Reviving Feelings Follow story

satsukimari Mari Satsuki

Os caminhos de Naruto e Hinata vêm se cruzando desde a infância de ambos. Um laço já havia sido criado há muitos anos, porém, aquilo que uma vez os aproximara também os separara. Já adultos, mais uma vez seus caminhos se cruzam, porém eles não são mais as crianças de antes. Cada um tem sentimentos diferentes, e nem mesmo as lembranças do passado foram suficientes para reatar o laço criado na infância, que permaneceram apenas como uma boa lembrança. O destino sempre tem um plano para todos, não é diferente para os dois. Durante as férias universitárias, os dois se veem ainda mais próximos e cada vez mais íntimos, graças há um grande mal entendido durante uma viagem ao exterior.


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#NaruHina #FNH #fanfic #Naruto
29
7.9k VIEWS
In progress - New chapter Every 10 days
reading time
AA Share

Capítulo 1

1

Alcançar a perfeição, nunca falhar, alcançar as vitórias, ser sempre o melhor.

Esses são alguns dos lemas da poderosa família de médicos do Japão, a família Hyuuga, proprietários do maior centro médico do país, que carrega o mesmo nome: Centro Hospitalar Hyuuga.

Carregar tal sobrenome é uma sorte, afinal, quem não gostaria de nascer em berço de ouro e viver durante toda a vida cercado por todos os tipos de luxo possíveis? Pergunte para alguém que pertença a essa família, por exemplo, a herdeira principal que carrega a responsabilidade de ser a sucessora da presidência do gigantesco hospital, Hyuuga Hinata. Aos 21 anos de idade, a jovem já sente o peso do sobrenome que carrega, o que considera um gigantesco e indesejado fardo, pois não há um dia em que ela desejasse ter nascido em uma família simples, onde ela poderia ser apenas uma garota normal com uma vida normal.

Hinata é uma garota muito simples, reservada e quieta. Sempre viveu de forma desconfortável devido a grande atenção que sua família recebia, além da enorme pressão que sofria de seu pai e tutores particulares para atingir a perfeição em tudo que realizava. Durante sua adolescência sempre foi muito hesitante e via a si mesma como um fracasso da família, nunca acreditou que seria capaz de assumir as responsabilidades que lhe eram destinadas antes mesmo do nascimento, responsabilidades que nunca desejou e que jamais poderia abandonar. Nunca recebera nenhum incentivo de seus familiares, tudo que ouvia de seu pai é: “Você nasceu para isso, é sua obrigação ser a melhor e assumir o meu lugar no futuro” o que a desmotivava. Via sua irmã caçula avançando mais e mais, até o ponto de ser chamada de incapaz por seu pai e ouvir do mesmo que estava decepcionado por ela ter nascido antes de Hanabi, que era de longe a mais indicada para herdar a liderança da família Hyuuga.

De alguma forma, Hinata foi capaz de se reerguer sozinha, e com suas próprias forças deu a volta por cima de todos que a menosprezaram e com muito esforço alcançou o respeito dentro de sua família. Com o passar do tempo, se aproximou de seu primo Neji, que também era visto como um prodígio da família, mas que estava destinado a assumir um cargo menor nos negócios. Neji passou boa parte de sua vida vendo sua prima como um atraso, por sempre ouvir que ele deveria ser parte da primeira família e assim ser o principal herdeiro. O rapaz nuca teve ambição por dinheiro ou poder, pois com o pouco tempo que esteve com seu pai, que faleceu quando ele ainda era uma criança, pode aprender sobre todo o valor que sua profissão tinha; ele que sempre amou do fundo do seu coração a medicina, nunca trabalhou por dinheiro, mas pelo simples prazer de ajudar as pessoas. Ele cresceu acreditando apenas nesse valor, dessa forma sempre pensou que hospital deveria estar mãos firmes para que seu propósito fosse cumprido com excelência. Por muito tempo desacreditou na capacidade de sua prima e não aceitava que alguém como ele pudesse ser subordinado de uma pessoa tão inferior como ela, mas com o tempo permitiu se aproximar mais da primeira família e acabou criando laços de afeto com a jovem, e mesmo sem desejar foi um dos incentivos da mesma para evoluir.

Hoje, Hyuuga Hinata é uma pessoa melhor, positiva e mais confiante, e é graças a isso que ela se tornou a aluna número um da sua classe de medicina na grande Universidade de Konoha.

**

O final do ano letivo é sempre uma época de grande tensão, principalmente para universitários. Alguns conseguem chegar a essa etapa tranquilos, mas a grande maioria sempre está com os nervos à flor da pele.

Hinata é o tipo de aluna que nunca precisou se desesperar com os estudos, sempre começou o ano bem e sempre o concluí bem, mas nem isso a tranquiliza, apesar de nunca se desesperar, sempre estuda como se sua vida dependesse disso, pois, mesmo estando em uma situação melhor com sua família, ainda carrega a responsabilidade de ser a melhor. Suas amigas, no entanto, não se encontravam na mesma situação.

Sakura sempre foi extremamente dedicada, mesmo vindo de uma família mais simples, passou toda a sua vida sonhando em ser médica, por isso sempre se esforçou ao máximo desde sempre e graças a isso conseguiu uma bolsa para cursar medicina. Dentro da faculdade encontrou desafios gigantescos que muitas vezes acreditou que não seria capaz de superar, mas graças às amizades que conquistou, sempre teve o apoio necessário, além de sua família que sempre a motivou.

Ino é uma pouco mais parecida com Hinata em alguns aspectos, mas sua personalidade é completamente diferente da de suas amigas. Nasceu em uma família nobre, desfrutou ao máximo de todos os luxos que estavam ao seu alcance sem se importar muito com as responsabilidades que teria no futuro. Como forma de pressioná-la a amadurecer, seus pais obrigaram-na a prestar vestibular para medicina. Apesar de nunca ter passado por sua mente seguir tal carreira, acabou cedendo quando descobriu que um garoto no qual estava interessada também prestaria o vestibular. Foi matriculada no melhor curso preparatório da cidade e mesmo que tenha sido em último lugar, foi aprovada. Já na faculdade, se aproximou de Sakura e Hinata, desde então as três são inseparáveis. Ao ver como as garotas levavam os estudos muito a sério, Ino acabou se deixando influenciar pelas amigas e passou a se esforçar mais, mesmo que não fosse tanto quanto Sakura e Hinata, foi uma grande evolução para alguém como ela que nunca se importou com coisas do tipo. No fim, ela sempre estava em apuros com as avaliações finais, mas sempre conseguia se sair bem com a ajuda das amigas.

– Já faz um tempo que eu não saio com nenhum garoto, estou começando a me sentir mal. – Bufou Ino. Ela e as amigas estavam se preparando para as últimas provas antes das férias de verão.

– Ino querida, sabemos que você não consegue ficar sem os seus namoricos de “duas semanas”, mas é melhor esperar o fim das provas, caso contrário você vai perder toda sua pouca concentração nos estudos, e não vai ter nada que eu e a Hinata possamos fazer pra ajudar você. E eu duvido que nossa Ino vá querer uma reprovação no seu histórico escolar, certo? – Sakura debochou, mas logo passou a ter uma postura séria. – Precisamos ter um bom desemprenho nessas provas, no próximo ano não teremos mais aulas, e passaremos a estudar dentro dos hospitais, tudo vai mudar então precisamos ter o melhor resultado possível para não cometermos erros no futuro.

Ino suspirou desinteressada e deu de ombros, Sakura ficou irritada, Hinata continuava concentrada fazendo suas anotações como se as colegas não estivessem ali.

Ino se debruçou sobre os livros que estava utilizando em seus estudos, deu um profundo suspiro e continuou fingindo que lia, com uma expressão bastante azeda em seu rosto. De repente sua atenção foi roubada por uma presença na biblioteca.

– Eu entendo perfeitamente que é importante estudar, mas Uchiha Sasuke é digno de uma pequena pausa para apreciação. – Ino voltou seu olhar para a figura masculina que se encontrava entre as prateleiras de livros logo à frente. Alto e com corpo proporcionalmente definido e atraente, mesmo coberto por seu moletom azul marinho com o emblema do curso de Direito da Universidade de Konoha com as mangas arregaçadas até o cotovelo, calça jeans skinny preta e um tênis também de cor preta. A pele clara e ao mesmo tempo levemente corada, o que lhe dava um ar de saúde, os olhos e cabelos eram completamente negros, seu corte era levemente desajeitado e a franja dividida e jogada sob a testa combinava perfeitamente com seu olhar obscuro e indiferente.

– Ino... – Bufou Sakura. – Por qual motivo você não consegue se concentrar? Eu preciso muito estudar, você precisa muito mais que eu, mas mesmo assim aproveita qualquer oportunidade para desviar o foco.

– Nem vem, você assim como eu sabe que mesmo que a gente não tenha intenção, o Uchiha acaba completamente com a nossa atenção.

– Bem... ele é um cara muito bonito sim, realmente é difícil não parar para olhar pra ele quando está perto. – Sakura corou um pouco ao falar sobre Sasuke – Mas do que adianta? Eu nunca o vi sair com alguma garota, nem mesmo falar. Ou ele é muito exigente, ou ele nem mesmo gosta de garotas. –Disse Sakura, bem decepcionada.

– Tá vendo só? Não tem uma garota que não tenha desejos obscuros com esse pedaço de mau caminho que é o Uchiha. – Não é necessário dizer que Ino estava submersa em pensamentos pervertidos.

– Se você falar um pouquinho mais alto é bem provável que ele ouça e talvez se disponha a realizar essas fantasias que você está tendo agora – Ironizou Sakura.

– Lamento informar, mas ficar fantasiando uma transa com Uchiha Sasuke não fará vocês tenham uma chance de verdade com ele, e muito menos serem aprovadas em Clínica Cirúrgica e em Ortopedia Traumatológica. Então é melhor que estudem. – Disse Hinata, sem parar nenhum minuto de escrever e sem desviar os olhos dos seus livros e cadernos.

– Até quando você vai ser sem graça assim, em Hinata? Você é inteligente, é a primeira aluna da classe, é líder do grupo de monitoria, já tem aprovação em quatro programas de residências diferentes, os professores te veneram e além de tudo você é uma Hyuuga, mesmo que você não quisesse estudar, você já tem toda a sua vida garantida com tudo do bom e do melhor, então porque não se diverte um pouco? Eu amo você, mas sua vida me deixa entediada. – Reclamou Ino.

Hinata deu um longo suspiro e parou de escrever, olhou para Ino e disse:

– Olha Ino, a minha vida pode ser fácil aos seus olhos, mas não é bem assim. Meu pai cobra que eu seja uma médica excepcional desde a época que eu nem ao menos sabia escrever meu nome, e isso eu aprendi aos dois anos e ele ainda esperava que eu aprendesse isso antes. Eu passei minha vida inteira ouvindo que eu deveria ser a melhor em tudo porque a responsabilidade da maior rede de hospitais do país seria minha, e mesmo sabendo que eu estava longe de ser a melhor, eu era obrigada a ouvir isso do meu pai todo santo dia, porque na mente dele era um incentivo, mas pra mim era difícil ouvir que eu era incapaz e depois ter motivação para fazer qualquer coisa. Eu tive que engolir muitos sapos durante a minha vida pra chegar aonde eu cheguei, então sim, eu vou continuar sendo sem graça, porque eu tenho uma grande responsabilidade, e eu também não tenho a menor vontade de viver as custas do meu sobrenome, eu quero atingir a perfeição e o sucesso por mérito e esforço próprio. – Hinata voltou a se concentrar em suas anotações.

Ino deu de ombros e voltou a fingir que estava lendo os livros a sua frente. Quando percebeu que não seria capaz de se concentrar, voltou a dizer:

– Hinata, eu nunca te perguntei isso, mas, por acaso você já transou alguma vez? – Ino parecia seriamente interessada na resposta que receberia.

Hinata arqueou uma das sobrancelhas e direcionou seu olhar para Ino ainda com a cabeça baixa, deu um leve suspiro e voltou seu olhar para seu caderno, continuou escrevendo enquanto respondia:

– Por que o interesse na minha vida sexual repentinamente, Ino? Mais uma forma de fugir dos estudos?

– Nós já somos amigas há algum tempo, e você nunca falou sobre seus relacionamentos, sua vida sexual. Até a Sakura já perdeu a virgindade, e você ainda é um incógnita pra gente. – Reclamou Ino.

– Escuta aqui sua vadia, - Disse Sakura puxando o cabelo de Ino. – Se você quiser berrar pra biblioteca toda sua intimidade, vá em frente, mas não vai fazer o mesmo com a minha, entendeu?

– Tá bem, me perdoe, não falo mais sobre o assunto. – Ino se desculpou. Hinata deu uma leve risada enquanto continuava escrevendo, Sakura lançou um olhar irritado para Ino. – Mas agora conta Hinata, já rolou alguma coisa entre você e aquele Neji né? Eu sei que vocês são primos, mas ele é um tremendo gato e vocês são tão próximos, eu no seu lugar já teria feito todo tipo de loucura com ele. – Ino deu uma risada bem pervertida.

Hinata parou imediatamente de escrever e lançou um olhar repreendedor à Ino. Era visível que ela havia ficado envergonhada com a fala de sua amiga, suas bochechas estavam extremamente coradas.

– Você ficou maluca? Neji e eu fomos criados como irmãos. Uma coisa como essa não é possível nem de se imaginar. Além do mais, Neji tem um enorme respeito por mim devido as nossas posições na família e eu também tenho por ele, devido ao apoio que ele me dá com meus estudos. Pensar que algo assim aconteceu entre nós e absurdo! Céus, Ino, como você é suja! – Hinata se exaltou.

– Meninas, estamos na biblioteca e esse assunto está rendendo muito, estamos perdendo foco e estamos chamando muita atenção também, por que não voltamos aos nossos estudos? Temos provas amanhã, e hoje mesmo estávamos falando sobre como queremos encerrar logo esse ano letivo para irmos a nossa viagem de verão, não é? – Sakura tentava apaziguar a situação.

– Tem razão, Sakura. Me perdoe, mas parece que a Ino decide quando quer acabar com nosso foco e não fica em paz até conseguir. – Disse Hinata, ainda um pouco irritada com a situação.

– Me perdoem, amigas. Juro que não queria irritar nenhuma de vocês, mas essa conversa me fez perceber uma coisa, já faz muito tempo que não realizamos nossas reuniões. Então vamos fazer isso, nesse fim de semana faremos uma noite do pijama na minha casa, vamos beber alguma coisa e falar sobre garotos e sobre a vida sexual parada de vocês duas. – Ino estava bastante animada com a ideia.

– Eu não tenho interesse, provavelmente estarei bem cansada e irei dormir para me preparar para a semana seguinte, que será nossa ultima semana de provas. – Hinata não parava de escrever nem por um minuto.

– Ei Hinata, a Ino tem razão, já faz muito tempo que não nos reunimos. Sei que esse último mês foi realmente estressante para todas nós, mas eu e você estamos indo bem, a pessoa que precisa mais se preocupar aqui é a Ino, se ela não se importa, vamos nos divertir um pouco.

Hinata deu um suspiro de derrota.

– Ok, vocês venceram. Mas esteja ciente que se a Ino for para a recuperação, no fim vai sobrar pra nós duas estudarmos com ela.

– Tudo bem, não será a primeira vez que fazemos isso, e também não será a última.

– Como eu amo vocês! Está combinado então, amanhã após a aula iremos para a minha casa realizar a noite das garotas. – Ino comemorou de forma exagerada e foi repreendida pelas demais pessoas que estavam na biblioteca.

– Já chega, melhor sairmos daqui antes que nos expulsem da biblioteca, também está tarde, melhor irmos para casa. – Alertou Hinata, suas colegas concordaram e se retiraram.

– Hinata, que papelada é essa dentro desse livro enorme que você está carregando? – Perguntou Ino enquanto caminhavam para a porta da biblioteca.

– Isso? São anotações que eu fiz durante as aulas de ortopedia. Depois as organizei dentro desse livro que nosso professor se baseia para as aulas. De forma que toda vez que eu for revisar o conteúdo das aulas eu não precise ficar procurando pelo conteúdo no livro.

– Interessante, bem que você poderia fazer isso para mim depois também, que tal? – Ino falou gentilmente com interesse em conseguir o que queria com a amiga.

Mas Hinata deu uma risada um pouco debochada e disse:

– Ino, eu levei três dias para organizar esse material. Você acha mesmo que eu vou fazer isso para você, sabendo que as chances de você usa-lo par estudar depois são nulas?

– Hinata, você é má. Ás vezes parece que você não quer que eu me forme, qual o problema em fazer esse favor pra mim?

– O problema é que eu tenho muita coisa pra estudar e não tenho tempo de organizar nada para alunos desinteressados como você In...

Hinata acabou se distraindo enquanto conversava e não percebeu que havia uma pessoa andando em sua direção. A pessoa também estava muito concentrada, com um fone e fazendo alguma coisa em seu celular e não percebeu que estava indo em direção a Hinata. Os dois se chocaram, a pessoa conseguiu impedir que seu celular caísse, mas todos os livros que estavam na mão de Hinata caíram no chão, quando isso aconteceu o salão da biblioteca ficou lotado de folhas que saíram de dentro de seu livro. Hinata entrou em choque.

– Que droga. Ei moça, me perdoe, quer ajuda para juntar essas coisas? – Perguntou o rapaz que estava um pouco envergonhado devido à expressão de Hinata.

– Não toque em nada! – Disse Hinata bastante exaltada, assustando a todos que estavam na biblioteca. – Eu levei dias para organizar essas anotações da forma que eu queria, acho que eu mesma consigo organizar essa tragédia agora, mas não atrapalhe mais, ok? Eu faço isso sozinha.

– Olha, me desculpa de verdade, não queria fazer causa problemas. – Disse o rapaz que parecia bastante envergonhado pela situação.

– Não esquenta, ela não é mal humorada assim o tempo todo, na maior parte do tempo ela é bastante gentil e educada, se isso tivesse acontecido a uns quatro meses atrás ela estaria sorrindo pra você e dizendo que estava tudo bem, mas nessa época do ano essa garota parece que assume outra personalidade e fica obcecada com os estudos e a organização dos seus materiais, então tenta relevar. – Ino deu uma piscadela para o rapaz com a intenção de tranquiliza-lo.

– Ei Naruto, o que está acontecendo? Nós combinamos de nos encontrar aqui há 15 minutos, por que você se atrasou? – Uma voz masculina grave ecoou pelo salão, era ninguém menos que Uchiha Sasuke.

– Foi mal Sasuke, eu estava resolvendo algumas coisas com a Shion, por isso me atrasei. – O rapaz sorriu e coçou a nuca como gesto de desculpa para o colega.

– Shion? Você e aquela maluca ainda estão juntos? Qual é o seu problema? – Sasuke suspirou. – Enfim, esquece, agora vem logo que precisamos revisar alguns conteúdos para a prova de amanhã. – Sasuke deu as costas e se dirigiu as mesas no fundo da biblioteca.

– Eu preciso ir, me desculpe mais uma vez meninas. – Disse o rapaz enquanto se dirigia a onde o colega estava.

– Até mais, espero que a gente se encontre outras vezes. – Ino acenou para o rapaz sorridente.

Hinata finalmente terminou de recolher suas anotações e as garotas finalmente puderam se retirar da biblioteca.

– É impressão minha ou você paquerou com aquele garoto na biblioteca, Ino? – Perguntou Sakura.

Ino riu debochada e respondeu:

– O quê? Mas é claro que não, você viu a cara de idiota dele? Eu só estou tentando uma aproximação por causa do amigo dele. Nem dá pra acreditar que uma cara daquele é amigo do Uchiha Sasuke! – Ino saltitava de empolgação.

– E você acha que isso é o suficiente pra você conseguir sair com o Uchiha? Não me leve a mal Ino, mas você já foi mais esperta. – Sakura zombou da amiga convencida.

– Eu não estou dizendo que eu vou tentar alguma coisa, não agora, mas pra quem não tinha por onde começar, já é um grande passo, não acha? – Ino piscou para Sakura.

– Sinceramente, eu acho que Uchiha Sasuke é o tipo de cara que só sai com garotas que ele seleciona a dedo, isso se ele sai com alguma garota. Pra mim ele parece uma versão masculina da Hinata. – Sakura riu em tom de deboche.

– Tem razão, Sakura. E agora que você falou, ele lembra mesmo a Hinata com aquela cara de paranoico obsessivo com os estudos. Acho que esses dois formariam um bom casal. – Ino também riu com ar de deboche.

– Eu preciso lembrar a vocês que eu ainda estou aqui? E sinceramente, não faço ideia do que vocês veem de tão magnifico nesse cara, não consigo identificar o que ele tem de tão incrível. – Hinata disse em tom de desinteresse.

– Ah Hinata, você não é alguém para se considerar. Você fica fazendo esse seu discurso sobre como você e o Neji foram criados como irmãos e como vocês respeitam um ao outro, mas tá estampado na sua cara que você gosta dele, então é claro que você não vai ver graça em outro cara, seja lá quem for. E eu ainda acho que esse seu papo de família uma grande bobagem, vocês não são irmãos de sangue, então pra mim não tem nada que impeça vocês de ficarem juntos, nem que seja só pra matar a vontade mesmo. E outra, olha só pra você, apesar desse seu jeito de mulher recatada conservadora, você é muito bonita e ele ainda é um homem, e homens são homens, se eles têm um pênis querida, me desculpa, mas a mente deles é um paraíso de pensamentos sujos, mesmo que suas atitudes jamais mostrem isso. Então para de bobeira e tenta a sorte.

Hinata novamente se mostrou bastante constrangida com o rumo da conversa, mas dessa vez não havia uma resposta para Ino. Direcionou seu olhar para Sakura implorando por ajuda, mas a resposta de Sakura não foi bem o que ela esperava.

– Olha Hinata, você não tem que levar ao pé da letra o que a Ino disse, mas ela tem um pouco de razão. Nós somos suas amigas então a gente consegue perceber que você sente alguma coisa pelo Neji sim. Eu entendo perfeitamente que sua situação é complicada, vocês foram criados como irmãos desde pequenos, e você nunca recebeu afeto do seu pai. Neji e você não foram muito próximos na infância, mas acabaram ficando mais unidos na adolescência e ele acabou preenchendo o vazio de afeto que tinha em sua vida, isso provavelmente fez com que você nutrisse sentimentos por ele, é normal. Mas isso é algo que você deve pensar com muita calma, pois pode ser que ele sinta o mesmo que você, ou que os sentimentos dele por você sejam apenas como de um irmão.

Hinata deu um leve suspiro e ficou cabisbaixa.

– E vocês acham que isso nunca passo pela minha cabeça? Foram inúmeras as vezes que já pensei em tomar uma atitude, me confessar, mesmo que fosse rejeitada ao menos teria uma resposta para meu coração. Mas e se ele sentir o mesmo que eu? O que faremos em relação a nossa família que jamais aceitaria esse relacionamento? O meu medo maior não é a rejeição, é saber que sou correspondida e não poder viver esse sentimento.

Nenhuma das garotas soube o que dizer para Hinata naquele momento. Todas permaneceram em silêncio por alguns minutos, até que a presença de alguém quebrasse o gelo.

– Falando no assunto. – Ino murmurou baixinho.

– Com licença senhorita Hinata, estava aguardando você para que pudéssemos ir para casa, mas você demorou um pouco então acabei vindo a sua procura. – Disse um jovem rapaz alto de pele bastante clara, cabelos castanhos lisos e longos presos por um rabo frouxo com alguns fios soltos, que realçavam ainda mais a sua beleza. – Temos que ir.

– Ah sim, me perdoe Neji, acabei me distraindo enquanto conversava com as meninas, mas estou pronta para irmos. – Hinata sorriu para o rapaz, em seguida se virou para suas amigas. – Bons estudos meninas, nos vemos amanhã. – Dizendo isso, acenou para as amigas e se afastou ao lado de Neji.

– Mas que primo em, não sei quanto a você Sakura, mas eu adoraria que houvessem pessoas assim na minha família. – Ino murmurou no ouvido de Sakura, que a repreendeu com um beliscão. Ino fez uma careta.

**

Hinata não disse uma palavra no percurso da universidade até sua casa. Sua mente estava repleta de pensamentos, e graças as suas amigas, não era sobre o conteúdo da prova que fariam, mas sim sobre os seus sentimentos em relação à Neji.

Hinata estava pensando seriamente em fazer algo a respeito, mas não sabia o quê.

Neji percebeu que Hinata estava bastante pensativa naquele dia e preferiu respeitar o seu momento, mas em seu coração ele sentia uma pequena angústia em relação aquilo, sem saber o porquê. 

Feb. 26, 2018, 1:13 a.m. 1 Report Embed 2
Read next chapter 2

Comment something

Post!
Laura Izabel Laura Izabel
July 3, 2018, 1:06 p.m.
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 35 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!