navled Delvan Sales

Construção fala sobre o processo de aprendizado pelo qual precisamos passar quando estamos numa fase da vida em que não conseguimos entender exatamente o que a vida quer de nós. Trata também de como as nossas relações com outras pessoas podem nos ajudar a conseguir a clareza necessária pra dar um passo adiante. Por fim fala de simbolismos. De como nós tentamos codificar as coisas que não entendemos para tentar buscar um caminho racional pra sair de alguma situação difícil. Essa história está me ajudando a lidar com uma situação dessas. Espero que te ajude também! :)


Kurzgeschichten Alles öffentlich.

#vida-conto-aprendizado
Kurzgeschichte
1
6.2k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Construção

Ana Luísa estava sentada num banquinho de madeira debaixo de uma laranjeira num lote desocupado ao lado da casa de Marcus. Os dois costumavam passar horas a fio conversando sobre a vida e sobre o que ser na vida. Foram tantas conversas a respeito dessas coisas que resolveram apelidar aquele banquinho de “banco da vida”. Ana reparou que nesse dia havia mais pássaros que o habitual na árvore. Tentando entender o comportamento deles por um tempo, reparou como pulavam de um galho pro outro, voavam pras árvores próximas e logo retornavam para a mesma laranjeira, acima de onde ela estava.


Ao chegar no banco da vida, Marcus reparou que Ana estava muito concentrada nos pássaros. Não quis interromper, então apenas sentou-se ao lado dela em silêncio, que logo desviou sua atenção para ele e disse - Será que há alguma racionalidade na forma como eles agem? - logo em seguida desviou seu olhar novamente para os pássaros.


Marcus refletiu por uns segundos olhando para as pequeninas avezinhas, então respondeu - Não sei, mas não acho que façam tudo aleatoriamente, elas vivem bem diferente de nós, acho que nunca poderemos entendê-las bem, é como se elas existissem em uma frequência diferente da gente, mas parece que funciona.


Enquanto os dois jovens contemplavam, um dos pássaros na árvore olhou para eles por um instante, depois passou a interagir com o restante dos pássaros, na frequência dos pássaros, que só os pássaros entendem.


Marcus voltou sua atenção pra Ana e então lhe disse - Sabe, enquanto caminhava pra cá, estava pensando em algo que me deixou meio assustado. Eu me sinto preso nessa parte da minha vida, me sinto estagnado. Esperando que algo aconteça para que então eu faça alguma coisa e aí a vida flua. Mas esse algo nunca acontece. Eu espero datas importantes e após as datas passarem nada muda. Espero que a próxima segunda mude alguma coisa, mas não muda, e eu não consigo me mudar, nem mudar nada... É... como se estivesse assistindo a um seriado da minha própria vida, esperando por um final feliz, mas não sei o que fazer para ter um final feliz, e de qualquer forma me sinto muito distante de qualquer final. Ou mudança.


Ana refletiu sobre isso por um bom tempo, então sorriu para Marcus, que ficou confuso e desconcertado. Olhou pro horizonte e respondeu - Eu acho que assim você já está vivendo. Claro que todos estamos vivendo, mas cada um do seu jeito, sabe? Nós temos experiências de vida diferentes, que mudam a nossa percepção sobre as coisas, mesmo sobre coisas iguais como palavras, por exemplo. A mesma palavra pode ter um peso e uma conotação diferente para nós, a depender como foram nossas experiências em relação àquela palavra. Uma vez eu li que a vida vem em ondas. Eu gosto de pensar nela como ciclos. Assim que saímos de um ciclo pulamos diretamente para outro. E assim por diante. E todos esses ciclos estão dentro de um ciclo bem grandão, que é o ciclo da vida. E assim que saímos desse grande ciclo, no fim da vida, entramos em outro ciclo ainda maior, de renascimentos, como vários “pequenos” ciclos de vida dentro dele. No budismo isso é chamado de samsara. No espiritismo, de encarnação. Não sei qual o sentido disso, mas sinto que não é em vão. Acho que você precisa entender o ciclo que está. Você pode estar deixando algo passar despercebido, deixando de tirar a lição disso, por isso não sai desse ciclo. Tente pensar assim e veja se funciona pra você.


Marcus refletia sobre o que acabara de ouvir quando um dos pássaros voou de um dos galhos da laranjeira e pousou no banco entre os dois, dando vários pulinhos pra lá e pra cá. pegou um gravetinho bem pequeno que estava em cima do banco e depois voltou para o mesmo galho em que estava.


- Acho que você tem razão. Talvez eu deva tirar alguma lição disso, mas continuo sem saber qual. Respondeu Marcus, cabisbaixo.


- Acho que nada tem a mesma frequência - disse Ana, pensativa. - Acho que os pássaros não têm a mesma frequência que a gente, como também não têm a mesma frequência entre eles próprios, nem nós dois temos a mesma frequência, nem ninguém. Vai ver é por isso que existe tanta confusão nessa vida…


Marcus entendeu o que Ana quis dizer e se interessou por essa linha de raciocínio, então adicionou - Sendo assim, somos infinitas frequências dentro de infinitos ciclos tentando nos entender, entender as coisas… Não há como não haver confusão, nem desentendimento, não há como entender todas as coisas que nos cercam, afinal somos apenas pessoas no meio disso tudo, não entendemos a frequência nem os ciclos dos outros. Acho que na maior parte do tempo não entendemos nem os nossos próprios...


- É bem por aí, - continuou Ana - Então, por isso mesmo, acho que você não deve se cobrar tanto assim. Não é possível entendermos completamente os ciclos em que estamos, nem as frequências. Acho que devemos buscar o máximo possível sermos bondosos e empáticos com os outros, pois podem estar tendo muitas dificuldades com seu atual ciclo, ou com sua frequência. Principalmente, acho que devemos ser bondosos e empáticos com nós mesmos, pois gostando ou não, estamos no meio disso tudo e só nós somos responsáveis por passar do atual ciclo em que estamos para o próximo. Nenhuma data específica, dia da semana, ou outra pessoa farão isso por nós. Mas lembre-se que nós que escolhemos a forma com que faremos isso. Você não precisa esperar que as coisas mudem com medo e ansiedade... Você pode escolher o caminho de assumir a responsabilidade por mudar a sua realidade com toda empatia e bondade que você puder ter consigo mesmo. Você constrói a sua mudança e constrói as bases dela. Recomendo que faça isso com muita bondade e entendimento consigo mesmo, pois é uma alternativa super válida ao caminho da ansiedade e medo. Tenta não esquecer disso, ok? - Concluiu Ana com um sorriso.


Marcus sorriu também. Sentiu uma leveza no coração que há tempos não sentia. Reparou que um dos pássaros construía uma casinha de barro, e que sempre que voava, voltava com seu bico cheio de matéria prima e continuava sua construção.

10. Januar 2020 04:56:51 3 Bericht Einbetten Follow einer Story
2
Das Ende

Über den Autor

Delvan Sales Um dia eu escrevi uma bio bem legal aqui, mas o site apagou do nada (True Story), então finja que esta é uma bio bem legal. E aproveite as histórias! :)

Kommentiere etwas

Post!
Nideck Pitzer Nideck Pitzer
Ia te parabenizar mas acabou que nem sobrou espaço no comentário djdjd História mais do que fantástica, inigualáveis, doce e cheia de aprendizados. É tão agradável ler uma história dessas, de verdade. Está de parabéns tanto pela sua escrita quanto seu conteúdo fantástico que trouxe para este site
January 26, 2020, 02:49

  • Delvan Sales Delvan Sales
    Aaaah, obrigado! Seus comentários e avaliação me deixaram muito feliz! Eu tenho uma enorme afeição por essa história porque ela vem me ajudando em um desses momentos conturbados da vida. Eu sempre tento me lembrar que as coisas acontecem ciclicamente e que só "a construção" nos levará para o prox ciclo. E fico muito contente tbm por essa história te feito bem a você como fez pra mim. Tanto a tranquilidade da Ana, quanto a inquietação do Marcus são "forças" que estão dentro de todos nós, né. Tem momentos que pendemos mais pra um aspecto e momentos que estamos mais próximos do outro. Eu acredito que o ideial é equilibrar esses sentimentos, e tentei passar isso na história. Daí os pássaros, que realmente são criaturas incríveis. Vão e vêm, são livres e selvagens, passam por nós ou ficam com a gente e não podemos controlar além da superfícialidade, assim como sentimentos. Nos cabe aceitar as coisas como elas são, como Marcus fez no final, e quem sabe sentir a paz que ele sentiu... January 26, 2020, 17:14
Nideck Pitzer Nideck Pitzer
Vamos começar pelo fato que a história já me ganhou na sinopse quando vi escrito "simbolismo". A história me fez perceber também que preciso de um banco da vida, urgentemente. Você escolheu falar de simbolismo e envolveu pássaros. Uma mistura perfeita! Em minha opinião os pássaros são criaturas extremamente repletas de vários significados. São seres que cantam, que voam, são livres e belos, usam de sua beleza da forma mais pura e singela Adorei o problema apresentado por Marcus, pois várias vezes me peguei refletindo sobre o mesmo assunto, e o quanto eu colocava espectativas em datas que me frustravam ao ver que nada mudava após elas. Sobre os ciclos: concordo profundamente. A vida é um ciclo, uma evolução, uma transformação, e todos estes passos dados na vida são sem dúvidas muito importante. A confusão relatada por Marcus também denomino importante, pois o que é a vida se não uma grande descoberta? Se não uma grande fonte de perguntas?
January 26, 2020, 02:48
~