Setor Norte Follow einer Story

duplos2 Hystera Keiko

Eis que chegou a grande final do campeonato e Naruto resolve levar seu "cunhado", Neji Hyuuga, para assistir o jogo de uma maneira que ele nunca tinha experimentado antes.


Fan-Fiction Anime/Manga Nicht für Kinder unter 13 Jahren.

#oneshot #torcida #futebol #esporte #tenten-mitsashi #neji-hyuuga #nejiten #naruto
1
4.6k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Único

SETOR: NORTE PORTÃO: A

INTEIRA DATA: 18/10/2018 – 21H45

Neji não conseguia acreditar que realmente tinha aceitado aquilo.
Passando pelo portão lotado e sentindo o cheiro forte de álcool e drogas que exalava da multidão esbarrando nele – sem nunca pedir desculpas, por sinal – o Hyuuga não sabia o que desejava mais: bater em Naruto ou voltar para casa. Afinal era em seu macio e espaçoso sofá, em frente à sua enorme TV de tela plana e comendo algum lanche – na maioria das vezes uma simples pipoca – que ele costumava assistir aos jogos. Menos aqueles muito especiais. Aqueles ele tinha que ver no estádio. E essa noite era um desses casos.

O que ele não fazia por amor ao time, não é mesmo?

Ainda se lembrava das palavras do Uzumaki quando os dois se encontraram para comprar os ingressos. Por que Hinata tinha que estar viajando? Se ela estivesse desocupada com certeza não aceitaria ir na arena em qualquer outro setor que não fosse o de costume deles.

‘Só tem na Norte, cara. Ou vai ou racha!’

Quando ouviu Norte a ideia era rachar mesmo, mas o maldito fogo dentro de seu peito implorando que ele estivesse no meio da torcida para gritar gol e ver seu time ser campeão pareceu fritar tudo, até seus miolos. Aquela partida definitivamente era importante demais para ser vista de casa. Quando deu por si já tinha até pagado o boleto do cartão que incluía o valor das entradas.

‘Você é o cara! Tenho certeza que cê vai adorar. Uma vez que experimentar a Norte você não vai querer mais trocar!’

Apesar de tudo não podia negar que o sentimento de estar ali era incrível: ouvir os cantos da torcida entoados com tanta emoção por milhares de vozes em sincronia fazia arrepios correrem por todo o corpo de Neji sem cessar e ele sentir a ansiedade dar bicudas na boca do estômago tão potentes quanto as do zagueiro do clube quando afastava a bola da área. Ainda era um pouco estranho para ele pensar que Naruto e Hinata também torciam para o mesmo time, já que quando mais novos eles nunca tinham comentado sobre o assunto. O loiro estava acostumado com o Neji calmo e apático e ficou totalmente surpreso ao ver a maneira que ele se transformava quando o assunto futebol estava envolvido. Mesmo assim ele não era bem ‘o tipo de pessoa da Norte’ mas ‘a Norte conquista qualquer um’ segundo o Uzumaki.

Bom, isso ele iria pagar pra ver.

~∆~

O moreno e o “cunhado” finalmente tinham conseguido um bom lugar para ficar depois de penarem rodando pelo setor todo. Naruto não se importava muito – até porque antes de conhecer Hinata aquele era o espaço que ele sempre ia para assistir aos jogos – mas Neji fazia questão de ficar longe, ou ao menos tentar,dos grupos que mais fumavam ou pareciam já estar bêbados, não tinha ido para se meter em confusão ou naquelas brigas horríveis de estádio das quais já tinha ouvido diversas histórias, muitas do próprio Naruto. Claro, ele se garantia no soco, mas nem por isso ia sair por aí procurando problemas. Além disso precisavam de uma boa visão do campo já que ele não queria perder um único lance daquela final. Quando enfim conseguiram um lugar bom a partida já estava prestes a se iniciar, Neji só teve tempo de tirar o blusão do agasalho – original, comprado na loja oficial do clube – e amarrar na cintura, já começando a perceber como aquele setor era mais quente que qualquer outra parte do estádio. Assim que o apito inicial soou os dois ouviram o público inteiro retumbar um grito de ‘PRA CIMA’ e sentiram o chão tremer quando as organizadas começaram a pular e puxar o coro do restante dos mais de quarenta mil ali presentes. A vibração era tanta que o Hyuuga não tinha certeza, mas achava que seu coração já batia no mesmo ritmo em que o próprio estádio pulsava, empurrando o time e ansiando por um título que não era conquistado a mais de cinco anos.

Os minutos foram passando e com eles toda a “inibição” de Neji. No setor que ele costumava ir as pessoas eram bem mais contidas e menos expressivas e ele acompanhava o humor geral, só que a Norte sempre pegava fogo e ele não pôde evitar de seguir o fluxo e se deixar levar pelo emocional. Isso só o fez perceber quão mais legal era torcer quando realmente estava torcendo de verdade. Naruto sempre ficara inconformado de saber que o amigo nunca tinha tido essa experiência na vida e agora estava muito contente vendo a maneira como ele quase, só quase, se misturava totalmente com os outros torcedores do setor, cantando, pulando e expressando sua paixão pelo time por completo.

Ainda sim algumas coisas eram um pouco demais e Neji não estava 100% confortável. Por incrível que pareça o que mais o incomodava nem era o cheiro irritantemente forte de maconha ou o bandeirão que as vezes descia e atrapalhava sua visão. A pior parte eram os gritos.

Era óbvio que qualquer pessoa se exaltava numa partida de futebol e acabava xingando, mas a quantidade de palavrões berrados que ouviu ali era maior do que ele já tinha ouvido em sua vida inteira. Não sabia qual era pior: a voz grossa e ininteligível do brutamonte a sua frente ou a estridente e alta da mulher atrás de si.

– CARALHO PARA DE ERRAR PORRA DE PASSE NESSA MERDA, FILHO DA PUTA!

É, definitivamente ela era pior.

Sem contar que não parava quieta. Neji nem precisava olhar para trás para perceber que a moça era uma daquelas pessoas que gesticulavam muito quando estavam nervosas; claro, ele já tinha sido acertado pelos movimentos bruscos dela – tanto dos braços quanto das pernas – ao menos umas quatro vezes nos primeiros 20 minutos de partida. Na quinta vez ele não conseguiu se conter e lançou um olhar carrancudo para a morena.

– Lugar de mimadinho é pra lá, viu!

Ela respondeu com um tom de deboche e apontou na direção do setor oeste. O setor que Neji sempre ia.

– Olha aqui você já me…

– TENTEN!

Neji ouviu o grito vindo de seu lado e virou para Naruto, que olhava a moça com um sorriso gigante no rosto e os braços abertos para um abraço. Ela logo pulou em cima dele mais uma vez acertando um tapa acidental no Hyuuga.

Claro que essa sem noção tinha que ser amiga do cara mais sem noção que eu conheço.

Na verdade não. Tinha alguém que ganhava no quesito cara mais sem noção e era seu próprio melhor amigo Lee, que torcia para o time adversário.

– Naruto! Quanto tempo que eu não te vejo! Achei que tinha esquecido das suas raízes.

– Ah, claro que não! Sabe como é, né Ten, não dava pra trazer a Hinata aqui porque… – o loiro se interrompeu, antes mesmo de terminar já tinha se arrependido.

– Porque a Norte não é lugar pra mulher, né? – Neji se assustou com o tom cínico da morena – Era isso que ia dizer não era Naruto?

– Desculpa Tenten…Não foi o que eu quis dizer. É que a Hina não é como você.

Isso Neji concordava plenamente. Ela e sua prima eram notavelmente diferentes.

Pode até ser, mas você nunca vai saber se ela não iria preferir aqui se nunca trouxe-la!

– Ah, falando em trazer, deixa eu te apresentar alguém. – Naruto deu um tapa nada suave nas costas do amigo que acabou desequilibrando e quase caindo em cima dela.

– Ótima maneira de apresentar alguém, baka! – Neji respondeu irritando enquanto se levantava ­– Desculpa...

– Tenten. – ela riu da maneira que ele tinha ficado envergonhado – Tudo bem, não tem problema.

– Neji Hyuuga. – ele estendeu a mão para cumprimenta-la mas ela foi logo puxando o rapaz para um abraço.

Que louca, há cinco minutos atrás estávamos quase saindo na porrada e agora isso?

– Ele é primo da Hinata. – Naruto completou.

– Ah, entendi tudo! É de família...

– O que é de família? ­– o loiro indagou.

– O espírito da Oeste. – ela riu debochada ­– Ele claramente não é daqui.

– EI! O que quer dizer com isso?

– Huumm... ­­– Tenten deu uma boa olhada na postura do Hyuuga ­– Não se preocupe, pra uma primeira vez você até que está se saindo melhor que o esperado...

Neji ia retrucar porém num sobressalto a garota se inclinou para frente e empurrou os dois para o lado voltando seu foco para o campo. Ela amaldiçoou baixinho enquanto o time adversário se aproximava perigosamente do gol, mas o lance acabou não dando em nada.

– De onde vocês se conhecem, Naruto?

– Ah, da época que eu ainda fazia parte da bateria do clube. Essa aí sabe como fazer um barulho.

Tenten desviou o rosto para eles e Neji encarou seu sorriso brincalhão.

– Não tanto quanto você né, Naruto!

O Uzumaki puxou ela para baixo, na fileira onde eles estavam e abraçou-a mais uma vez. Ainda bem que Hinata não era ciumenta, se ficasse sabendo disso...

– Eu com saudade.

– Tá, tá, eu também. Mas chega de melação, vamos ver o jogo!

Os dois rapazes reviraram os olhos por causa do tom mandão dela mas também se voltaram para o gramado prestando atenção na partida. A cada nova investida ou contra-ataque do time os três, junto com a torcida toda, cantavam mais alto e mandavam incentivo. Mesmo quando eram os adversários que estavam com a bola todos reagiam e até vaiavam, exercendo uma pressão psicológica absurda nos jogadores. O problema é que infelizmente nem isso foi suficiente.

– Zika, zika, zika, zika, zika, zika...NÃÃÃÃO! – Naruto berrou quando seu time tomou o gol.

Neji teve vontade de quebrar alguma coisa, mas não tinha nada ao seu alcance. Bufou irritado e pôde ver pelo canto do olho Tenten cabisbaixa, os dedos finos se prendendo à raiz dos cabelos castanhos e puxando com bastante força. Ela estava praticamente arrancando os cabelos de verdade!

– Calma...­– ele falou perto do ouvido dela, por cima dos gritos irritados das outras pessoas – A gente vai virar. Tenho certeza! Esse título já é nosso!

Ela levantou a cabeça e encontrou a determinação contagiante no semblante dele. De repente os olhos de Tenten pareciam blindados e ela mostrou um sorriso confiante e deu um aceno de cabeça quase imperceptível.

Mesmo saindo em desvantagem nenhum deles iria parar de apoiar. O apito soou, fim do primeiro tempo.

Muitas pessoas começaram a sair da arquibancada, indo ao banheiro ou às lanchonetes, e alguns caras se aproximaram para falar com Naruto. Neji reconheceu um deles, Kiba Inuzuka, o amigo de Hinata que tinha apresentado ela ao loiro.

– Naruto, eu já volto. – a morena pôs a mão no ombro dele, chamando a atenção para si.

– Ahn? O quê? Onde você vai?

– Vou comprar uma água. Você sabe como minha garganta sempre fica...

O Uzumaki olhou para a saída do setor e viu um grupo de torcedores que pareciam estar brigando entre si.

– Sozinha?

Neji também desviou o olhar naquela direção e compreendeu o tom preocupado dele.

– É ué. Não tem problema, fica tranquilo, não vai acontecer nada. E mesmo se acontecesse não seria a primeira vez que eu saio viva de uma briga né?! ­– Tenten afastou uma mecha de cabelo do pescoço e o Hyuuga viu que ela exibia uma cicatriz próxima à clavícula, como se fosse motivo de grande orgulho.

– Ha-ha. Nem por isso você precisa ficar se arriscando à toa. – Naruto desviou o olhar entre ela e Kiba algumas vezes tentando decidir o que fazer – Neji, você pode acompanhar ela, cara?

Ele olhou para Tenten e viu ela apenas menear a cabeça, mas sem contestar.

– Claro. Vamos?

– Vamos.

Os dois começaram a subir os degraus para a saída e se aproximaram da confusão que rolava. Tenten fechou as mãos em punho como sempre fazia nessas ocasiões, pronta para acertar qualquer engraçadinho que tentasse mexer com ela, mas daquela vez ninguém se aproximou. Quando ela passava os olhares direcionados ao seu corpo eram logo desviados para o de Neji logo atrás, posicionado de maneira protetora. A garota teve raiva de saber que não era ela quem estava sendo finalmente respeitada, e sim o homem que a acompanhava; aquilo era simplesmente ridículo. Mesmo assim estava agradecida por ele tê-la acompanhado, estava cansada de passar pelas mesmas situações todas as vezes que ia aos jogos. Felizmente o comportamento da maioria dos torcedores já tinha mudado bastante, mas ainda não o suficiente.

– Tudo bem? – ouviu Neji questionar.

– Sim, por quê?

– Você estava fazendo uma careta. Achei que tinha acontecido alguma coisa.

– Ah, não. É que eu estava pensando em quanto ainda tem uns caras babacas por aqui... – ela disse enquanto ainda continuava andando.

– Sabe, eu estava pensando... – ele voltou a falar apenas quando já estavam do lado de dentro, chegando na fila da lanchonete – O jogo vai acabar bem tarde... Você vai voltar para casa sozinha? Não é perigoso?

A morena engoliu em seco vendo o olhar preocupado de Neji.

– É...na verdade é sim, mas eu vim preparada.

– O quê? Como assim?

– Quando os jogos são à noite eu sempre trago algo pra me ajudar a me defender. – ela chegou perto da orelha dele e sussurrou para que ninguém por perto ouvisse – Meu canivete suíço.

– Como é??? – ele arregalou os olhos chocado. Tenten era louca. – M-mas...mas...eles revistam a gente antes de entrar!

– Eu sei, mas eu já estou acostumada. Achei um lugar que dá pra esconder ele e depois do jogo eu volto para buscar e ele sempre está lá.

Neji estava impressionado com a sagacidade dela. Ao mesmo tempo se sentia mal refletindo sobre quão difícil devia ser viver a vida daquela forma. Sempre tendo que estar preparada para esse tipo de coisa.

Os dois ficaram em silêncio sem ter muito o que dizer. Tenten comprou sua água e Neji acabou ficando tentado pelas pessoas que passavam ao seu lado com copões de refrigerante e acabou comprando um também. Quando estavam voltando para seus lugres o celular da morena apitou no bolso e ela resmungou lendo a mensagem.

– O que houve?

– Nada, só uma amiga minha, a Sakura, tirando onda com a minha cara.

– Por causa do jogo?

– Sim. Quando a gente venceu a semifinal eu disse pra ela que já tinha certeza que o prêmio estava no papo, ai ela resolveu fazer um desafio. O problema é que eu, teimosa igual uma mula, sou muito competitiva e não consegui recusar. – Neji não perguntou mais nada, mesmo assim ela resolveu continuar sua história – Ela disse que eu teria que pagar promessas dependendo do resultado. Tipo assim, eu teria que prometer fazer uma coisa que eu nunca faço se a gente ganhar, e se a gente perder eu teria que fazer algo que ela escolhesse. Confuso, né, eu sei.

– Algo que você nunca faz? E o que foi que você prometeu?

As bochechas de Tenten foram de morenas a totalmente vermelhas de um segundo para outro.

– Então...ela sempre me zoa falando que eu sou muito “burocrática” nos meus relacionamentos. Ai eu fiquei brava e disse que se a gente ganhar eu vou beijar o primeiro cara que se aproximar de mim. – ela abaixou a cabeça envergonhada, sem ter coragem de ver qual seria a reação dele.

– E se a gente perder?

– Ela acabou de falar que se o time perder eu vou ter que sair com um cara aí que ela está tentando empurra para cima de mim faz tempo. Mas eu não gosto dele. Melhor a gente ganhar.

Quando ela disse isso eles já tinham chegado aos seus lugares. Neji deu uma olhada em volta e concluiu que nenhum dos caras ao redor pareciam suficientes para os lábios vermelhos dela.

– É, mas se formos campeões você vai ter que escolher bem com quem vai ficar...

– Eu não vou ficar ficar, vai ser só um selinho. Eu dou meu jeito.

Naruto finalmente viu os dois e voltou para seu lugar e eles conversaram um pouco sobre a postura do time antes de começar o segundo tempo. Os minutos iam passando e os jogadores pareciam ter voltado com muito mais sangue nos olhos para os quarenta e cinco minutos finais; a torcida eufórica era quase como um décimo segundo jogador em campo e o número de finalizações perigosas praticamente dobrou. Tenten, que estava entre Naruto e Neji, apertou os braços de ambos quando o volante fez um lindo desarme e passou a bola dando início a um contra-ataque incrivelmente veloz. Eram quatro defensores contra três atacantes, o goleiro já se retesava para defender o chute do meia central, mas este foi mais esperto e percebeu a movimentação dele. Resolveu dar um passe mas notou que os zagueiros tinham feito uma linha de defesa adiantada deixando o companheiro à esquerda impedido, então numa finta, o meia fingiu passar para ele porém passou para o lateral que vinha pela esquerda e que tinha um ótimo chute daquele ângulo. Não deu outra – bola na rede e torcida ensandecida.

Os três amigos pularam e vibraram igual doidos. Algumas pessoas se aglomeravam e comemoravam juntas, assim como Tenten estava acostumada. Se virou para Naruto, mas outras pessoas já tinham subido em cima do loiro então ela simplesmente ignorou o fato de ter acabado de conhecer Neji e praticamente pulou em cima dele enquanto comemorava. Isso que era a Norte. Todo mundo unido pelo time, não importava quem fosse. De início o moreno se assustou, só que estava tão eufórico e na vibe do resto da torcida que ignorou seu lado racional e acompanhou Tenten, segurando sua cintura e pulando junto dela. O hino do clube começou a tocar e ela desamarrou a blusa de frio do quadril e começou a rodá-la no ar cantando os versos com fervor.

O jogo recomeçou e o público continuou vibrando, agora mais confiantes que levariam mais aquela taça para seu salão de troféus. Já estavam quase na metade do segundo tempo quando o coração de Neji quase saiu pela boca: o juiz tinha marcado um pênalti contra o time da casa.

– JUIZ LADRÃO! NÃO FOI PÊNALTI! – esse parecia ser o grito unânime vindo das arquibancadas.

O goleiro fez uma reza e os outros jogadores se posicionaram fora da área. O camisa dez adversário pegou a bola e beijou antes de posicioná-la sobre a marca branca no meio da imensidão verde do gramado. Agora entre ele e a vitória só havia o protetor da baliza. Neji amaldiçoava mentalmente e imaginava tudo que poderia dar errado até que o futebolista errasse o chute. Não foi o que aconteceu. A batida foi forte e rápida, perfeita. Só não foi mais perfeita que o goleiro que se agigantou no momento exato e segurou o chute que parecia indefensável. O público explodiu em agradecimento e o Hyuuga conseguiu apenas soltar o ar dos pulmões tentando controlar a tremedeira nas mãos.

– AGORA VAI! – Naruto gritou para os dois.

Tenten voltou a apertar o bíceps de Neji enquanto o jogo continuava, as vezes apertando e deixando ele ainda mais tenso, as vezes passando a mão suavemente pela pele fazendo ele se arrepiar. Todas as vezes que a bola saía de campo ou que o jogo ficava parado ele não podia evitar de desviar a atenção para ela, querendo ver suas reações e admirar seus olhos tão expressivos. Em um momento, durante uma ótima construção de jogada e passes bem trocados rumo ao ataque, Neji pôs sua mão por cima da dela e apertou tentando segurar a ansiedade. Alguns toques depois a bola já estava nos pés do centroavante, que driblou o goleiro e mudou o placar – 2x1.

Ainda mais forte que após o primeiro gol, os torcedores vibraram e rasgaram as gargantas com gritos volumosos, já sentindo o gostinho de vitória. Naruto, Tenten e Neji pulavam juntos gritando ‘DE VIRADA É MAIS GOSTOSO’ até que as palavras contagiaram o resto da Norte e depois da arena inteira. Era possível ouvi-los até dos prédios do outro lado da rodovia que passava em frente à construção.

– OLHA! – Tenten apontava para o telão atrás deles mostrando que faltavam apenas quatro minutos para o fim do jogo. O tempo parecia não passar principalmente quando o árbitro mostrou a placa indicando mais quatro minutos de acréscimos. Mesmo assim em nenhum momento o estádio se calou e no minuto final ninguém mais continha o grito adiantado de ‘É CAMPEÃO!’. Depois de cinco anos eles mereciam aquilo.

O juiz colocou o apito na boca e soprou, confirmando o título de vencedor aos donos da casa. A partir daquele momento a loucura foi geral. Não havia um único torcedor que estivesse sentado – apenas parte da organizada adversária, que chorava e xingava – todos comemoravam e entoavam a letra do hino ou jargões próprios. Alguns sinalizadores e bandeiras despontaram entre a multidão tornando a festa ainda mais bonita enquanto os jogadores pulavam pelo campo e reverenciavam o público, agradecendo o apoio e dedicando o título a eles.

Quando finalmente voltou a si e conseguiu controlar os músculos e a frequência cardíaca, Tenten se lembrou do desafio de Sakura. Teria que beijar qualquer um que se aproximasse. Ela poderia simplesmente não cumprir a promessa e mentir para a amiga, mas aquilo não seria de seu feitio – era uma pessoa de palavra. Por sorte nenhum dos caras mais esquisitos prestava atenção nela no momento e a morena ficou perdida procurando alguém para beijar.

Neji olhou novamente para a garota e reparou na maneira que ela passava os olhos pelos arredores freneticamente logo entendendo o que ela queria. Tenten pareceu chegar a mesma conclusão anterior dele – que nenhum daqueles homens era bom o suficiente – só que mesmo assim ele não viu um olhar de derrota em sua cara. Ela iria beijar qualquer um deles de qualquer forma. Mas ele não podia deixar aquilo acontecer.

Antes que ela pegasse o braço de um outro moreno que estava por perto Neji se aproximou com os olhos fixos nos dela e se inclinou para frente entrar em contato com ela.

Certo, era para ter sido só um selinho, coisa rápida, não era? Mas por algum motivo quando a morena não afastou seus lábios Neji também não teve vontade nenhuma de separá–los. Não sabia bem o porquê, mas a boca dela parecia combinar exatamente com toda a euforia que sentia naquele momento, como se fosse o complemento perfeito para aquele título. Seria mesmo só para o título ou para o próprio Hyuuga?

Bom, ele não se importava muito. Depois de tudo que tinha acabado de acontecer naquela noite Neji não confiava nos próprios pensamentos, sentia que nenhum deles estava no lugar certo. Quem estava no lugar certo era ele, disso teve a mais absoluta certeza ao sentir os arrepios causados tanto pela torcida emocionada gritando o hino do clube quanto pela língua macia de Tenten passeando por sua boca. A Mitsashi não pôde evitar de sorrir durante o beijo, compartilhando das mesmas emoções que ele. Ela era louca por aquele time e parecia prestes a explodir com tamanha alegria que aquelas poucas horas estavam lhe proporcionando. O beijo de calmo não tinha nada; o jeito que os dois se movimentavam e curtiam o sabor um do outro denunciava que aquela era a maneira que eles tinham encontrado de extravasar toda a energia contida depois de tamanha tensão. Uns gritavam, outros choravam; eles beijavam. Com certeza essa era a forma mais prazerosa de aproveitar o momento.

Neji involuntariamente enlaçou a cintura dela quando Tenten separou as bocas, quase como se seu corpo estivesse pedindo para ela não se afastar. Ele com certeza teria corado pela atitude se a morena não tivesse sido mais rápida, voltando a capturar seus lábios num outro beijo que, se fosse possível, era até mais intenso que o anterior.

Talvez mais tarde ele se arrependesse. Mas daquela vez ele deixaria o depois para depois.

Além disso, tinha um pressentimento bom de que não se arrependeria.


Naruto tinha razão.

A Norte conquistava qualquer um.

29. September 2018 21:58:13 0 Bericht Einbetten 0
Das Ende

Über den Autor

Hystera Keiko Só não sou mais perdida porque moro com a minha mãe

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~

Verwandte Stories