Vazio Follow einer Story

morangochan Saah AG

Tudo que nasce está fadado à morte. E quando esta chega, não resta nada além do vazio.


Lebensgeschichten Alles öffentlich.

#agnst #solidão #morte #original #one
Kurzgeschichte
5
4.4k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

A morte da vizinha

Lembrar dos meus tempos de interior é recordar das amizades cultivadas na rua onde morei. Toda a turma tinha a mesma faixa etária, alguns com dois ou três anos a mais; nada que atrapalhasse as meninices em bando no meio do sol ou chuva. Todos com o mesmo brilho no olhar e a despreocupação flutuando sobre os ombros. Corremos, brincamos e cantamos músicas internacionais mesmo sem termos ideia da letra.

Apenas crianças. Até mesmo os mais velhos entre nós.

Para a gente, assim como para todos, os anos passaram e as traquinagens se tornaram fofocas noturnas ao pé da calçada. A insegurança da adolescência abatia  uns, a pressão que exercia o ensino médio abatia outros, alguns até mesmo se meteram com amores não correspondidos. Nada muito incomum para o estilo de vida adolescente contemporâneo.

Daí a vizinha morreu.

Infarto; ela era idosa e avó de Gustavo, o garoto mais velho da nossa turma. Eu não era exatamente próxima a senhora, mas também não éramos desconhecidas. Visitei a casa dela várias vezes quando Guto e eu resolvemos estudar juntos para as provas. Lembro-me das peças de porcelana floridas que decoravam a cozinha, assim como os panos de prato; uns pintados, outros bordados.

— Sai de perto do vaso da vó! – Guto exclamou. – Você é desastrada demais e pode acabar quebrando.

— Isso foi caro? – certa vez perguntei.

— Não. – Guto respondeu sereno enquanto me puxava pelo braço. – É presente de casamento. Nem queira saber o que ela fez quando, sem querer, quebrei uma xícara dessas.

A velha, porém, não era carrancuda como Guto, às vezes, gostava de narrar. Todas as manhãs ela varria a calçada e colocava o lixo para fora, minha avó e ela acenavam uma para outra. Quando a noite caía, minha avó sentava na calçada da avó de Guto e as duas fofocavam – exatamente como fazíamos entre nós, mas sem a presença de cadeiras de balanço. A amizade entre as velhas fortificada pelos anos de convivência.

Todavia, por mais que minha avó fosse amiga da vizinha falecida acabou recusando o convite para ir ao enterro.

— Minha pressão. – ela explicou, mas cochichou baixinho. – E não quero ter que lembrar dela num caixão.

Então a eu de dezesseis anos parou para refletir sobre rotina. A tão enfadonha e mortificante rotina que incontáveis autores insistiram vilanizar e problematizar era a rotina que todas as senhorinhas daquela rua viviam. Varrer a calçada pela manhã e colocar o lixo para fora. Fazer o almoço, lavar a louça, secá-la e estender o pano de prato úmido no varal. Tomar banho, comer e, logo em seguida, tirar um longo cochilo na rede.

Pondo nessas palavras, dias sem novidade alguma podem parecer insuportáveis. Mas, na manhã de segunda-feira, quando saí para ir a escola, flagrei minha avó parada na calçada com a vassoura na mão. Os olhos enrugados miravam a calçada suja da vizinha morta. E se um dia eu entendi o significado da palavra “insuportável” foi no momento em que vi aquela cena de solidão.

Tudo que nasce está fadado à morte. E quando esta chega, não resta nada além do vazio.

8. Dezember 2018 18:55:47 4 Bericht Einbetten 7
Das Ende

Über den Autor

Saah AG Nasci em Fortaleza, sou aquariana e adoro inovar. Entrei em contato com o universo fanfiction aos nove anos e passei a ser leitora e autora desse meio. Adoro tramas bem construídas, reviravoltas são incríveis, mas alguns clichês também chegam a me emocionar.

Kommentiere etwas

Post!
Lu Inoue Lu Inoue
Que conto delicioso, despretenciosamente ele vai tomando a atenção do leitor devido a tantas coisas que são semelhantes com nossa vida, quem nunca teve essas turminhas de bairro? Bom, acho que hoje em dia isso vem reduzindo, mas ainda vejo minhas sobrinhas com suas turminhas, que daqui a uns dias não vão mais brincar, mas sim fofocar kkkkkkkkkkk fico imaginando que não deve demorar para que eu seja uma das velhinhas, mas quando esse dia chegar eu terei a internet pra ler coisas como seu conto, então mesmo perto da morte e vendo meus amigos e familiares morrendo, não vou me sentir tão vazia. Estou gostando muito dos seus contos, parabéns!
3. Januar 2019 11:26:58

  • Saah AG Saah AG
    Sim! Essas turminhas de bairro veem diminuindo. Hoje em dia a rua ta muito perigosa. Quando minhas amigas e eu éramos adolescentes dava pra ficar na calçada conversando até a madrugada que não acontecia nada. Se fosse hoje em dia, a gente seria assaltada umas três vezes, no mínimo. Eu senti um pouco de solidão na minha avó quando essa vizinha da gente morreu. A geração dela não conta muito com internet ou outras formas de entretenimento. É um pessoal mais apegado as relações afetivas e tal. Muito obrigada por ler o conto e por comentar tb <3 Fico muito feliz que você esteja gostando dos meus contos. 19. Januar 2019 15:03:45
Lollys Mars Lollys Mars
Oiê, como você está? Que tem feito de bom nesse início de verão um tanto estranho? Gostei bastante da sua história. A narrativa é bem fluída, e a história, mesmo simples, é encantadora. Parabéns pela história incrível e cativante! Nada a ser falado da ortografia, além de que está perfeita. Parabéns, e mantenha o bom trabalho!
8. Dezember 2018 19:32:04

  • Saah AG Saah AG
    Olá, estou bem! E você, como está? Andei viajando nesses últimos dias. Espero que você aproveite esse final de ano tanto quanto eu espero aproveitar. Muito obrigada por ler e comentar. Estava um tanto quanto insegura a respeito dessa one, pois eu não fiz planejamento algum; simplesmente saiu de mim. Mas ainda bem que agradou <3 11. Dezember 2018 13:35:12
~