Prova de experiência Follow story

ohhtrakinas Sasah Trakinas

Era a primeira vez que o Grimmjow ficaria só com o seu filho naquela tarde. Era só tomar conta dele... "Não vai ser tão complicado cuidar de um bebê"


Fanfiction All public.

#família #family #mpreg #bleach #grimmichi #ichigo #grimmjow
Short tale
8
6.3k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

one-shot

Estava tão confortável esparramado naquele sofá, assistindo um filme de ação sangrento com muitas mortes que acontecia de forma exagerada, enquanto uma criança de cabelos alaranjados e olhos azuis, brincava com vários brinquedos que estavam jogados em cima do tapete. Mesmo fazendo barulho com a boca e batendo um brinquedo no outro, a criança não irritava Grimmjow. 

O azulado já estava acostumado com aquilo.

Grimmjow realmente adorava os finais de semana, pois eram dois dias sagrados onde poderia desfrutar de sua preguiça o máximo que podia.

- Estou indo... –Disse Ichigo que estava saindo de seu quarto arrumado para ir em algum lugar.

O maior estica o pescoço para encarar Ichigo, que estava abrindo a porta.

- Ei, ei, tá indo na onde? –Perguntou, sentando-se no sofá.

- Eu estou indo no médico. –Falou por fim.

- Médico? Tá doente?

- Não, idiota. Mas todo mês eu tenho consulta, né? Esqueceu que eu consegui gerar uma criança a partir de um ventre que eu nem sabia que tinha!? –Ele cruzou os braços. –Eu preciso todo mês ir no médico pra saber se meu organismo está bem, né?

- Beleza, mas o Noah é saudável e você também tá saudável pelo que me parece... –Levantou uma sobrancelha. –Desde quando cê tá tendo consulta?

- Depois que o Noah completou cinco meses...

- Eu não tinha percebido. –Estreita os olhos.

- Lógico que não percebeu, você não percebe nada do que está ao seu redor! Você é um tapado Grimmjow, um tapado!

O azulado tinha que concordar que era meio desligado nas coisas, não se importava muito com o que acontecia ao seu redor... Mas descobrir que seu marido está fazendo consultas médicas a praticamente um ano, o deixava surpreso.

- Tá bom. –Deu de ombros. –E o Noah, não vai levar? –Disse, apontando pro menininho que olhava a TV curiosamente.

- Não posso levar ele pro médico. –Disse encarando o bebê. –Você vai cuidar dele quanto eu estiver fora. –Ichigo sai da porta e pega a criança no colo, limpando a baba que escorria da pequena boca com um paninho. Em seguida põe o garotinho no colo do Grimmjow.

- Está me dizendo que vou cuidar dele sozinho? –Perguntou Grimmjow, segurando o seu filho meio preocupado.

- Vai, qual o problema? Não vou demorar, de lá em venho direto pra cá.

- Ichigo, eu nunca fiquei com o Noah sozinho!

- Não se preocupa, a comida tá pronta, a mamadeira dele tá pronta, é só dar quando ele reclamar de fome. E sempre preste atenção da frauda dele, ok? Não deixe vazar. E não deixe o Noah se aproximar da varanda e da cozinha, nem pensar! Ele tá andando, mas ainda fica todo desajeitado e pode acabar se machucando. –Disse de forma calma. –E tira desse filme horroroso!

O ruivo mais uma vez se afasta da porta e pega o controle do sofá e muda de canal, colocando num canal infantil.

- Ótimo, bem melhor. Não é saudável bebê ver aquela porcaria de filme.

Ichigo se vira e dá um beijo na testa de seu filho, que murmura.

- Até mais tarde bebê, papai já volta. –Acaricia os cabelos do menininho. –Até mais tarde, querido. –Dá um breve selinho no Grimmjow.

Ichigo se aproxima da porta e encara Grimmjow com um olhar sério.

- Cuide bem dele. Se não cuidar... –Interrompeu a frase fazendo um olhar nada amigável para o azulado. E fecha a porta.

E de repente, na sala e na casa toda, só estava sendo ocupada por um rapaz aparentemente jovem de cabelos azuis que mal sabia cuidar de si mesmo e que agora tinha que cuidar de seu filho, um bebê de um ano e três meses.

O pequeno ainda estava sentado no colo de seu pai, e o encarava de forma curiosa, mordendo seus dedinhos e murmurava alguns sons que ninguém entendia.

Grimmjow passa a encarar seu filho com uma cara de besta, meio preocupado. Os olhares azuis se encontram...

- ...Não deve ser tão ruim cuidar de você, né? –Falou para o bebê como se realmente fosse respondido.

- mmm~ -Murmurou, soltando uma risadinha gostosa de bebê.

- Bom, ok, agora é só você e eu... A mamãe vai voltar daqui algumas horas, então não podemos fazer muita bagunça aqui em casa, se não quando ela chegar ela vai brigar muito com a gente. –Disse como se o bebê entendesse alguma coisa.

Grimmjow sabia que Ichigo odiava ser chamado de mãe, até por que ele era um homem e não uma mulher. Mas não adianta, quem ficou grávido por nove meses e pariu, foi o Ichigo... Papel de mãe.

- Papai vai na cozinha rapidinho pra ver o que a mãe fez de comida, tá? Fica aqui e não sai. –Grimmjow deixa o bebê sentado no sofá enquanto vai na cozinha. O azulado vai no fogão e vê que seu prato favorito foi feito, ahh, como amava Ichigo! Ao abrir a geladeira ele vê que haviam duas mamadeiras feitas e uma papinha que estava fechada.

- É, talvez eu dê essa papinha pra ele comer. –Fecha a geladeira voltando pra sala.

Jaegerjaquerz ainda encontra seu filho sentado no sofá do jeitinho que havia deixado. Ele encarava a TV curiosamente.

- Heh, ficou quietinho, muito bem. –Grimmjow pega Noah no colo e vê que o lugar onde o mesmo estava sentado havia ficado molhado. Ele olha pra frauda e a vê toda molhada e estava cheia.

- Ahh que maravilha, vazou! Droga, o Ichigo disse pra não deixar ela vazar... Vamos trocar isso. –Ajeitou o bebê em seus braços e foi no quarto trocar a frauda dele.

Grimmjow deita Noah na cama e tira a frauda cheia de xixi. –Nossa senhora, como consegue mijar tanto? –Perguntou levantando uma sobrancelha. Jaegerjaquerz enrola a frauda e seca o bebê. Virando-se para pegar uma nova frauda na cômoda.

Enquanto procurava uma frauda, Noah se vira de lado e começa a olhar para os cantos do quarto. Ele tira a mão da boca que até então estava mordendo e se arrasta para a beirada da cama, descendo de lá e a passos leves e um tanto desajeitado, conseguiu sair do quarto, sem Grimmjow perceber.

- Pronto achei. –O azulado pega a frauda e uma pomada, e quando se vira, ele percebe que o bebê não estava mais na cama e nem no quarto.

- Noah? –Pergunta meio confuso.

E correndo na casa com os bracinhos levantados para se equilibrar e bumbum de fora, Noah corria da sala para a cozinha, enquanto o babaca do seu pai o procurava em outros lugares como o outro quarto e banheiro, segurando uma frauda e pomada.

- Noah, cadê você!?

O bebê chega na cozinha e olha pra cima, vendo um copo de vidro que estava na beirada da pia. Aquele copo estava brilhando graças a luz do sol que ultrapassava a pequena janela da cozinha.

Os olhinhos redondos e grandes do bebê de cabelos ruivos, brilha!

Enquanto isso, Ichigo estava sentado num banco da sala de espera aguardando a consulta da médica. Já estava acostumado a ser o único homem sentado naquele banco e naquela sala, onde a predominância eram as mulheres gestantes e não gestantes, mas que ganharam bebê faz pouco tempo. Algumas o olhavam curiosas para saber o que diabos um homem estava fazendo ali... Mas Ichigo não se importava, tinha algumas que eram até simpáticas e puxavam assunto com ele, dizendo o quão incrível é saber que ele foi capaz de ficar grávido.

Kurosaki estava segurando seu celular e olhando o papel de parede que era ele ao lado do Grimmjow que estava lhe dando um beijo na bochecha e Noah, que estava em seus braços, olhando para a câmera enquanto mordia sua mãozinha.

- Acho que vou ligar pra eles pra saber se está tudo bem...

Iria ligar, se não fosse a médica que sai do consultório segurando uma prancheta, chamando sua atenção.

- Ichigo Kurosaki...

- Oh, sou eu... –Ele se levanta da cadeira, entrando no consultório.

Já estava deitado na cama ao lado de vários aparelhos. O ruivo sente um gel gelado ser passado na sua barriga lisa com uma cicatriz do corte que levou na região da virilha, ela passa um aparelhinho na barriga dele. Era uma ultrassom.

- Anda sentindo algumas dores da região do umbigo, bexiga, barriga... ?-Perguntou a mulher que encarava a telinha do computador, onde passava as imagens.

- Não...

- E na região do útero? Reparou alguma mudança?

- Também não...

- Parece que está tudo normal. O período de gestação não ocorreu nenhum problema, né? –Ela passa a olhar os papeis que recebera.

- Não, foi tudo normal. Só sentia dores nas costas.

- É normal sentir dores nas costas. Senta um pouco pra ver sua coluna.

Ichigo se senta na cama.

- Hm, a curvatura dela está boa. Pode deitar.

O ruivo se deita novamente.

- Bom, não aconteceu nenhuma mudança desde os meses que você frequentou aqui a nossa clinica. –Ela termina de olhar os papeis. –Você está saudável, mesmo tendo um útero e você, hahaha.

- Hahaha, ahh que bom. –Ele suspira.

- Está saudável o suficiente para ter outro filho se quiser.

- Ohh não, não quero, nem pensar! –Ele começa a mexer as mãos em negação. –Um só já está bom, e acredite, ele é bem bagunceiro.

- Bebes são bem curiosos mesmo, vai se acostumar. E o bebê? Está tudo bem desde o nascimento pra cá? Não teve nenhuma deficiência, né?

- Não, ainda bem que não.

- Ótimo. Depois da gestação e do nascimento do bebê, quando voltou a ter relações sexuais não sentiu nada?

- Não, está tudo normal comigo.

- Ok. Bom, é isso. –A moça anota algumas coisas nos papeis e fecha a ficha. –Você está saudável e como você diz o seu bebê também. A próxima consulta está marcada para o dia 19 do próximo mês.

- Está bem, até o próximo mês.

- Até.

Ichigo põe sua camiseta de volta, já com a barriga limpa, se levantando novamente e saindo da sala. Ele pega seu telefone e olhando o horário. Pensando bem, não demorou muito no consultório, iria chegar cedo em casa.

Enquanto isso, Grimmjow ainda procurava seu filho. Ele escuta um barulho de vidro caindo no chão vindo da cozinha. Ele corre em direção a ela e vê o bebê agachado no chão, pegando um caco de vidro do copo que acabou de quebrar, para por na boca.

Rapidamente Grimmjow larga as coisas que segurava e corre até o bebê, pegando-o no colo e tirando o caco de vidro da mão dele com cuidado para não se o machucar. Mas ao pegar Noah no colo, esqueceu de tomar cuidado ao pisar em cima dos vidros quebrados. Grimmjow estava descalço e acabou machucando o pé.

- Haaah! Merda! –Vociferou ao levantar o pé e ver que havia um corte na sola no pé e um caco que estava grudado. –Porra Noah, por que não ficou quieto na cama eim!? –Disse olhando para o bebê e fazendo cara de mal, a criança sorri.

- Isso não é engraçado, eu to sangrando...

- Brrrr~ aah! –Murmurou, dando risada.

O azulado desiste de dar uma bronca naquele garotinho que não entendia nada do que falava, então ele volta pro quarto mancando.

O bebê é colocado na cama de novo e trocado novamente. Grimmjow quando termina ele vai até seu quarto e abrindo o guarda roupa, pegando uma caixinha de primeiros socorros, e faz um curativo no seu pé. A se levantar da cama, ele põe os chinelos.

Grimmjow deixa Noah na sala no meio dos seus brinquedos, e vai até a cozinha limpar a bagunça que o filho fez. Ao terminar ele olha para o relógio e vê que já era hora do almoço.

- Paaapaa!–O azulado escutou um grito agudo vindo da sala. As únicas palavras que até então Noah conseguia falar, “mama” e “papa”.

Grimmjow vai na sala e vê o bebê chorando, segurando o controle da TV.

- O que foi, Noah? Está com fome. –Ele pega o bebê no colo e o balança. –Calma aí que já vou preparar sua papinha.

O bebê vai diminuindo o choro até que se transforma em múrmuros e puro dengo. Ele balançava o controle da TV, achando que aquilo fosse algum brinquedo. Ele se vira para o Grimmjow e ataca o controle no nariz do azulado.

- Haaah! NOAH! –Grimmjow grita, ponto a mão no nariz e sentindo os olhos lacrimejar. –Quer quebrar meu nariz!?

Percebendo que estava recebendo uma bronca, graças ao tom de voz do Grimmjow, o bebê faz biquinho com a boca, ameaçando chorar novamente.

- Ahh, tá bom, tá bom, não precisa chorar! –Jaegerjaquerz tira o controle do pequeno e vai até a cozinha, esquentando a papinha pra dar pra ele. Grimmjow aproveita e esquenta sua própria comida.

Quando volta pra sala, ele pega Noah e o bota na cadeirinha perto da mesa e põe o pratinho com papinha pra ele comer. O azulado se senta ao lado e começa a comer.

O bebê não parecia com muita vontade de comer papainha, então ele põe uma colher na boca e a outra ele já começa a brincar com a comida.

- Noah, para de brincar, vai comer...

O bebê nem dá bola, então ele pega o pratinho e vira de cabeça pra baixo, derramando toda sua comida em cima da cadeira, sujando suas perninhas e a mesa também.

Grimmjow o encarava desacreditado no que o próprio filho tinha feito, piscando alguma coisa.

- Baah~ -Murmurou, batendo as mãozinhas na comida, fazendo ela espirra para todos os cantos.

- ... Você é um capeta, Noah... –Disse encarando o filho se divertir com a comida.

Sabendo que não haveria jeito de brigar com ele, Grimmjow se levanta da mesa e tira o bebê da cadeirinha o ponto no chão.

- Fica aí, quieto! Eu vou limpar a sujeira que você fez e depois vou te dar um banho!

O bebê o encarava com aqueles olhinhos azuis, mas vira a cabeça em direção a porta da varanda, correndo desajeitadamente, deixando pegadas de papinha por onde passava e bota as mãos sujas de comida no vidro da varanda, abrindo a porta e indo para o lugar mais perigoso do lugar para o bebê. Já que Ichigo e Grimmjow moravam num apartamento.

- Noah, não vai aí! –Grimmjow corre atrás, pegando o pequeno no colo e o tirando dali. Ele fecha a porta e a trava, para que o mesmo não a abra novamente.

- Mmmm-buuu~ -Murmurou, fazendo biquinho.

- Não é pra ir pra lá, tá doido? Ahh droga, olha só. Você sujou o chão da sala todo e o vidro da varanda também. –Lamentou ao ver a sujeira que o filho fez.

Grimmjow o senta na cadeira.

- É pra ficar aí, não sai!

Grimmjow vai pra cozinha pegar um rodo com um pano, e um balde com água limpa pra limpar toda aquela sujeira.

Ao ver seu pai se afastar, Noah desce da cadeira e andar até o banheiro. Grimmjow volta pra sala e começa a limpar toda aquela sujeira. Ele limpa o chão, limpa o vidro da varanda, e passa um pano na mesa e na cadeirinha, limpando tudo. Depois de vários minutos passando pano em tudo aquilo ele finalmente termina, suspirando no final.

- Ahh, terminei. Agora vamos tomar banho No-... –Ele se vira pra encarar o bebê, mas o mesmo nem estava mais sentado na cadeira e o azulado nem tinha notado que o mesmo nem estava mais lá.

- Noah!!! –Gritou Grimmjow, indo procurar o pequeno, e nem foi muito difícil, já que o mesmo só teve que seguir as pequenas pegadas dos pesinhos do bebe que iram até o banheiro que estava de porta fechada.

O azulado pega na maçaneta da porta e a abre, revelando um banheiro com vários e vários metros de papel higiênico jogado ao chão, e uma criaturinha enroscada no meio deles.

- Paapaaa~ -Disse o pequeno fazendo bico, ameaçando em chorar, já que estava enroscado pelo papel higiênico.

Grimmjow fecha os olhos e põe as mãos em seu cenho, respirando fundo para não gritar com aquele bebê de um ano de cinco meses. Não, não iria brigar.

- Paaapa! –Falou mais uma vez, começando a chorar.

- Noah... –O azulado se aproxima, afastando todo aquele papel higiênico e desenrolando o bebê que estava ali no meio. O pequeno se agarra ao pescoço do maior.

- Eu disse pra ficar quieto, não disse? –Disse ao garotinho, que olhava pra si, segurando o choro.

Grimmjow o põe dentro da banheira vazia e começa a pegar todo aquele papel higiênico imenso e amassar tudo no lixo, que teve de tirar dali pra botar outra sacola.

- Paapa... –Chamou o pequeno, erguendo os bracinhos pedindo colo.

- Naah’, pode ficar aí! Eu vou dar banho em você, já, já.

O azulado sai do banheiro, deixando Noah sozinho o chamando para sair dali. O bebê não conseguia sair dali de dentro dá que era meio alta e escorregadia.

- Paapaaa~

Grimmjow escutava do quarto o chamado do bebê, então ele se apressa e pega a toalha do pequeno e vai apressado para o banheiro. O azulado se aproxima e começa a tirar as roupinhas do pequeno e tira a frauda que ainda estava seca. O azulado liga a banheira e a água aos poucos vai enchendo-a.

Jaegerjaquerz começa a passar o sabonete no pequeno corpo de seu filho e limpando suas perninhas que estavam sujas com a papinha, e nem na hora do banho Noah conseguia ficar quieto. Ele mexia na água que começava a formar espuma e logo depois a banheira estava cheia de espuma.

- Noah, fica um pouco quieto, não consigo nem te lavar direir-

É interrompido por uma pequena enxurrada de água na cara, já que o bebê bate os bracinhos na água e molha o seu pai todo.

- ... É, parece que vou ter que tomar banho junto, né?

E em alguns minutos as roupas do Grimmjow estavam jogadas no chão do banheiro, e o azulado havia se juntado ao seu filho na banheira. Os cabelos cheios de sabão e igual ao do seu pequeno. O bebê brincava com a espuma e o azulado a todo momento o impedindo de botar a espuma na boca ou na cara.

Grimmjow encarava aquela pequena criatura e se perguntava como um ser tão pequeno poderia ter uma energia imensa. Não poderia ter puxado isso do Jargerjaquerz, já que o mesmo sempre era preguiçoso de má vontade e o bebê era energético e arisco. Acho que puxou isso do Ichigo. O ruivo que é todo irritadinho, energético e arisco. Adora dar piti’ por qualquer coisa e fala demais.

- Papaa~ -Murmura o bebê, indo em direção ao Grimmjow, que estava encostado na banheira relaxando os ombros.

- Hmm? –Murmura de olhos fechados, sentindo o bebê por as mãozinhas em seu peitoral.

- Mamaa..

- Mama?

- Mama...

- O mamãe foi no médico, já já ele volta.

- mmmm... Mama!

- Eu disse que ele tá... Ohh...

Grimmjow entendeu que não era “mama” de mamãe, e sim “mama” de mamar. Ao ver o garotinho chupando a própria mão com os dedinhos, ele deduziu que o pequeno estava com fome.

- Agora você está com fome, né?

Alguns minutos depois, Grimmjow sai do banheiro com uma toalha enrolada na cintura, enquanto carregada Noah nos braços enrolado numa toalha de orelhinhas. Ele bota a criança na cama e a seca com a toalha, botando uma roupinha e coloca uma frauda nele. E o azulado liga o secador de cabelo e passa nos cabelos alaranjados do bebe que acaba se divertindo com o vento quente que recebia. Ao terminar de trocar Noah, Grimmjow vai até seu quarto, se secando e colocando uma roupa em si mesmo, saindo de lá e pegando Noah no colo o levando pra cozinha, junto de si.

Dessa vez não deixaria o bebê sozinho, não estava a fim de ficar limpando mais sujeira nenhuma. Pra qualquer lugar que fosse, ele levaria o seu filho junto.

Esquentou a mamadeira que já estava pronta e foi pra sala, sentando-se no sofá e ligando a TV pra assistir alguma coisa. Com o bebê nos braços ele dá a mamadeira e o pequeno começa a tomar seu leite com vontade, segurando-a com as duas mãozinhas e até fechava os olhinhos de puro deleite.

Grimmjow não consegue conter um sorrisinho ao ver seu filho mamando.

Ao terminar a mamadeira, Grimmjow põe em cima da mesinha de centro e aconchega o pequeno em cima de seu corpo, já que sentia que o mesmo estava ficando sonolento. O azulado deita no sofá e o bebê fica por cima de si, com o rostinho em cima de seu peitoral. Não demorou muito para que Noah adormecesse de cansaço, já que a tarde foi longa.

Grimmjow, com aquela tranquilidade toda que estava na sala, bem que tentou ficar acordado também, mas acabou dormindo junto.


[...]


Ichigo chega, abrindo a porta e entrando no apartamento, dando de cara com dois dorminhocos em cima do sofá. Ele sorri e se aproxima dos dois.

O ruivo acaricia o cabeço de Grimmjow que abre os olhos de forma sonolenta e o encara.

- Dormiu, bem? –Perguntou Ichigo.

- Hmm... Chegou que horas? –Murmurou, bocejando em seguida.

- Agora... E o Noah, como foi a tarde? –Disse pegando o bebê em seus braços que continuava a dormir pesadamente. Kurosaki dá um beijo na testa do bebê que se aconchega melhor em seus braços.

- Ele é um capeta, Ichigo... –Fala Grimmjow se espreguiçando no sofá.

- Não fale assim do seu filho, idiota.

- Mas é sério! Não podia deixar ele sozinho por um segundo! Fique sabendo que ele quebrou um copo, sujou a mesa e a cadeirinha dele de comida, sujou o chão da sala todinho de comida, sujou o vidro da varanda-

- Você deixou Noah ir pra varanda? –Ichigo levanta uma sobrancelha, fazendo uma expressão de bravo, interrompendo Grimmjow.

- N-não! Lógico que não... Ele só pois a mão lá e sujou...

- Mas não chegou ir pra varanda, né?

- Não... –Respondeu meio receoso.

- Hunf, ok... –Estreitou os olhos. –Tá, e o que mais ele fez?

- Bom, foi pro banheiro e destruiu todo o papel higiênico...

- Ah, ele não bagunçou muito, então.

- O que!?

- Você não fica muito com o seu filho, mal conhece ele. –Ichigo sorri. –Quem é que passa as tardes limpando a casa, fazendo comida e cuidando do nosso filho Noah enquanto ele tenta destruir tudo?

Grimmjow faz um biquinho mínimo e olha para o lado.

- Pois é, eu que faço tudo.

- Fico impressionado que consiga aguentar isso todos os dias.

- É só ter jeitinho e paciência. Eu sei cuidar das coisas com prática, ao contrário de você. Vai, levanta daí e vai pro quarto, eu vou levar Noah pro berço.

- Ir pro quarto?

- É... Vou recompensar você por ter cuidado bem do nosso filho nessa tarde... –Ichigo o olhou com um sorrisinho safado nos lábios.

Grimmjow sorri de volta e num pulo se levanta do sofá indo direto pro quarto, deitando na cama. Alguns minutos depois Ichigo aparece, já tirando sua camisa e sentando-se na cama, se aproximando de Grimmjow.

- Se esse for o tipo de recompensa que receberei todas as vezes que eu for cuidar do Noah, deveria deixar ele comigo mais vezes.

- Hahaha, você é um tarado.

Ichigo encosta seus lábios contra aos do Grimmjow, e os dois iniciam um beijo calmo e caloroso.

E no final das contas ambos não fizeram nada, já que o bebê alguns minutos mais tarde havia acordado chorando e Ichigo teve que socorrê-lo. E ao voltar para o quarto encontrou Grimmjow dormindo pesadamente.

Até ele precisava de um descanso. 

March 23, 2018, 11:43 p.m. 0 Report Embed 4
The End

Meet the author

Sasah Trakinas Alcoólatra triste.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~