Trois Follow story

ariane-munhoz Ariane Munhoz

Alguns anos após o final da última guerra contra os galras, os portos da Terra se abriram para outros povos, e a forma de vida passou a ser vista de outra maneira até mesmo pelos humanos. Foi em meio a isso que uma relação a três tornou-se completamente normal entre Shiro, Keith e Lance. Ou quase isso. - ShKlance.


Fanfiction Cartoons For over 18 only.

#pwp #voltron #fantasticoink #biopunk #scifi #yaoi #lgbt #lemon #shklance #shiro #lance #keith #Kosmo #romance
Short tale
11
5.3k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Vida a três

* Voltron não me pertence.

* As imagens usadas nessa fanfic não me pertencem. Foram retiradas do Google e editadas para servir de capa. Deixo os créditos aos devidos artistas.

* Capa feita por Trillian Sagan aka Inial Lekim, obrigada Fluffy!

* Não foi betada, revisei com cuidado. Mas erros sempre escapam.

* Feita para o Desafio do Inkspired, com o tema: biopunk.

***

A vida já foi difícil algum dia.

A última guerra contra os extraterrestres dizimou mais da metade da população terrestre, e, daqueles que viveram, setenta por cento sofreram com as sequelas dos ataques indefensáveis causados pelos galras.

Os mais ricos se enclausuraram em seus bunkers fortificados enquanto a Patrulha tentava trazer para os que moravam perto deles e que não podiam se defender.

A ONU resgatou seus lemas antigos, reunindo todas as nações restantes em uma clara trégua que tinha como único objetivo manter a humanidade viva dando qualidade de vida àqueles que haviam restado. O início não foi fácil, mas, em uma década, a biotecnologia do mundo avançou mais do que no último século.

A maioria das pessoas precisou passar por dolorosos transplantes que traziam consigo o modelo de próteses alteanas e até mesmo dos galras, projetos esses nos quais o Comandante Holt tomou à frente em conjunto com a princesa Allura para unificarem as suas tecnologias.

O soldado Takashi Shirogane tornou-se uma bandeira e o porta-voz do mundo para que não sentissem medo, pois ele próprio tinha um braço transplantado e vivia muito bem com isso.

Aquelas pessoas que ainda possuíam receio, passaram a acreditar com afinco nas palavras de um de seus salvadores, o rosto que havia pilotado o Atlas rumo à salvação ao lado dos paladinos do Voltron.

Com o passar do tempo, a humanidade passou a se reconstruir, acordos foram constituídos para que os aliens pudessem transitar livremente em seu planeta – inicialmente com vistos de visitantes, e depois permanentemente.

A era de paz ao lado dos paladinos do Voltron e da Patrulha havia começado.

X

Shiro chegou em casa e depositou as chaves e a carteira na cômoda ao lado como fazia todos os dias. Embora pudesse ter um quarto cativo dentro da Patrulha, se havia algo que Adam tinha lhe ensinado antes de partir, era que precisava ter a própria vida pessoal separada daquilo.

Ainda agora, arrependia-se de não ter seguido os conselhos do falecido noivo, de curtir mais a vida ao seu lado e não entregar-se tão completamente às missões. Shiro sabia que, se tivesse feito isso, Adam poderia estar vivo até hoje, mas nada daquilo era uma certeza. Tentava não pensar muito nisso, pois aquele lado de sua mente ainda era obscuro e a culpa o consumia sempre que se lembrava da última conversa inacabada dos dois na qual Adam jurou que não estaria mais lá quando ele retornasse.

E não estava mesmo.

Todavia, suas decisões desenfreadas de precisar mostrar-se um herói prestativo e o melhor de todos em tudo o que fizesse, lhe permitiram conhecer Keith e os outros paladinos do Voltron.

Era difícil sopesar na balança o que era melhor ou pior quando seu coração começava a se curar de tudo o que havia acontecido até então ao lado deles.

Sua casa era simples: possuía uma área de convivência familiar, com uma bancada que separava a sala da pequena cozinha, um pequeno corredor que levava para os dois quartos – um com suíte – e o banheiro que trazia consigo a tecnologia dos olkari integrada a um sistema de sais de banho que sempre o fazia perder horas dentro da banheira de estilo alteano que Lance fizera questão de ter ali.

Na sala, sobre o tapete felpudo, observou o videogame e os controles jogados no chão, a TV ainda acesa indicando que a partida estava pausada em um daqueles jogos que Lance e Keith adoravam disputar para ver quem era o melhor até que Pidge chegasse e colocasse os dois no chinelo.

A casa de Shiro passou a ser de convívio comum para todos os paladinos, então sempre possuía colchões extras por ali.

No fim das contas – e ele não soube como – Lance e Keith resolveram ficar ali por tempo indeterminado, disputando a atenção do ex-paladino do Voltron enquanto evidenciavam as próprias qualidades.

Lance, por exemplo, era ótimo em escolher filmes. Vindo de uma família enorme, conhecia uma gama deles, de todos os estilos e gostos, então, nas noites em que decidiam ver alguma coisa, era ele quem escolhia. Keith era bom cozinheiro. Viver sozinho com o pai por tanto tempo – e ainda mais depois da partida dele – fez com que aprendesse a se virar sozinho de tal maneira que sabia fazer de tudo um pouco. É claro que ele não chegava aos pés de Hunk como cozinheiro, mas, hey, quem está competindo aqui? Já Shiro, era bom em intermediar a briga dos dois, que aconteciam com uma frequência incrível, e sem motivo aparente.

Por isso, ele estranhou o silêncio soturno assim que chegou.

− Keith? Lance? – chamou pelos dois sem obter nenhuma resposta. Será que teriam saído sem aviso prévio? Podia ser obra de Kosmo, o lobo cósmico de Keith que vivia levando-os a lugares e planetas inusitados apenas porque se sentia feliz com isso.

Olhou-se no espelho por um momento, feliz pelo implante protético em seu braço ter retornado ao modelo antigo, pois, mesmo que o alteano fosse mais moderno e eficaz em combates, era péssimo para o dia-a-dia e um pouco estranho também. Talvez ficasse bom em aliens, mas ter um pedaço flutuante entre a prótese e seu corpo era deveras estranho!

Seus olhos desceram então para a cômoda observando um quadro dele com Adam. Os dois sorriam juntos, vestindo a farda da Patrulha, os dedos entrelaçados em uma clara promessa de união. Na foto ao lado, estava com todos os paladinos, Coran e Kosmo, que, no último minuto, havia teleportado da fotografia, tornando-se apenas a sombra de um clarão nela. A última fotografia – e mais recente – contava com Shiro, Keith, Lance e Kosmo juntos na frente daquela casa que agora pertencia aos três.

Notou a luz acesa no quarto à esquerda, no final do corredor. A porta estava entreaberta e, dali, era capaz de ouvir os burburinhos. Franziu as sobrancelhas alvas, aproximando-se com passos felinos, pois não queria atrapalhar o que quer que estivesse acontecendo ali, e apurou os ouvidos.

Estava aproximando-se sorrateiramente quando Kosmo aparatou ao seu lado e teleportou-o para dentro do quarto sem que tivesse a chance de pronunciar quiznak antes.

Imediatamente, tornou-se o centro das atenções dos olhares dos dois paladinos que, até o momento, pareciam se engalfinhar em uma espécie de luta livre em cima de sua cama. Se Shiro já não tivesse todos os pelinhos do corpo brancos, eles teriam ficado agora. O que, em um primeiro momento, imaginou ser uma luta, era na verdade uma troca selvagem de beijos e carícias que sua mente demorou a processar.

Não por ser uma cena anormal – na verdade aquilo era bastante rotineiro –, mas por ele não estar presente!

− Então os bonitinhos resolveram começar sem mim? – Cruzou os braços, fazendo um falso bico de descontentamento enquanto encarava a dupla Klance.

− A culpa foi dele! – Cada qual apontou para o parceiro, a fala ensaiada dita em uníssono enquanto Shiro os encarava. Era possível ver as faíscas que queimavam em seus olhos enquanto se olhavam longamente.

− Não me lembro de estar procurando culpados. – provocou. Essa era a deixa de Kosmo, que desapareceu do quarto, indo ficar quentinho sobre o tapete felpudo da sala, seu local favorito na casa.

Keith e Lance trocaram olhares cúmplices, sorrisos ladinos desenhando-se em seus rostos enquanto se erguiam da cama. Keith usava apenas uma calça preta de moletom, folgada, deixando os músculos e as cicatrizes que havia coletado ao longo dos anos visíveis. Já Lance, muito mais despojado, estava completamente nu, os cabelos ainda úmidos e o cheiro das ervas de Olkarion espalhadas pelo ar. A toalha molhada estava no canto da cama, mas esse era um detalhe ao qual Shiro se apegaria mais tarde.

− Acho que podemos dar um jeito nisso, não é Lance? – Keith perguntou, aproximando-se do ex-paladino e segurando-o pela nuca. Desde que havia retornado daquela realidade alternativa, sua altura se equiparava à de Shiro, mas alguns anos depois, tinha lhe passado em alguns centímetros.

− Acho que podemos sim. – O outro respondeu provocante e, enquanto Keith tomava a boca de Shiro com volúpia, Lance encaixou-se atrás dele, deixando a própria ereção em evidência roçar atrás dele, sob a farda apertada da Patrulha que o soldado ainda usava.

O beijo veio voraz como Keith sempre era, querendo manter o controle da situação, como um líder de fato faria. Mesmo naqueles momentos, Shiro sentia que Lance e Keith faziam uma disputa pessoal para saber qual deles conseguia agradá-lo mais – e era óbvio que o ex-paladino amava aquilo.

Nenhum dos três saberia exatamente dizer como aquilo tudo começou, mas as feridas que cada um deles carregava no peito acabou aproximando-os de um jeito que não aconteceu com os demais paladinos. Eram todos uma família? Com certeza. Mas havia um laço a mais que unia aqueles três e que não podia ser facilmente explicado. Keith e Lance eram como fogo e água, e precisavam de um intermediário que mantivesse os dois equilibrados. Esse era Shiro, que trazia ambos à razão. De alguma forma, em alguma noite qualquer, isso acabou na cama do Tenente, com beijos quentes e uma trilha de roupas espalhadas pelo chão.

Era a primeira vez em muito tempo que Shiro permitia-se entregar a alguém depois de Adam, e ele lembrava-se de ter chorado na companhia dos dois ao contar-lhes sobre seu passado do qual Keith conhecia apenas uma parte.

A partir daquele momento, Keith e Lance fizeram um juramento de que jamais deixariam Shiro partir, assim ele não precisaria se preocupar que eles não estivessem ali quando ele retornasse. O sentimento de vazio desapareceu imediatamente, e os três se tornaram uma espécie de casal diversificado, como os que viam em alguns planetas pelos quais já tinham passado.

No começo, quando decidiram assumir aquilo para os demais paladinos e Coran, foi um pouco estranho, mas Allura logo os parabenizou, dizendo que isso era uma prática bastante comum entre outros povos e que podia dar certo. Foi estranho para Hunk e Pidge no começo, mas, vendo como os três estavam felizes, como não poderiam ficar também?

A partir daí a mudança dos dois para a casa de Shiro foi gradual, até que todas as suas coisas estivessem ali, divididas no quarto ao lado, mesmo que todos eles dormissem na mesma cama – o que dava a Kosmo total liberdade para ter um espaço só seu, mesmo que preferisse o tapete!

Keith e Lance se ocuparam em livrar-se das roupas de Shiro, arrastando o mais velho para a cama.

− Vocês estão com a corda toda hoje, rapazes. – brincou com um sorriso ladino nos lábios, enquanto Keith terminava de despir as próprias roupas.

− Você não faz nem ideia. – O brilho dourado que passou rapidamente nos olhos de Keith evidenciava seu desejo. Ele tocou o próprio falo ereto, masturbando-se enquanto observava Lance ajoelhado na cama, puxando Shiro para beijá-lo. A visão dos dois homens que mais desejava em toda o universo sempre o excitava.

Shiro permitiu-se entregar ao momento, a língua explorando a boca de Lance enquanto sentia os membros roçarem. Cansado de observar, Keith aproximou-se por trás do ex-paladino, as mãos descendo pelas costas musculosas até as nádegas que apertou com gosto. Mordiscou a orelha dele, soltando um gemido baixo ao roçar o próprio pênis na entrada dele, inclinando o corpo para frente de modo que Shiro se deitasse sobre Lance e o corpo do meio-galra cobrisse os dois.

− Chupa ele, Lance. – O tom ébrio fez com que o corpo de Shiro se arrepiasse todinho. Não era uma ordem, muito pelo contrário, era um pedido desejoso.

− Cala a boca, não preciso que me diga o que fazer. – Lance sorriu de canto, apesar de dizer aquilo apenas como provocação. Lance precisou sair da posição em que estava, de modo que o Tenente ficasse de quatro na cama – a posição favorita de Keith.

− Consegue se segurar? – O paladino negro perguntou baixinho para Shiro, recebendo um gemido como resposta. Keith alcançou o lubrificante, passando-o pela extensão do próprio pênis e lambuzando os dedos enquanto o penetrava lentamente.

Shiro gemeu mais alto e Lance deitou-se abaixo dele, os pés voltados para a cabeceira da cama e as pernas flexionadas até que alcançou o membro pulsante do soldado, envolvendo-o com a própria boca, a língua quente brincando com a pontinha da glande e arrancando espasmos de prazer do ex-paladino. Keith aproveitou o momento para colocar mais um dedo dentro dele, massageando seu interior, vestindo o preservativo enquanto preparava-se para penetrá-lo.

Não querendo ser o único a receber prazer ali, o Tenente inclinou-se para frente, alcançando o pênis de Lance com a boca em um 69 que a princípio ficou bastante atrapalhado, mas logo acharam uma posição confortável que permitia prazer a ambos.

− Assim vocês me enlouquecem. – Keith praguejou baixinho enquanto retirava os dedos substituindo-os pelo próprio pênis e sentindo Shiro contrair-se com isso. – Ah, porra! – gemeu alto, sendo acompanhado pelos outros dois, enquanto iniciava os momentos de vai-e-vem.

Tanto Lance quanto Keith sabiam que, naquela onda de prazer, o ex-paladino não suportaria muito tempo, então controlavam o ritmo para que ele pudesse aproveitar ao máximo, mas, sempre que ouviam um gemido mais alto, era como se quisessem mais e mais de Shiro, e isso fazia com que se esforçassem até seus limites.

Keith sentiu quando Shiro contraiu-se mais, e sabia que aquele seria o momento em que ele gozaria junto do ex-paladino. Lance também estava próximo do orgasmo e, quando os três o atingiram, quase que ao mesmo tempo, os corpos desabaram, um sobre o outro, como um castelo de cartas que era levado pelo vento.

Os corpos estavam quentes, as respirações ofegantes, e os sorrisos permaneciam largos sobre os rostos satisfeitos.

Lance foi o primeiro a levantar a cabeça, olhando para os outros dois.

− Que tal experimentarmos aqueles novos sais de banho que Allura trouxe?

Keith e Shiro sorriram ainda mais. Claro, por que não?

X

Kosmo sentou-se ao pé da cama, observando sua matilha. Keith com a cabeça repousada sobre o peito de Shiro, que abraçava ele e Lance. Bocejou longamente, saltando para perto deles e aconchegando-se aos seus pés.

Aquela vida a três era mesmo maravilhosa.

Notas:

A primeira fic que eu fiz pra esse desafio foi uma Sheith que, para mim, não tinha nada a ver com o universo biopunk por mais que eu tenha me esforçado nela. Tentei incorporar algumas coisas do universo nessa fanfic, e espero que esteja à altura para o desafio! Ademais, agradeço à Paty pela capa maravilhosa.

Para quem chegou até aqui, aguardo vocês nos comentários! Meu primeiro lemon a três, não me matem se não ficou bom!

Até breve!

Aug. 25, 2018, 10:58 p.m. 15 Report Embed 12
The End

Meet the author

Ariane Munhoz Dona de mim, escritora, louca dos pássaros, veterinária e mãe dos Inuzuka. Já ouviram a palavra Shiba hoje?

Comment something

Post!
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá! Queria começar dizendo que não tem como não surtar com esse trisal. Pra que brigar por Klance e Sheith se existe esse, não é mesmo? Quando o Kosmo teletransportou o Shiro pra dentro do quarto - MELHOR LOBO CÓSMICO HSUAHSU - eu achei que ele ia ficar chocado ou algo do tipo e que ele ia pedir satisfações, porque, antes, você não tinha citado se eles já tinham ou não relacionamento, então eu fiquei tipo "EITAA, CORRE NEGADA", mas no fim ele só jogou um "começaram sem mim?" e entrou na brincadeira hahaha. Você introduziu o biopunk na história quando falou sobre as próteses alteanas sendo usadas na terra e colocando o Shiro como exemplo, mas esse não foi o foco da história, então ficou mais como uma citação já que a parte principal fala sobre a relação desses três paladinos lindíssimos. A história está bem escrita e flui muito bem, não tem erros de concordância ou gramaticais. Foi algo muito gosto de ler e você desenvolveu muito bem relação e personalidade dos três, não está OOC e ficou tudo muito natural, parabéns! Obrigada por participar do desafio, a historia ficou realmente maravilhosa. Até a próxima <3
Oct. 4, 2018, 2:11 p.m.

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Ahhh, eu não tava nem esperando que vocês aparecessem aqui! Fico muito feliz de verdade com isso! Eu fiquei com receio de ter fugido do tema, mas no fim das contas acabou sendo mais sobre o relacionamento deles mesmo e não quis mexer no que achei que tava legal. Obrigada mesmo, é sempre um prazer participar dos desafios aqui! Oct. 11, 2018, 5:39 p.m.
LiNest LiNest
MEU GEZUIS DOS OLHOS AZUIS ME ABANA QUE TO PEGANDO FOGO! Primeiro, MEU OT3 OK? Eu amo esse 3 juntos, demais, e vc retratou super bem a dinâmica dele, amei muito todo o carinho que existe no relacionamento, a cena de sexo foi primorosa e Keith sendo todo ativo foi 10/10 kkkkkk só adorei como vc construiu a intimidade deles aqui. A introdução inicial contando sobre a guerra e finalmente a paz foi bem feita, bem crivel com o universo de Voltron, e realmente a sensanção que passa é de dever cumprido no final quando os três deitam juntos e o Kosmo vigia o sono deles, deu uma sensação gostosa de paz mesmo. Enfim, adorei muito, ótimo trabalho <3
Sept. 8, 2018, 9:38 p.m.

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Como não amar esse OT3? Eu fico feliz de ter conseguido retratar bem essa dinâmica! Mesmo. Eu acho Keith muito ativo, Shiro muito bb e Lance aquele cara que vai disputar a atenção dos dois kkk Eu quis trazer uma introdução que inteirasse o universo, mas acho que meio que falhei na temática, mesmo assim foi ótimo participar do desafio! Obrigada pelo comentário lindo! Sept. 18, 2018, 7:09 p.m.
Celi Luna Celi Luna
ARIANE DO CÉU! ARIANEEE DO CÉU! Omg nem sei por onde começar! Acho que é bom começar agradecendo pelo Shiro ter um braço inteiro, com certeza nhsaihsiahsia Segundo que uau eu ameeeeei esse lemon a três, e eu nem sou muito de gostar de lemon, e com o Shiro dando ainda!!! Mds q delicia E o melhor é que não é só o lemon, eles ja são um trisal fofo com uma rotina linda e uma casinha, e essa comparação de fogo e água e o shiro o intermédio deles pros dois não se matarem achei mto legal tbm pq é verdade kkkkkk Gostei tbm de ter sido no universo canon de Voltron e esse mix de culturas alteana com olkarion e o Shiro ainda na Patrulha... Ah e a menção ao Adam no começo, adorei voce ter lembrado do xuxu injustiçado e dar um significado dele na vida do Shiro P.S. Pidge manda na casa e não choca ninguem Amei a história ratinha <3 obrigada :)
Sept. 8, 2018, 7:29 p.m.

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Não consigo deixar o Shiro com o braço flutuante, Deus me defenderay SHUASHUSA nossa, a minha vida tá tão corrida que só to vindo responder esse comentário 10 dias depois, me perdoa. Ah, eu vejo os três exatamente assim. Acho que o Shiro é meio que a ponte que interliga eles e impede tudo de ir pro espaço kkk Legal saber que mesmo não curtindo lemon você gostou da fic! Eu quis misturar um pouco das culturas porque acho que esse é um ponto forte do povo da Terra: mesclar tudo de todo mundo. O Shiro continua na patrulha e nada me tira isso da cabeça. Adam foi muito importante na vida dele mesmo que não tenha passado muita coisa. Pidge manda em todos e choca zero pessoas. Obrigada pelo comentário, ratinha! Sept. 18, 2018, 7:07 p.m.
Hime  Hime
mds que calor. Eu não esperava encontrar um lemon tão poderoso no meio do desafio e olha só o que temos aqui! Ficou muito bom, de verdade sz
Sept. 8, 2018, 6:55 a.m.

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Ahh, fico feliz que você tenha gostado! Obrigada por ler e comentar! Sept. 8, 2018, 9:15 a.m.
  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Ahh, fico feliz que você tenha gostado! Obrigada por ler e comentar! Sept. 8, 2018, 9:15 a.m.
Emily C Souza Emily C Souza
Nossa, ta quente aqui ne? Ariane, ue delicia foi essa? Adoro uma safadeza a tres. Falando do universo: Eu não conheço basicamente nada de voltron, pois tudo o que eu assiste foram dez episodios, mas eu me apaguei muito aos personagens mesmo não tendo interesse no desenho em si. Adorei de mais como você descreveu tudo, contou os avanços em tecnologia e biologia, dando assim oportunidades as pessoas que perderam membros em ter uma alternativa boa com implantações de membros artificiais. Cara, essa sua descrição da casa, como eles três vivem juntos e o quanto você me cativou com esse relacionamento poliamoro... só tenho elogios, ficou otimo. O lemon então nem se fala. Eu vi a cena quente e me aquela cachoeira chega desceu kkkkkkkkk Não tenho mais o que dizer, nega, você sabe que eu curto sua escrita e sua narrativa e acho que sendo a primeira vez que você escreve com um trio, a historia esta otima! Amei de muitão. Escreva mais deles kkkkkkk Xero.
Sept. 7, 2018, 6:51 p.m.

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Nossa, tá um calor de arrastar a cara no asfalto! Eu fico tão feliz que a rainha das safadezas tenha curtido minha fic kkk O universo de Voltron é mara, você realmente devia levar a animação pra frente, bb! Eu fiquei com receio da parte da biotecnologia ter ficado em segundo plano, mas eu fico feliz que você, que não acompanha o universo, tenha se apegado justamente a esse detalhe! Eu penso que numa relação a três as coisas tem que ser bem divididas ou nem rola kkk Fiquei com receio do lemon a princípio, mas se a rainha das safadezas me diz que tá bom, eu só posso acreditar! Fico feiz que você tenha curtido, meu amor, muito obrigada por aparecer aqui! Em breve eu apareço no Deku vilão! Beijos! Sept. 8, 2018, 9:19 a.m.
Nathy Maki Nathy Maki
Primeiro de tudo: AAAAEEEEE!!! O braço voltou ao modelo completo! Amém, senhor! Graças a deusa Ariane! Chega da agonia que dá ver aquele buraco lá no meio >.< Ah, não senhor Lance, toalha molhada em cima da cama aqui não passará! pode tratar de ir estender, depois do bem bom, claro u.u Prioridades sempre! E por falar em bem bom, alguém me segura que eu tô no chão depois disso! Eu pensei que o Shiro só ia puxar a cadeira e apreciar o espetáculo pra depois entrar no meio, mas pra que esperar quando seus mozões já tão no ponto bem na sua frente, não é mesmo? Huehheeeh Amei a história e a escrita maravilhosa dela <3 Beijinhos!
Sept. 7, 2018, 6:10 p.m.

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Meu, não consigo escrever uma história em que o Shiro esteja com aquele braço flutuante a não ser que seja uma comédia SAHUSAHUSAH Toalha molhada na cama nunca passará! Mas a gente vai perdoar nesse momento de lemon e refresco maravilhoso que apareceu para nós. Shiro não quer ficar só olhando não, viu? Ele quer é fazer parte da orgia! Muito obrigada pelo comentário lindo, Nathy! Sept. 8, 2018, 9:21 a.m.
Kaline Bogard Kaline Bogard
Gente, olhem essa saliencia aqui! Bom, meu ship é Klance, sou apaixonada pelo besta do Lance, mas resolvi ler e experimentar a sensação! Quase pensei que seria recompensada e que o Shiro ia assistir só, mas ai ele resolveu participar! Maldito. Nah, tudo bem, não dá pra assistir os dois boys e não acender o fogo. A cena toda ficou muito boa. Não consigo digitar um lemon com dois amantes, que dirá três! Parabens pela habilidade ( ͡° ͜ʖ ͡°) Sobre a personalidade deles: foi bem curtinha, temos mais do Shiro do que dos outros dois. Senti que respeitou bem o Shiro do cartoon. Mesmo o Keith e o Lance encaixaram bem, a cena tá natural. Sobre o portugues: otimo como sempre. E sobre o cenário biopunk... não sou especialista no assunto, tem a tecnologia e talz. Mas acho que realmente focou mais na relação entre eles do que no biopunk. Não sei se é contra a proposta ou não do desafio, porque o backgrund funcionou bem mesmo com o enfase na relação deles. Fora essa pequena duvida, tenho certeza que os fãs desse OT3 vão adorar! Parabens por aceitar e cumprir o desafio!
Aug. 29, 2018, 10:24 a.m.

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Cara, eu gosto dos dois ships e eu vejo tanta briga desnecessária de fandom que resolvi experimentar escrever com os três. Eu tinha feito uma outra fic antes, que foi aquela que você lei, que eu acho que total fugiu da proposta, então eu fiz essa, tentei encaixar o cenário, mas confesso que na pratica é muito mais dificil que na teoria. Só que a falta de tempo me impediu de tentar uma terceira vez, e no fim das contas o que importa é participar do desafio e divertir o pessoal com a leitura. No começo pensei em deixar o Shiro só de voyeur, mas não acho que condiz com a personalidade dele. Tentei colocar um pouco de cada um através dos detalhes da casa, mas como minha primeira experiência com um OT3 eu amei escrever essa história! Obrigada por aparecer aqui! Quem sabe um dia não te faço uma Klance? Sept. 1, 2018, 6:01 a.m.
~