na lição que daria no homem que fez seu namorado chorar. E quanto ao seu batismo, no qual assinaria O Livro da Besta... Bem, quando se tratava de Chanyeol, até mesmo o próprio Lorde das Trevas poderia esperar.

Nov. 6, 2018, 4:08 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~