Além do Kimono |jikook| Follow einer Story

erincarmel E C

Jimin não conheceu sua mãe, mas conhecia o legado dela como a gueixa mais famosa de toda Kyoto e sabia que deveria seguir seus passos para pagar suas dívidas para conseguir, de certa forma, sobreviver em meio a uma sociedade medieval japonesa. Se passar por uma gueixa e levar uma vida dupla se tornara parte de seu cotidiano e tudo continuaria assim se ninguém descobrisse que a gueixa Jimin era, na verdade, um menino.


Fan-Fiction Bands/Sänger Nur für über 18-Jährige. © Todos os direitos reservados

#romance #drama #yaoi #bts #jikook #kookmin #crossover #gueixa-au
36
5424 ABRUFE
Im Fortschritt
Lesezeit
AA Teilen

O fim dos gêmeos



Kyoto, 1790

Jimin sentou-se no engawa¹ como fazia todas as manhãs para observar o pequeno jardim na área externa da pequena casa tradicional japonesa, embora muito antiga, era muito bem cuidada. Todo o lucro de seu trabalho se direcionava para sua família, pois não possuía ainda autonomia e a independência que tanto almejava.

Ele respirava fundo enquanto o sol surgia substituindo a escuridão da noite, a medida que os raios o atingiam meditava sobre suas lembranças e tudo que fizera para chegar ali. Ainda precisava pagar as dívidas de sua mãe para com a dona da casa de gueixas – Kaa-san –, quem investiu tanto na melhor gueixa de toda Kyoto e superar o legado dela era a mais árdua tarefa para Jimin.

Fukagawa fora uma gueixa muito famosa que divertia toda a aristocracia japonesa, não existia uma pessoa do bairro Gion que não a conhecesse ou quem não a quisesse conhecer. Contudo, desconheciam que ela caiu em uma paixão por um comerciante estrangeiro e gerara um filho dele. Ela acreditou que fugiriam juntos, que criariam o filho juntos e que viveriam até o fim de suas vidas juntos.

Mas o destino fora cruel com Fukagawa e levou seu amado por meio de uma doença sanguinária após embarcar para outro continente. A dor a levou a loucura, o parto a levou a depressão e a morte a levou por fim.

Jimin nunca a conheceu, a mãe que tanto falavam para si era apenas um fantasma em sua vida e cada manhã que meditava sentia que ela o observava mesmo sem ter um porquê.

Recebera muito de sua mãe, possuía uma doce voz que diziam ser semelhante à dela, assim como o rosto perfeitamente desenhado e os cabelos tão negros quanto os dela, mas seus olhos eram como as águas do mar – a herança de seu pai.

Como Fukagawa planejava fugir com seu estrangeiro, guardara muitas joias e ouro que fora usado em totalidade na educação de Jimin como gueixa. Embora ele pudesse ser um Taikomochi², o valor de uma gueixa masculina era muito baixo quando comparado com uma feminina e ele só assim sustentaria a okiya inteira, a casa de gueixas em que residia. Além disso, o legado de sua mãe continuava em suas mãos, mesmo que apenas duas pessoas soubessem sobre seu nascimento.

"Você é bonito demais para trabalhar como um simples homem, vamos fazer riqueza juntos?" – sempre lembraria das palavras de sua atual mãe e talvez dona de si também.

Os anos como Maiko³ eram árduos e difíceis – deveria aprender a dançar, a cantar e a servir como uma gueixa. Chegava a ser ridículo por ser mais alto que a maioria das meninas e levou mais tempo que as mesmas no aprendizado básico, precisando até mesmo repetir alguns anos.

Além dos estudos era preciso limpar a casa, preparar as refeições e cuidar das idosas – antigas gueixas. As duas senhoras sempre muito sorridentes e gentis consigo que lhe davam doces e muito carinho, ele fazia questão de trata-las como suas próprias avós.

Riu ao notar que o silêncio da manhã o condicionava a ouvir a sinfonia que elas compunham enquanto sonhavam – seus roncos eram assustadoramente altos. Levantou do corredor mais leve e sorridente, poderia enfim focar nos afazeres do dia começando pelas compras de alimentos frescos bem próximos dali.

Como era um menino, Jimin não precisava se disfarçar muito e até se sentia mais seguro vestindo um simples quimono sem graça todo cinza. Não reclamava de sua vida e da possibilidade em retribuir tudo o que fizeram por ele até então, mas se pudesse Jimin viveria sua vida como sempre quisera – bem longe dali.

Já tinha idade o suficiente para o confundirem com o senhorio da casa, assim, todas as responsabilidades da mesma caiam sobre si. Mas pelo lado positivo, andava despreocupado por aí como um menino normal sem receber os olhares cheio de luxúria como quando estava vestido como gueixa.

Quando lhe pediam sua identidade se passava por Yuuki, o irmão da Maiko Jimin, logo a única saída era se passar por gêmeos. Muitos jovens da região lhe entregavam cartas dirigidas a sua irmã com promessas de comprarem sua virgindade, o que de início o assustava. Com o passar do tempo apenas checava o conteúdo para salvar o dinheiro que lhe enviavam as vezes, em seguida queimava todas as cartas ou apenas as jogava na rua.

Felizmente alguém era diferente consigo e era para lá que se dirigia, em todas as suas manhãs ele comprava alimentos frescos com o filho mais novo dos Jeon. JungKook era simplesmente um sonho para Jimin, pois sempre o tratou com sorrisos sinceros. Uma das vantagens em ser uma Maiko era a capacidade de ler as pessoas, isto é, sabia quando não eram verdadeiros consigo. Os estudos como Gueixa condicionava sua percepção sobre quanto o entretenimento agravada alguém ou se apenas se vangloriavam com mentiras.

Quando atingiu as ruas de comércio, diminuiu o passo até parar por completo diante a cena que comovia várias pessoas. Uma gueixa idosa chamava a atenção de todos – ela iria anunciar um leilão. Era assim que vendiam a castidade de uma Maiko, por leilões fechados para os mais abastados. Mas um anúncio queria dizer que a gueixa em questão era amplamente disputada e se esperavam muito dinheiro sobre ela. Desse dia em diante a Maiko anunciada seria muito famosa, tanto quanto a mãe de Jimin.

Suspirou fundo e voltou seu olhar para o chão, aquilo era um absurdo para si. Sentiu empatia pela Maiko, pois ele mesmo nunca seria leiloado. Era a única condição para continuar a servir sua okiya.

Se assustou quando sentiu alguém tocar seus ombros, mas o efeito passou com a mesma facilidade que viera. Era JungKook o olhando com genuína preocupação e como ficava bonito aos olhos de Jimin com aquele olhar sério somente para si.

– Você está bem Yuuki? – a voz tão venerada por Jimin nunca dissera seu real nome e aquilo o abateu um pouquinho mais.

– Estou bem, obrigado Jeon – respondeu como a Maiko que era, educada e sem reações alarmantes.

– Você não me parece nada bem-

Antes de continuarem aquela conversa foram interrompidos pela antiga gueixa, atual gerenciadora de leilões, que vestia um dos quimonos mais caro de todo o Japão. Várias pessoas já se encontravam em volta do micro palco arrumado para o anuncio e seus olhares eram claros para Jimin – que recuava por medo –, todos ali exalavam ostentação e luxúria.

JungKook notando que o garoto dava passos para trás e ainda com as mãos tremulas, tentou passar segurança ainda com sua mão no ombro alheio. Ambos se conheciam a anos e sempre perderam tempo quando crianças correndo livremente pelas ruas dos mercados. Com o passar do tempo a amizade deles apenas cresceu. Logo, já haviam conversado sobre toda a sorte de tópicos existentes entre amigos, mas nunca sobre a suposta irmã gêmea de Yuuki, Jimin.

Jeon nunca o questionou sobre morar em uma okiya, ou sobre como era sua irmã ou ainda, pedir para conhece-la como tantos outros "amigos". Jimin se escondia como Yuuki para JungKook por medo. Temia que o outro ficasse enojado de ter um amigo assim e se afastasse dele. Jimin demorou anos para admitir para si mesmo, mas amava JungKook. Seu coração sempre pertenceu ao dono do sorriso mais lindo que já vira na vida.

– Hoje anunciarei o leilão mais aguardado por todos – a velha, enfim, iniciou a fala. Todos ali mantiveram o silêncio intacto, pois após ditar o nome da gueixa a vida dela mudaria para sempre. Além de se tornar uma gueixa de verdade, iria ser tão famosa que sua okiya iria regozijar aos deuses seus mais puro agradecimentos. A sorte iria estar com ela.

Era tentador, mas Jimin não queria nada daquilo, apenas viveria de forma mais comum que uma gueixa poderia querer – apresentando performances no teatro local. Seu posto sempre fora esse e assim o manteria. Pelo menos era isso que pensava ao ouvir seu nome ser dito pela gueixa enrugada, sua reação fora imediata – grossas lágrimas encheram seus olhos e lutou para conte-las. JungKook ao seu lado pareceu tão apavorado, se não mais que Jimin ao ouvir o nome da irmã gêmea.

– Eu vou compra-la, – JungKook soou sério como nunca – eu vou ganhar esse leilão.

Jimin nem olhou para o outro, apenas saiu correndo para casa em busca de respostas. As lágrimas já escorriam por seu rosto e embaçavam sua visão. Nunca imaginava que ouviria tais palavras do Jeon, entendeu que no fundo tudo o que ele queria era a gueixa para si e sentiu seu coração quebrar a cada passo, a cada lágrima e a cada lembrança do tempo em que amou Jeon JungKook.

Desabou quando fechou o portão da okiya atrás de si, as pernas tremiam tanto que não conseguia se levantar e os soluços do choro se tornaram mais altos. Perdia a respiração a cada fungada, mas só seu coração doía e como doía. A sua pacata vida tinha acabado, não havia mais volta.

Sua Kaa-san da okiya, a mãe de criação e responsável pelo seus lucros, o olhava com uma expressão totalmente neutra da pequena sacada do primeiro andar. Quando os olhos de Jimin encontraram com os dela, mesmo com o queixo tremendo e as lágrimas escorrendo sem controle, demonstrou toda sua raiva com um único olhar.

– Por que? – implorou totalmente perplexo, a voz quase não saía de sua garganta, mas ela o ouvira bem.

– Vai doer mais em mim do que em você, – disse seca – acredite. Isso está além de mim.

Gota a gota ele sentiu a chuva engolir suas lágrimas e gelar seu corpo. Não se mexia, não chorava mais e nem sentia algo além de derrota. Passou a pensar em quem conseguiria ganhar o leilão, como seria a pessoa e aceitaria qualquer outro além JungKook. Quando descobrissem que ele não era ela, com certeza o matariam. Nunca mais encenaria no teatro, nem usaria mais as roupas pesadíssimas de uma gueixa, ou dormiria como uma ou se maquiaria como tal. Por um segundo sentiu o alívio – ele detestava ser uma gueixa.

Acima de tudo, era muito pior para si que JungKook descobrisse sua mentira tão bem contada desde seu nascimento. Aquilo sim o destruiria, detestava mais que tudo a ideia de que JungKook o olharia com nojo.


•••


¹Engawa, é a denominação dada à faixa tipicamente pavimentada em madeira que ressalta da face das paredes constituídas por portas corrediças, cujo espaço está sob o beiral do telhado da casa tradicional japonesa. Equivale ao espaço designado no Ocidente de varada.

²Taikomochi, versões masculinas das gueixas.

³Maiko, é a aprendiz de uma gueixa.

1. August 2018 02:53:12 3 Bericht Einbetten 12
Lesen Sie das nächste Kapitel O que é ser forte?

Kommentiere etwas

Post!
Maira  Pareja Maira Pareja
Confieso al principio me confundí pero ya sé diferenciar entre un Jimin y una Yuuki .
Wae Usagii Wae Usagii
Eiiita que tenso! Mds, tô empolgada *-* ❤❤❤
7. August 2018 14:11:04

  • E C E C
    aaaaa obrigada por comentar <3 Fico feliz que tenha gostado <3 10. August 2018 14:44:16
~

Hast Du Spaß beim Lesen?

Hey! Es gibt noch 2 Übrige Kapitel dieser Story.
Um weiterzulesen, registriere dich bitte oder logge dich ein. Gratis!