Short tale
28
5.6k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Que azar.. ?

Pela primeira vez na semana, eu tinha acordado essa manhã com a mesma disposição com que fui para a cama na noite anterior, ou seja, acordei super cansado e indisposto, apenas tirando o fato de que eu passei a madrugada inteira me remexendo na cama sem pregar os olhos uma vez sequer, já era de se esperar que esse feito acontecesse.


Já era lá pelas 4:00 da manhã e nada de sono, na verdade eu estava tão elétrico, que comecei a andar pelo meu apartamento à procura de qualquer caralho que eu poderia fazer 'pra poder dar um fim nesse meu maldito tédio, não conseguia encontrar nada com que me entreter, então decidi ir até a cozinha preparar um sanduíche.


Normal, você fica com tédio e acaba se empanturrando de comida, depois acaba ficando obeso e não sabe o porquê né Jeon Jungkook?! Então, depois de terminar meu suculento lanche entupidor de veias, decidi fazer um café expresso, pra ver se melhorava minha situação, não queria passar o sábado todo com essa cara de quem não dormiu a noite inteira.


Pude perceber que não faltava pouco para o amanhecer quando uma cor meio alaranjada adentrou pela janela da sala, batendo-se contra as cortinas brancas e esvoaçantes devido a brisa que vinha de fora. Dando ao local um ar sereno e cheio de paz.


Que lindo!


Foi o que pensei na hora, em todos esses meus 21 anos, nunca tinha visto o nascer do sol, e me xinguei mentalmente por não ter me interessado presenciar esse monumento o quanto antes, nunca fui muito religioso, mas se existisse ou não, um Deus responsável por tudo aquilo, não me importava.. Era simplesmente magnífico!

Fiquei um bom tempo parado em pé na sala, com o café ainda em mãos, encarando o horizonte...


E foi quando aconteceu. Eu me toquei.


Me toquei do quanto aquele apartamento era grande, vazio e silencioso. Meus pais compraram para mim, digamos que eles sejam bem ricos, donos de uma empresa enorme e muito bem reconhecida aqui na cidade, mas nunca foram presentes, na minha vida e nem na de meu irmão Jin, quatro anos mais velho que eu, sempre tentando substituir suas ausências com presentes caros e sofisticados, nos mimando de todo jeito possível, foi quando eu completei 18 anos que as coisas começaram a piorar..


Eu sou gay.


E foi bem logo depois de eu completar 18 anos, que eu tomei a decisão de que iria contar à eles, Jin já sabia e sempre me apoiou, na verdade foi ele quem me recomendou esperar até a maioridade para contá-los, disse que tinha medo de que nossos pais me colocassem em alguma clínica psiquiátrica, eu estava com medo, então decidi ouvi-lo e esperar..


Então veio a bomba.


Eu sentado no sofá, estático, apenas olhando para o chão, minha garganta ardia de dor de tanto que eu segurava as lágrimas, não queria chorar na frente deles, não podia... Tudo que eu ouvia era meu pai e Jin batendo boca como eu nunca tinha ouvido antes, eles gritavam e xingavam, Jin falava coisas como "Ele é seu filho", "É apenas um garoto" e meu pai retrucava mais alto e mais bravo com "Não aceito" ou "O que será da minha empresa caso descobrissem que meu filho curte dar a bunda".


E aquilo foi o estopim para que Jin se calasse, perplexo em como nosso pai - se é que ainda posso chamá-lo assim - era na realidade, e minha mãe, bem.. Ela só sabia chorar e murmurar baixinho pare que eles parem, mas de nada adiantava.


Quando tudo cessou e o silêncio reinou sobre o ambiente, nosso pai deu a última palavra recebendo a atenção de todos na sala, inclusive a minha, que meio que já tinha saído de meu transe.

''Vocês vão embora dessa casa''


Rápido e sem hesito como uma facada, pelo menos foi como eu senti. Nossa mãe tentou contestar de todas formas, mas meu pai simplesmente à mandou calar a boca e com as feições triste e carregadas de lágrimas, ela o fez.


''Como o senhor quiser''


Pude ver a tristeza estampada na face do Jin quando ele se virou e caminhou em minha direção, pegado minha mão e se dirigindo pra fora da casa, eu não queria que ele fosse expulso, não queria que passasse por tudo isso por minha causa, tentei gesticular mas nada saia de minha boca, não tinha forças nem para encarar nosso pai.


Muito tempo se passou depois de termos saído de casa, fui morar com Jin em Busan, tentei me enturmar com as pessoas de lá, ele até me matriculou em um colégio perto de sua casa, que à propósito era alugada, mas eu vivia 'pra baixo e deprimido, acabei virando um anti social e morfando em casa. Certo dia, Jin recebeu uma promoção na empresa em que trabalhava, era uma oportunidade em um milhão, e ele seria louco se recusasse, porém tinha uma condição, ele teria que se mudar para a Inglaterra.


Isso mesmo, Inglaterra.


E claro eu fiquei super feliz por ele, até chegamos à sair para comemorar e beber um pouco, e naquele momento, eu podia jurar de que tínhamos nos esquecido de tudo que tinha acontecido meses atrás, realmente não sei o que seria de mim sem ele. Mas ele precisava resolver uma coisa..


O que faria comigo?


Eu não trabalhava, não podia continuar pagando a casa, e ele não podia simplesmente me levar para a Inglaterra com ele. Então ele decidiu exigir que nosso pai comprasse um apartamento 'pra mim, não queria nem mesmo que ele se encontrasse com a gente, apenas que nos ajudasse com isso pelo menos. A resposta demorou umas semanas, mas com a insistência de Jin ele finalmente comprou o maldito apartamento.


Um mês antes de eu fazer 19 eu me mudei, e caramba, eu juro que pensei que ele compraria uma mixuruca 'pra mim, mas quando eu entrei, meio que instantaneamente minha boca se abriu em um formato de "0".


Aquilo era enorme, sério. Deve ter custado uma fortuna, mas se ele quis gastar tanto dinheiro com seu filho que segundo ele "... curte dar a bunda" o problema era dele.


Jin já estava com tudo pronto e preparado para ir para a Inglaterra, passagens, papéis para assinar e todas aquelas outras coisas envolvendo trabalho e que eu sinceramente, não me importava, ele só adiou a viagem uma semana para que passasse pelo menos esse aniversário comigo, como uma despedida, afinal não sabia quando voltaria, e se voltaria.. 


Confesso que fiquei triste quando soube disso, mas não queria que ele tivesse nenhum problema por causa de mim, seu irmão caçula, então simplesmente aceitei...


O dia do meu aniversário foi o melhor dia da minha vida, só estava eu e ele no apartamento - como eu disse antes sou anti social e não tenho amigos - juntos de um bolo, minhas músicas favoritas e videogames, ficamos a tarde inteira jogando, cantando e rindo bastante, até ficar tarde e ele comentar que deveria ir embora pois seria bem difícil de levantar às 5:00 da manhã no dia seguinte - sei muito bem - caso passasse das 00:00, porém eu me lembrei de que aquela era a nossa despedida e então, meu Deus...


Eu chorei, ele é meu único irmão e amigo, e estava indo embora.


Ele veio com todo aquele discurso de irmão mais velho 'pra cima de mim, dizendo para eu me cuidar e não me meter em encrencas e se caso eu saísse para beber, que a todo custo voltasse para casa de táxi, me prometendo que sempre manteríamos contato, seja por telefone, carta ou Skype, depois de muitas palavras bonitas e abraços, vi ele parado na frente do elevador, esperando..


Encarei suas costas, ele realmente tinha amadurecido, estava mais encorpado e os ombros mais largos. Quando a porta se abriu, ele entrou, se virou pra mim e com um sorriso no rosto, disse as palavras mais sinceras que eu já ouvira em minha vida.


''Jungkookie, eu te amo'', e então, as portas fecharam-se lentamente, o respondi com um sorriso


''Eu também te amo, Jin hyung''


E pensar que um simples nascer do sol me faria relembrar disso tudo, fala sério já tinha se passado dois anos, eu já sou um homem feito e trabalhava em casa. Mas não me permitiria ficar na depressão até hoje, claro que não, então depois que terminei de saborear meu delicioso café, decidi tomar um banho e sair, sério eu precisava muito sair desse apartamento, cansei de ser o esquisitão anti social.


Depois que terminei meu banho, peguei as chaves de casa e me dirigi até o corredor esperar o elevador... Que demora, esse maldito elevador ultimamente está demorando mais que o de costume, não tive escolha e fiquei esperando.. Na verdade eu tinha escolha sim, poderia descer de escadas, mas eu realmente não estava à fim hoje então apenas esperei.


Finalmente chegou e estava vazio, suspirei aliviado, não que eu seja um idiota egoísta, eu só não gostava de ficar naquele silêncio estranho e constrangedor com outras pessoas e não tendo outra escolha à não ser encarar o chão pra não manter contato visual com alguém, pois é o chão, porque ficar olhando pro espelho também não funciona, sempre tem alguém que optou por olhar ele também e já viu né? Mais constrangimento..


Sem falar naquela musiquinha escrota de ambiente que parece que piora tudo.


Cliquei no botão que iria 'pra recepção e as portas fecharam de novo. Quando estava quase chegando ao meu destino, o elevador parou no décimo andar. Que ótimo.


Quem estava lá parado era nada mais nada menos que o "garoto gostoso do 512", como eu o intitulei, já o vi bastante pelos corredores e recepção, sempre observando-o e olhando de canto de olho, mas nunca cheguei a trocar uma palavra com ele e puta merda, ele era incrivelmente belo olhando de perto assim.


O cabelo castanho escuro que caía sobre seus olhos penetrantes, capazes de fazer qualquer um que olhasse para eles se derreter todo, a boca que tinha um rosado tão provocante e a pele.. Aaah aquela pele amorenada linda, que parecia ter sido beijada pelo sol.


Ele estava de cabeça baixa com as mão no bolso da calça, quando me viu dentro do elevador sorriu educadamente curvando-se um pouco.


''Bom dia''  disse se ajeitando do meu lado

''B-bom dia'' demorei alguns segundos pra perceber que ele tinha falado comigo. Então, veio o silêncio. Junto daquela musiquinha ambiente dos infernos.


Ficamos lá, parados olhando pra porta quando..


'' Você por acaso é novo aqui''. Eespera aí, ele tava puxando assunto comigo?

''Como?'', o encarei.

''Perguntei se você é novo aqui'' 

''Aaah não'' , cocei a cabeça nervoso, ''eu moro aqui já faz uns dois anos''

''Sério? Caramba'', e sorriu.

''E você?''

''Me mudei ano passado pra cá'' 


Ano passado? Não me lembro de tê-lo visto nem começo desse ano.


''Você vivia andando por aí com a cabeça baixa, por isso não falei com você naquela época'', é claro, minha fase anti social e depressiva.

''Pois é'', me remexi meio incomodado, ''eu tava passando por uma parada aí, e realmente não tava muito bem'', lhe dei um sorriso amarelo.

''Entendo'' cruzou os braços se encostando no espelho, ''não queria me intrometer, desculpe''

''Não, tudo bem, não precisa se preocupar''. Sorrimos um 'pro outro.


Depois ficou tudo em silêncio de novo, e sério, aquela droga de elevador não tava andando porra nenhuma, parece que a gente ainda tá no nono andar, que desgraça...


Mas sabe aquele ditado "pior do que tá não fica"?! É uma mentira porque acabou de ficar.. 


A MERDA DO ELEVADOR DECIDIU PARAR


Literalmente, ele empacou no quinto andar e não queria voltar de jeito nenhum. Fiquei preocupado e encarei o garoto e.. Acabei de perceber que ainda não sei o nome dele.


''O que faremos agora... ?''

''Kim Taehyung'' ele me estendeu a mão,  ''mas pode me chamar de Tae se quiser''.

''Sou Jeon Jungkook'', peguei em sua mão, era bem macia 'pra mão de um garoto, mas eu gostei, ''me chame apenas de Jungkook''

''O que faremos agora?'', ele me encarou e depois olhou ao redor virando a cabeça de um lado 'pro outro


Esse garoto tá muito tranquilo na minha opinião, ainda mais na situação em que estamos.


''Não temos escolha à não ser esperar Kookie'', senti um arrepio pelo como o apelido soou vindo dele , ''vamos nos sentar''.


Fiquei impressionado com a calmaria dele, estávamos presos no elevador e não fazíamos ideia de quando iriam nos resgatar, poderia levar horas, mas parece que ele estava certo, não tínhamos escolha, então o acompanhei e sentei um pouco afastado de si.


Já tinha se passado uns vinte minutos desde que o elevador parou e até agora, ficamos falando sobre coisas aleatórias pra não deixar o clima ficar estranho. O elevador pode ter parado mas a porra da música continuava, sério eu tava quase pirando ali dentro, então decidi comentar sobre..


''Que música chata hein'', ele parecia estar distraído mas acabou me encarando, ''Sério, 'pra que serve essa bosta? Só pra deixar as pessoas constrangidas mesmo e meu Deus, como tá quente aqui dentro''.


E realmente estava quente, me sentia quase dentro de uma sauna. Podemos morrer de constipação aqui dentro.. Eu sou exagerado mesmo.. E o Taehyung? Estava calmo e suando também.. Sua camisa branca começou a colar em seu corpo, que mesmo não sendo tão encorpado, era uma ótima visão de se apreciar.


Ele estava sexy.


Mordi os lábios, com o intuito de afastar meus pensamentos sujos. Então ele me encarou e disse.

''Você está me perguntando alguma solução sobre isso?'', assenti. Ele se levantou ficando em minha frente.

''Eu sei um jeito de te distrair e te fazer esquecer dessa maldita música'', sua voz se tornou num tom estranhamente... Sensual?

''Mas esse jeito só aumentaria o calor daqui de dentro'' , ele tava chegando mais perto, quase pude sentir sua respiração tocar em meu nariz, já que ele estava de pé e se curvando pra me encarar,

''É isso que você quer Jungkookie? Que eu deixe você mais quente do que já está?''

June 26, 2018, 1 a.m. 0 Report Embed Follow story
7
Read next chapter Irresistível

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 1 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!