Karasu Follow einer Story

ayzu-saki Ayzu Saki

Naruto nunca acreditou nas crenças populares, por isso não via mal nenhum em entrar dentro do poço. Ele nunca esperava encontrar o corpo. De repente ele se vê preso a uma história macabra sobre traição, assassinato e espíritos vingativos. Parece que não acreditar em algo, não quer dizer que aquele algo não acredita em você.


Fan-Fiction Nur für über 21-Jährige (Erwachsene).

#humor-negro #angst #fantasmas #itanaru #horror #terror
18
5.7k ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

O homem sem olhos

Notas iniciais

Então, essa estória eu criei após maratonar filmes de terror, especialmente o chamado e assistir inu Yasha novamente, especificamente o episódio sobre o youkai soul piper. É uma estória de terror, com algum humor negro e romance, mas de terror. Então, esperem angst e temas pesados como tortura e assassinado, leiam com segurança!

......................


O poço Sugatami, também conhecido como ‘o poço dos desejos’ se encontra no templo de Choumei, no distrito de Nerima em Tóquio. Diz a lenda que aquele que conseguir ver seu reflexo nas águas do Sugatami terá uma vida longa.

Relatos surgiram ao longo dos anos, de pessoas que ao fitarem as águas do poço, ao invés do seu próprio reflexo viram o rosto de uma garotinha, e logo o local foi dado como assombrado.

E por essa razão foi dada a recomendação de que o poço não deveria ser visitado durante a noite.

E por essa razão Naruto estava indo fazer isso, por que ele tinha como missão de vida fazer exatamente o oposto daquilo que lhe diziam pelo jeito. E Gaara devia o deixar ir sozinho, porque apesar de Naruto ser seu melhor amigo – seu único amigo na verdade- ele também tinha o hábito de fazer coisas extremamente estúpidas.

Como agora.

-Isso está entre as coisas mais idiotas que você já fez, e eu te conheço há mais de 15 anos.

-Qual é Gaa, não vai dizer que não está nenhum pouquinho curioso?

-Na verdade não.

Foi ignorado, claro.

Os olhos azuis de Naruto brilhavam com curiosidade e travessura em uma expressão que não deveria existir em um cara da idade dele. Era meio ridículo, realmente. De um jeito meio adorável.

E por isso sempre caia na dele.

O local tinha um aspecto tenebroso já durante o dia, com suas edificações de pedra cobertas de musgo. A noite parecia ainda pior, e um vento gelado fez os pelos dos seus braços se arrepiarem. Naruto tagarelava ao seu lado sobre a nova estória que estava escrevendo e como ‘dessa vez eu tenho certeza que vai ser um sucesso Gaa, acredite no que eu digo’, como ele falava em toda estória que começava a escrever.

Gaara só queria ir para casa e dormir, amanhã tinham que acordar cedo. O café não ia para frente sozinho, e Naruto apenas descia do andar de cima e estava no trabalho, enquanto Gaara tinha que pegar o metrô ainda.

Quando finalmente chegaram ao local – do lado do cemitério, e isso não era maravilhoso? - parou alguns segundos ponderando suas escolhas na vida, como aceitar a mão que Naruto lhe estendeu quando eram crianças.

No tempo em que passou olhando o que estava escrito na pedra da entrada com a luz da lanterna, o idiota do seu melhor amigo já estava ao pé do poço, afastando a tampa – o que não deveria fazer – e olhando para dentro.

-Awn, não vejo nada aqui.

-Claro que não, difícil ver reflexo de noite.

-Que droga.

-Não fique tão na beirada, idiota.

-Tira a luz da minha cara Gaa! Argh, meu canivete caiu! – Ele gritou choroso e quase o derrubou no chão para ele parar de fazer barulho. Se alguém os visse ali naquela hora teriam que dar muitas explicações.

-Você não tem botão de volume? Bem-feito, agora vamos embora.

Quase respirou aliviado, por que era isso. Iria para casa dormir.

Até ver Naruto começar a tirar os sapatos.

-Naruto...

-Hum?

-O que diabos pensa que vai fazer?

-Entrar no poço oras, me passa a lanterna.

-Por quê?

Retirava o que havia dito antes, aquilo era a coisa mais estúpida que ele havia feito.

- Meu canivete caiu.

-E? Pelo amor de Deus Naruto!

-Foi Oto-san que me deu, Gaa.

E isso tinha que o calar. Isso e os olhos de Naruto sempre que falavam no pai, aquela expressão triste sempre o pegava de surpresa.

-Vai ser difícil de encontrar isso a noite Naru. – Tentou mais suavemente – Podemos voltar amanhã.

-Não. E não parece ser fundo. Não ouvi barulho na água, ele provavelmente ficou preso em alguma raiz, então vai ser mais fácil. – Odiava quando Naruto se mostrava inteligente nos momentos mais inapropriados. - Lanterna. Você pode iluminar de cima também? E segurar a corda.

-Por que você tem uma corda, Naruto? Pretendia fazer isso já, não era.

-Claro que não.

Aquele olhar inocente não enganava ninguém. Como dizer não a Naruto? Ele queria apenas aprender a fazer isso na vida. Um curso de administração não ensina isso.

E assim, acabou tendo que ajudar Naruto em algo ilegal – de novo -, no meio da noite. Iluminou o poço, tentando não olhar muito para dentro – por garantia – enquanto o loiro idiota fazia sua descida, escorando suas pernas flexíveis nas laterais enquanto descia, segurando a corda.

-Achei!

-Graças a Deus. – Murmurou. – Vou te puxar.

E nessa hora as coisas deram errado. Sentiu a corda ficar leve de repente e barulho do corpo na água, e um grito de susto ecoou no poço.

-Naruto!? – Tentou não gritar, mas seu coração estava acelerado no peito, se inclinando no poço com a lanterna.

Até ouvir a risada.

-Estou bem! Meu deus, sua cara agora.

-Idiota. Consegue pegar a corda? Naruto?

O grito dessa vez foi mais estridente, seguido de silêncio.

-Não tem graça, Naruto. Consegue pegar a corda?

Silêncio.

-Naruto?

-Gaara. – A voz que veio era baixa e trêmula. - Gaa, chama a polícia.

-O que? Naruto? – iluminou dentro, mas tudo o que via era o cabelo loiro. O poço era bem mais fundo do que imaginava. – O que aconteceu?

-Por Deus, Gaa...Chama a polícia. – A voz dele estava ainda mais trêmula. Ouviu o barulho da água se movendo, e então os soluços baixos. - Tem um corpo aqui dentro.

.......................................................................................................................

Kakashi se arrependia de algumas escolhas na vida.

Adotar Naruto não era uma delas, se pensasse bem isso tinha sido a melhor coisa que já tinha feito.

Não bater o pé quando Naruto se recusou a continuar a fazer terapia depois do que tinha acontecido com sua mãe, no entanto, era uma delas. Talvez se tivesse sido menos flexível, fechado menos os olhos, dado menos espaço, não estaria sendo acordado no meio da madrugada – de novo – para ir buscar Naruto da delegacia.

Não o surpreendia ver Gaara ali também, sentado no banco e levando bronca dos irmãos mais velhos. Onde Naruto estava, geralmente podia se encontrar Gaara também.

-Onde ele está?

Gaara ergueu a cabeça que havia abaixado com a força do cascudo da sua irmã e o fitou, uma pontada de alívio em seu rosto. Kakashi ficou apreensivo ao ver como os olhos dele pareciam assombrados também, o rosto pálido.

O garoto era sempre tão estoico que o que quer que tenha visto realmente devia ter o abalado.

-Lá dentro ainda. – O ruivo falou, a voz um pouco trêmula. – Eles disseram... que ele não está encrencado realmente, mas...

-Está tudo bem Gaara, pode ir para casa. – Sorriu, tocando de leve o ombro do outro. – Eu vou cuidar desse idiota. E pode tomar o dia de folga do café amanhã.

O ruivo assentiu, sua irmã acenando para Kakashi, os dois trocando um olhar sofredor enquanto pegava o corredor em direção ao loiro cabeça-oca que tinha como filho adotivo.

Foi recebido por um oficial que o levou até a sala de Shikaku. Todos pareciam com o humor pesado, mesmo para uma delegacia. O oficial deu duas batidas e entrou ao ter permissão, e Kakashi varreu a sala com o olhar, e quando o viu, teve a sensação de um deja-vu.

Ele estava sentado no sofá de couro, encolhido. Havia trocado as roupas ensopadas, e alguém havia lhe emprestado uma roupa grande demais para ele. Enrolado em uma manta, uma xícara fumegante nas mãos e olhos vermelhos.

Ao vê-lo assim, sua imagem era de um garotinho magrelo cheio de arranhões sentado na traseira de uma ambulância depois de ter presenciado sua mãe ser levado aos gritos para uma clínica psiquiátrica. Aqueles mesmos olhos azuis assombrados o fitavam agora.

Deu um suspiro, trocando um olhar com Shikaku que o fitava de forma simpática, assentindo levemente em permissão para irem. Já haviam conversado pelo telefone, e ele sabia que Naruto podia ser chamado de volta a qualquer momento. Foi acordado que, por sua transgressão no templo, tudo o que havia acontecido havia sido castigo o suficiente.

E assim como naquela vez, dez anos atrás, suas palavras foram as mesmas ao tocar no ombro tenso do garoto.

-Vamos, Naru. Vamos para casa.

......................................................................................................................

Naruto não conseguia dormir.

Isso não era um fato tão incomum, mesmo que poucas pessoas soubessem disso. Mesmo assim, geralmente suas noites tinham algumas horas de sono, mas não naquela noite.

Se fechasse os olhos ele poderia ver as órbitas vazias por trás de suas pálpebras. A pele inchada e esverdeada, o rosto irreconhecível. Podia sentir o toque gelado na sua pele, a maneira como o braço em decomposição havia ficado preso em seu casaco, quase como se o corpo não o quisesse deixar ir.

Mais um motivo para ter pesadelos. E isso não era uma maravilha?

Não, Naruto não dormiria naquela noite. Ainda mais após pesquisar o nome que desconfiavam ser o corpo na ferramenta de busca e ver o rosto sorridente de Shisui Uchiha. Era uma foto de uma olimpíada do ensino médio. Primeiro lugar em natação, os cabelos cacheados molhados, um sorriso vencedor no rosto. Os olhos escuros eram sorridentes e gentis.

E tudo o que lhe vinha à mente eram as órbitas vazias no rosto deformado.

Procurou mais, até chegar onde queria. Noticias de jornais, de 10 anos atrás. Havia sido um caso famoso. Tinha apenas 10 anos na época, mas lembrava de estar sentado no sofá com sua oka-san, os dedos frios dela acariciando seu cabelo enquanto passava a notícia.

Uma família inteira massacrada da noite para o dia. Dez mortos, dois desaparecidos, apenas um sobrevivente que havia ficado em coma por meses até acordar. Completamente órfão.

Ninguém nunca havia sido pego pelo crime.

Voltou a abrir a aba com a foto de Shisui Uchiha.

Agora, só havia um desaparecido.

-O que aconteceu com você? – sussurrou para a foto.

Pensou em seu pai, também desaparecido e dado como morto há tanto tempo atrás. Em como ele também talvez nunca soubesse o que havia acontecido, e o quanto isso doía.

Pensou em Itachi Uchiha, sozinho no mundo, sem saber o que havia acontecido com o irmão mais novo também, ou com o primo que o olhava tão sorridente naquela foto.

Apertou o canivete na sua mão, o rosto sorridente do seu pai na sua memória, o da sua mãe enquanto falava com as paredes, com o amor da sua vida que não estava mais lá.

-Eu quero ajudar.

Foi só algo a se dizer ao vazio. Algo para expressar o sentimento profundo no momento, de frustração que expressava no desconhecido o que também sentia por seu pai.

Um vento forte abriu sua janela nesse momento, os papéis na sua mesa se espalhando pelo chão. Um arrepio percorreu sua espinha quando o vento gelado bateu na sua nuca.

Ele não tinha ideia do o que havia colocado em andamento com essas três palavras.

-A trava dessa janela nunca funciona direito. – Resmungou para a noite fria,

.......................................................................................................................

‘Eu aceito.’

.......................................................................................................................

Gaara havia aparecido de manhã cedo. Kakashi havia aberto a porta de trás do café e o olhado de forma sofredora. Era um olhar que ele fazia bem.

-Pensei que tinha dito para ficar em casa?

-O senhor disse. – Assentiu, seriamente. – Naruto?

Kakashi suspirou e abriu completamente a porta.

-Lá em cima. Não pregou o olho, passei a noite ouvindo os passos dele.

Gaara não o culpava, ele mesmo não havia dormido, e só havia visto o corpo de relance. Naruto havia passado meia-hora lá dentro do poço com ele até a polícia chegar e conseguir tirá-lo de lá, com início de hipotermia e traumatizado.

Chegou no quarto que conhecia bem e esperou o encontrar chorando, ou finalmente dormindo, ou pelo menos sentado acabado na cama como quando virava a noite escrevendo.

O que encontrou foram folhas pregadas em toda a parede direita do quarto, fios vermelhos criando um mural. Viu horrorizado a impressora trabalhando a todo vapor enquanto seu melhor amigo murmurava coisas sem sentido, nem mesmo notando sua presença.

Bastou um relance no que estava na parede para sentir aquele velho arrependimento por suas escolhas, e pensou por um breve momento em dar meia-volta e fingir que não havia visto nada daquilo.

Infelizmente Naruto o notou antes.

-Gaa! Adivinha o que eu encontrei ontem sobre...

-Não.

-Mas Gaa...

-Não Naruto.

-Eu nem disse nada!

-Então não está metendo a fuça em um crime que aconteceu há dez anos e que nem a polícia conseguiu descobrir nada?

-Hum.

-Foi o que pensei. E a resposta é não. Não vou te deixar fazer isso. Não, não vou te ajudar a se meter em mais uma cena de crime. Lembra quando estava escrevendo aquele livro? – Gaara estava um pouco histérico. – E achou que precisava de material? Eu lembro.

-Gaa...

-Três vezes Naruto, a gente foi pego três vezes em cena de crime. Até Shikamaru se meteu em problemas, você lembra disso não lembra?

-Owa! Você está falante hoje Gaa. Isso não é cena de crime, é um caso frio de dez anos atrás. Deixa eu te mostrar uma coisa que eu descobri ontem...

-Não, Naruto. Eu não quero saber. Não é não.

-Tudo bem, só dá uma olhada. Por favor?

Odiava não conseguir dizer não a Naruto.

Por que ele tinha que ser um filho da puta maluco tão adorável e convincente?

Ou ele que não tinha força de vontade nenhuma.

..............................

-Então, Itachi Uchiha é o único sobrevivente.

-Que saibam até agora.

Naruto havia tomado um banho graças a Gaara, que também o obrigara a tomar café e deixar o quarto pelo menos mais habitável enquanto estava lá. Sinceramente, os hábitos de Temari haviam pego profundamente em seu amigo.

Apenas a enorme força de vontade de Shikamaru em não ter força de vontade nenhuma deviam o ter salvo de se tornar mandão assim depois de anos de namoro.

Falando nisso, teria que ligar para Shika em algum momento para aquele seu pequeno projeto. Ele sempre conseguia desviar informações da delegacia para ele quando precisava. Talvez devesse parar de fazer coisas ilegais em nome de escrever estórias boas.

Desde a madrugada havia sentido essa urgência estranha de pesquisar sobre o caso Uchiha. O choque da situação em que estivera, as lembranças do dia do crime na televisão, a inspiração que aquilo podia lhe trazer...ele não sabia ao certo. E nunca fora muito de se perguntar sobre as suas urgências estranhas mesmo, preferia agir.

‘Engraçado que foi a mesma coisa em que pensei quando resolvi que era uma boa ideia dar uns amassos em Neji e Hinata no mesmo dia e acabar pegando fama de puta no colégio.’

Enfim.

Caso Uchiha.

-Duas pessoas desapareceram naquela noite. Shisui Uchiha, que desconfiam ser o corpo que encontramos ontem e Sasuke Uchiha, primo mais novo de Shisui, irmãozinho de Itachi.

-Como eles sabem que o corpo é de Shisui? Ele desapareceu há 10 anos, o corpo não estaria mais decomposto?

Naruto sentiu certa náusea ao lembrar disso.

-O símbolo do clã na roupa, o casaco da seleção de natação da escola. Tenho certeza que vão fazer o exame de DNA para descobrir. Quanto ao estado de decomposição, eu não sei. Talvez a temperatura da água? Eu li ontem que a pressão e a água fria fazem o corpo se decompor de forma mais lenta.

-Ainda assim...

-Talvez ele não tenha morrido dez anos atrás.

Um barulho os interrompeu quando a janela se abriu de uma vez novamente, alguns papéis voando.

-Merda! Maldita trava.

-Você quer dizer, que ele estava em algum lugar? Vivo?

-Eu lembro de ver...lá embaixo. Os pulsos pareciam machucados como se...se tivessem amarrado ele ou sei lá.

Gaara ficou calado por alguns instantes após isso. Os dois mirando a foto de Shisui sorridente, e então do menininho, Sasuke. Apenas 9 anos.

-Você acha que ele pode estar vivo ainda?

Naruto franziu a testa, os olhos desfocados no rosto da criança.

‘Oka-san? Você acha que o oto-san pode estar vivo ainda? Que ele vai voltar?’

-Eu não sei, Gaa.

‘Oto-san já voltou Naru-chan. Não está vendo ele aqui?’

-Eu realmente não sei.

................

Os dias que se seguiram foram...estranhos. No mínimo. Voltou a sua rotina no café. Trabalhava lá o dia inteiro, desde que tinha largado o curso na faculdade meses atrás.

Kakashi havia o olhado um tantinho decepcionado, mas ainda assim o aceitou de braços abertos na rotina de servir e ajudar no balanço do caixa, enquanto não sabia o que fazer da vida.

Gaara trabalhava apenas na parte da manhã, estudando a tarde, mas as manhãs geralmente eram as partes mais movimentadas, então eles conseguiam dar conta.

Ele conhecia praticamente todos os clientes. O pessoal da delegacia que sempre vinha no mesmo horário e aproveitavam para pedir para não se meter em mais problemas. Tsunade sempre colocava saquê no café quando não estava no horário de trabalho no hospital, e adorava contar estória sobre seu avô e como Naruto era lunático como ele.

Iruka vinha pela manhã também, quando Kakashi tinha tempo de dar em cima dele, e ele tinha fôlego de tentar colocar algum juízo em Naruto no meio do rolo. Hinata e Neji também vinham todo dia e o fitavam com olhos longos que fingia não ver (uma experiência com ménage com aqueles dois era suficiente para a vida inteira.).

Sakura vinha a noite para brigar com ele por ter largado o curso, e o obrigar a fazer teste vocacional online no início da noite, e Sai vinha com Ino o infernizar para sair e ‘comer alguém ou ser comido’ quando Kakashi não estava por perto para os expulsar por tentar o corromper (Eu conto ou você conta Sai?). Ele conhecia a todos, todos o conheciam desde que havia começado a morar com Kakashi quando tinha onze anos. Então, é, ele conhecia sua rotina.

O que ele desconhecia eram as coisas estranhas que estavam acontecendo por dias, e que era muito bom em ignorar. Quando sua mãe é internada em uma clínica por ver coisas e te atacar você passar a ser bem cuidadoso sobre alucinações.

Então, Naruto dizia a si mesmo que havia esquecido a janela aberta, mesmo que no fundo tivesse certeza que havia a fechado.

Ele também se convencia que as abas sobre corvos abertas no seu computador quando voltava do banheiro eram culpa de vírus, e que pediria para Neji dar uma olhada.

Os livros abrindo de repente, as fotos mudando de lugar, e esse desenho do símbolo Uchiha escrito a vapor no boxer do seu banheiro?

Completamente normal. Nada está acontecendo.

No sir.

-Naruto? Por que tem o desenho do clã Uchiha no café?

-Eu não sei do que está falando Gaara, isso é um pirulito.

..................

Naruto havia acordado de madrugada e perdido o sono.

Havia ido à cozinha para fazer um chá, e quando deu as costas todas as portas do armário estavam abertas.

Ele as fechou e fingiu que nada havia acontecido.

-Foi o vento.

Durante todo o caminho até o quarto aquela sensação gelada na sua nuca.

Se na metade do caminho ele correu e fechou a porta, ninguém havia visto nada.

.........................................................

Shikamaru havia trazido a notícia como quem não quer nada que o resultado do teste havia provado que sim, o corpo era de Shisui Uchiha.

Sinceramente, depois da quantidade de desenhos do símbolo Uchiha que haviam aparecido na espuma do seu café naquela semana, teria ficado decepcionado se não fosse.

Depois de um dia exaustivo, organizou suas pistas sobre o que sabia até o momento:

Primeiro, Shisui Uchiha havia desaparecido aos 16 anos em Kyoto. Seu corpo havia sido descoberto em Tóquio dez anos depois.

Segundo, Sasuke Uchiha nunca havia sido encontrado.

Terceiro, todos as vítimas haviam sido assassinadas rapidamente, mas haviam sinais de tortura no corpo de Shisui. Sua morte havia sido tudo, menos rápida.

Quarto, a aba do seu computador estava abrindo por conta própria novamente.

-Que vírus ruim de se livrar. – Sussurrou nervosamente. – O que você quer vírus?

Largou o teclado, e viu curioso a página que havia sido aberta.

-Danzou Shimura?

Sua janela abriu novamente, o vento fazendo as fotos voarem da parede com a força. Uma delas caiu no teclado.

O rosto de Itachi Uchiha e Shisui abraçados, sorrindo levemente para a câmera.

Talvez não fosse uma má ideia visitar Itachi Uchiha. Sabia que o homem havia se mudado para Tóquio há uns anos, depois de viver com o tio ao se tornar um órfão.

Só não fazia ideia nenhuma como arrumar uma desculpa para a visita.

O arrepio gelado em sua nuca, os pelos do seu braço se levantaram e foi até a janela a fechando.

Ao fitar o vidro, seu coração acelerou ao ver o reflexo nele.

Um rosto jovem e sorridente da foto, os cabelos ensopados, o leve sorriso de olhos fechados.

Apertou a trava da janela, seus olhos azuis arregalados, sem ter coragem de se virar.

Até os olhos dele se abrirem e o fitarem com as órbitas vazias.

A voz era gelada, como um leve sussurro em seu ouvido.

‘Eu posso ajudar.’

Naruto gritou como se sua vida dependesse disso.

........................................................

Kakashi entrou de supetão empurrando a porta, um taco de baseball na mão, o cabelo uma bagunça completa por ter se levando de forma repentina.

-Naruto!

Os dois se fitaram, os olhos azuis arregalados cheios de lágrimas.

-Foi só o vento batendo na janela e eu... Eu não quero me tornar a oka-san.

Ele havia começado a soluçar já no meio da frase de forma desolada.

Mesmo sem entender a razão do choro Kakashi tratou de o abraçar a forte.

Ele parecia estar precisando muito disso.

.............................................

20. Juli 2018 00:25:07 6 Bericht Einbetten 6
Lesen Sie das nächste Kapitel O contrato acidental

Kommentiere etwas

Post!
Alice Aguiar Alice Aguiar
eu to de boa dando umas risadas e o fantasma fazendo meu cu trancar sausuhshusa adorei. vou ler o resto mais tarde.
15. August 2018 11:40:43
Nathy Maki Nathy Maki
Acho que o choque foi tão grande que eu comecei a gargalhar quando o Naruto mandou ligar pra Polícia pq tinha achado um corpo kkklkkk só depois veio cair a ficha e bater aquela tensão. Pq eu to shippando gaanaru?? Mas quero kkkkkkk Pô Naru, que feio, tadinho dos primos hyuuga doidos pra repetir a dose :v Sinto que vou ter um treco no coração pq sou graça pra terror, mas a curiosidade tá maior e eu sou teimosa! Partiu maratona os próximos! Beijinhos ♡
6. August 2018 12:47:13
Cammis Silva Cammis Silva
AYZU O QUE FOI ISSO? Mulher eu amei demais. Eu amo terror com todo o meu coração, e lendas japonesas são minhas favoritas. Você juntando isso com Naruto fez meu dia (era pra ser noite pq li ontem a noite). Tá incrível, eu amei. Parabéns!!! To ansiosa para os próximos!
20. Juli 2018 10:45:13

  • Ayzu Saki Ayzu Saki
    O próximo já disponível <3 Eu também sou bem fascinada com lendas japonesas, vou me esbanjar escrevendo isso 20. Juli 2018 13:56:29
KL Kitsune Lyra
Por que você odeia meu Naru? Por que Eu to shipando GaaNaru? E nossa, eu amei o Naru fugindo das alucinações, Eu faria igualzinho kkkkk (depois de gritar como uma menininha eu tentaria ignorar) e por ultimo: por que raaaaaaaios eu to lendo mais uma estória de terror sendo que eu odeio terror mas as suas não consigo nao ler? (Sorry falta de vírgulas, um fôlego só de desespero). Enfim, agora que já To na merda, quero o próximo capítulo hahahaha
19. Juli 2018 22:11:06

  • Ayzu Saki Ayzu Saki
    hhahaha, o próximo sai hoje! GaaNaru platônico é minha especialidade ultimamente 20. Juli 2018 07:58:33
~

Hast Du Spaß beim Lesen?

Hey! Es gibt noch 5 Übrige Kapitel dieser Story.
Um weiterzulesen, registriere dich bitte oder logge dich ein. Gratis!