Prelúdio das Sombras Follow story

damngirl01 YMM Zaidan

Para os súditos do reino de WindHeart Richard é um príncipe bondoso, dedicado e leal. Entretanto, após ser traído e ficar à beira da morte, o mesmo Richard se vê em conflito com uma parte sua que desconhecia; O Vampiro perverso e sombrio. Agora ele tem que lidar com sua dupla personalidade manchada pelo sangue de suas vítimas, enquanto seu "Criador", o homem misterioso que lhe devolvera à vida e lhe dera a oportunidade de obter vingança, o arrasta para um mundo repleto ódio e arrependimento. Contudo o "Criador" não é sua única preocupação, uma série de assassinatos e desaparecimentos acometem os dez reinos, forçando Richard a fazer uma difícil escolha; ficar ao lado dos humanos que tanto ama, ou dos vampiros que mal conhece?


Fantasy All public. © All Rights Reserved

#Violência #Sangue #Vingança #Guerra #Vampiros #Revenge #Blood #Swords #Vampires
11
7.0k VIEWS
In progress - New chapter Every Sunday
reading time
AA Share

Capítulo 01 (Parte 01)

" O corajoso pode não viver para sempre, mas o cauteloso nunca vive plenamente." (Meg Cabot)

Aproximadamente três mil anos atrás...

         Toda história tem um começo. A minha história, começa pelo fim. No último dia da vida que eu conhecia, e o primeiro dia de uma vida que eu não desejava.

         Numa terra repleta de castelos e nobres mercadores, era perverso saber que a guerra que se abatia entre os reinos persistia em devastar justamente os vilarejos mais humildes, ceifando a vida de trabalhadores e soldados inocentes. Deixando suas esposas a mercê da própria sorte, as viúvas acabavam se tornando prostitutas a fim de levar o pão para seus filhos. As casas pobres, feitas de palha com uma espécie de barro queimavam rapidamente, transformando em cinzas os únicos recursos de um povo que vivia de troca de bens. Mais argilosa e incurável que a peste negra era a ambição do homem em ter sempre mais poder e controle, perdendo coisas valiosas no processo; Tempo, juventude e vida.

         Eu era parte de toda essa destruição, não tinha nenhuma escolha; era matar pelo meu reino ou morrer em defesa dele. E quando o confronto finalmente chegou para mim, resolvi acatar meu destino.

        Talvez ainda não estivesse preparado, mas a guerra não esperava e meu pai, o Rei daquelas terras tão disputadas, cujo nome era WindHeart, estava muito doente. Ele era orgulhoso demais para me pedir, e eu sabia que ele não poderia esperar mais 7 meses pelo meu aniversário de 18 anos, como mandava a tradição, então me ofereci para ir em seu lugar. Não me arrependo. Pois foi nesse simples gesto sua vida foi salva.

         Olhei uma última vez pra mulher da qual a beleza era invejada por todos os reinos e, embora ela se mantivesse firme, pude notar o seu semblante de preocupação e seus olhos verdes claros marejados, assim como os meus idênticos aos dela. Mas nada pude dizer a minha amada mãe, peguei o cavalo com o qual eu brincava quando criança e parti trotando pelos portões do castelo, seguido pelo comboio de homens loucos por carnificina.

         Passamos sorrateiramente dentro de uma densa floresta e com pouco mais que um dia de viagem chegamos ao nosso destino, um pasto amplo e aberto em um local neutro a beira dos limites de nosso território. Fitei o céu nublado e meu estomago se contorceu de ansiedade ao avistar a tropa inimiga do outro lado do campo. Estreitei os olhos quando notei que o Rei que havia proposto tudo isso não estava do outro lado, tampouco um substituto ou general. Suas tropas não possuíam um líder. Pareciam marionetes em um jogo muito maior do que era orquestrado ali, descartáveis.

         Um exército sem liderança, é como uma orquestra sem maestro.

           Ignorei o vazio do outro lado do campo e disse as melhores palavras de motivação que pude pensar ao meu próprio exército, e aos gritos de adrenalina e som de estrondosos relâmpagos as duas tropas se encontraram. Nem a chuva que passou a cair forte abalou os ânimos, ambas as tropas lutavam com furor enquanto o clima, tanto no campo quanto acima dele, se tornava cada vez mais sombrio. Nunca havia visto um confronto tão de perto, então perdi bastante tempo na retaguarda, observando, premeditando meus passos.

         Desci do cavalo e o amarrei a uma árvore, não queria que nada acontecesse com o Andarilho, meu cavalo de estimação. Saquei minha espada e caminhando sobre a lama escolhi um alvo próximo, executando um golpe preciso e misericordioso em seu peito. Assisti a vida dele se esvair enquanto escolhia minha segunda vítima dentre os dois mil homens inimigos. Eu nunca havia matado ninguém antes também, contudo aquela não era hora de sentir remorso.

         Avancei pelas costas de um homem que ameaçava matar um dos meus e a lâmina afiada tratou de lhe decepar a cabeça. Arfei ao ver o sangue jorrando feito uma queda d'agua invertida. O corpo ficou imóvel por uns instantes e caiu ao chão.

- Obrigado, Vossa Alteza. - Disse com o semblante carregado de preocupação. - Tenho duas filhas pequenas.

         Os soldados do lado oposto também.

         Tentei não me abater pelos pensamentos piedosos que me acometiam e por um tempo me saí bem, finalizando cada sequência de golpes e me defendendo com certa habilidade e rapidez. Ouso dizer que por um breve momento, me deleitei em ver meus inimigos caindo na lama e sangrando por minhas mãos. No entanto depois que concluí que eram apenas homens seguindo ordens e que o verdadeiro mentor não estava realmente na linha de frente não vi mais sentido em continuar com aquilo. Corri os olhos em busca de um líder, qualquer pessoa com quem eu pudesse discutir um acordo.

         Meu exército dominava bem o campo de batalha, avançando de forma bem sucedida. Estava contente com minha primeira vitória, e se o outro lado se rendesse eu iria aceitar de bom grado. Não tinha a intenção de desperdiçar mais vidas que o necessário. Meu pai sempre fora um Rei misericordioso e meu objetivo sempre fora seguir o bom legado que ele construíra. Avistei um homem vestido diferente dos demais e me esquivei dos outros, tentando alcançá-lo.

         Ouço uma voz grave e extremamente familiar chamar meu nome e isso me faz parar no meio do caminho. Percorro os olhos por ambos os lados, procurando, mas não vejo nenhum sinal de quem possa ser.

- Já deve estar morto pelo chão.

        O som agudo de um relâmpago ecoa pelos céus acima do barulho do caos que perpétua pela terra. Ele impede que eu escute a tempo os sorrateiros passos atrás de mim. Sinto uma leve brisa quente em minha nuca e me viro e dou de cara com um homem misterioso.

         Trajado com vestes e capa preta, e com um capuz cobrindo parcialmente seu rosto, o homem se destacava dos demais que lutavam ali. Nem aliado, nem inimigo. Estreitei os olhos preocupado, pensando ser um mensageiro, e estremeci de angústia, imaginando as piores notícias sobre o estado de saúde do meu pai.

        Outro relâmpago pintou os céus, iluminando seu sorriso macabro e, antes que eu pudesse recuar, senti uma pontada aguda do lado esquerdo do peito me impedindo de respirar.

- Não leve para o pessoal Richard.

         Novamente a voz conhecida. Esbugalhei os olhos desnorteado pela dor agoniante e contemplei a pequena adaga prateada que ele discretamente havia cravado em mim. O homem misterioso baixou a guarda, e a necessidade de ver seu rosto se tornou mais urgente do que de retirar o objeto. Repleto de raiva, ignorei as pontadas que me acometiam e ergui o braço. Seu capuz deslizou para baixo, revelando o rosto de meu algoz.

- Você! – Tossi o sangue que brotava de minha garganta.

         Imensurável foi minha surpresa ao constatar que o homem desonrado e misterioso era ninguém menos que o conselheiro mais próximo de meu pai, o servo de sua maior confiança.

         O maldito traidor sorriu e se virou calmamente pra ir embora sem dar nenhum tipo de explicação ou proferir qualquer outra palavra, indiferente ao que acabara de fazer. Senti uma onda de eletricidade correr por cada membro de meu corpo, ele praticamente me assistira nascer. Minha garganta se afogava em sangue enquanto eu tentava gritar e fazê-lo voltar. No entanto tudo que saia dos meus lábios mais e mais do liquido carmesim.

         Amparado por um ódio repentino, eu ergui minha espada e corri até ele, tentando golpeá-lo pelas costas. A lamina lhe acariciou levemente o braço, abrindo um pequeno corte, que em nada lhe abateria. Ele segurou o ferimento, proferindo um palavrão, e seguiu seu caminho, desviando de alguns soldados e sumindo tão rápido quanto chegou.

            Não, não, não!!! Volte aqui miserável... Não posso acabar assim, não posso.

           Limpei minha garganta sentindo o horrível gosto metálico do sangue escorrendo por meus lábios e a profunda revolta por perder dessa maneira. Minha visão aos poucos foi se esvaindo e já não era mais possível ficar de pé. Toquei a adaga em meu peito, tentando retirá-la e vivenciando uma dor imensurável, acabei desabando de joelhos chão lamacento, fazendo com que ela se cravasse ainda mais em mim. Vi as silhuetas dos soldados correndo em minha direção e pude ouvir alguns gritos ao fundo. E um amigo de infância me sacudiu,

         O ventou acariciou as folhas, derrubando-as lentamente ao chão. Tentei me manter focado, contudo suas vozes foram ficando cada vez mais distantes, dando lugar ao silencio e vazio absoluto do que eu supunha se a tão sonhada paz eterna. Fechei os olhos, sentindo-os arderem, e me rendi a escuridão perpétua, entregando minha breve e insignificante vida.

         Me perdoe Pai, falhei em defender nosso povo...

     Acordei com a forte e insistente chuva que teimava em me deixar consciente, persistindo em manter meu corpo moribundo vivo. Estreitei os olhos me acostumando com a claridade, e o simples ato de ainda respirar me doía profundamente.

      Não havia mais ninguém além de mim, somente os corpos ensanguentados dos indigentes, restos de um confronto desnecessário e desleal. Virei pro lado tossindo todo sangue que estava me engasgando e, apoiando uma das mãos tremulas na grama molhada, tentei em vão me levantar. Repeti o processo e a dor me atingiu de novo me fazendo cair.

         Na terceira vez senti uma forte vertigem por conta da hemorragia. Controlei minha respiração, pensando no eu fazer. E repleto de receio segurei o mais firme possível a empunhadura da adaga e, comprimindo um grito de agonia a puxei, tentando retirá-la. Precisava para estancar o ferimento antes que todo sangue se esvaísse de meu corpo. Persisti algumas vezes, urrando de agonia. Meus olhos reviraram em minhas órbitas e meu coração bateu descompassado, implorando para que eu desistisse.

            Estou perdido, tudo isso é inútil.

          Estirei meu braço na grama molhada, perdendo as esperanças. Mesmo se eu retirasse o objeto de minha carne, estava fraco demais para rastejar a algum lugar. Minha única saída era se alguém aparecesse naquele fim de mundo e me notasse em meio aos mortos.

         Foi quando ele apareceu pela primeira vez; sequer ouvi seus passos. Um homem loiro de feição mais pálida que o normal, com um cabelo ondulado comprido e uma barba por fazer devidamente aparada. Suas vestes eram pretas num tecido e corte elegante, e ele caminhava elegantemente em meio aos cadáveres. Um nobre, presumi...

         Soltei uma lufada de ar quando ele se aproximou e vi seus olhos acima de mim, a me contemplar.

         Suas íris... eram pintadas em um vermelho fechado e vívido. Ele estreitou os olhos e me analisou dos pés à cabeça de forma tão maliciosa, que fez com que um estranho arrepio me percorresse a espinha. Aqueles olhos cor de sangue pareciam ver dentro de mim, tamanha intensidade do seu olhar. Esqueci momentaneamente a dor que me abatia e ri, soando mais como um gemido esganiçado.

         Um delírio de minha mente cansada e confusa, ninguém jamais possuiria olhos desta cor.

      O homem me encarou de forma desinteressada e indiferente, um meio sorriso brincando em seus lábios. Talvez se eu tivesse sorte ele acabaria com minha dor. Tentei suplicar que me matasse, entretanto minha voz ficou aprisionada em minha garganta.

- Finalmente Alteza, esperei tanto por nosso primeiro contato... Você lutou tão bem, pena que baixou a guarda no final... - Fiquei feliz por ele ter me reconhecido, mas logo minha felicidade se dissipou.

         Ele sorriu revelando presas grandes e aterrorizantes em sua boca. Seu rosto se contraiu feito uma aberração aterrorizante, e ele as exibiu para mim, os olhos brilhando. O estranho homem ergueu a mão e, ao invés de puxar a adaga do meu corpo como eu pensei que faria, pegou meu braço sem qualquer cuidado, me arrastando pelo chão pegajoso. Minhas costas ardiam em contato com o solo. Ele caminhou alguns metros lentamente, prolongando minha agonia, até chegar próximo de um córrego.

- Confiar no caráter de seres tão primitivos quanto os humanos é como depositar suas esperanças na inteligência de um cachorro. - O homem botou a mão em meu ferimento e lambeu. Franzi o cenho horrorizado. - Mas tenho que dizer, admiro sua força de vontade. Estou observando, esperando que fique à beira da morte há mais de um dia inteiro e nada.

            Esperando que eu morra?

           Arregalei os olhos e me debati, tentando me libertar. O gesto pareceu mais um aceno com as mãos, estava fraco demais para qualquer coisa. Minha respiração cresceu lado a lado com o medo. Ofegava ruidosamente enquanto ele parecia não se abater.

- Quase nem tem sangue nenhum em seu corpo, mas sua perseverança o mantém vivo. Chega a ser romântico, não acha? – Neguei com a cabeça. – A luta pela vida, sua sede vingança. Sinto o cheiro de seu ódio em minhas entranhas. Não foi muito justo o que aconteceu aqui hoje.

         Revirei os olhos, pensando no conselheiro de meu pai. Nunca sentira tanto ódio em toda minha vida. Sua imagem vitoriosa em minha cabeça ardia-me a alma.

- Pensando nisso, resolvi lhe agraciar com uma segunda chance, uma chance de se vingar, não é maravilhoso? – Ele acariciou meu rosto, descendo a mão até a altura da minha jugular. Seus olhos repleto de luxuria fixos ali. Então acrescentou num tom de voz rouco e gélido, decidido. - Farei de você meu primeiro servo imortal.

           Antes que eu pudesse processar o que ele dissera, suas presas rasgaram meu pescoço e aos poucos, o ultimo sopro de vida se esvaia de mim. Me sentia tão debilitado, cansado e tonto que não conseguia sequer virar a cabeça, acompanhei tudo com a única parte de mim que ainda possuía o mínimo de movimento, meus olhos.

         Ele sugou meu sangue com uma determinação horrenda e pensei, pelo que se pareceu uma eternidade, que só me largaria depois de morto. Reprimi meus gritos mordendo os lábios, não pretendia dar essa satisfação a esse sádico e me concentrei na chuva gélida que caía em nós. Pequenas manchas pretas foram se formando em meu campo de visão e eu lutava para ficar acordado. A vontade de dormir se sobrepôs a dor de minha pele dilacerada e soltei um longo suspiro, desejando que me matasse de uma vez por todas.

      O bizarro homem pareceu enfim satisfeito, lambendo os lábios e sorrindo em aprovação. Achei que o show de horrores havia terminado e ele me surpreendeu; mordendo o próprio pulso, abriu um buraco e o estendeu para mim, forçando a beber de seu próprio sangue.

            Me senti enjoado com o gosto de morte e de metal que tinha, a coisa mais horrível e nojenta que havia provado, mas nada podia fazer, estava completamente a mercê de suas vontades para meu total desgosto. Engoli o liquido grosso e pegajoso, enquanto ele ria descontroladamente.

- Garanto que você ainda vai gostar do sabor.

            Depois que terminei, jogou-me ao chão como se eu nada fosse e foi sentar debaixo de uma arvore próxima. Ficou ali me observando, os olhos em chamas de ansiedade, esperando algo.

- És completamente insano... - Sussurrei numa altura inaudível.

- Sou um louco, de fato. - Respondeu à uma certa distância, tamborilando a coxa com os dedos. Fitei seu rosto pasmo por ele ter escutado. - E estou ficando um louco impaciente com a demora dessa transformação. Estou à ponto de cortar sua cabeça.

- Transformação? – Consegui dizer em um tom esganiçado e fraco.

         Seus olhos brilharam, repentinamente. Franzi o cenho e Arfei ao passo que meu coração foi falhando. Ele chegou para frente e observou minha agonia, entusiasmado. Alguma coisa parecia me dilacerar de dentro para fora e me contorci, soltando um gemido alto. Mordi os lábios tentando me conter, mas acabei gemendo de novo. Um veneno desconhecido percorria minhas veias como um tsunami, destruindo tudo, me causando uma terrível e indescritível angústia. Segurei a grama e a arranquei do solo, sentindo as lágrimas rolarem sobre minha face. E gritei surpreso. Nem me lembrava a última vez em que havia chorado.

        Aos poucos uma dor lancinante me consumiu, queimando, paralisando, me impedindo mais uma vez de respirar. Me debati involuntariamente, estremecendo e convulsionando, implorando mentalmente que me matasse. Ouvi sua risada maléfica ao fundo, contudo minha visão se tornara um borrão turvo. Senti minha pele se rasgando e se reformulando, cada pequeno osso do meu corpo se partindo e se refazendo, para então partir de novo, cada nova dor se prolongando o máximo que podia. Ouvia os estalos junto de meus gritos.

         A essa altura eu gritava a plenos pulmões, todo meu orgulho se esvaiu ao me encontrar desesperado. Solucei, implorando mentalmente aos antigos reis que me levassem.

            E quando a dor avassaladora finalmente parou, e tornei a perder os sentidos achei que tivessem atendido ao meu pedido.

              Mas eu estava terrivelmente enganado.

March 4, 2018, midnight 0 Report Embed 2
Read next chapter Capítulo 01 (Parte 02)

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 22 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!