Scraps Follow einer Story

lollipopmars Lollys Mars

Tem algum idiota deixando recados na minha mesa. E claro, eu vou tirar proveito disso.


Fan-Fiction Bands/Sänger Nur für über 18-Jährige.

#gay #fanfic #fic #crack #crackfic #recados #sehun #luhan #exo
0
3.6k ABRUFE
Im Fortschritt - Neues Kapitel Alle 30 Tage
Lesezeit
AA Teilen

O dia em que recebi o primeiro recado

Já são 08:40h. Essa merda desse trânsito não anda. Eu tô super atrasado. O idiota do Sehun não para de me ligar. Parece que se eu morrer, eles vão tudo junto, sabem fazer nada, nessa merda!

Abri o GPS do celular e olhei onde estava. Quase à um quilometro da editora.
Paguei o taxista e desci do carro, saindo no meio da estrada. Se eu sou louco? Talvez, mas o trânsito não estava andando de qualquer forma.

Se o Wu descobri que cheguei tarde no escritório, provavelmente vai querer a minha cabeça.
As ruas estavam cheias, principalmente de turistas, até porquê, ninguém aqui é vagabundo pra nove horas da manhã tá batendo perna por ai.

Saí disparado pela calçada, andando, claro, não sou nenhum cavalo desgovernado, porém, o mais rápido possível, sem parecer um louco.

A editora estava logo ali. Tão perto. Na animação, pisei em falso e enfiei a cara no chão. Um mendigo que eu nunca vi na vida, veio me ajudar a levantar, foi o único que se pareceu notar que eu havia me espatifado no meio da merda calçada. Essa merda de dia só melhora.

Agradeci ao velhinho que me ajudou e voltei a caminhar, até chegar finalmente nessa porra de escritório.
O porteiro abriu a porta principal pra mim. O elevador ainda está quebrado. Vou ter que subir TRÊS LANCES DE ESCADA!
Eu mereço? Não! Eu sou uma pessoa tão boa, tão esforçada, faço tanta coisa boa? Será que acordei com o pé esquerdo? Joguei pedra na cruz? Me digam. Você gosta tanto de tomar parte da vida alheia, tanto que está aqui, comigo, tomando parte da minha vida, que está bem ruinzinha nesse momento, me diga: EU MEREÇO TER UM DIA DE MERDA COMO ESSE?

Não responda.
Eu não ligo para a sua opinião.
Meu dia já está ruim o suficiente, não preciso de tu jogando as verdura na minha cara.

Subi as escadas, porque eu não sei voar, ainda, espere até minhas asas de unicórnio crescerem. Vou até esquecer como é que se anda, não que eu vá precisar andar, já que eu vou ter ASAS DE UNICÓRNIO.
Bitch, fuck off!

Cheguei no topo do segundo andar. Minhas pernas já nem existem mais, acho que nunca andei tanto em toda a minha vida. Devo ter perdido pelo menos, todos os meus quilos.

Parei em frente a porta do escritório, todo mundo bonitinho, cada um em seu computador, cuidando da própria vida, diferente de você, que está me vigiando de perto, não que eu esteja reclamando, claro.

A porta estava aberta, ninguém notou minha chegada. Ótimo, porque estou só o bagaço.
Passo rapidamente, indo até meu escritório e fechando a porta o mais rápido possível. Não quero que ninguém me veja parecendo um lixo.

Como eu sou o editor-chefe dessa porra, tenho um banheiro privado no meu escritório, não preciso ficar dividindo nada com o restante dos energúmenos que trabalham aqui. Embora eles sejam tão legais comigo, talvez só sejam legais comigo porque eu tenho o poder de demitir eles, e quando eu não estou por perto, eles me xingam e planejam uma morte lenta e dolorosa para mim.
Não que eu seja do tipo que acredita em teorias da conspiração, e também não irei de julgar se você for desse tipo, só irei te achar louca, pirada, não que eu vá me importar, pode continuar aqui, tranquilo. Sou super mente aberta. Mas, tenho quase certeza de que meus subordinados pensam isso de mim, até porque, é o que subordinados fazem, certo?

Enfim, entrei no banheiro parecendo um furação, tranquei a porta e parei na frente do espelho.
Puta merda! Eu tô parecendo um mendigo. Tem suor escorrendo pelo meu rosto, pescoço, axilas e em todo lugar, inclusive aqueles que não precisamos citar. Meus braços estão meio sujos, minha camisa branca tá parecendo um trapo, ainda bem que eu sempre carrego uma blusa extra na bolsa, nunca se sabe quando você pode levar uma esporrada na cara e ficar com a camisa suja de porra.
Não que eu faça isso com frequência, é claro, sou um anjo do Senhor.

Tirei a camisa e me lavei na pia da melhor maneira possível, usei várias folhas de papel toalha pra me secar, troquei a camisa, passei um pouco de perfume, arrumei meu cabelo, com os dedos mesmo, meu cabelo é maravilhoso de qualquer jeito.

Olhei para o meu próprio reflexo no espelho. CaRaLhO eu sou muito LINDO! Se eu pudesse eu foderia a mim mesmo, porque, olha, tô de parabéns.

Destranquei a porta e sai do banheiro, larguei minha bolsa na mesa, e então, notei um pequeno buquê de flores.
Eu não faço a menor caralha de ideia de que flores são essas, mas são até bonitinhas, embora quem quer que tenha me dado, poderia ter me dado um presente melhor. Um BigMc por exemplo.

Peguei um buquê e notei que havia um pequeno bilhete escrito nele.
Esse bilhete.

Eu não sei de quem é essa letra. Não conheço a letra de ninguém.
Mas, para ter acesso ao meu escritório, provavelmente é alguém que trabalha aqui.

Espero que não seja aquela moça da recepção. Ela sempre fica babando em mim quando eu passo, só falta me lamber igual um cachorro, e infelizmente, eu não sei como dizer a ela que gosto de rola, sem parecer rude. Então só me faço de demente. Finjo que não tô vendo nada e sigo o baile.

Alguém bateu na porta, e então a abriu. Era Sehun.

— Bom dia. — Cumprimentou.

— O que há de bom nesse dia?

— Desculpe, senhor. — Ele entrou no escritório, fechando a porta atrás de si.

— O que você quer? — Falei revirando os olhos e jogando as flores no balde de lixo ao lado da minha mesa.

— O sr. Wu está ligando desde cedo. Quer saber como andam as coisas.

— Se eu morrer vocês morrem junto né? Parecem um bando de estagiários que não sabem fazer nada sozinhos! — Falei suspirando.

— Desculpe, senhor. — Por que ele tá sempre se desculpando? Parece um retardado.

— Ligue para o Wu, diga que ainda estou revisando os últimos livros, e que ainda hoje lhe darei uma resposta.

Ele assentiu e saiu do meu escritório.

O resto da manhã não houve nada de interessante. Terminei de revisar a merda do livro, liguei pro Wu, que finalmente aquietou o cú, aparentemente, esse livro é de algum amigo dele, ou algo assim, então, tá bem na cara, que eu vou ter que publicar esse monte de lixo.
Parece que é de uma garota qualquer, que escrevia fanfics na internet. Uma tal delollipopmars, ou algo assim. Puro lixo, mas, como é amiga do único cara acima de mim, tenho que dar a autorização.
Vai ser pura perda de tempo. Escreva o que eu tô dizendo.

Sai do escritório no horário de almoço, e fui encontrar John, meu amante da vez.
Ele é bonito, mas é burro. Fazer o que, não se poder ter tudo.
Acho que vou dispensa-lo, em breve. Agora, eu vou foder com ele.

Pularemos essa narrativa, acredito que não queira saber das minhas aventuras com o John.

Quando voltei ao escritório, uma hora e meia depois, havia, ao lado do bilhete das flores que eu resolvi manter, um novo.
Definitivamente é alguém do escritório.

Então esse"admirador secreto"de merda, pretende me dar mais presentes?
Acho, que se está assim, sendo tão gentil, eu poderia deixar um recadinho na minha mesa, no final do dia, com um pedido, e talvez, se eu estiver certo, ele irá responder com outro bilhete e o que eu pedi.

E, antes que você diga, eu não estou me aproveitando da boa vontade do admirador. Eu estou ajudando ele a me admirar melhor.

O resto do expediente foi tão entediante quanto o início. Pelo menos eu não cai de cara no chão de novo.
Antes de sair, peguei um pedaço de papel e escrevi um recado, e, se imagino que vá acontecer o que eu acho que vai acontecer, eu vou ter um escravinho!
Desculpe, um admirador secreto que faz as minhas vontades. Embora, eu preferisse que ele desse as caras, seria bem mais fácil.

Deixei o papel em cima da minha mesa, com uma ponta embaixo do teclado do computador para que ele não saísse voando.


Espero que ele ou ela entenda a mensagem.

Sempre quis ser recebido no escritório com um copo de latte na minha mesa me esperando, bem ícone.
Mas, meus subordinados não são pagos pra isso. Se eu quiser um latte, eu mesmo tenho que ir comprar.


Essa é a minha chance de me tornar quem eu sempre admirei: Miranda Priestly.

20. Februar 2019 00:09:02 0 Bericht Einbetten 1
Lesen Sie das nächste Kapitel O dia em que fiz o Sehun sorrir. Duas vezes.

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~

Hast Du Spaß beim Lesen?

Hey! Es gibt noch 1 Übrige Kapitel dieser Story.
Um weiterzulesen, registriere dich bitte oder logge dich ein. Gratis!