New app: Inkspired Writer! Write, publish and manage your stories on the phone!. Read more.

Eu não sou um príncipe Follow blog

dcsales Danieli Cavalcanti Um jovem sonhava em se tornar um cavaleiro. Seu mundo desmorona quando descobre que terá que ser o escudeiro do arrogante príncipe o resto de sua vida. Tudo muda quando príncipe e escudeiro embarcam em uma jornada para salvar uma donzela indefesa e o príncipe por acidente cai do cavalo. Com o príncipe morto, ele tem a chance de salvar a princesa e ser feliz para ....sempre?
Non Verified story

#medieval #32816 #aventura #comédia #ironia #dragão #cavaleiro #eraumavez #fantasia #príncipe #príncesa #romance #sátira
AA Share

E como diria um verdadeiro cavaleiro...

" Sonhar o sonho impossível,
Sofrer a angústia implacável,
Pisar onde os bravos não ousam,
Reparar o mal irreparável,
Amar um amor casto à distância,
Enfrentar o inimigo invencível,
Tentar quando as forças se esvaem,
Alcançar a estrela inatingível:
Essa é a minha busca."

Miguel de Cervantes, Dom Quixote.

July 26, 2019, 11:15 a.m. 0 Report Embed 1
~

Capítulo 15 - Que trata do encontro do Rei do Reino Encantado com sua filha


Embarcamos no barco Verne, o imprevisível cavalo Ferradura, a princesa e eu. Não trocamos palavras durante o retorno. Talvez não houvesse mais nada a ser dito, ou simplesmente estávamos cansados. Dessa vez, as águas estavam calmas e chegamos à outra margem em segurança. O rei sem reino abraçou Adara quando ela finalmente colocou os pés na areia.

O rei se ajoelhou e me agradeceu por trazer sua filha em segurança. Ele estava disposto a cumprir sua palavra e me fazer casar com a princesa. A disposição dele se mesclava ao fato de agora eles não terem mais um reino.

Achando que eu tivesse um reino, o fato de Adara se casar comigo, a faria Rainha um dia. Esse rei não dava ponto sem nó, mas, sem mesmo montar no Ferradura ele estava prestes a cair do cavalo.

A princesa já sabia do meu segredo, isso era fato, mesmo assim, ela decidiu não revelar a verdade.

Ainda que a princesa fosse a mais bela de todas, eu não tinha um reino, nem mesmo era um príncipe. Eu não tinha nada a oferecer, nem mesmo o Ferradura me pertencia, eu não podia dar a princesa tamanha desventura então decidi revelar a verdade. Mas antes que pudesse revela-la, o Rei do Reino Distante surgiu me acusando:

- Esse impostor não é um príncipe. Ele não passa de um escudeiro que matou o verdadeiro Príncipe Artur, agora precisa pagar por seus crimes.

Eu nunca disse que era um príncipe!

Não haveria julgamento e apenas a condenação. E ordenou que seus guardas me prendessem.

Impostor: verdade. Assassino: Nunca!

Não havia o que ser feito a não ser eu ir para a forca. O verdadeiro coro de príncipes voltou a fazer as suas acusações.

"Eu sabia!"

"Como ele ousa?"

"Realmente ele é muito feio!".

Novamente, comentários fora de contexto, ou não.

Antes que minha sentença pudesse ser executada, a princesa se aproximou. Os príncipes desencantados permitiram que a princesa se aproximasse de mim por uma última vez. Eu não pude olhar em seus olhos, mas precisei revelar o que sentia:

- Perdoe-me princesa, por eu não ser um príncipe.

- Como pode ser mais valente do que qualquer príncipe? Como pode cruzar águas perigosas com um cavalo genioso? Como pode lutar sem ter a menor chance de vencer?

Eu disse:

- Tudo o que desejava era ter um ato de bravura e finalmente me tornar um cavaleiro.

A princesa puxou a espada do pai disposta a executar a sentença mim imposta quando surpreendentemente colocou a ponta da espada sobre os dois lados do meu ombro e disse:

"Eu vos concedo, Sir Charlie Rocher, o título de Cavaleiro, pelo ato de bravura de ter salvado a vida da princesa Adara, enquanto que todos os outros príncipes se esquivaram. Deste dia em diante, para o resto dos seus dias".

E cortou as cordas que me prendiam.

Por sinal, nunca mencionei meu nome: Charlie. Mas como foi que a princesa descobriu? Acaso ela já me conhecia antes dessa desventura?

Os sobreviventes do Reino do Encantado aproximaram-se e renderam os guardas e príncipes presentes, me levando ao barco onde embarcaríamos para um lugar desconhecido. Por um breve momento fui o cavaleiro que tanto desejava, foi um gesto muito nobre por parte da princesa.

Tentei me despedir do Ferradura, tentei expulsa-lo,mas, ele insistiu em também entrar no navio. Assim, embarquei no navio ao lado com meu fiel companheiro Ferradura, que mesmo que não fosse o cavalo mais obediente, ainda assim, era meu melhor amigo.

Isso não vai prestar, nem fazer sentido algum.

Quando o navio estava a certa distância, Adara teve uma visão do que seria o feliz para sempre a que ela estava destinada. Para não perder a majestade, seu pai a obrigaria se casar com alguns daqueles príncipes desencantados. Ela decidiu deixar tudo para trás. Antes que pulasse no oceano o rei do Reino Encantado disse a princesa:

- Se embarcar com eles, deixará de ser uma princesa e se tornará uma pirata e não há nada que possa fazer por você.

- É, acho que posso me acostumar com isso.

Essa não era uma frase de efeito perfeita, mas, é o que Adara tinha para falar nesse momento. Ao finalmente ela se aproximar do navio, conseguimos colocá-la a bordo. Ao puxá-la para dentro, acidentalmente a princesa caiu sobre mim e me beijou.

Completamente desconcertada a princesa, agora, Capitã Adara nos lideraria em direção ao oceano, rumo ao desconhecido.

Um final perfeito para um mundo imperfeito.

May 27, 2019, 1:20 p.m. 0 Report Embed 1
~

Capítulo 14 - Que trata dos caminhos tortuosos da princesa Adara


A princesa Adara nos guiou até uma água suja, que cheirava mal, após o barco andar por algum tempo, chegamos ao encanamento que vinha do castelo, o lugar era esse e levava direto ao subsolo do castelo onde o pequeno navio estava atracado. O rio sujo desembocava na água do mar.

O dragão não estava na doca, nos apressamos e desamarramos o navio e preparamos para zarpar.

- Ora! Ora! Vejamos o que temos aqui.

Uma voz saiu da cabine de comando. E se revelou ser o príncipe irmão. E prosseguiu dizendo:

- Minha bela irmã Adara. Não me vai dizer que resolveu dar um passeio.

- Sim, e você não está convidado.

E o embate entre princesa e príncipe, se iniciou. Sob a forte luz da lua, eles resolviam suas diferenças. Quando o príncipe rendeu a irmã, ele olhou para mim sem entender:

- O que é você, um príncipe?

Verne mordeu o príncipe e Adara chutou e eu o empurrei do navio. O navio chegou próximo ao abrigo. Atracaram e buscaram os sobreviventes. Pouco a pouco eles entraram no navio. A lua cheia estava acabando. O dragão dava sinais que iria acordar.

O príncipe molhado e fedorento rendeu Verne e subiu no Ferradura. O cavalo deu cinco passos e derrubou o príncipe rebelde. Até que enfim o Ferradura honrou seus ancestrais, a sua maneira é claro. Mesmo assim, o príncipe conseguiu escapar levando Verne.

A princesa desejava ir atrás do garoto, mas sugeri que ajudássemos todos a entrar no navio, antes que o dragão acordasse do sono. Quando o último sobrevivente entrou no navio. Pedi a princesa entrasse no na cabine do capitão. E a tranquei ali.
A princesa batia no vidro e acredito que tenha escutado quando eu disse:

- Eu vou buscar o Verne. Vão à frente, alcançamos vocês com o barco.

Perguntei se havia alguém a bordo capaz de comandar o navio. Para minha surpresa, um homem sem dentes se aproximou e disse:

- Eu já fui um pirata. Nada me faria mais feliz do que ser o capitão do navio.

- É, vai servir.

Saí do navio, olhando para valente princesa Adara. Desejando que ela encontrasse sua redenção. Ferradura estava me aguardando.

- Não me decepcione agora, Ferradura.

Saímos em disparada para as ruínas do castelo, onde ainda dormia o dragão. A destemida princesa Adara quebrou o vidro da janela da cabine do capitão, tirou suas armaduras e pulou no mar. O príncipe amarrou Verne em uma coluna que ainda se mantinha de pé, e o garoto seria sua próxima refeição.

- Tudo por causa de um olho furado?

Que príncipe mais vingativo!

Era possível ouvir a respiração forte do dragão que logo despertaria, quando finalmente alcancei o príncipe. E o Ferradura me jogou no chão e saiu em disparada. Ainda bem que eu estava bem à frente do príncipe.

- Eu conheço você - ele disse- aquele garoto fraco da escola para cavaleiros, nem conseguiu se formar. Não me diga que se tornou um escudeiro.

- Alguém com muito mais honra que você.

Ferradura foi ao encontro de Adara. Ela nunca havia subido em um cavalo sem sela, mas as circunstâncias exigiram.

É claro que apanhei. Apanhei muito do príncipe mau, mas, consegui dar um soco no nariz que sangrou. Eu não tinha nenhuma chance contra sua espada quando ela me acertou e me segurou na parede. Falando todas as palavras épicas de um combate entre o vilão e o príncipe. Bom, não um príncipe de verdade, nem um cavaleiro. Mas é o que tinha para hoje. Ainda mais quando percebi que a princesa estava tentando chegar próximo e desamarrar o Verne. Enrolei o príncipe o máximo que pude.

A princesa se aproximou de Verne e começou a soltar a corda que o prendia. Mas o menino parecia impaciente:

- Não há tempo! Você precisa controlar o dragão quando ele acordar, esse príncipe franzino não vai durar muito tempo nas mãos do príncipe. Na minha mão direita, está o seu colar.

A princesa sorriu e beijou o garoto na testa:

- Ladrãozinho esperto!!!Quando você crescer, se eu ainda tiver um reino, quero que você seja meu conselheiro real.

Adara se aproximava enquanto a fera começava a abrir os olhos, e tentou tocar a fera que agora tinha olhos ternos como quando era criança. O príncipe irmão tirou a espada de mim e foi em direção a Adara, o dragão bradou a aproximação do príncipe começando a ficar furioso novamente, mas dessa vez com o príncipe malvado derrubando a princesa no chão. Antes que ele a acertasse com sua espada, eu cravei a pequena faca de escória no coração do príncipe. Ele caiu, ofegante e me disse:

- Mas você é apenas um escudeiro.

- Não. Eu sou o filho do ferreiro.

Essa foi minha resposta. Aquela frase de efeito, não a mais bela histórias, o momento somente meu.

A princesa me olhou sem palavras, não acreditando na revelação que o príncipe acabara de fazer.

- Você não é um príncipe?

O que aquelas palavras poderiam dizer? Você não é um príncipe e foi capaz de enfrentar um dragão. Ou: Se você não é um príncipe, então eu nunca vou gostar de você. Seja qual for à verdade, ou nenhuma das anteriores. Mesmo sabendo que a princesa poderia não me aceitar, se descobrisse a verdade.

Sem problemas, uma situação tensa, não é o momento ideal para encontrar um amor duradouro. Descobri que somente os príncipes conseguem ser felizes para sempre. Pelo menos diante dos seus súditos. E em meio aos meus pensamentos, eu ouvi uma voz:

- Ei! Será que dá para alguém me desamarrar aqui? - Perguntou Verne que estava amarrado na coluna.

Ao ajudar a princesa a se levantar, percebi que o dragão olhava fixamente para ela e a cheirava.

- Olá Vega! - Adara abraçou o dragão.

Que nome incomum para um dragão. Na verdade os dragões terem nomes é anormal. Melhor dizendo, encontrar um dragão que é raro. A partir daquele momento, a ilha deixaria de ser o Reino Encantado e passaria a se chamar o reino do Dragão.

O lugar mais seguro para Vega.

May 27, 2019, 1:20 p.m. 0 Report Embed 1
~

Capítulo 13 - Que trata da Pedra de Zafira

Encontramos o barco, enterrado na areia como havia deixado. Adara nos contou que nas noites de lua cheia o dragão dormia para recuperar as energias. Esse seria o momento exato para recuperar o navio, porém o príncipe estaria preparado, e nós devíamos fazer o mesmo.

- O poder sobre o dragão, porque ele não te obedece mais e agora obedece a seu irmão?

- Eu não sei até hoje. Meu irmão sempre estava comigo...

- Há algo que a princesa falava, fazia ou usava que não usou no dia do seu casamento?

Os olhos da princesa se iluminaram por uma lembrança:

-Mamãe antes de morrer me levou sozinha para o abrigo, e disse que se um dia o reino fosse atacado, eu devia trazer os súditos para cá. Talvez ela já visse a maldade que eu nunca enxerguei no meu irmão. Ela me deu um colar, com uma pedra de Zafira e me fez prometer nunca tirá-lo.

- Acho que sua mãe já sabia do dragão - Eu afirmei - e desejava prepará-la para tempos de guerra.

- E onde está esse colar? - Perguntou Verne.

- Eu o tirei uma única vez, no dia do meu casamento. É certo que algum dos rebeldes tenha pegado meu colar e entregado ao príncipe.

De onde vinha esse colar? Uma pergunta ainda sem resposta. Quem sabe na sequência dessa história.

May 27, 2019, 1:20 p.m. 0 Report Embed 1
~
Read more Start page 1 2 3 4

More stories