I Love You Tiger Follow story

estherliz96 Esther Liz

Yuri katsuki finalmente tinha conseguido ir ao pódio. Medalha de ouro e iria cumprir uma promessa que fizera a Victor: Confessar seus sentimentos ao tsundere que roubara seu coração. Mas nem tudo é um mar de rosas, não?


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only. © Todos Os Direitos Reservados

#romance #drama #amor #lemon #boyslove #yurionice #superação #tragédia #YuYu #YuriPlisestsky #YuuriKatsuki #Victor-Best #Yuri-x-Yuuri
Short tale
0
4.8k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

O Tsundere Que Amo

Yuuri POV


Eu não acredito... Eu consegui! Victor você viu? Eu vou conseguir cumprir a promessa que te fiz!

"Yuuri Katsuki ficou pela primeira vez no pódio! Levando a medalha de ouro ao Japão!

Yuri Plisetsky em segundo lugar, por uma pequena diferença de pontos!

Jean Jacques Leroy ficou em terceiro lugar! Realmente este ano foi cheio de emoções!"

Não conseguia ouvir direito o que o locutor dizia, só conseguia pensar no Yurio. Ah... ele estava tão lindo nas suas apresentações, seus saltos estavam tão perfeitos. Preciso dizer para ele o que sinto, eu prometi ao Victor que se ganhasse o ouro, iria me confessar.

Agora estou no quarto do hotel, me vestindo para a festa de comemoração. Eu estou tão nervoso! E se eu gaguejar? E se não conseguir me expressar? E se...

-YUURI! Terra chamando Yuuri – Gesticulou Victor na minha frente

-Ah, desculpa Victor, o que estava dizendo?

-Se acalma ok? Quer ajuda com o Yurio? – Victor questionou enquanto arrumava minha gravata

-Acho melhor não... É algo que tenho que fazer sozinho – Respirei fundo e guardei meu celular no bolso da calça – Eu consigo!

-Certo, se precisar eu estarei lá para te ajudar – Victor dizia enquanto me abraçava – Escute, seu Eros é forte, conquistou a todos. Então não tenha medo, só não beba muito ok?

-Que maldade Victor – Choraminguei enquanto nos dirigíamos até o salão

Assim que chegamos, meus olhos foram até o Yuri... Ele está tão lindo, vestindo um terno preto, camisa social branca e colete vermelho, cabelo trançado nas laterais que finalizam num rabo de cavalo delicado.

Caminhei até a mesa que serviam as bebidas e contrariando todas as indicações de Victor, peguei uma taça de champanhe e bebi. Kami-Sama me ajude, eu preciso me confessar, não aguento mais guardar o que sinto.

Senti meu corpo relaxar à medida que o álcool fazia efeito no meu organismo. Não era uma quantidade que me faria ficar bêbado, mas me deu coragem de ir falar com ele. Caminhei até ele e vi que Otabek estava conversando com ele... Droga Otabek, o Yurio é meu!

-O que você quer Katsudon? – Yuri questionou assim que me viu

-Yurio... Podemos conversar em particular? – Questionei encarando Otabek e Yuri

-Droga, vem comigo porquinho. – Ele me chamou e caminhamos para uma sala que tinha do lado de fora do salão – O que você quer?

-Ah... Desculpa te chamar assim Yurio, eu queria... – Respirei fundo e o encarei – Eu queria dizer o que sinto. Sei que é muito repentino, mas queria dizer que estou apaixonado por você, desde a primeira vez que te vi

-E eu com isso? Se liga Katsudon, achou mesmo que algum dia eu iria olhar pra você assim? – Droga... ser rejeitado dói tanto – Se era só essa merda que queria me dizer, dá licença

Yuri saiu da sala e me deixou sozinho, não aguentei e comecei a chorar. Não sei quanto tempo fiquei lá chorando, mas não conseguia parar. Meu coração dói tanto... Porque? Porque tem que doer tanto?

Quando finalmente consegui parar de chorar, sai da sala e fui direto para o hotel. Não queria ver ninguém, não queria falar com ninguém. Cheguei no meu quarto, peguei o celular e comprei minha passagem de avião para voltar pra casa. Preciso me afastar, preciso digerir o que aconteceu. Mandei uma mensagem para o Victor avisando que iria voltar para o Japão hoje e fiz minhas malas.

Assim que terminei, o táxi já estava me esperando na porta do Hotel e me levou para o aeroporto. Respirei fundo e fiz o check-in. Depois de uma hora já estava na minha poltrona e o avião levantava voo. Coloquei meu fone e depois de duas músicas acabei adormecendo. Acordei com a aeromoça me chamando

-Senhor... Senhor, nós acabamos de pousar

-Ah... Desculpe estou descendo – Me levantei e fui buscar minha mala

Hasetsu... Que saudades de casa. Como será que minha família estão? Sinalizei para o táxi e dei o endereço das termas da minha família e fomos sem conversar, eu não queria conversar com ninguém.

Assim que abri a porta, Minako pulou em cima de mim, nos derrubando no chão

-Yuuri! Parabéns pelo ouro! – Ela gritava animada

Ah, verdade... Eu ganhei o ouro

-Obrigado Minako-sensei. Mas está me machucando – A empurrei para que pudéssemos levantar

-Desculpe! Venha, sua mãe está te esperando! – Ela me puxou animada para a cozinha, anunciando para os quatro cantos das termas que eu tinha voltado para casa

-Mãe, Minako-Sensei, depois conversamos. Estou cansado quero dormir um pouco – Me desvencilhei de seus abraços e fui direto para meu quarto

Deitei na cama, peguei meu celular e vi mensagens de Phichit e Victor. Mas não respondi ninguém. Olhei as fotos que tirei escondido de Yurio e meu coração apertou de novo, desta vez chorei até dormir


------------------------------------Quebra De Tempo--------------------------------------


Uma semana havia se passado desde o Grand Prix, uma semana desde minha subida ao pódio, uma semana desde que tive meu coração quebrado pelo Yuri Plisetsky... Meu Yurio... Droga, ainda dói tanto...

Estava correndo, era fim de tarde e resolvi patinar no meu antigo ringe. Lá é o único lugar que consigo por a cabeça no lugar. Estava tão distraído, que não vi um carro desgovernado vindo em minha direção.

Só senti a dor, ouvi os gritos para chamar a ambulância e depois tudo ficou escuro.


Yurio POV


Aquele maldito do Yuuri sumiu e o mais estranho é que o Victor ficou aqui. Não que eu esteja reclamando, para falar a verdade estou sim, esse maldito só sabe falar do Yuuri. Porra, é Yuuri pra cá, Yuuri pra lá. Se eu ouvir ele falar Yuuri de novo eu juro que bato nele

-Ahhh Yurio, você foi muito malvado com o Yuuri. Ele te admira e te ama tanto – Choramingou Victor de novo

-Escuta, se está tão preocupado com aquele porco, porque não vai atrás dele e me deixa em paz? – Esbravejei – Vai logo e me deixa em paz

-Escuta aqui Yuri Plisetsky, Yuuri te ama e se continuar assim, vai entrar num caminho sem volta e se arrepender. Só percebemos o quanto uma pessoa é importante para nós quando a perdemos.

-Vai a merda Victor.

Estava tirando meus patins quando Mila gritou nos chamando

-Yuri, Victor. É urgente – Ela gritava afobada e seu rosto transmitia preocupação

-O que houve Mila? – Victor questionou

-É sobre o Yuuri... Ele... – Ela começou a chorar. Droga, porque meu coração ficou apertado de repente?

-Fala logo merda – Gritei, mas porque estou preocupado com o Katsudon

-Ele sofreu um acidente em Hasetsu. Está internado e o estado dele é grave. Todos os canais estão noticiando isso. Acabei de ver – Ela falava rápido enquanto tentava parar de chorar

-Espero que esteja feliz Yuri. – Victor falou me olhando – Mila, avise o treinador que estou indo para o Japão.

-Certo, vá logo Victor. Espero que ele fique bem – Mila falou e correu para a sala do treinador

-Espero que esteja feliz Yuri. Conseguiu se livrar do Katsudon, certo? – Victor falou enquanto corria para sua casa

-Eu não... Droga. ME ESPERA VICTOR – Corri tentando alcança-lo

Fui correndo para minha casa fazer uma mala e encontrar Victor no aeroporto, ele já tinha comprado as passagens e mais rápido que um furação, já estávamos no avião com o mesmo levantando voo.

-Se estiver indo para magoar mais ainda o Yuuri, pode ter certeza que não vou medir esforços para te afastar dele – Victor me ameaçou enquanto colocava os fones

-Cala a boca velhote – Resmunguei enquanto olhava a janela. Para falar a verdade, nem eu sei o porquê estou indo.

Depois de uma eternidade, chegamos em Hasetsu. Victor chamou um táxi e fomos direto para o hospital. Estava um alvoroço, os repórteres não saiam da porta do hospital, querendo saber do Yuuri. Bando de abutre.

Nós ignoramos a todos e fomos direto para a recepção.

-Boa tarde, gostaríamos de ir no quarto de Yuuri Katsuki. Somos amigos dele – Victor pedia a recepcionista. Eu não conseguia falar nada. Cada batida do meu coração doía, eu temia o pior.

-Qual o nome de vocês? – Questionou a recepcionista

- Ele é Yuri Plisetsky, e eu sou Victor Nikiforov – Victor que estava fazendo toda a burocracia... Minha perna tremia, eu estava com medo? Medo de perder o Katsudon?

-Certo, terceiro andar, quarto 305. Façam silencio por favor – A recepcionista instruía. Assim que soube onde ele estava, a deixei falando e corri para o elevador.

Victor não falava nada, e isso estava me incomodando. Mas não conseguia pensar direito. Assim que chegamos no andar, vimos o médico saindo do quarto de Yuuri.

-Com licença doutor, pode nos dizer como o paciente Katsuki está? – Victor perguntou e me segurou para não entrar sem ele – Somos amigos dele

-Bom, um motorista bêbado o atropelou. Não teve sequelas neurológicas, já que ele ficou dois dias em coma. – A cada palavra do médico, meu estomago embrulhava, o medo se apossava de meu corpo – Mas não posso dizer o mesmo de seu corpo

-Como assim? – Questionei... Não... Ele não vai dizer isso... Por favor Kami-Sama me diz que não é isso

-Até a ambulância chegar, o paciente ficou preso entre o carro e uma parede. Seus órgãos não tiveram danos. Mas ele perdeu um musculo da perna esquerda. Não poderá mais patinar. Seu joelho direito também sofreu danos, mas com alguns meses de fisioterapia ele não sentirá mais nada

Deixei o médico falando e corri para o quarto dele. Assim que entrei, meu coração apertou. Yuuri estava dormindo, suas pernas enfaixadas, várias máquinas conectadas a ele. Flores estavam espalhadas pelo quarto. Bando de idiotas, Yuuri gosta de lírios.

Me aproximei devagar, não queria acorda-lo. Sentei na poltrona e fiquei ali, o observando. O Katsudon sempre foi tão cheio de vida e agora está pálido, mais magro que o normal... Porque me dói ver ele assim?

-A irmã do Yuuri disse que ele estava indo patinar. Disse que desde que chegou, ele mal comia ou conversava. Só saia de casa no fim da tarde para patinar – Victor sussurrava ao meu lado – Yuri, ele estava assim porque foi rejeitado

-Mas... Eu não queria... – Falava olhando Yuuri – Não queria que ele ficasse assim

-Venha, vamos ao banheiro. Yuuri não vai fugir – Victor brincou e me puxou para sair do quarto

Caminhamos até o banheiro mais próximo, entrei e fui lavar o rosto

-Porque Victor? – Questionei enquanto via a água escorrer

-O que Yurio? – Victor me olhava pelo reflexo do espelho

-Porque meu coração dói tanto? Porque fiquei com tanto medo? – Me virei e encarei Victor

E aquele maldito começou a rir! Velho desgraçado!

-Não ria maldito! – Gritei, me esquecendo que estávamos no hospital

-Não grite Yurio. Simples, você está assim porque o ama e ficou com medo de perde-lo. Sinceramente só você não notava isso. – Victor explicou enquanto lavava o rosto – Mas, o que vai fazer? Já sabe que ele não morreu; com essa lesão na perna Yuuri não poderá mais patinar. Mas o que VOCÊ vai fazer?

-Eu não sei...


Yuuri POV


Acordei, minha cabeça doía, este quarto não é o meu... Estou no hospital? Ah, verdade. O acidente. Tentei me mexer e minhas pernas doeram muito

-Acho melhor não se mexer Katsudon – Essa voz... Victor?

-O que faz aqui Victor? – Questionei sentindo as lágrimas escorrerem

-Você sofreu um acidente, vim para o Japão assim que fiquei sabendo – Victor explicava enquanto acariciava meu cabelo – Agora relaxe, tem alguém aqui querendo te ver

Victor levantou e chamou alguém. Meu coração falhou uma batida quando o vi entrar no quarto. Porque Yurio está aqui?

-Oi porquinho – Yuri sentou na poltrona e olhava o chão

Não conseguia olhar para ele, meu coração dói tanto.

-Por que está aqui Yuri? – Questionei virando o rosto e vendo a paisagem pela janela

-Fiquei preocupado – Yuri falou tão baixo que mal ouvi

-Porque está fazendo isso comigo? Já não basta pisar nos meus sentimentos? Não basta me magoar? Porque? Porque Yuri Plisetsky? Só me diz o porquê – Questionava enquanto chorava compulsivamente, mas me assustei quando senti algo quente tocar meus lábios... Yurio está me beijando?

-Desculpa Katsudon. Eu não sou bom com sentimentos. Mas depois da festa no Grand Prix, notei que sentia algo por você sim, mas não tinha coragem de dizer. Quando a Mila disse que você tinha sofrido um acidente, meu coração doeu e quando vi já estava aqui – Yurio falava enquanto acariciava meu rosto

-Com licença senhor Katsuki, vejo que acordou. Bom, a única sequela que tem do acidente são as suas pernas. Seu joelho pode ser curado com fisioterapia, mas sua perna esquerda foi a mais afetada. Porem, se quiser arriscar, podemos fazer uma cirurgia de doação de musculo. Não será a mesma coisa. Mas pelo menos não andará de muletas. – Comecei a chorar, eu acabei de ganhar o ouro e meu sonho é arrancado de mim assim? – Bom, vou deixa-lo pensar um pouco. A enfermeira virá para lhe auxiliar no que precisar

-Aceite Yuuri – Yurio disse assim que o médico saiu

-Mas... – Ia responder, porém Yurio não deixou

-Mas nada porra, quer ficar o resto da vida na cama? Aceite essa merda – Yurio insistiu, mas vi ele secar algumas lágrimas que insistiam em cair


-------------------------------------Quebra de Tempo----------------------------------------


3 meses depois


-Yurio, eu não preciso de ajuda para descer as escadas! – Reclamava enquanto tentava me soltar de seus braços

-Cala a boca porquinho, ou te jogo da escada. Vamos logo, é seu ultimo dia de fisioterapia – Yurio resmungou enquanto me ajudava a entrar no carro.

Victor uma vez por mês vem me ver, mas desde aquele dia, Yurio não voltou para a Rússia. Depois de um mês, minha mãe perguntou o porque ele ainda não voltou e ele simplesmente disse que estávamos namorando. Eu não lembro de pedido nenhum. Ah, as fãs dele foram a loucura, a maioria é Fujoshi, e muitas simplesmente aparecem em Hasetsu para nos ver.

Chegamos no consultório e Yurio sentou na sala de espera. Ele reclama da demora, mas se eu falo para ele ficar em casa é perigoso eu apanhar. Ele quase me bateu uma vez.

Duas horas depois, sai caminhando do consultório. Meu joelho não dói mais, mas tenho que alongar todos os dias e minha perna esquerda aceitou totalmente o músculo doado. Não posso patinar mais profissionalmente, mas ainda posso patinar para distrair. É claro que Yurio não me deixou chegar perto de uma pista de patinação ainda.

E por falar nele, ele está tão lindo dormindo, fico com pena de acorda-lo, mas precisamos ir para casa. Ah sim, compramos um apartamento perto das termas, assim temos nossa privacidade.

Infelizmente acordei ele e fomos para casa. Assim que chegamos, fui direto para a cozinha preparar nosso almoço, Yurio correu para o quarto sem falar nada... Estranho

-YUURI KATSUKI VEM AQUI – Yurio gritou do quarto

Desliguei o fogo e fui ver o que ele queria, eu não deixei o quarto bagunçado, então o que ele quer? Será que está bravo com algo?

Abri a porta do quarto e Yurio estava corado, olhava para todos os lugares, menos pra mim e escondia algo nas costas.

-Está tudo bem Yurio? – Questionei chegando perto dele

-Eu... Bem... Ah pega essa merda – Yurio empurrou um leão de pelúcia para mim – Parabéns, você terminou a fisioterapia

Comecei a rir, eu aqui pensando que era algo que fiz errado e Yurio prepara uma surpresa dessas

-PARA DE RIR PORCO MALDITO – Yurio ficou mais corado ainda – EU VOU POR FOGO NESSA MERDA PORRA

Ele veio para puxar a pelúcia, mas segurei sua mão e colei nossos corpos, joguei a pelúcia na cama e o beijei

-Eu amei Yurio – Falei depois de terminarmos o beijo

-Vai tomar no cu Katsudon – Yurio falava enquanto tentava recuperar o ar

-Hm... Acho que não é isso que você quer – Falava enquanto empurrava ele para a cama

-Y-Yuuri... Sua perna – Yurio tentava falar enquanto beijava seu pescoço

-Se você for um bom menino, não vai doer – Falei antes de morder seu pescoço

Lambia seu pescoço e me deliciava com Yurio arfando, o levantei o suficiente para tirar sua camisa e ele aproveitou para tirar a minha. Deitei Yurio de novo e o beijei com volúpia, ele desejava isso tanto quanto eu. Seu rosto era uma perdição, os cabelos dourados espalhados pela cama, os olhos dilatados cheios de desejo, a boca inchada pelos beijos selvagens e o rosto corado, Yurio é um mal caminho completo

-Yurio, eu quero te devorar todinho – Sussurrei no seu ouvido e mordi o lóbulo, me deliciando com seus gemidos

O loiro me deitou na cama, rebolou em cima do meu membro e disse

-Hoje quero te mostrar o meu Eros Y-U-U-R-I

Yurio desceu beijando meu tórax, chegou no cós da minha calça e subiu os beijos novamente, finalizando na minha boca enquanto suas mãos abriam minha calça e a retirava junto com a cueca boxer que eu vestia

Puxei Yurio pelo cabelo e disse

-Não é só você que vai se divertir Yurio – O levantei e retirei suas roupas também

Yurio me empurrou de novo e quando eu ia reclamar, ele deitou em cima de mim, nos possibilitando um delicioso 69. Lambi seu membro que começava a liberar pré-gozo, e fui subindo até onde eu realmente queria, sua entrada rosada que pulsava me chamando. Mordi sua bunda e a abri, comecei a lamber e chupar, aproveitando para o preparar. Yurio gemia sem pudor algum.

-Chega Yuuri... n-não me torture – Yurio tentava falar enquanto rebolava na minha boca

O empurrei na cama, peguei o lubrificante no armário, lambuzei bem meu membro e sua entrada e comecei a forçar a entrada... Céus ele é tão apertado!

Yurio gemia e apertava meus ombros, esperei ele se acostumar, não queria machuca-lo

-Se mexe logo porra – Yurio mandou enquanto rebolava

Dei risada e me aproximei do seu ouvido

-Cuidado com a boca Yurio – Ao mesmo tempo que me arremeti dentro dele, mordi seu ombro. Me deliciei com o gemido que ele soltou

O estocava forte enquanto lambia e mordia seu mamilo, Yurio não conseguia parar de gemer, ele me empurrou para a cama, subiu em cima de mim e sentou no meu membro, soltando um gemido manhoso. Segurei em sua cintura e o ajudei nos movimentos.

Senti o corpo de Yurio tremer, ele não aguentava mais. Nem eu aguentava, o levantei quase retirando meu membro e o puxei de volta, o estocando e acertando seu ponto de prazer, Yurio gozou na hora e sua entrada que já era apertada, apertou mais ainda meu membro e acabei gozando dentro dele.

O retirei de dentro de mim e ele caiu cansado na cama, o puxei para que deitasse a cabeça no meu tórax

-Eu te amo Yurio – Falei enquanto tentava regularizar a respiração

-Imbecil – Yurio escondeu a cabeça no meu peito – Eu também te amo

Sept. 1, 2018, 8:38 a.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Esther Liz "Os livros acolhem a alma e enriquecem a mente..." Oii! Bem vindos ao meu perfil! Espero que aproveitem! ∆Amo Yaoi ∆Multishipper ∆Bissexual ∆Sofrer com filme pra que? Vamos ler fic que os Mozão morre .. sqn Tenho perfil em outras plataformas, Dá uma olhadinha lá https://getinkspired.com/pt/u/estherliz96/ https://www.wattpad.com/user/EsterLiz Dêem asas a imaginação, quanto mais, melhor! "Um livro, uma caneta, uma criança e um professor podem mudar o mundo" - Malala Yousafzai Xoxo

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~