No Pain no gain Follow einer Story

ariane-munhoz Ariane Munhoz

Era a dor que o fazia se sentir vivo. A dor que o fazia querer respirar, caminhar, continuar. A dor era o seu nome, o motivo de sua existência. Até esbarrar com aquele homem no bar. E talvez Kawarama o fizesse mudar completamente o conceito de sua vida e de tudo em que Pain acreditava.


Fan-Fiction Anime/Manga Nur für über 18-Jährige.

#yaoi #lime #pain #Kawarama #Senjucretino #KawaPain #vemprocrack #fns #naruto
Kurzgeschichte
14
5900 ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

A pior dor que pode ser sentida

- Naruto é um mangá que se tornou anime e não me pertence, mas esta história sim;
- Fanfic feita para o desafio #vempraocrack do Inkspired;
- Feita para Hasashi Akemi e Nathalia pela fake tour do tt onde esse casal surgiu;
- Capa feita pela linda da Hasashi Akemi. Obrigada nee-chan!

O que você não me pede sorrindo que eu não faço ein, nee-chan?

***

Quando se conheceram, aquela noite, no bar, tinha certeza que seria só uma noite de farra, a diversão de dois bêbados que queriam curtir a noite sem compromisso algum. Quando, na manhã seguinte, não o encontrou no quarto barato de motel que dividiram, teve certeza daquilo.

No Pain, no gain.

Sentia o corpo todo dolorido, a cabeça latejando e um certo ar de diversão em si. O cheiro de álcool e sexo impregnava o quarto, e tinha certeza que ao menos uma garrafa de vodka havia sido consumida por ali.

Tentou se lembrar de alguma coisa, qualquer coisa que pudesse ter gerado aquele furacão.

E então, aos poucos, as lembranças fragmentadas começaram a se juntar, no exato momento em que a porta da suíte barata se abriu, revelando o torso desnudo e o sorriso despojado na cara de quem sempre tinha tudo o que queria e queria tudo o que tinha.

− E aí, pronto pra outra?

X

A música era alta demais, de estourar os tímpanos, mas Kawarama gostava daquele tipo de ambiente, onde podia facilmente misturar-se às outras pessoas do recinto. Fato é que, no passado, antes que fosse encoleirado, costumava visitar aquele tipo de estabelecimento com o irmão do meio, Tobirama. Mas desde que ele havia começado a namorar firmemente, estava sozinho. E isso tornava suas caçadas... um tanto monótonas.

Mesmo assim, decidiu arriscar-se naquela noite. Imerso pelo tédio da morosidade, querendo algo que despertasse por inteiro seu interesse e o tirasse do marasmo. Foi quando viu o anúncio daquela boate, onde o DJ Pain tocaria suas mixagens que prometiam causar as mais intensas sensações em seus ouvintes.

Música eletrônica nunca fora o seu tipo favorito, mas por algum motivo, Kawarama sentiu-se tentado a saber do que se tratava o tal show prometido pelo DJ, cujos olhos estavam estampados no panfleto que havia apanhado no trabalho naquela mesma manhã.

E agora, ali estava ele, com um copo de uma bebida alcóolica colorida qualquer, enquanto o observava de longe.

Pain como simplesmente era chamado, parecia concentrado no que fazia, mas tudo em que Kawarama prestava atenção, eram nos cabelos ruivos desgrenhados, ponteados pelas luzes coloridas e nos piercings simetricamente colocados em seu rosto.

Havia algo distinto naquele olhar, algo que não conseguia discernir de longe. Mas, de quando em quando, Pain olhava em sua direção e Kawarama o capturava com os olhos, o sorriso despojado ponteando os lábios agora tingidos pelo tom da bebida quando sorveu um gole longo.

Kawarama estendeu o copo na direção dele, convidando-o, sabendo que jamais receberia uma negativa. Não era uma palavra que definitivamente não constava no vocabulário Senju. Ao menos no dele e no de Tobirama. Já Hashirama... bem, ele era o amorzinho da família ao lado do caçula, Itama.

Durante o resto da noite, alheio a todas as investidas das pessoas ao redor, Kawarama permaneceu com os olhos fixos no DJ. Sua resposta era sempre a mesma: estou acompanhado. Embora ninguém nunca chegasse, fato que não passou despercebido pelo último cara que tentou cantá-lo.

− Estou esperando. – Kawarama limitou-se a responder, o sorriso divertido nos lábios.

− O quê? – O homem perguntou.

− Meu DJ. – Novamente, estendeu o copo na direção de Pain. E teve a impressão, apenas por um momento, que ele havia sorrido.

X

− Você não se cansa nunca? – A voz soou rouca quando tentou falar. Buscou algo para beber, mas não havia nada além de vodka ali. E foi com isso que Pain encheu o copo, sorvendo um gole generoso que o fez torcer a cara. O estômago vazio protestou, sentindo-se queimar.

− De quê? – Kawarama jogou-se no colchão ao lado dele, ouvindo as molas protestarem. O corpo úmido do banho cheirava à colônia e sabonetes baratos de hotel de quinta.

− De ser um cretino.

Kawarama gargalhou. Sua risada era um tanto contagiante e fez Pain olhá-lo de canto.

− Não me canso. – Apoiou-se nos cotovelos, encarando-o por um momento. Vendo Pain terminar a bebida e deixar o copo vazio ao lado do criado mudo. Puxou-o pelo braço, fazendo com que o corpo do outro caísse sobre o seu. Visualizando as marcas da noite anterior e sorrindo orgulhoso de sua arte. – Você não se cansa?

− De quê? – Devolveu a pergunta, as pernas se prendendo firmemente à lateral do corpo de Kawa.

− De sentir dor. – Seus dedos deslizaram sobre um hematoma especialmente roxo em suas costelas, proveniente de suas mãos firmes apertando-o quando estava em cima de Pain. Kawarama não era adepto de causar dor aos parceiros, exceto quando insistiam naquilo. Mas, para ele, parecia ser prazeroso.

− Não. – A resposta veio faceira e Pain inclinou-se sobre ele, mordiscando o lóbulo de sua orelha. – Nunca ouviu o ditado? No pain, no gain.

Kawarama sorriu. Girando o corpo sobre o dele. Se Pain queria sentir dor, Kawarama teria prazer em fazer de seu desejo uma prazerosa realidade.

X

Quando finalmente estava livre do trabalho, sentou-se ao lado do homem que lhe encarara como uma refeição durante a noite toda. Era impossível não notar. Era impossível não se sentir atraído por aqueles olhos predadores. E ele era a presa. Mas não se importava nem um pouco com isso. Não se ele conseguisse tirá-lo do torpor do qual só se livrava enquanto tocava suas mixagens.

− Traga duas doses de tequila. – pediu ao barman, vendo-o expressar um sorrisinho sacana, ao tempo que o homem cheio de piercings direcionou um olhar para si.

− O que te faz pensar que gosto de tequila? – perguntou, derrubando uma pitada de sal no punho, o limão entre os lábios pronto para ser chupado. Kawarama observou aqueles lábios, desejando-os em outro lugar.

− Você parece um cara de tequilas. – respondeu com simplicidade e, sem fazer cerimônia, tomou a própria dose, sendo prontamente acompanhado pelo DJ. – Senju Kawarama. – Estendeu a mão na direção dele.

− Pain. – Apertou a mão do outro homem, sentindo a firmeza de seus dedos, os calos espalhados pela palma. Kawarama arqueou uma das sobrancelhas, aquele sorrisinho irritante em seus lábios.

− Pain? Só isso? – perguntou. – Por que Pain?

− Porque tudo começa através da dor.

O sorriso de Kawarama aumentou. Pelo visto, havia encontrado uma caça interessante naquela noite.

X

O gemido rouco de prazer que saía dos lábios do ruivo a cada vez que o penetrava, deixava Kawarama insano. Deitado de costas para si, os cotovelos apoiados sobre a cama e o rosto entre eles, Pain apenas se deleitava enquanto Kawarama observava as cicatrizes em suas costas. Agarrou os fios ruivos, puxando-o pela nuca até que sua orelha se colasse à boca desejosa.

− Me fala. – exigiu. – Me fala como você quer que eu foda você.

Havia algo no jeito sujo com o qual ele lhe tratava que deixava Pain inebriado. Tivera muitos amantes – tinha marcas para provar –, mas Kawarama era o primeiro que parecia tocá-lo tão fundo. Na alma. Era possível se apaixonar à primeira foda?

Um suspiro escapou-lhe entredentes, já sentindo-o dentro de si. Os olhos se estreitaram, à medida que Kawarama afastava o pênis para dar-lhe tempo para pensar.

− Quero que você me foda até a exaustão. – respondeu. – Me foda até os meus pulsos presos pelas cordas sangrarem, até eu implorar pra que você pare porque a dor será maior que tudo. É assim que eu quero que você me foda, Kawarama.

Kawarama não sabia que era possível se sentir mais excitado do que aquilo. Mas agarrou os cabelos dele com mais força, puxando-o até que sua coluna se curvasse em forma de U.

− Seu desejo... é uma ordem. – sussurrou em seu ouvido. Completamente viciado naquele jeito louco de Pain.

X

Kawarama não sabia como haviam saído do bar, os pés trançando o caminho todo até o carro. Dirigir havia sido uma tarefa insana, mas Pain não parecia se importar com sua loucura ou com as curvas perigosas.

Tinham parado em uma loja de conveniências e comprado uma garrafa de vodka. E ali no estacionamento mesmo, começaram a se beijar de maneira intensa, o gosto do álcool se misturando nas bocas.

Pain tinha os lábios macios e uma cicatriz no canto da boca que Kawarama sentiu ao deslizar a língua. Provavelmente teriam continuado ali mesmo no carro se o dono da loja não tivesse batido no vidro do carro, exigindo que a pouca vergonha cessasse. Em resposta, Kawarama mostrou-lhe o dedo médio e deu uma risada insana.

Pain observou aquilo com curiosidade, achando que havia encontrado alguém muito interessante naquela noite e se permitiu sorrir. O que ele reservava para si?

X

Então, Kawarama fodeu com Pain. Literalmente. Das formas mais foderosas possíveis. Amarrara seus pulsos com sua camisa na cama. Tão firmemente que a circulação havia parado. Deixara-o de costas, beijando cada cicatriz deixada por algum objeto diferente, imaginando que tipos de serelepices Pain havia aprontado durante toda sua vida para que chegasse àquele estado.

O que seu irmão, Hashirama, um psicólogo tão renomado diria?

“A infância dele deve ter sido difícil, Kawa. Provavelmente, uma de suas figuras fraternas o agredia. Isso explicaria o motivo para buscar a dor. Talvez a culpa de algo feito no passado. Ou o misto de sentimentos. Ele pode espelhar na dor seus verdadeiros sentimentos. Em sua intensidade.”

Poderia rir disso mais tarde. Mas, para falar a verdade, não se importava muito. Ele queria dor? Kawarama o faria sentir dor. Mas não queria ser apenas mais uma cicatriz em suas costas, da qual Pain se orgulharia como um troféu.

Não.

Kawarama não era apenas mais um. Ele era único.

A língua passeou por cada marca, por cada estigma em sua pele. As unhas marcaram as laterais de suas costelas. Deixou uma mordida especial na curva de seu pescoço, ouvindo-o gemer de prazer.

− Vou te machucar da pior maneira que alguém pode ser machucado.

Pain estava ansioso. O que ele faria? A que tipo de tortura o submeteria?

Foi então que sentiu.

Os beijos cálidos espalhando por suas costas. O cuidado ao espalhar o lubrificante lentamente com um dedo, depois o outro. E penetrá-lo cuidadosamente após colocar o preservativo.

Pain arregalou os olhos, não compreendendo o que ele queria dizer até que fosse tarde demais. Até que sentisse os beijos regados por algo que até então desconhecia.

Era aquilo que chamavam de amor? Era possível sentir amor assim?

X

De alguma forma, o deus dos bêbados os guiou até aquele motel, onde não pediam identidade ou qualquer outra coisa além de dinheiro vivo. O quarto tinha os papéis de parede amarelados e descascados pelo tempo, mas pelo menos os lençóis eram limpos. Cheiravam a água sanitária.

Não se importaram com isso.

Deixando a garrafa de vodka no criado-mudo, ambos os corpos caindo na cama (por sorte não no chão) e se beijando, se desejando. Mais do que tudo, querendo sentir-se. Cada moléculas dos próprios corpos em colisão.

− Me faz sentir vivo. – murmurou na orelha de Kawarama.

Ele compreendeu sobre o que falavam.

A dor o fazia se sentir vivo. Então Kawarama o faria viver.

X

Não era seu corpo que doía quando Kawarama caiu exausto ao seu lado, mas algo incômodo em seu peito. Como se queimasse. Como se trouxesse uma estranha sensação de irrealidade.

Como era possível amar dessa maneira? Em uma única noite?

Não.

Apenas nos contos de fadas. Certo?

Certo?

Pain não sabia o que dizer quando sentiu os braços de Kawarama o envolverem. Quando o cheiro do sabonete barato se misturou ao seu suor. Quando ele lhe depositou um beijo sutil na nuca.

Doía. Mas não da mesma forma que doía todas as vezes em que haviam atacado seu corpo.

X

E viveu.

Naquela noite, sentiu-se mais vivo do que quando tocava. Mais vivo do que quando a música vibrava em seu corpo.

Era a dor que o fazia sentir. Que o fazia ter certeza de que um coração ainda batia em seu peito.

A dor que o permitia continuar em frente.

A dor, a dor, a dor.

X

E se permitiu adormecer novamente. Nos braços de Kawarama, até que seu corpo exausto descansasse.

E quando despertou, a cabeça latejante pela ressaca e não o encontrou, aquele calor em seu peito aumentou. Como uma inflamação que se alastra, como uma dor intensa que queima. O incêndio de uma floresta.

Ao lado, no criado-mudo, havia um bilhete.

Pain hesitou em abri-lo, observando a caligrafia tremida escrita. Por um tempo, apenas observou aquilo, sem saber o que pensar. Mas sorriu.

“A pior dor que pode ser sentida:

Amor.

Nos vemos em breve.”

Junto, o número de seu telefone. E Pain soube, a partir daquele momento. O amor era a única dor que ele queria sentir.

Notas:

Eu adoro um bom crackship, não preciso de motivos, só faço e tá valendo! Espero não ter desapontado com esse aqui, pois foi um casal tão gostoso de trabalhar que quero fazer mais vezes sim!

Espero que vocês gostem, meninas!

10. April 2018 21:28:44 13 Bericht Einbetten 6
Das Ende

Über den Autor

Ariane Munhoz Dona de mim, escritora, louca dos pássaros, veterinária e mãe dos Inuzuka. Já ouviram a palavra Shiba hoje?

Kommentiere etwas

Post!
Alice Alamo Alice Alamo
Oii! Para começar, parabéns por ter participado do desafio! Gostou de escrever? Quanto a fic, mano, eu preciso stalkear o seu perfil, sério, to começando a ficar irritada por não ter tempo de sentar e ler as suas fics para conferir porque, meu Deus!, eu adorei a Sugar Daddy, gostei dessa também e to me sentindo diante de um pote de ouro que deve ser o seu perfil! "Era possível se apaixonar à primeira foda?", me ganhou por completo aqui hahahaha. Na boa, eu já vi muita gente escrevendo BDSM ou sexo violento com o Pain e tals, mas o seu é o melhor que eu já li, sério, to apaixonada aqui. Na parte em que o Kawarama falou que machucaria o Pain da pior forma e foi todo cuidadoso em seguida, eu preparei meu coração para o Angst. E eu já disse que eu amo Angst? Nossa, demais, então sentei e esperei com muito gosto. Aí de novo você veio e falou "hoje não, Alice, toma o plot twist nessa cara!". E a forma como você fez ficou muito boa! Porque não decepcionou, foi algo que pegou de surpresa e contornou a situação, sabe? Mostrar o Pain se apaixonando na primeira noite por alguém que, ao mesmo tempo, atendeu ao que ele queria e se fez único foi algo surreal. Ah, e a apresentação da narrativa! Adorei os cortes de cena, esse intercalado que você fez casou muito bem com a condução da história! Eu não sou muito familiarizada com o Kawarama, mas eu curti muito o personagem na sua fic! E eu nem tenho o que sinalizar na sua fic, acho que teve uma vírgula fora do lugar ou whatever hahahaha. A fic tava boa demais para reparar nessas coisas, perdão, não consegui ler prestando atenção em outra coisa que não fosse o enredo genial <3 Mais uma vez, parabéns por ter participado do desafio! Espero que tenha gostado ;)
9. Mai 2018 20:44:39

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Oi, Allie! Será que algum dia você vai me perdoar pela demora em responder esse comentário? Preciso começar dizendo que isso não é do meu feitio, mas o último mês foi de muita correria, e todos os dias que pensava nisso, uma coisa ou outra me levava a esquecer. Eu fiquei muito feliz de ter participado do desafio. Na verdade, o ship dessa fic nasceu da fake tour do twitter, e as meninas me pediram pra fazer algo com o casal. Depois disso, eu armei a situação e criei a história! Eu fico realmente feliz que você tenha gostado, haha. Eu tentei ser o mais verossímil possível com a relação entre Pain e a dor que deve ser sentida e fico feliz que você tenha curtido. Eu não foquei muito na parte do BDSM mas na dor em si, que era o que eu queria. Acho que o amor é a pior forma que você pode ter de ferir alguém, porque você entrega seu coração por inteiro e se torna frágil para esta pessoa. O que Kawa quis passar para o Pain foi justamente isso. Eu tenho muitas angst, haha. Eu fico muito feliz que você tenha curtido, de verdade! Eu tenho muito disso de trabalhar entre tempos presentes e o passado. É uma marca registrada, haha. Tenho certeza que ainda nos encontraremos em muitas fics e desafios afora. Muito obrigada pelo lindo comentário! 12. Juni 2018 06:22:15
Bárbara Maria Bárbara Maria
Confesso que tive que pesquisar quem foi Kawamura pra saber que ele é um dos bebês Senju kkkkk Como ainda não tinha visto nada com esse ícone? Que seja Sexy, intenso, cheio de sentimentos: é isso que eu geralmente busco quando leio uma fic, e na sua encontrei os três elementos! Parabéns pela fic, adorei! <3
4. Mai 2018 16:45:48

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Aaaah, ele é um bebê esquecido, mas é um bebê Senju e também merece amor! Eu fico feliz que você tenha gostado da leitura e que tenha lido a minha fic! Obrigada mesmo pelo comentário! Fiquei muito feliz! 4. Mai 2018 17:19:57
Nathy Maki Nathy Maki
Chocada com essa história! Meus deuses, isso ficou tão bom que nem tenho palavras pra descrever. Confesso que nem lembrava do kawarama kkkk coitado, sempre esquecido. Sua escrita e fantástica e a na hora que eu li o bilhete dele, doeu na alma. Mas ficou tão incrível! Parabéns!! Essa coisa de crack ship é muuuito muito viciante :v Beijinho ♡
18. April 2018 09:18:21

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Ninguém lembrava do pobre do Kawarama no role kkk mas ele é tão divertido de escrever, acho que porque a gente meio que pode dar a personalidade que quiser, meio que fundindo a personalidade dos Senju. Fico feliz que você tenha gostado, adoro os cracks! 20. April 2018 16:26:19
L.M. Oliveira L.M. Oliveira
Estou chocada. Vou ser sincera: nem me lembrava da existência o Kawarama, mas eu adorei a história e o casal.
12. April 2018 16:39:38

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Caraca, tadinho do Kawa, super esquecido no rolê. Obrigada por ler e comentar! 12. April 2018 18:06:03
Inial Lekim Inial Lekim
Ainda estou bem perdida em como surgiu esse shipp, porque deus sabe o quanto eu sou perdida naquele fake tour huehuehuehuehe Porém agora que senti o gostinho, estou bem "OH MEU DEUS COMO NINGUÉM NUNCA PENSOU NISSO ANTES"? Mas eu sei que ninguém teria feito uma fic tão boa quanto a sua <3 Eu adorei!
10. April 2018 20:55:44

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Eu não sei como o ship surgiu também, Paty, só sei que me pediram pra escrever e aqui está! Fiquei feliz que você gostou, nenê <3 Obrigada por comentar! 12. April 2018 18:05:41
Hasashi Rafaela Hasashi Rafaela
QUE HINO PUTA QUE PARIU TE AMO ARROMBADINHA
10. April 2018 17:33:56
nathalia   nathalia
Só tenho uma coisa a dizer: impactada com meu casal.
10. April 2018 16:37:43

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Já me valeu a vida você ter gostado! Obrigada por ter comentado, nath <3 10. April 2018 17:01:19
~