alliora Melissa Leal

Ambos desencadeariam algo que não poderá ser contido ao permanecerem juntos. Ambos marcados pela dor, por essa Doce Dor. Esta história não esta completa, ela apenas ficará em hiatus por um curto período. (NÃO REVISADA, SUJEITA A MELHORIAS) . . . *PLÁGIO É CRIME* Conforme o Art.184º do Código Penal Está história é original de minha autoria! Se encontrar algo parecido por favor denuncie!


Romantik Junge Erwachsene Romantik Alles öffentlich.

#Alliora #Estigma #doce #colegial #drama #trauma #adolescente #romance #original
1
3.8k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Prólogo



“Eu tenho escondido isso....”

Stigma



Nas casa dos Andrades uma garota descia às pressas as escadas virando seguindo em direção a uma grande porta.


— Papai, precisamos conversar –– pronunciou-se ao empurrar grandes portas que julgaria ser de um escritório.


— Se for o que eu estou pensando a resposta é não! — respondeu sem tirar os olhos do papel.


— Irei fazer 18 em novembro, o que custa o senhor deixar apenas por esse ano até meu aniversário? — disse não demonstrando desistência.


— Me diz onde está a graça de estudar em uma escola pública se você tem seus professores particulares? — revidou tirando os óculos para olhá-la.


— Pense nisso como uma experiência para sua grande futura escritora hã, por favor, quando eu completar 18 eu saio da escola, eu vou usar um nome falso também apenas mexa uns pauzinhos sei que o diretor foi seu professor vai.... Não se esqueça que o senhor estudou nela! — insistiu ela.


— Luna, minha filha — massageou as têmporas, seguido de um breve suspiro — Okay você venceu eu vou conversar com Igor sobre a sua matrícula, sinceramente dou o que eu sempre quis a você e o que você faz? Quer ir para uma escola pública — completou cansado.


— Agradeço muito pelos estudos de qualidade Sr.Oregon — Disse Luna usando o Pseudônimo de seu pai — mas eu preciso dessa experiência, agora se o senhor me der licença vou providenciar meu material, Analu aqui vai para escola — falou Luna dizendo o nome falso que a própria usaria.


Ela podia esperar, aquilo que almejava por dois anos finalmente havia conseguido!

No dia 1 de março, a escola pública Campos de Carvalho iria receber em breve uma nova aluna!


🗝


Inglaterra 10:00 da manhã......

Um aluno estava prestes a terminar de pular o muro da escola falhando em sua tentativa de não conseguir ser pego.


— Ora ora se não é o jovem Martini, fugindo da escola, e matando aula pela vigésima vez esse mês — disse o inspetor ao avistar um jovem em cima do muro.


— Ora ora se não é o Gabriel que coincidência não? — respondeu ironicamente.


O jovem desceu do muro, encontrava-se novamente no terreno escolar.


— Olha como fala comigo Arthur, vá direto para a diretoria! Dessa vez você volta para casa — disse com um sorriso desdém.


Arthur não disse mais nada e entrou dentro da escola, quem olhasse em seu rosto poderia ver um pequeno sorriso, aliás finalmente ele iria embora daquele país! Estava morando a 2 anos lá graças ao seus pais que lhe disseram que seria uma ótima oportunidade de ter um estudo de qualidade e uma nova experiência, só que Arthur nesses dois anos, não se enturmou com ninguém e nem fez amizades, muito menos quis aprender aquele idioma horrível segundo ele, que o fez ter aulas adaptadas especialmente para si.

Ao andar por aqueles corredores rústicos, observando o terreno grande banhados por um gramado verde vívido, o fez pensar pela primeira vez que sua escola parecia verdadeiramente um castelo. Aquela era última vez que andaria por eles.

Chegando na diretoria acompanhado de Gabriel, logo pode avistar um homem velho vestindo um terno horroroso, Arthur após comparecer diversas vezes naquela sala, através suas tentativas de ser o mais rebelde possível, já poderia dizer com total certeza, que detestava o diretor. Ele se encontrava sentado enquanto Gabriel conversava em inglês britânico com o próprio, que o fuzilava com o olhar, o inspetor deveria estar exagerando nos acontecimentos, mas Arthur pouco importava, tal atitude apenas o beneficiaria, ele tinha quebrado todo tipo de regras esse mês, e aquela seria a tão esperada última.


— Espero que esteja feliz Jovem Martini o senhor está oficialmente expulso de nossa escola, não queremos um estrangeiro manchando nossa reputação — disse Gabriel


— Devo lembrar-lhe que também é um inspetor — rebateu


— Não me compare com você — arrumou o terno — Fique tranquilo iremos contatar seu pai brevemente com todas as informações sobre sua expulsão, o senhor poderá voltar para o seu país hoje mesmo se preferir, assim terá a oportunidade de contar a ótima notícia ao seu pai antes que nosso e-mail chegue até ele — falou com um certo veneno em suas palavras


— Agradeço pela sugestão, tenha uma boa tarde senhores eu tenho uma jatinho para pegar — se levantou com um sorriso provocativo no rosto.


Arthur deixou aquela sala triunfante, indo em direção ao seu dormitório deixando para trás dois homens fervendo de raiva.


🗝


Após chegar em seu quarto, largando seus pertences pelo caminho indo em direção a sua confortável cama jogando-se nela, entregando-se a sensação de alívio que estava sentindo naquele momento, pois, finalmente iria embora daquele lugar, e não deixará que seu pai se distancie de novo, aliás eram uma família não eram?


Ele nunca conseguiu entender o porquê desta distância, qual era a necessidade de manter seu segundo filho longe de casa? Qual motivo mandar uma criança de 11 anos para morar com os tios, e depois de uns anos manda-lá para Inglaterra?

Ahhh Arthur se lembrava muito bem, nesses dois acontecimentos seu irmão mais velho nunca, veio a seu socorro.


“se tornar ser o herdeiro da empresa da família deve ter afetado seus neurônios” — pensou


—Mamãe não iria querer que ficássemos desse jeito –– murmurou


Sua mãe, Arthur lembrava vagamente dela, muito menos de sua morte seu pai havia lhe dito que ela morreu devido a uma enfermidade, ele adoraria ter mais lembranças dela.


Mas agora as coisas iriam melhorar, seu pequeno esforço havia dado resultado Arthur voltaria para casa, sua verdadeira casa! E seu pai não iria afastá-lo, não dessa vez, viveriam em família sob o mesmo teto, como sempre deveria ter sido.

31. Oktober 2019 18:31:36 2 Bericht Einbetten 2
Lesen Sie das nächste Kapitel Bem-vindo de volta!

Kommentiere etwas

Post!
MiRz Rz MiRz Rz
Olá, eu sou a MiRz do Sistema de Verificação do Inkspired. O Sistema de Verificação atua para ver se as histórias estão dentro das normas do site e ajudar os leitores a encontrar boas histórias no quesito de gramática e ortografia; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores nesse aspecto. A verificação não é obrigatória para sua história continuar sendo exibida no site, portanto se não se interessar em obtê-la, basta ignorar essa mensagem e não alterar o seu texto. Caso queria que outras histórias suas sejam verificadas, é só contratar o serviço através do “Serviços de Autopublicação”. Sua história está marcada como “em revisão” pelos seguintes apontamentos retirados do seu texto: 1) Falta de vírgula. O prólogo da história está faltando vírgulas para separar orações independentes entre si, como por exemplo, “[...] — Irei fazer 18 em novembro o que custa o senhor deixar [...]” no lugar de “[...] — Irei fazer 18 em novembro, o que custa o senhor deixar [...]”, entre outras passagens iguais. Falta vírgula em “por favor”, que deve vir entre vírgulas e no uso de vocativos, como em “[...] Luna minha filha [...]” ao invés de “[...] Luna, minha filha [...]” 2) Pontuação ao final das frases. Em vários parágrafos, eles acabam sem uma pontuação, além de frases interrogativas sem o uso do ponto de interrogação, como em “[...] o que custa o senhor deixar apenas por esse ano até o meu aniversário [...]” ao invés de “[...] o que custa o senhor deixar apenas por esse ano até o meu aniversário? [...]”. 3) Letras minúsculas após pontuação. Em “[...] o que você faz? quer ir pra escola pública [...]” no lugar de “[...] o que você faz? Quer ir pra escola pública [...]”. 4) Artigo “a” no lugar da conjugação do verbo “haver”, “há” para indicar tempo passado, como em “[...] que estava morando a 2 anos [...]” ao invés de “[...] que estava morando há 2 anos [...]” 5) Concordância. Na passagem “sua súplicas”, está em discordância, sendo a forma correta “suas súplicas”. Eu citei apenas alguns exemplos presentes no texto, pode ter alguns outros que não foram abordados, por isso recomendo uma revisão mais minuciosa da história caso decida optar por revê-la. Você pode contratar os serviços de um Beta Reader em Serviços de Autopublicação aqui do Inkspired para analisar os erros mais profundos ou se quiser, pode conferir algumas dicas no livro “Esquadrão da Revisão”. Caso você estiver interessada em uma nova verificação, após corrigir os erros em todos os capítulos, basta comentar aqui, que eu farei uma nova releitura. Tenha uma boa semana! :)
November 04, 2019, 18:54

  • Melissa Leal Melissa Leal
    Olá, dei melhorada no capitulo: Prologo poderia novamente fazer uma nova releitura April 20, 2020, 15:49
~

Hast Du Spaß beim Lesen?

Hey! Es gibt noch 2 Übrige Kapitel dieser Story.
Um weiterzulesen, registriere dich bitte oder logge dich ein. Gratis!

Mehr Stories

Savanah Savanah
Summer Bygones Summer Bygones