Insistente Follow story

ohhtrakinas Sasah Trakinas

Mesmo que não costumasse ser insistente com as pessoas quando recusado, Deadpool se via na obrigação em tentar várias e várias vezes chamar a atenção do Homem-Aranha. Além de mexer com seu coração, era uma gracinha!


Fanfiction All public.

#spider-man #spideypool #deadpool
Short tale
10
5.0k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

One-love

Wade não era uma pessoa insistente. Aprendeu da pior forma a respeitar o espaço das pessoas e entender que, quando a outra pessoa o negava, apenas dava as costas e a deixava em paz. Todavia, Wade Wilson se via completamente interessado no Homem-Aranha, uma vez que simplesmente dar as costas quando fora negado pela primeira vez, mostrava-se extremamente doloroso.


Viu-se obrigado a quebrar sua conduta respeitosa para dar em cima daquele jovem rapaz que tanto lhe chamava a atenção. Mesmo que mantivesse o bom humor e fazia bom uso de seu maravilhoso arsenal de cantadas baratas, Peter Paker parecia sequer tropeçar nos encantos do mercenário.


Depois de ajudar a acabar com alguns bandidos que faziam alarde na cidade juntamente com o Homem-Aranha, Deadpool pois se a seguir o mais novo insistentemente, mesmo que não pudesse pular de prédio em prédio como se fosse um macaco na floresta.


Completamente cansado, Deadpool parou de correr quando chegou ao topo de um prédio onde o Homem-Aranha observava num belo ângulo a grande cidade sendo banhada pelos raios alaranjados do pôr-do-sol. Apoiou as mãos no joelho, tentando controlar a respiração descompassada que insistia em fazer seu peito subir e descer exageradamente.


— Finalmente parou, hm? — disse Deadpool, estalando a coluna, enquanto se aproximava de Homem-Aranha, que até então, parecia ignorá-lo enquanto encarava a bela vista.


— Não acredito que me seguiu até aqui — Peter tira a mascara de herói, sentindo-se aliviado pela brisa que balançava seus cabelos levemente suados.


— Vou até o inferno por você, se for preciso, baby boy — deu-se para ver a curva de seu sorriso galanteador pela mascara.


Peter revirou os olhos, acostumado com aquelas cantadas baratas de Wade. Estava se preparando psicologicamente para a enxurrada que viria depois daquela.


— Muito bem, lá vamos nós — não disposto a lidar com Deadpool, Peter iria colocar a mascara novamente para sair do prédio e ir para qualquer outro lugar onde o mercenário não estivesse, porém, foi impedido quando sentiu seu pulso ser segurado.


— Ah, vamos lá, espere um pouco! — insistiu, logo vendo que Peter encarou sua mão apertar o pulso com uma sobrancelha arqueada. Tratou logo se soltá-lo —Desculpe! — levantou as mãos em rendição.


— O que é? — decidido a dar um pouco de atenção àquele babaca, Peter encarou-o com certo tédio, cruzando os braços.


— Não faça essa cara, vai acabar me excitando. Sabe que estou caído de amores por você, Spidey.


— Não me chame assim...


— Petey? Baby boy? — soltou um riso nasal — Que tal um jantar?


— Jamais em seus sonhos, Wade.


Wow, sabe que adoro quando me chama pelo nome.


Peter revira os olhos.


— Como posso confiar em alguém que mal sei como é o rosto? Nunca me mostrou, Deadpool. Sequer faz o meu tipo e sequer gosto de homens!


— Cutucou num assunto delicado, Petey. Meu rosto é horrível, é a parte do meu corpo que menos quero que veja; mas há uma outra que faria questão que visse. E além do mais, como pode dizer que não gosta de homens se nunca experimentou?


— Oras, me poupe! Está mais insistente que o normal hoje, hein?


— Sei que gosta.


— Detesto.


— Seja o Loki de meu Thor!


— O que!? Que horror, são irmãos!


— O Steve de meu Tony?


— Brigaram feio...


— Naruto de meu Sasuke?


— Sabe que são amigos.


— Mais que amigos, baby boy. Mais que amigos...


Peter respirou fundo, desviando o olhar de Deadpool para novamente encarar a cidade.


— Deadpool, olha, você é um cara legal, ok? Pronto, falei-


— Isso quer dizer um sim!?


— Não, não quer dizer um sim, me escuta! Nunca te olhei dessa forma, não podemos ficar juntos. Mal posso cogitar alguma coisa do tipo!


Deadpool era considerado um mercenário sem coração, onde raramente tinha piedade de seus inimigos e sangue frio quando se tratava em matá-los, mas naquele momento contrariou todas as especulações e considerações que as outras pessoas tinham sobre si quando sentiu aquela parte sensível do peito doer.


Peter pôde ver o semblante transparecido pela mascara avermelhada de Deadpool mostrar-se triste, abaixando a cabeça minimamente como se estivesse tentando se recuperar do grande baque que recebera daquelas palavras duras. No fundo, Peter quase sentiu remorso de si mesmo, mas sabia que era necessário. Fazia meses que o anti-herói tentava chamar sua atenção.


— Não quer mais me ver, não é? — Deadpool coçou a nuca, levemente incomodado.


— Não é isso, Wade. Sabe o que quero dizer; é essas cantadas, essas-


— Entendi, entendi — interrompeu-o, balançando a cabeça positivamente. Parecia evitar encarar o rosto de Peter depois daquilo, fitando apenas qualquer outro lugar — Então... Pelo menos posso chutar algumas bundas de malvadões com você, ou...


— Sim, sim, claro — deu de ombros. Ainda continuavam amigos, de qualquer forma. Pelo menos era assim que pensava — Bom, eu preciso ir. Tenho algumas coisinhas pra fazer da escola então não posso me atrasar. Nos vemos por aí, Wade.


Peter deu um pequeno sorriso que, num desviar de olhos rapidamente que Deadpool fez para encará-lo, conseguiu captar. Era um sorrisinho tão bonitinho...


— Beleza, vai lá —acenou, vendo Peter recolocar a mascara e pular do prédio logo em seguida, começando a sair por aí, pendurando-se nas grandes torres como se fosse um macaco na selva.


Enquanto via-o se afastar, Deadpool apoiou-se no corrimão do prédio, olhando pra baixo. Seu coração estava completamente quebrado pelo grande fora definitivo que levou do Homem-Aranha, e isso o deixava depressivo.


— Sequer posso me matar... — murmurou a si mesmo, esticando o pescoço para encarar o chão, que estava à dezenas de metros longe. As pessoas pareciam formiguinhas.


— Será que se eu pular, ele vai vim? — estalou a língua, revirando os olhos. Incomodava-se consigo mesmo com sua insistência em chamar a atenção daquele garoto.


(Vai atrás dele, Wade!)


[Seja macho! Não vai deixar aquela bundinha linda escapar, não é?]


— Calem a boca... — resmungou, agachando-se, encostando a cabeça nas grades do corrimão.


(O que foi? Vai desistir mesmo?)


— Vou...


[Mas você não o ama?]


— Sim, mas... Deixa pra lá, vai...   

June 13, 2018, 1:36 a.m. 5 Report Embed 8
The End

Meet the author

Sasah Trakinas Alcoólatra triste.

Comment something

Post!
Xerox  Rome Xerox Rome
Socoro que eu queria mais kkkkkkkrindo de tristeza Porra, eu adoro sua forma de escrita, vai tomar no cu Aí meu Spideypool <3 Tadinho do Wade k
Dec. 16, 2018, 3:27 a.m.
Luci Santos Luci Santos
meu coração até ficou na mão K mas foi uma ótima história! ^^
Oct. 29, 2018, 3:39 p.m.
Quezia Rocha Quezia Rocha
Trakinas-san?
June 20, 2018, 9:41 p.m.

~