Para não enlouquecer Follow einer Story

amy_rattlehead Amy Rattlehead

Após a batalha contra Naruto, Sasuke resolve partir para ver o mundo por seus próprios olhos. Ele não esperava que o fio do destino começaria a pesar, e cada visita que faz a Konoha se torna um dilema. E o desafio é conseguir ir embora novamente. - SasuNaru - Cannon - Spoilers mangá 699


Fan-Fiction Anime/Manga Nur für über 18-Jährige.

#yaoi #fanfic #naruto #sasuke #sasunaru
Kurzgeschichte
14
5078 ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Lar

A primeira viagem durou seis meses.

Sasuke passou por vários vilarejos destruídos, ajudou pessoas a se reestabelecerem da melhor maneira possível, usou de seus poderes para auxiliar o próximo e se sentiu realmente bem com aquilo. A nova vida que passou a levar desde seu último confronto com Naruto se mostrava cada dia mais próspera, e o Uchiha sempre se sentia, além de grato, surpreso; não imaginava que fosse tão mais simples viver sem carregar o ódio consigo.

Quase cento e oitenta dias depois de partir de Konoha, os sentimentos bons que preenchiam o coração de Sasuke após mais um gesto de redenção começaram a desaparecer. De início, achou que estava fazendo algo errado, e, posteriormente, chegou ao extremo de pensar que talvez, bem lá no fundo, ainda houvesse uma parcela de ódio que Naruto não conseguiu dizimar. Ficou desesperado.

Entretanto, naquela mesma noite antes de dormir, o Uchiha pensava sobre o assunto, e percebeu que associava o que sentia naquele momento com algo semelhante ao que sentia durante a noite logo após o massacre do clã Uchiha. Não era ódio, não era desejo de vingança.

Mas era tão forte quanto.

Por essa razão, decidiu que faria uma visita a Konoha na manhã seguinte. Não seria bom para sua sanidade se continuasse pensando em Naruto como se fosse sua família.

.

— Sasuke! Pensei que fosse demorar mais pra voltar! — Naruto o recebeu com o sorriso luminoso de sempre. Sasuke lhe ofereceu um sorriso prepotente em resposta.

— Se eu demorasse mais para voltar, você iria me perseguir.

O Uzumaki deixou o sorriso morrer um pouco para dar lugar a uma expressão de indignação. Teria respondido à altura se Sakura não aparecesse. A rosada interrompeu o percurso rotineiro até o hospital de Konoha para falar com os ex-colegas de time.

— Sasuke-kun! Fico feliz que esteja de volta! — A Haruno disse, alegre.

— É bom estar aqui. — Sasuke comentou, e viu os olhos de Naruto brilharem um pouco mais. Talvez fosse apenas impressão. — Mas não pretendo ficar durante muito tempo. Apenas o necessário para... Me recuperar da viagem.

Sakura baixou a cabeça em desilusão, e Sasuke já conseguia prever um pedido vindo da rosada para acompanha-lo na nova jornada. Preparava-se para negar, quando foi interrompido.

— Teme! Tá achando que é o que agora, festa?! Vem quando quer e vai embora quando quer, é isso?! — Naruto esbravejou, fechando o punho.

O Uchiha se fez de desentendido, aliviado ao notar o quanto o aperto em seu peito diminuiu desde que chegou aos portões de Konoha.

— Seja um bom anfitrião, Naruto. Pare de reclamar.

Sakura precisou segurar o loiro hiperativo para evitar outra luta entre os dois. Depois que Naruto se acalmou, eles finalmente entraram, e Sasuke ficou realmente satisfeito em ver o quanto a vila havia progredido desde a última vez que estivera ali. Estava tão distraído com os próprios pensamentos que se assustou ao notar que o falante Uzumaki ao seu lado havia recuperado o braço perdido em batalha.

— Vamos falar com a Obaa-Chan. Tá na hora de consertar o seu também. — Naruto comentou. Despediram-se de Sakura e foram falar com Tsunade.

Em momento algum Naruto parou de falar, e em momento algum Sasuke se incomodou com aquilo.

.

Depois que a prótese de material estranho foi colocada em seu devido lugar, Sasuke e Naruto almoçaram no recém-inaugurado restaurante do Ichiraku, e o Uzumaki decidiu fugir um pouco das obrigações para com a vila e gastar um pouco de seu tempo com o amigo rebelde. Aquela era uma ocasião rara, e que precisava ser aproveitada.

Estavam sentados em uma colina afastada de Konoha. Era possível ver dali os monumentos que destruíram, a pedra dos Kages sendo reconstruída e muitas vidas se refazendo pouco a pouco dentro da vila. Naruto fechou os olhos para apreciar a brisa que os refrescava naquela tarde ensolarada, e Sasuke não conseguiu conter um sorriso sincero.

— Você é a única coisa nesse lugar que não muda nunca.

— Que bom. Se eu mudar, não saberei se ainda posso impedir você de fazer loucuras.

— Acha mesmo que eu ainda tentaria matar você?

— Claro que não! Você não é louco o bastante pra isso! — Naruto respondeu de imediato, sem nem notar a decepção presente nas palavras anteriores que Sasuke dissera, e nem o alívio do Uchiha ao ouvir a piada infame.

— Então do que está falando?

— De muitas coisas. Sempre seremos rivais, esqueceu? Se eu mudar, você pode até roubar meu rámen quando eu estiver distraído.

Naruto coçou a nuca em um gesto característico, e Sasuke riu brevemente.

— É bom saber que posso vir até aqui quando quiser me sentir em casa.

O Uchiha observava o Sol se pôr vagarosamente no horizonte, e só se deu conta do que acabara de dizer quando o par de olhos azuis passou tempo demais o encarando.

— O que quer dizer com isso, Sasuke?

— Nada. Preciso ir. — O moreno respondeu rápido, se levantando depressa.

Sem compreender coisa alguma, o Uzumaki o acompanhou. Sasuke apenas acenou brevemente, antes de disparar entre a folhagem densa da mata que os cercava e partir novamente.

Durante dias, Naruto tentou fingir que aquelas palavras não mexeram com ele. Realmente se esforçou para auxiliar Kakashi, cooperar com a reconstrução da vila e esquecer aquele assunto, mas não conseguiu. Depois de semanas, aceitou enfim que havia algo errado naquilo que sempre chamara de amizade ao se referir a Sasuke, e jurou para si mesmo que, quando visse o Uchiha novamente, o faria falar.

.

A segunda viagem durou noventa dias.

Diferentemente da outra ocasião, Sasuke conseguiu identificar de imediato qual era o problema com seu coração, e rumou para o lugar que mais amava e odiava naquele mundo tão vasto.

Optou por não se mostrar para Sakura, Kakashi ou qualquer outro morador de Konoha. Ainda não pretendia ficar, e o único que compreendia e respeitava seu desejo era seu amigo cabeça-oca.

Encontraram-se na mesma colina da ocasião anterior. Naruto contou-lhe fatos engraçados acerca do mandato de Kakashi como Hokage, e ainda comentou algumas informações confidenciais que guardava a pedido do ex-sensei. Pela inocência com que o Uzumaki agia, era óbvio que aquela era uma demonstração de confiança. Retribuiu tal gesto, falando para o amigo das coisas que vira durante as viagens. Passaram juntos uma tarde realmente gostosa sob aquele clima de companheirismo.

Até que a curiosidade de Naruto falou mais alto.

— Sasuke... Sobre a última vez que viemos aqui, o que você quis dizer com aquilo?

— “Aquilo” o quê, usuratonkachi?

— Que você se sentia em casa quando estava comigo.

Sasuke engoliu seco. Naruto virou o rosto para encará-lo e corou um pouco ao perceber que o Uchiha estava sentado perto demais.

— Foi só um modo de expressão. — Sasuke disse rapidamente. — Não achava que você fosse se lembrar disso.

— É claro que eu ia me lembrar... — Naruto desviou os olhos dos seus e fitou o belo pôr-do-Sol de inverno que se exibia entre as montanhas. — Porque eu também sinto a mesma coisa quando tô com você.

Errado. Algo errado demais se insinuava no coração do Uzumaki. Ele não sentia medo de perguntar o que desejava saber; o problema era que a perspectiva de receber uma resposta o assustava. E, mesmo assim, não conseguiu se conter.

— Você já parou pra pensar no porquê de não ter conseguido me matar, teme?

— Provavelmente porque nossos poderes são praticamente iguais.

— Tô falando das outras vezes. Você sempre foi mais forte do que eu. Por que não me matou?

Sasuke hesitou. Hesitou tempo demais. Tempo suficiente para Naruto acumular coragem o suficiente para beijá-lo. Na cabeça confusa do Uzumaki, um pensamento ganhou força, e Naruto considerou que talvez Sasuke sentisse o mesmo que ele.

Uma amizade exagerada...? Excesso de identificação...?

Loucura...?

O ponto mais curioso foi que Sasuke não recusou o ósculo. Apenas deixou os sentimentos fluírem. Tudo por culpa de Naruto. Era culpa dele que, agora, para Sasuke, não enlouquecer era mais importante do que manter o orgulho.

O Uchiha ficou paralisado quando Naruto recuou. Assustado, o loiro se levantou, assim como ele próprio fizera há três meses trás. Ele disse palavras desconexas e pediu a Sasuke que voltasse em breve, antes de desaparecer dali sem deixar rastros.

Milhares de ideias povoaram a mente do moreno. Provavelmente Naruto estava arrependido. Provavelmente nunca mais ficariam sozinhos novamente, porque o Uzumaki teria vergonha de falar sobre aquilo. Fora tão tolo...! Deveria ter impedido Naruto de fugir daquela maneira...! E naquele momento tudo o que lhe restava era uma dor desconhecida em seu peito, que lhe tirava o ar. Algo semelhante a...

...Não.

Não podia ser.

Ele realmente não estava apaixonado por Naruto...! Era impossível!

Sasuke saiu de Konoha o mais rápido que pode, tentando, sem sucesso, deixar para trás aquele mar de emoções que ele não era capaz de aceitar.

.

Quatro semanas.

Sasuke detestava admitir, mas aquela era a viagem mais ridiculamente curta que conseguira fazer. E, novamente, a culpa era de Naruto e de sua maldita impulsividade!

Estava tão perturbado que sequer aguardou o amanhecer para ir até Konoha e tirar aquela situação a limpo. Ele o faria, nem que tivesse que acordar Naruto para isso! Foi um espanto ver o Uzumaki deitado sob a colina. Parecia estar esperando por sua chegada.

E realmente estava.

— Senti seu chakra, teme. Também acho que precisamos conversar.

Sasuke sentou-se displicentemente ao lado do loiro e o encarou. Naruto pareceu se encolher diante das íris escuras; estava claro que Sasuke não iria embora dali enquanto não estivesse tudo resolvido.

— Por que me beijou?

— S-Sasuke... Eu...

O Uchiha estava impaciente, e percebeu que Naruto tentava ganhar tempo para inventar uma mentira qualquer.

— Responda!

Naruto não respondeu. Apenas o beijou novamente, dessa vez sem nenhum recato, e o puxou para cima de si, evidenciando o que queria fazer.

Sasuke aceitou a proposta muda sem hesitar. Ao mesmo tempo em que estaria provando para si mesmo que não sentia nada por Naruto, daria cabo da tensão sexual acumulada, uma vez que era inexperiente em termos de sexo. Ajudou o Uzumaki a se despir, desabotoando a jaqueta de cor peculiar e a braguilha da calça do loiro antes de desprender os lábios e começar a marcar a pele bronzeada.

Naruto suspirava. O Uchiha mordiscava e lambia desde o pescoço até a barriga do loiro, causando arrepios na pele sensível. Sasuke despiu-se e forrou o chão, ajeitando Naruto sobre as roupas recém-tiradas, enquanto lutava para se convencer de que fazia aquilo para tornar o sexo mais fácil, e não por estar preocupado em não machucar Naruto. Mas seus argumentos internos eram tão falhos que nem a si próprio ele convencia.

Embora estivesse tão excitado quanto Sasuke, ficou muito claro que Naruto também era inexperiente. Assim, o loiro apenas salivou na própria mão e lubrificou o membro intumescido de Sasuke, beijando-o em sequencia enquanto guiava a ereção até sua própria entrada.

Sasuke não protestou quando a glande adentrou o orifício anal. Estava envergonhado demais para dizer qualquer coisa. Mas era esperto o suficiente para julgar a situação, e sabia que Naruto sentiria dor. Precisou se controlar ao extremo para não destruir de vez a imagem etérea da perda da virgindade machucando Naruto mais do que já estava machucando.

— Usuratonkachi... Você se precipitou...

— Teme... Agora já era... Vem logo...

Sasuke estocou devagar, e mesmo que Naruto mordesse o lábio para esconder o desconforto, o sangue mínimo que lubrificava o pênis de Sasuke denunciou a situação em que o Uzumaki se encontrava. O moreno passou a estimula-lo com as mãos enquanto o beijava na boca e no pescoço timidamente. Vários minutos depois, quando teve certeza de que era o suficiente para Naruto se sentir bem com o ato sexual, moveu-se lenta e precisamente, aumentando a intensidade gradualmente até que o Uzumaki gritasse.

A voz característica de Naruto somada a rouquidão causada pelos gemidos era um afrodisíaco e tanto. Naruto arranhava-lhe as costas e o enlaçava com as pernas, incitando-o a ir sempre mais fundo. O Uchiha não parou masturbação que fazia ao parceiro, e sentiu a mão ser banhada pelo sêmen de Naruto quando finalmente encontrou o ponto sensível dentro de seu corpo. Investiu mais algumas vezes até atingir o orgasmo e deixou-se levar pela sensação, tombando em seguida e descansando sobre o peito do Uzumaki.

E o coração de Naruto batia depressa.

Com cuidado, saiu de dentro do loiro e procurou se vestir o quanto antes. Naruto fez o mesmo, e quando eles se deitaram sobre a pedra, o Sol já nascia no horizonte.

Certo de que já estava sonhando, Naruto adormeceu rapidamente. Nem a claridade o impediu de dormir. Só despertou após o horário de almoço, e sentiu uma vontade muito grande de chorar quando constatou que Sasuke não estava ali.

Certamente que o Uchiha estava arrependido e enojado. Naruto fora inocente, estúpido para dizer a verdade, por acreditar que o sentimento que nutria por Sasuke era correspondido. Tentando não derramar as infinitas lágrimas contidas nos olhos azuis, o Uzumaki voltou para sua casa, confuso e sem saber o que faria daquele dia em diante.

.

Três horas.

Inimaginável! Quem diria que Uchiha Sasuke chegaria à loucura de fazer uma viagem de apenas três horas?!

O fato é que, quando Naruto entrou em sua casa e o viu juntamente com suas malas, avançou em cima dele como um cão feroz. Porque Sasuke era um bastardo arrogante que adorava lhe provocar!

Mas era fato também que o Uchiha finalmente compreendeu que não importava o lugar onde quisesse estar, seu lar estaria junto de Naruto. E se o maldito dobe estava em Konoha, era em Konoha que ele deveria ficar, ao menos por enquanto. Uma medida de precaução drástica, porém eficaz, para não enlouquecer.

6. August 2018 17:26:19 2 Bericht Einbetten 9
Das Ende

Über den Autor

Amy Rattlehead A maluca do café. 22 anos. Pouco juízo. Pouca paciência. Ainda sonhando com o dia em que viver da escrita seja possível sem que eu precise vender minha alma.

Kommentiere etwas

Post!
Thaina Cruz Thaina Cruz
Muito Fofinha parabéns Eu Amei demais 😍😙
19. Mai 2019 00:51:02

  • Amy Rattlehead Amy Rattlehead
    Muito obrigada! Essa fic é tão antiga que eu fico mto chocada qdo alguém comenta nela haha ♥️♥️ Muito obrigada! 19. Mai 2019 03:13:58
~

Verwandte Stories