Krieg des Herzens Follow einer Story

indrakimura Amaterasu '

De seus olhos grossas lágrimas estão a escorrer ao seu lado uma garrafa vazia se faz presente, a sua frente uma pilha com nomes daqueles que já se foram, em seu coração uma dor que o impede de sorrir. Em sua mente a palavra dor vagueia, acarretando o sofrimento e sendo alimentas pela mágoa. Para ele seu destino não deve ser alegre, afinal ele deseja ser punido. O amor não lhe pertence, o perdão não pode existir e a palavra desculpa nunca irá reduzir seus pecados. Todavia um prisoneiro fez com que seus pensamentos se tornassem confusos, que seu coração acelerasse e que uma chama que não deveria existir se acendesse.


Fan-Fiction Bands/Sänger Nur für über 21-Jährige (Erwachsene). © Todos os direitos preservados

#jikook #kookmin #Segunda-Guerra #Jeon-Junggkok #jimin
1
4670 ABRUFE
Im Fortschritt - Neues Kapitel Alle 30 Tage
Lesezeit
AA Teilen

Prólogo

Krieg des Herzens

Prólogo.

Jeon Jungkook & Park Jimin.

A Polônia não é mais um país pacifico, os pássaros pararam de cantar, as ruas se encontram manchadas.

Os dias em que há única preocupação era com o clima instável e as preocupações do dia-a-dia passaram. A guerra trouxa mais do que caos e destruição, ela levou a ruína a famílias inteiras; trouxe confusão para corações indecisos.

O amor à pátria falou mais alto que o amor ao próximo, o senso de dever ultrapassou os limites da moral humana. Amores despedaçados, corações partidos e futuros destroçados.

O símbolo que virou o pesadelo de muitos, a idealização de outros e o terror de todo um povo. Afinal eles eram somente pessoas inocentes, que nunca fizeram mal a ninguém, que jamais cobiçaram e muito menos desejaram receber tal tratamento, morrer de tal forma e muito menos ser julgado por passar a adiante suas tradições.

Jeon somente queria dar orgulho a sua família, seguindo assim os passos de seus antepassados, se aliando ao exército e tentando de sua forma trazer honra para sua família; infelizmente o mesmo nunca pensou que tal honra custaria mais do que horas de treino e esforço, ele nunca imaginou que ela seria conquistada com sangue.

A primeira guerra trouxe enorme ruína para a próspera Alemanha, ganhando toda a culpa pelas mortes decorrentes na primeira década do século que estava a se passar. Levanto toda a culpa pela Primeira Guerra Mundial. O sentimento de revolta se misturou ao ideal de um partido que almejava restaurar a Alemanha, para que ela voltasse a se juntar aos grandes.

Sem exército reduzido, sem direito barrados bélicos e muito menos sem a opressão por parte dos demais países. Ela queria ser grande, nem que para isso precisasse invadir países e aumentar o próprio território. Eles queiram recuperar aquilo que perderam, queria aquilo que um dia lhes pertenceu.

Park estava no país errado, no dia errado e no pior momento possível. Seu desejo era somente visitar o primo, saber como andava as coisas e como andava os parentes que viviam na região; seu único desejo era matar a saudade das pessoas que ele não via a mais de uma década, desde que se mudara da Polônia para outro país, desde que abandonara a pátria de sua mãe e fosse se juntar ao país que almejou conhecer desde de criança.

Todavia a única coisa que escutaram foram os rumores a respeito dos novos ideias alemães. Sobre o seu mais novo guia, o homem que mais tarde seria responsável pelo maior genocídio já cometido.

O mais novo jamais pensou que seria aquele a presenciar o último suspiro de seu primo, que séria o último a vê-lo vivo e com seu enorme sorriso estampado em sua face.

Ele nunca teria imaginado que obrigado a morar em um sótão, a comer aquilo que sobrava das refeições de seus cuidadores e que veria pessoas boas serem mortas sem motivos, de ver mulheres sendo abusadas e de ver inúmeros órfãos vagando pelas ruas da cidade que um dia fora pacifica.

Foram três anos se escondendo; lutando para nunca ser descoberto, achado e muito menos visto por todos aqueles que o desejavam. Um mestiço, uma afronta para aqueles que desejam um país puro, um país dominado por arianos.

Mas antes fosse somente isso que o deixasse na linha de frente quando o assunto fosse extermínio, sua opção sexual também lhe causaria sua morte.

A única coisa em comum entre Jeon Jungkook e o Park Jimin era o forte desejo de acabar com esse crescente pesadelo que estava a dominar o mundo, todavia eles nunca esperaram encontrar um amor dentro de um dos maiores campos de concentração existentes no ano de 1943.

O Park se acha um tolo por se apaixonar pelo Oberführer Jeon, o oficial de má fama e de personalidade destorcida é o responsável por fazer seu coração bater mais rápido.

Jeon não queria, o homem diz não ser digno de amar e nem de ser amado. Que o sangue que mancha suas roupas e mãos o impedem de ter uma vida feliz, para ele à morte é a única coisa que ele deseja ter do lado.

Apesar de Jimin descordar.

28. September 2018 19:23:21 0 Bericht Einbetten 1
Lesen Sie das nächste Kapitel Krieg I

Kommentiere etwas

Post!
Bisher keine Kommentare. Sei der Erste, der etwas sagt!
~

Hast Du Spaß beim Lesen?

Hey! Es gibt noch 1 Übrige Kapitel dieser Story.
Um weiterzulesen, registriere dich bitte oder logge dich ein. Gratis!