Doce Encanto Follow story

akira-sam2702 Akira Sam

Um dia na escola um jovem estudante chamado Naruto olhou para outro, sem querer ele acabou fazendo o líder do time de futebol ficar zangado com ele, após isso sua vida virou um inferno, o líder do time era Gaara, e acabou tornando a vida de Naruto em um inferno, isso até que Sasuke apareça, um aluno novo transferido, bonito, forte e determinado...E tudo muda como o vento.


Fanfiction For over 18 only.

#Escolar #Romance #Sasunaru #Sasuke #Naruto
35
7.7k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Doce encanto



Sinopse

Sempre me imaginei vivendo por viver, sem uma vida especial, sempre sozinho, achei que a vida era isso, eu no meu mundinho, esse sentimento de dor e solidão todos os dias em meu coração...
Mas nem tudo fica sempre igual, eu conheci o Sasuke, ele é gentil e forte, bonito e cheio de amigos, me salvou quando eu achava que tudo estava perdido,e ele acabou de me beijar na boca! Eu, o garoto magrinho e cheio de problemas, o desconectado, o estranho.
Talvez a vida possa ser diferente afinal de contas!

1. Doce encanto

O dia começou nublado, tão cinza como meus pensamentos, dia novo, velhos conhecidos, os mesmos problemas, eu não queria levantar da cama, não queria ir para a escola e ver todos lá, debochando de mim de novo, é claro, talvez tudo fosse diferente, é sempre possível não é? Não, claro que não!

Todo o meu desespero começou por uma coisa pequena, eu estava na sala de aula e me peguei olhando discretamente para um garoto, no momento era mesmo sem malícia alguma, nunca me interessei por garotas é verdade, mas também não me interessava por garotos, acontece que aquele é o maldito líder do time de futebol, um dos caras mais populares da escola, e o pior em minha humilde opinião, ele percebeu que eu olhava para suas pernas, que para ser sincero eram bem torneadas, mas eu queria apenas ser mais parecido com ele, ser forte e viril, o fato é que ele notou, e dali em diante tudo mudou. Esse maldito garoto que se chama Gaara espalhou um boato na escola sobre mim, que eu sou gay e que tentei agarra-lo no vestiário masculino, já dá pra imaginar como as coisas ficaram, se não dá pra imaginar eu conto tudo, fui praticamente banido do convívio social, fiquei sem amigos, sem colegas, não posso me sentar no refeitório sem que algum engraçadinho venha me infernizar a vida, me dar algum tapa na cabeça ou me insultar, sou chamado de viadinho o tempo todo, já até acostumei com isso, o que não é nada bom.

Pensam que é só? Apanhei pelo menos uma meia dúzia de vezes, a primeira foi no banheiro, dois caras me chutaram e me deram socos, fiquei todo roxo e dolorido por dias, as demais foram na saída, sempre alguns quarteirões da escola, sempre em dois ou três, me insultam, me dão tapas, chutes e depois vão embora, essa é minha vida. Se eu acho que as coisas podem mudar? Nâo, não mesmo, não acredito em papai noel e nem em coelho da páscoa, não acredito em ninguém...

-Filho, acorda, tá na hora menino!

-Tô indo, já vai, estou pegando meu material, o que tem pro café mãe?

-Bolo de milho, café com leite e um beijo na bochecha!

Eu já disse que amo minha mãe? Não? Pois é, eu amo minha mãe, ela é linda, forte, uma guerreira, trabalha em dois empregos, cuida da casa e de mim, eu faço o que posso para ajudar, o que infelizmente não é muito, só tenho quinze anos, mas quando eu puder vou fazer bem mais.

Bom, dou uma olhadinha no espelho, vejo meu reflexo ali, um garoto magro, tímido, apenas 1,59 de altura, cabelos loiros, olhos azuis, sou muito pálido, já fui mais bronzeado, mas agora não dá porque vivo em casa, observo meu cabelo, está na hora de cortar, tá meio comprido, já no ombro, todo repicado, com cara de bagunçado, suspiro desanimado, arrumo a camisa de uniforme, pego meu material e desço.

O cheiro de café é uma delícia, a mesa está arrumada, e minha mãe toma seu café lendo um jornal on line em seu tablet, ela é moderna.

-Hum...que delícia!

Ela me olha e sorri, jogando um beijo.

Eu como bem, só em casa consigo comer assim, preparo um lanchinho e enfio na mochila, escondendo bem, caso alguém me pegue no caminho, recebo meu beijo na bochecha e saio para a rua, já com medo, sentindo um calafrio na espinha, eu nunca contei nada para minha mãe, cuido dos meus ferimentos, os hematomas eu invento que foi no jogo de futebol, é claro que eu nem jogo, mas ela trabalha tanto que nem sabe, graças a deus!

"Deus, faz um milagre hoje, qualquer coisa, não deixa eles me baterem mais, estou com medo!" Eu imploro para os céus, mesmo achando que nada vai mudar minha vida, vai ser assim até o colégio acabar, ou eles acabarem comigo.

Aperto a alça da mochila nas mãos, estão suando, apesar do frio, porque eu estou chegando perto da escola, meu estômago se embrulha, é sempre assim, e para piorar me sinto sendo observado, olho para os lados e nada, mas a sensação continua lá.

"Deixe de ser doido! Se fossem eles já teriam te abordado!" Penso, mas acabo andando mais rápido.

-Ei, você, para ai! Uma voz forte me chama, fico gelado na hora, meus olhos se enchem de água, não posso evitar, já apanhei tanto que sei que dói, no corpo e na alma, mas me viro.

-O-oi...Respondo assustado, encolhido, esperando ver os amigos do Gaara, mas vejo um rapaz diferente, eu nunca vi ele por aqui, é moreno, olhos negros, é bem alto, e está segurando uma mochila, pode ser um aluno novo, quem sabe?

-Garoto, está indo para a escola San Rafael? Notei que usa o mesmo uniforme que o meu, pode me mostrar o caminho? Ele pergunta, de uma forma gentil, é a primeira pessoa que fala comigo desde de que o Gaara envenenou a escola contra mim, e eu fico emocionado, mas me contenho, logo ele vai ser igualzinho os outros e provavelmente vai me bater também.

-P-posso sim, é pertinho, já estamos quase lá. Eu respondo, fingindo naturalidade, mas meu coração está acelerado, porque eu sei que essa conversa vai durar só uns minutos e depois...Bom, mais um para me ferir.

Ele sorri, e que sorriso lindo, devo ter corado, senti meu rosto arder, deve ser só nervoso, mas ele se aproxima e me acompanha, eu abaixo minha cabeça, deixando meu cabelo cobrir parcialmente meu rosto, ainda tenho um hematoma perto do olho direito, está feio e meio azul esverdeado, acho que ele notou.

-O que foi isso ai no seu rosto? Alguém te bateu? Ele perguntou e inesperadamente se aproximou e tocou meu rosto, puxando meus cabelos, para ver melhor, e eu como sou um idiota levo um susto enorme e me encolho de medo.

-Nossa, estou vendo que alguém te bateu mesmo! Mas eu não vou te machucar pequeno, fica calmo tá...

-Meu nome é Sasuke, e o seu qual é?

-E-eu me chamo Naruto, mas já vou deixando as coisas bem claras, porque eu sei...sei que quando conhecer o pessoal da escola tudo vai mudar, eu nunca fiz nada do que falam de mim, nunca fiz aquelas...aquelas coisas, eu só não sei porque todos me odeiam tanto! Falei num impulso, tanto tempo sofrendo um dia as coisas explodem.

-E ai viadinho, achou um novo amigo? Ele sabe que você é um vadio que dá pra todo mundo? Ou já acertaram uma boa trepada, faz tempo que não tenta agarrar mais ninguém não é? Falou alto o próprio Gaara, o maldito em pessoa, e eu tremi de medo, definitivamente eu me odeio!

Mordi os lábios, faço isso quando estou nervoso, e nessa hora eu estava muito, muito nervoso mesmo, tanto que fiz algo impensado, eu corri, virei e corri, entrei em um beco, saí por outro, meio cego pelas lágrimas, dolorido da ultima vez que eles me bateram, mas disposto a fugir a qualquer custo, só que eu me perdi, e eles me acharam.

Parei em frente a um muro enorme, cinza chumbo, me virei e dei de cara com Gaara e mais dois dos seus amigos, aqueles que sempre me batem, Juugo um cara grande, com um olhar de psicopata, e Nara, um baixinho forte pra caramba, eles me cercaram.

-Me deixem fazer isso hoje, faz tempo que não dou uns bons tapas nesse moleque atrevido, saíam daqui, vazem! Gaara gritou e os dois sumiram feito cachorrinhos.

Eu me encostei na parede, acuado, segurando minha mochila, lágrimas desciam do rosto, eu tremia agora, já estava apavorado.

-Gaara, p-por favor não me bate...Por favor, e-eu to machucado ainda da última surra, eu não fiz nada...

Ele se aproxima sorrindo, e logo o sorriso vira uma gargalhada sinistra.

-É, você nunca fez nada, tadinho do moleque, tão inocente! Tão bonito! E eu aqui na sua frente, pode imaginar o que vou fazer com você?

-V-vai me bater até me deixar todo machucado.

Ele fez um sinal negativo com o dedo indicador, já estava a três passos de mim agora, eu ainda chorava baixinho.

-Tenho uma ideia bem melhor...Estamos sozinhos, esse beco é vazio, longe de tudo, é perfeito!

Ele dá mais dois passos, e fica na minha frente, quase encostando em mim, minha respiração está tão acelerada que eu estou quase tendo uma coisa nervosa qualquer.

-Eu...Vou...Te...Foder...

Eu não esperava isso, perdi a força nas pernas, caí de joelhos no chão.

Gaara ligou uma câmera e colocou em cima de uma lata de lixo, arrumou o angulo sorrindo e se aproximou de mim, pegando em meu queixo e me fazendo olhar para ele.

-Vou gravar tudo e depois colocar na internet, o que acha bonitinho?

Eu estava mortificado, chorava agora soluçando, enquanto ele começou a desbotoar minha camisa.

-Não! Não! Me solta, eu não quero, me solta!

Ele me deu um tapa, e me segurou pelo pescoço.

-Cala a boca ou eu te bato primeiro!

-Solta ele, ou eu te bato primeiro! Mas pensando bem, eu vou te bater de qualquer jeito mesmo, por ter maltratado esse menino seu canalha, seu maldito!

Eu olhei em choque, e lá estava Sasuke, o cara que eu tinha acabado de conhecer, e ele partiu como um raio sobre Gaara, e foi uma coisa doida, o cara lutava muito bem, algum tipo de arte marcial, sei lá qual, só sei que logo ele jogou Gaara no chão, que caiu com um baque estranho e depois fugiu dali.

-Baixinho, você está bem? É Naruto não é?

-E-eu...Eu, obrigado. Gaguejei inseguro, ainda no chão, e ele percebendo o quanto eu estava abalado, se aproximou de mansinho, depois de pegar a câmera e jogar ela no chão, a deixando em pedacinhos, estendeu a mão e eu peguei, ele me levantou, mas eu acabei achando que tudo rodou e apaguei.

Abri os olhos lentamente, uma claridade suave entrava na janela, não a minha janela, nem era meu quarto, onde eu estava?

-Ai! Resmunguei, sentindo os ralados dos meus joelhos arderem em contato com o edredom que me cobria, meu jeans era rasgado, quando caí, arranhei essa parte, de novo.

-Acordou, que bom, já estava preocupado.

-Sasuke? O-onde eu estou? Perguntei meio confuso, e assustado já que ele se aproximou e sentou do meu lado, eu instintivamente puxei o edredom até a altura do peito, ele riu.

-Para! Não tenha medo de mim, só quero cuidar de você. Ele falou e puxou o edredom, eu deixei, encabulado.

-Sasuke, aquele rapaz sempre me bate, ele me diz coisas horríveis, inventou umas mentiras de que eu tentei agarrar ele no vestiário e tal, agora todos me odeiam...

-Deixa eu adivinhar! Ele é o capitão do time de futebol da escola, pega todas as meninas, é o cara mais popular da escola e bate em quem não concorda com ele? Tem uns amigos fortões e idiotas e tentou te estuprar agora a pouco, adivinhei tudo?

Eu concordei, de boca aberta.

-Ele perdeu o reinado, vou ser melhor que ele, vou virar capitão do time, e não vou deixar ninguém bater em você mais, nunca mais!

Eu abaixei a cabeça e chorei, sou tímido e emotivo, e estava cansado e esgotado emocionalmente, ouvir aquele estranho dizendo que ia me proteger mexeu comigo.

-Não chora lindinho!

Ele me abraçou, seu abraço era quentinho, gostoso, meu coração se derramou nele, eu chorei litros de lágrimas, claro que é só uma maneira de dizer, mas a verdade é que chorei muito, depois parei, mas ele ainda me abraçava, daí eu fiquei com vergonha, e me soltei dele.

-Seu rosto tá todo vermelho e inchado, vem aqui, vamos lavar esse rostinho lindo e depois descer e comer alguma coisa.

-Tá bom. Respondi sem forças para argumentar.

Ele me levou até um banheiro bonito e ligou a torneira, eu lavei meu rosto e me olhei no espelho, eu estava horrível!

-Nossa! To horrível, minha mãe vai querer saber o que ouve, eu to perdido! Resmunguei.

-Liga pra ela e fala que vai possar na casa de um amigo. Ele sugeriu.

Eu acabei concordando, e então ele me puxou pela mão, descemos uma escada enorme e bonita, até uma cozinha ainda mais linda, e ele fez lanches pra gente, e abriu duas latinhas de refrigerante.

Quando acabamos, ele chegou pertinho de mim, eu me encolhi de novo, mas ele me beijou, foi uma surpresa, eu cedi sem pensar, ele me beijava e sua mão fazia carinho com a ponta dos dedos nos meus cabelos, era tão gostoso! Mas ele parou e me encarou.

-Está tudo bem, Naruto? Está assustado?

Eu mordi meus lábios, eu estava assustado, afinal estava beijando um menino, e eu tinha sofrido tanto só com a fofoca de eu ser gay, imagina agora!

-E-eu, eu sou gay mesmo? Perguntei para ele.

Ele sorriu de leve, acariciando meu rosto de novo.

-Como pode alguém como você existir nesse mundo? É tão inocente que tenho vontade de te apertar nos braços, só para te proteger do mundo, mas porque pergunta isso, posso saber?

-Bom, é que eu gostei do beijo...

Ele sorriu dessa vez ainda mais, me puxando para junto dele, e me olhando bem fundo nos olhos, eu acho que me perdi nos olhos negros dele.

-Eu também gostei muito, foi seu primeiro beijo?

Eu confirmei com a cabeça, todo corado agora.

-Vamos descobrir o segundo?

E ele me beijou de novo, dessa vez abrindo mais a minha boca e colocando sua língua ali, rodopiando com ela, se encontrando com a minha, era tão gostoso que eu me arrepiava inteiro, até que ele parou e a gente respirou fundo, o coração acelerado.

-Vou cuidar de você Naruto, é uma promessa. 

Sorri de um jeito bobo.

Eu liguei para minha mãe, e ela concordou, mas me mandou passar em casa antes de anoitecer e pegar roupas, e eu não pude deixar de concordar, mas ela já teria saído para seu turno, então nem me veria mesmo, eu estava salvo. O Sasuke é muito legal, ele colocou alguns filmes pra gente assistir, e fez pipoca de microondas, nós ficamos sentados no sofá da sala e assistimos ao filme juntinhos, de vez em quando ele me beijava de mansinho, mas tinha muito cuidado comigo.

-Quer jogar videogame agora? Tenho alguns bem legais.

-Quero sim, posso escolher?

-Claro bobinho, porque acha que perguntei?Quero te ver feliz hoje.

-Tá bom. Respondi meio encabulado, não estou acostumado a alguém ser tão gentil comigo, exceto minha mãe né!

Jogamos bastante, acho que ele me deixava ganhar, mas eu achava isso bem fofo da parte dele, lá no finalzinho da tarde eu fiquei com sono, estavámos na cama dele, e eu me deitei, abraçando o travesseiro e já fechando os olhos, senti ele se aproximar de mim e começar a acariciar meus cabelos.

-Lindinho, eu posso tirar sua camisa? Vai ficar mais confortável.

Eu concordei, me sentei e ele tirou minha camisa, me deitando novamente na cama, e eu fechei de novo os olhos, mas ele começou desabotoar minha calça, eu fiquei tenso, ele acariciou meus cabelos.

-Deixa eu tirar sua calça também? Não vou fazer nada estranho, eu juro!

Eu deixei, ainda de olhos fechados, ele puxou minha calça, me deixando só de cueca, eu fiquei tenso e com vergonha, sou magro, pálido, sei lá...Nunca gostei do meu corpo, por isso abri os olhos e o encarei, mas levei um susto ao ver que ele me encarava satisfeito.

-Nossa, você é tão lindinho!

-Oi? Eu?

-É, você mesmo, você é lindo.

-Ah, não sou não, sou magrelo e muito branco, tem gente na escola que me chama de polaco, bom, antes de me chamarem de...de outras coisas né?

-Hum, esquece essas coisas, eu te acho lindo. Ele falou passando o dedo pelas minhas costas, eu me arrepiei inteiro e ele notou.

Me beijou de novo, dessa vez se deitando sobre meu corpo, eu senti algo mais firme entre as pernas dele, que se esfregava em mim, e alguma coisa me fez gemer nessa hora, que vergonha danada!

-Posso te tocar aqui? Sasuke perguntou, descendo a mão sobre a minha ereção, e eu concordei meio relutante, quase assustado agora, eu queria aquilo, mas não sabia onde iria me levar, tenho que admitir que sou mesmo inocente, que droga!

-P-pode...Mas e-eu não sei...

Ele baixou minha cueca de uma vez e eu me vi nu na frente dele, fiquei agora assustado mesmo, e se ele estivesse só brincando comigo, como o Gaara queria fazer? Com o medo lágrimas rolaram de meus olhos, droga de sensibilidade danada que eu tenho...

-Ei? Está com medo?

Eu concordei, nem conseguia falar, mordia o lábio inferior ansioso, ele sorriu me acalmando.

-Não sou como aqueles idiotas, eu respeito você, vou apenas te fazer um carinho, eu posso?

-A-acho, acho que sim...falei meio inseguro.

Ele beijou meu rosto todo carinhoso, enquanto segurava meu membro em uma das mãos o masturbando para mim, confesso que gemi, era muito bom ser acariciado assim, ele estava me beijando, sua língua se apossando de minha boca tão completamente que eu não seria capaz de resistir a nada, e eu acho que ele sabia, naquele momento eu já estava quase gozando nas mãos dele, sentia uma vergonha danada, e um prazer enorme.

-Ah...Sasuke, espera...

-Não, goze nas minhas mãos, se entregue pra mim, pequeno Naruto.

Eu acabei fazendo exatamente isso, gozei na mão dele, assim que isso aconteceu eu corei, o que foi isso afinal de contas? Eu estava ofegante, cansado, e muito envergonhado, mas ele apenas pegou lenços de papel, me limpou e me cobriu, me abraçando em seguida e eu dormi.

Acabei dormindo direto, acho que foi o cansaço acumulado, as coisas que passei durante tanto tempo na escola, nem mesmo fui em casa buscar roupas, eu dormi pelado mesmo, acordei assustado de manhã, ainda no braços dele.

-Bom dia Naru! Dormiu bem meu pequeno?

-Nossa, eu dormi muito! Desculpe...

-Não faz mal, acho que você precisava mesmo, agora vamos tomar um banho, temos aula.

Eu resmunguei contrariado, ir para a escola era uma tortura.

Sasuke ergueu meu queixo de mansinho, vendo meus olhos tristes.

-Eu vou estar com você na escola, nada vai te acontecer.

-Mas eles podem te rejeitar também...Não quero que sofra por minha causa, se quiser eu finjo que nem te conheço, fico longe...

Ele me calou com o dedo indicador, seu rosto sério.

-Quer ser meu namorado, Naruto?

-Oi?

Ele me beijou, e tocou meu rosto de novo, sorrindo.

-Quer ser meu namorado?

-E-eu...Eu...quero!

Ele me abraçou todo carinhoso, e me puxou para o banheiro, tirando sua roupa no caminho, o que me deixou muito encabulado, e curioso, eu queria olhar e não queria olhar, que contraste! Por fim, a curiosidade venceu, e eu olhei, nossa! Ele era bem maior que eu!

-Gostou? Ele perguntou, sem pudor algum.

-Ai...Gemi corado.

Ele me abraçou e me puxou para o chuveiro, acabou fazendo um oral em mim ali mesmo, e eu de novo acabei gozando desta vez na boca dele, eu sou tão tímido que queria toca-lo, mas não tinha coragem alguma, e ele percebeu isso, eu acho...

Sasuke me ajudou a me vestir, e logo descemos para tomar café, não tinha ninguém além de nós dois, de novo.

-Onde estão seus pais? Perguntei.

-Trabalhando fora do país, comercio exterior, são boa gente, e eu os adoro, mas os vejo pouco na verdade.

-Ah...Respondi, aceitando a xícara de café com leite que ele me deu.

Tomamos café e fomos para a escola, de carro, ele tem carteira de motorista e um carro esporte vermelho muito lindo, muito lindo mesmo! Eu entrei até com medo de tocar em algo que não devia.

-Gostou do carro meu menino?

-Gostei!

Ele riu e arrancou, chegamos a escola, e todos, absolutamente todos olharam na nossa direção, provavelmente por causa do carro, mas eu me encolhi por instinto, e para meu espanto total, Sasuke saiu e abriu a porta pra mim, quase morri!

-Vem lindinho, vamos pra aula, ainda tenho que achar minha sala, mas vou te levar na sua primeiro.

-Tá. Falei mordendo o lábio inferior fraquinho pra não machucar.

Sasuke me levou até a minha sala e se despediu sorrindo, eu entrei de cabeça baixa e me sentei em meu lugar, tratando de não olhar para ninguém, mas para minha surpresa uma menina veio falar comigo, ela era bem bonita e sempre foi a mais gentil da escola comigo, pelo menos nunca me xingou.

-Oi, Naru, como vai? Quem é seu amigo?

-É o Sasuke, aluno novo...

-Que bom que tem um amigo, fico feliz, de verdade.

-O-obrigado, eu acho...

Ela riu e me jogou um bombom, eu olhei para o doce meio desconfiado, estava tão acostumado a ser maltratado que tudo me desconcertava, mas ela apenas sorriu.

-É só chocolate, pode comer.

Eu sorri pra ela e abri o bombom, o mordendo, era uma delícia.

-Meu nome é Ino, e espero que a gente possa ser amigo, desculpe por não ter feito isso antes, acho que sou tímida também.

-Hum, tudo bem, mas você não se importa com o que os outros vão falar de você andando comigo? Você sabe o que todo mundo diz de mim não é?

-Não ligo pra fofocas.

A aula correu tranquila, mas o sinal do intervalo tocou, eu fiquei nervoso, mas sai da sala junto com minha nova amiga, logo encontrando Gaara e seus amiguinhos, ele estava com o olho roxo e uma cara nada amigável.

-Está socializando muito agora não é seu vadio? Cadê aquele seu amigo safado, vamos ver se ele encara nós três!

-D-deixa o Sasuke em paz! Eu respondi, talvez pela primeira vez na vida.

-Ficou corajoso agora, já deu pra ele foi? Gostou de dar?

-Se ele deu ou não, você não tem nada com isso, não é? Falou Sasuke, todo irritado, parado no corredor.

Num minuto o corredor se encheu de gente, todos queriam ver a briga que ia rolar, tinha gente torcendo para o Gaara, mas tinha alguns torcendo para o Sasuke, nem imagino porque, já que ele era um estranho. Eu estava com medo, eles eram três, podiam machucar meu namorado, espera ai, eu pensei isso mesmo?

Ino me segurava pelo braço, tentando me proteger, e eu queria fazer alguma coisa, um deles avançar e levar uma rasteia, indo ao chão dolorosamente, logo em seguida foi o baixinho parrudo, voou longe, e depois foi Gaara, que mantinha uma mão escondida no bolso, o que me preocupou bastante.

-Eu queria pegar ele, você sabia não é? Vociferou Gaara.

-Eu vi como você queria pegar o Naruto, mentiu para todos, mas o que queria era ficar com ele, só não tinha coragem de dizer que queria ficar com um menino, não é?

-Mentira! Gritou Gaara e avançou contra Sasuke, foi tudo muito rápido, eu vi a navalha num relance e pulei na frente, eu tinha que proteger meu namorado a qualquer custo!

Ouvi a gritaria e levei a mão ao meu ombro, onde algo ardia e queimava, olhei em minha mão, que estava vermelha de sangue, vi Sasuke me segurando e alguém da escola segurando Gaara e seus amigos.

-Naruto! Gritou Sasuke, me segurando no colo e me levando para a enfermaria, tudo ficou borrado, eu devia estar perdendo muito sangue, estava ficando cansado...

-Naru, meu pequeno, está bem? Pode abrir os olhos por favor meu amor?

Era a voz do Sasuke, eu ouvi outras vozes, minha mãe? To ferrado!

Abri os olhos e vi minha mãe e o Sasuke pertinho de mim, os dois estavam pálidos e assustados.

-Oi, o que ouve? Perguntei encabulado.

-Meu filho! Minha mãe me abraçou chorando.

-Meu filho, foi um corte fundo, você perdeu muito sangue, graças a Deus o Sasuke foi rápido e te levou para a enfermaria, que pode conter o sangramento até os paramédicos chegarem.

-Desculpe Sasu, está zangado comigo?

Ele chegou mais perto e me beijou na boca! Na frente da minha mãe! Dos médicos na sala!

Quando ele me soltou meus olhos voaram para minha mãe, que sorria feliz, suspirei aliviado, ufa!

-Tá tudo bem meu filho, ele me pediu para namorar você, não é lindo isso?

-Oi? Sério?

-Ainda falta você me responder direito, quer ser meu namorado?

-Quero...

Bom, eu melhorei rapidamente, e voltei na escola uma semana depois, quanta diferença! Gaara e os amigos foram expulsos, Sasuke realmente virou o capitão do time, e tudo está diferente, parece que a influência ruim daquele cara contaminava a escola, sem ele as pessoas não me olham mais com nojo ou raiva.

Ouve outra mudança bem drástica, assim que chegamos, Sasuke deu a volta como fez antes e abriu a porta pra mim, só que dessa vez pegou na minha mão e não soltou, entramos juntos, de mãos dadas na escola!

-Não solta e não olha pra baixo, não tenha vergonha de nada, você é meu namorado.

-Tá.

Muita gente olhava, e logo veio a Ino e me deu um abraço, logo depois abraçando o Sasuke, foi amizade instantânea, nós estamos sempre juntos agora, ninguém mais me insulta, existem outros casais assim na escola, meninos e meninas, as coisas estão muito melhores.

Hoje faz um mês desses acontecimentos e eu estou na casa do Sasuke, trocamos carícias e beijos, mas nunca fizemos tudo, só que hoje vai ser diferente, eu sinto isso.

Sasuke me beija e tira minha roupa, enquanto eu tiro a dele, bem devagar, vamos beijando a pele exposta com carinho, eu faço o que ele faz, é um jogo de sedução, e eu adoro.

-Naruto, eu quero você hoje, posso?

-P-pode...Vai ser bonzinho?

Ele sorri, e me deita na cama, mordendo meus mamilos, me mostra um frasco de gel, e eu engoli em seco, que medo!

A gente se beija de novo, ele me acaricia, eu acabo tocando ele de leve, já consigo fazer isso sem morrer de vergonha, e para meu espanto ele está começando a colocar um dedo em mim, bem molhado em gel, é muito esquisito isso, verdade! Dói um pouco, ele coloca outro dedo, dói mais, não sei como vai caber aquilo dele em mim, é muito grande!

-Sasuke, você é grande, vai doer muito!

-Shim...Calma, confia em mim, você vai gostar...

Eu confio, então fecho os olhos e espero, ele enfia dois dedos e tenta me acostumar a penetração, só depois de um tempo é que se prepara, eu fico tenso, ele me beija.

-Relaxa lindinho...

Com alguma resistência ele entra devagarinho, nossa como dói!

Eu começo gemendo e logo estou me contorcendo, a cada milímetro dentro de mim a dor aumenta.

-Sasu...Choramingo.

-Ele entra mais e mais, eu estou chorando, mas me agarro a ele, arranhando suas costas, e estou me sentindo preenchido, é estranho, está doendo e eu quero isso, devo ser masoquista!

Ele se mexe, vai e vem, lentamente, tem alguma coisa nisso que é gostoso, ele toca um ponto e eu grito! De prazer...

-Sasuke...

Ele vai e vem, me prende em seus braços, eu o arranho, mordo, e estou gemendo sem parar, ele pega meu pênis na mão, me masturbando no ritmo das estocadas, estou me derretendo em suas mãos, em seu corpo.

Ele grita, enfiando bem fundo, e eu grito gozando nele, um calor me invade, estou muito feliz.

-Meu lindo Naruto, eu te amo, sabia?

-F-foi gostoso...Eu falei inseguro, meio encabulado.

-Você é uma gracinha mesmo!

Eu o abracei feliz.

-Te amo! te amo! Me confesso, e ele sorri.

Se alguém me perguntar hoje se eu acredito em mudanças? Bom, eu acredito em milagres, e eu acredito no amor...

Notas finais
Fim, gostaram dessa linda fanfic? Me contem tá bom, sou carente e adoro comentários. beijos de Akira-san.
March 3, 2018, 3:19 a.m. 1 Report Embed 6
The End

Meet the author

Akira Sam Buscando mais para ler e um local para escrever.

Comment something

Post!
Rafa Rafa
Amei demaisss, está maravilhosa Sasuke é um anjo mesmo, ai ai *-*
November 21, 2018, 08:16
~