sweet-mary Mary

Fazia muito tempo que eu queria escrever uma carta para o meu eu de 13 anos, pois foi quando eu estava com 13 anos e meio que tive minha primeira crise depressiva, tive outra pior com 15 e minha adolescência passou longe de ser legal, um clichê com casais, cantoria, danças e coroa de princesa. Meu ensino médio foi o inferno debaixo da terra e o que aconteceu quando eu tinha 13 anos e meio influenciou sobremaneira minha percepção sobre a vida porque o ódio alheio me fez acreditar que tudo que eu era não valia nada e eu, desorientada, acreditei nisso... E meu eu do presente faz inserções porque o ano passado uma pessoa tentou destruir o que ainda restava de mim ao criticar minha arte e então eu me dei conta de que não posso seguir em frente sem fechar as feridas que abriram quando eu tinha só 13 anos.


Sachliteratur Alles öffentlich.

#carta #bullying #depressão #adolescência #autobiográfico #carta-aberta #dismorfia
Kurzgeschichte
0
2.9k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Coragem, querida!

Querida,

Não é fácil viver essa transição porque ela não apresenta um manual de instruções para saber como agir, se sentir e sobreviver ao cruzar dessa ponte tão cheia de atrativos e perigos. Se fosse, não haveria um período para se caminhar e outro para partir, os atalhos seriam largamente utilizados e até a que ponto estaríamos prontas para o que vem depois, impossível mensurar.

Agora o seu coraçãozinho está preenchido de dores, complexos e feridas. Você costuma se sentir inadequada e sofre porque não é igual às outras, por mais que se machuque ao tentar.

Não há ninguém que te diga a verdade: PROBLEMÁTICA É ESSA SOCIEDADE DOENTE QUE NÃO ACEITA O QUE É DIFERENTE, NÃO VOCÊ.

Há várias garotas lindas e magras na televisão, fazendo novela, sendo adoradas por todos e você gostaria de ser como elas. Nas revistas estão os protótipos de perfeição adolescente, o peso perfeito, as formas aceitas, nos programas vespertinos de fofoca, veneno: ver aquela apresentadora sensacionalista comentar os namoros das atrizes jovens e o único atributo estimado ser a beleza exterior dentro dos padrões.

Ninguém te diz que você já é linda do jeito que é e não precisa ser mais um rostinho bonito ou um corpo exageradamente magro. Sentir-se bela é quase impossível diante das circunstâncias, uma afronta ao mundo.

Era muito melhor sofrer na expectativa de comprar aquela Barbie linda, não?

Porque era tão bom tocar na caixa, abri-la, sentir aquele cheirinho bom de boneca nova e admirar cada pedacinho dela, escolher um nome e apresentá-la às outras. Ver aquele cenário cheio de bonecos se divertindo e não querer ser as bonecas, mas imaginar histórias divertidas e frustração ser apenas o fato de o trailer da Barbie ser tão caro, contudo na ausência dele, a caixa de papelão serve de transporte também.

Sem mais nem menos, tudo muda.

Por mais que você ame suas bonecas, já não dispõe daquele pique de brincar por horas a fio e a imaginação nunca te deixar parar e elas ficam guardadas na caixa debaixo da cama. Agora você quer ter CDS das bandas que gosta, cosméticos, canetas coloridas.

Que saudades daqueles tempos em que o The Weather Channel estava no ar e você se sentava no tapete da sala porque embora os adultos não entendessem a motivação de ver previsão do tempo o dia inteiro, mal sabem eles que pelo menos a moleca estava bem representada porque todas aquelas meteorologistas eram reconhecidas pelo intelecto e não por mostrarem a bunda ou namorarem jogador de futebol ou terem formas cadavéricas.

Quem diria que dois anos depois a mesma moleca estaria assistindo novelas das quais nem gostava só para tentar ser normal e se envenenaria tanto com aquele programa de fofocas que a fazia acreditar que só a beleza física importava?

Você não tinha onde se esconder. Tal como uma esponja, absorveu aquelas normas de bom comportamento como se elas estivessem no manual da garota padrão.

Você tenta como nunca ser ela e é por isso que quando fica sozinha e se olha no espelho, chora por ter olhos castanhos porque eles são escuros demais, as meninas lindas da televisão têm cabelos e olhos bem clarinhos, são esguias, queridas, amadas, idolatradas e já vivem grandes amores.

Ninguém nem parece notar que você existe.

O amor vai te encontrar, apenas tenha paciência porque Deus está escrevendo sua história e ela é bem melhor do que as das telenovelas.

Você vai ganhar seu beijo de amor.

Um dia você haverá de ser muito amada por alguém que agradece a Deus pelo simples fato de seu coração bater. Agora isso soa utópico porque todo mundo tem o seu par e você segue ímpar, no entanto, quando você menos esperar, a poesia viva haverá de reacender todas as lamparinas coloridas que apagaram em você. E você vai brilhar como as estrelas.

Você será a própria poesia.

Os meninos da sua sala não sabem o que dizem. Se o padrão deles é tão inflexível assim e eles se divertem torturando você, não permita que o julgamento deles meça o seu verdadeiro valor como pessoa porque feia é a alma deles e cada um só reflete no interior aquilo que cultiva no interior.

Não se puna por não ser extrovertida, nem por se sentir triste de vez em quando. Não se importe se eles gostam daquelas garotas que se garantem com a casca dentro dos padrões. Eles não sabem o que fazem.

Escrever não te faz uma pessoa esquisita. Isso significa que você possui um mecanismo para tornar esse percurso menos entediante. Não importa o que disserem: ler não é suicídio social, demonstrar interesse pelo que os professores dizem não te torna uma pessoa chata, sabe por quê?

Porque os professores admiram pessoas como você. Quando você esclarece dúvidas e demonstra interesse no saber, faz com que eles se motivem a continuar trabalhando porque existem pessoas como você. Isso gera ódio em quem só pensa em caras sem camisa, dançar axé e ler aquela revista adolescente que não ensina nada de útil e só serve para destruir a autoestima das meninas.

Aquela menina não era referencial de nada, apenas mais uma que estava na aula de corpo presente, que não tinha respeito pelos professores e nem pelas pessoas que queriam aprender. Você cruzou com tantas idiotas antes, suportou insultos bem piores porque seu primário também foi solitário, todavia aquele comentário terminou de partir o seu coraçãozinho.

Lamento que você tenha ouvido expressões tão jocosas que te fizeram guardar as dúvidas e curiosidades para si e acreditado que meninas como ela são o exemplo a se seguir.

Gostaria de te dizer que você não é obrigada a beijar meninos e nem precisa forçar nada se ninguém te atrai porque sei que as cobranças eram bastante incisivas e aquela novela passando abalaram bastante sua percepção porque você não tinha um referencial forte para te guiar, o mundo estava te enchendo com cobranças mil e ninguém dava à mínima para os seus sentimentos.

Você não tem que provar nada a ninguém!

Você nunca precisou provar nada a ninguém!

Se você gosta de programa esportivo e futebol, tudo bem, você não é obrigada a assistir Malhação e nem novela alguma "só porque os outros assistem". Você não é obrigada a usar cabelo comprido, não tem nada de errado na cor natural dele, nem nos seus olhos castanhos, nem com o seu formato de corpo, nem por passar o dia dos namorados sozinha.

É doloroso ser aquele membro avulso no grupo, saber que as outras meninas têm segredinhos entre si e não te incluem nos programas delas, não ser a melhor amiga de ninguém, tampouco dispôr de liberdade para ser você mesma.

Você sente uma saudade profunda de algo que não sabe explicar e não é de novela alguma, nem do ano em si. Você sente falta de quem costumava ser.

As lágrimas de solidão caem. Você ainda sonha que as coisas serão diferentes lá no futuro, que você vai desabrochar e se tornar linda, ser bem-sucedida na sua profissão, realizar todos os seus sonhos, que esse recorte infeliz e torto será apenas uma recordação distante.

Você quer receber flores, não apenas ver as gostosas da turma sendo tratadas como princesas, sendo amadas, cortejadas, desejadas, tendo namorados e (além dele) pretendentes, ouvindo blá-blá-blá irritante de quem só sabe falar de homem e acredita que ser virgem depois dos 16 é sinônimo de homossexualidade e incompetência.

É difícil se sentir uma princesa quando as pessoas te olham com o canto do olho e te julgam esquisita, mas nunca dizem o porquê e você se culpa por ser introvertida, por não ser mais parecida com as outras, você odeia tanto ser você que não consegue enxergar nada de positivo que há dentro do seu coração e essa situação é perigosa porque no mundo existe gente má que pode se aproveitar da sua insegurança e fragilidade para tripudiar disso e te sufocar numa relação tóxica. Tome cuidado!

Não precisa ser assim!

Programas vespertinos de fofoca são inúteis e não agregam nada moral e intelectualmente falando, nem toda mulher é obrigada a ver novela e Malhação mostra irrealidades sobre a adolescência, está muito longe de representar todos os anseios das jovens que estão do outro lado da tela, a menos que elas só queiram idolatrar os galãs de olhos azuis e barriga de tanquinho.

Dane-se quem diz que suas novelas não vão dar em nada, elas vêem que apesar da dor, você tem luz própria e querem apagá-la. Ignore quem precisa te machucar para se sentir melhor, seja quem for. Não confronte, não se desgaste, apenas deixe estar, frutos podres caem sozinhos.

Você pode vir a ser uma grande escritora, mas terá de ser forte para encarar o mundo porque ele não vai ser uma caminhada reta e sem curvas, buracos na estrada, obstáculos, nem sempre haverá sol, entretanto, sua arte pode iluminar até os dias mais escuros do inverno e se você calar sua voz, se você se entregar ao ódio alheio, às críticas maldosas de quem quer destruir seus sonhos, você vai ser a garota padrão.

Em miúdos, sabe o que significa ser a garota padrão?

É ser só mais uma no mundo, tirar notas medianas, fazer o que todo mundo faz, só seguir o fluxo, sem questionar nada, sem desejo de deixar um legado que torne o mundo melhor para quem está por vir, apenas trilhar os caminhos pelos quais alguém já esteve, é ser uma produção em série. Não tem graça!

Não importa quantos quilos você perca, quem não gosta de você vai continuar não gostando, você pode tingir os cabelos até de azul e ainda assim será você — nunca o suficiente para quem te rejeita, colocar lentes claras nos olhos, vestir tudo que está na moda, usar as gírias, seguir a galera, estar a par das modinhas. Não adianta nada porque bem lá no seu interior, o seu verdadeiro eu gritará para ser ouvido.

Eu não podia te salvar porque era a garota que aos 13 chorava em frente ao espelhinho de mão por não ter olhos azuis, se achava gorda mesmo pesando 45 kg, odiava a cor do cabelo, já pensava em suicídio e passou a adolescência inteira sendo chamada de esquisita, estranha, feia, sendo rejeitada por pessoas frívolas e fisiológicas que me impuseram padrões impossíveis de alcançar, que nunca me ofereceram nada além de migalhas, nada de amizades nem de amores.

Eu sou o seu eu do futuro, aquele eu que você imaginava vivendo tudo aquilo que sonhava.

Gostaria de te pedir desculpas porque eu ainda não te proporcionei nada disso, pois essas feridas que parecem tão inocentes abalaram bastante os alicerces de uma personalidade em construção e, em razão disso, tentando ser a maldita garota padrão, qualquer outra pessoa que não carregasse todas essas dores, perdi o eixo.

Você merecia a vida que sonhava, o seu final feliz. Eu mereço. Nós merecemos.

A vida não é e nunca foi simples e fácil. O mundo é cruel. Comentários maldosos sobre a minha arte me paralisaram por mais de um ano e sem a minha escrita, sem me sentir capaz disso, me tornei uma versão mais velha da menina de 13. Desistir fortaleceu quem queria isso mesmo, que eu parasse, quem se incomoda com a minha voz, com a determinação que tenho quando desejo muito atingir um objetivo.

Quando damos atenção a quem nos odeia, aos achismos delas e nos esquecemos dos valores que nos regem, a caminhada se torna mais lenta, árdua e desanimadora, porém se resistimos aos ataques e elaboramos novas estratégias, somos vencedoras, por mais que não cheguemos exatamente ao topo.

Sei que você está adormecida dentro de mim, ainda com medo do mundo, de tudo, confusa sobre esse tal de crescer porque em alguns trechos é preciso ter muita coragem para cruzar a ponte e chegar do outro lado.

Se eu pudesse te contar direto do futuro que sinto orgulho de você por resistir, ainda que não tenha sido uma escolha consciente e sim a única e imutável alternativa porque tudo o que as pessoas fazem com você tem nome: bullying.

Não, não é você que leva tudo muito a sério e não sabe aguentar brincadeiras porque a partir do momento em que palavras e atitudes ferem a sua dignidade, deixa de ser divertido.

Não, você não é fraca por sentir angústia no domingo à noite ou ter vontade de fugir do colégio quando se aproxima do portão. É sua alma clamando por socorro.

Para os desentendidos é mais cômodo te acusar de ser problemática e ignorar a gravidade da situação porque em vez de comentarem que você engordou, poderiam perguntar o que houve com aquela menina risonha e brincalhona.

Ninguém te disse, mas ainda vale para você, para mim e para quem mais precisar: VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA!

Mundo afora há muitas meninas passando pelo mesmo e antes de você, outras enfrentaram o mesmo inferno e infelizmente depois de você vai acontecer com outras, parece que não vai parar nunca. Cada uma com a sua dor, com o seu complexo, com a sua ferida.

Acredite, muitos artistas vão contar que a vida deles na escola era um inferno, você descobriria que nunca esteve sozinha. A Lady Gaga foi jogada dentro de uma lata de lixo, estuprada, ouviu de um ex-companheiro que nunca seria famosa e olha só, ela ganhou um Oscar. A Hayley Williams também era perseguida por suspeitas em relação a sexualidade dela, acredita que até a Megan Fox sofria bullying?

A lista é grande: Amy Lee, Demi Lovato... eu poderia passar a noite listando figuras importantes para a sociedade que sofreram bullying na infância e adolescência e hoje estão aí como exemplo de superação.

Nós não superamos as mágoas e elas são águas paradas que nos impedem de vislumbrar o outro lado do arco-íris.

Dê-me a sua mão. Quero olhar fundo nos seus olhos e dizer o quanto eles são lindos, são lindos até mesmo quando você chora, que se você quiser experimentar cores diferentes de cabelo não há problema algum, com a condição que você esteja se aventurando para se sentir bem e não para caber nas expectativas de alguém. Curto ou longo, é escolha sua!

Quero te contar que existem saudosos do The Weather Channel como você e muitos deles se formaram em meteorologia como você sonhava porque você sabia tanto sobre o assunto, até decifrar os tipos de nuvens e esse saber todo desapareceu como se tivesse sido enterrado numa profundidade inalcançável, mas há pouco material no YouTube para matar a saudade, que pelo menos muita gente admitiu fazer o mesmo que você: passar horas curtindo as previsões do tempo ao som de jazz contemporâneo com uma pegada R&B, você nunca esteve sozinha.

Quero te contar que seus gostos nunca foram anormais, muitas pessoas não sabiam te tratar com humanidade e descontavam as frustrações nelas em cima de você ou queriam apenas se divertir te importunando.

Você é uma princesa. Ué, só porque não está representada em alguma franquia da Disney não quer dizer que não mereça seu final feliz.

Se você me der a mão, posso fazer isso por nós. Por favor, me dê a sua mão. Eu posso seguir adiante e fazer com que essas feridas ainda sejam tatuagens que nos lembrem sempre do tamanho da nossa coragem. Porque para seguir em frente num mundo feroz e impiedoso como este, é preciso coragem.


Um beijo.

26. Februar 2020 16:23:41 0 Bericht Einbetten Follow einer Story
1
Das Ende

Über den Autor

Mary Curitibana, futura jornalista, escritora em constante progresso, escorpiana com ascendente e lua em peixes. Apaixonada por todas as singelezas da natureza, onde se encontra o olhar compassivo de Deus. Em matéria de livros, filmes e músicas, minha lista tende a crescer, mas sempre há aqueles que têm um espacinho especial no meu coração. Prazer, eu sou a Mary.

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~