O mais velho e óbvio diagnóstico (2017) Follow einer Story

alicealamo Alice Alamo

Porque, para alguns, o bom humor de Sasuke só podia ser considerado resultado de alguma doença, contudo, para os mais atentos, o diagnóstico benigno era claro como a água...


Fan-Fiction Anime/Manga Alles öffentlich. © Todos os direitos reservados

#ua #naruto #naruto-sasuke #sasunaru #yaoi #romance
Kurzgeschichte
53
7387 ABRUFE
Abgeschlossen
Lesezeit
AA Teilen

Capítulo Único


A situação era nada menos que doce...

Sasuke não sabia dizer quando o dia amanheceu diferente, quando o coração acordou pesado batendo de maneira diferente, em um ritmo até então desconhecido, só sabia que estava assim desde alguns dias. Estranhou... normalmente, levantar-se depressa, não gostava de enrolar porque sabia que voltaria a dormir, mas já fazia dias em que perdia preciosos minutos deitado, olhando para o teto, sorrindo sem explicação ou razão para tal morna felicidade.

— Vai se atrasar, otouto — seu irmão mais velho disse, recostado no batente da porta enquanto o encarava com um sorriso de quem já sabia de algo que ele nem desconfiava.

Ignorou. Agradeceu e se levantou em seguida, tomou banho no automático, assim como comeu, apesar de recentemente estar achando a comida de seu irmão cada vez melhor, muito mais doce e saborosa.

— O que foi, Itachi? —perguntou, levemente incomodado pela observação indiscreta do outro.

— Você anda de muito bom humor ultimamente — Itachi respondeu, quase não contento o sorriso e assoprando o chão a fim de evitar rir.

— E daí? É proibido por acaso? — Sasuke arqueou a sobrancelha, irritado.

— Nada. — Itachi deu de ombros, despretensiosamente, e terminou de beber seu café. — Só estava aqui me perguntando se aconteceu algo diferente para isso, talvez, quem sabe, algo na escola....

— Não aconteceu nada — Sasuke se levantou e colocou a louça suja na pia.

— Com seus amigos?

— Já disse que não foi nada. — Sasuke revirou os olhos e começou a se afastar da cozinha., odiava quando Itachi começava com o interrogatório logo cedo.

— Com Naruto então? — Itachi cantarolou, a cabeça voltada para a pia antes de sorrir para o irmão que parou no meio do corredor e se virou para o encarar.

— Que que tem o Dobe? — Sasuke perguntou com o cenho franzido, a voz se elevando sem perceber.

— Nada ué — Itachi fingiu inocência. — Só estou perguntando.

— Cuida da sua vida, seu velho! — Sasuke esbravejou, sem qualquer resquício do bom humor com que acordara.

Itachi riu, a adolescência do irmão estava sendo uma fase divertida de acompanhar. A quem Sasuke queria enganar? Como com uma doença, ele já apresentava todos os sintomas e sinais necessários para que se fechasse um diagnóstico. Mas tudo bem, deixaria que o irmão percebesse ou admitisse sozinho. Terminou de lavar a louça e secou as mãos, pegou as chaves do carro e encontrou Sasuke com a mochila desleixadamente apoiada em um único ombro. A expressão? A pior possível.

— Vamos, otouto, não me olhe assim, prometo não fazer mais piadas sobre sua paixonite.

Sasuke arregalou os olhos e estapeou a mão de Itachi de seu ombro.

— Não estou apaixonado! — respondeu alto ao entrar no carro e bater a porta com força enquanto o rubor cobria por completo a face.

— Claro que não — Itachi ironizou, divertido.

Sasuke cruzou os braços e fixou o olhar na paisagem do lado de fora do carro. Ignorou o irmão por todo o caminho e resmungou uma despedida mal-humorada ao sair do carro. Entrou na sala com fones de ouvido, a fim de evitar qualquer conversa desnecessária logo pela manhã. Sentou-se, colocando a mochila de qualquer jeito no chão, e tamborilou os dedos na mesa a fim de conter a vontade de olhar para o lado...

Recostou-se na cadeira, espiando pelo canto dos olhos duas carteiras à direita e, ao perceber que não seria pego em flagrante, permitiu-se observar direito Naruto.

O melhor amigo estava animado, como sempre, falava alto com os amigos e ria e sorria abertamente para eles. Babaca... mas, a despeito disso, o cabelo loiro estava um pouco maior que o usual, já até sabia que logo mais Naruto o infernizaria para irem ao seu cabeleireiro que, segundo ele, era melhor, mas Sasuke sabia que era só uma desculpa. Além disso, a camisa estava amassada. Desleixado! Provavelmente, tinha dormido no carro de novo sem tomar cuidado com a roupa. E a gravata? Aquilo podia mesmo ser chamado de nó? Nunca. Mas, ainda assim, ele estava tão bonito... Como aquele idiota podia ser bonito? Como ele podia ficar atraindo tanto sua atenção sendo tão... tão... Agr!!!

Bagunçou os cabelos e desviou o olhar parar o quadro negro. E tal gesto chamou atenção de Naruto que passou a observá-lo, curioso.

Como toda maldita segunda-feira, Sasuke nem o tinha cumprimentado, com certeza Itachi o havia irritado logo cedo. Por alguns minutos que não soube mensurar, ignorou os amigos que se afastavam e dedicou-se ao mais novo hábito: amaldiçoar cada novo elogio ou cada pequena coisa que descobria gostar no outro. Por exemplo, Sasuke ficava extremamente mais bonito depois de bagunçar os cabelos negros de corte irregular, quer dizer, nem precisa ser bagunçado! Bastava que o penteasse para trás com os dedos, dando um falso ar rebelde ao tão exemplar aluno.

Ah, é... o maldito ainda tinha que ser inteligente! Puta que pariu, por que ele tinha que ser tão perfeito? Até o nó da gravata era preciso, fino, pomposo demais para um simples estudante do ensino médio!

Suspirou, pesaroso, apaixonado, totalmente apaixonado...

Desviou o olhar antes que Sasuke percebesse. Não queria que fosse tão óbvio assim o quanto o admirava, ainda gostava de observá-lo em segredo apesar de não ser mais necessário.

O tempo passou rápido, o último sinal bateu, e cada um se levantou organizando seus materiais com pressa. Pela primeira vez no dia, enquanto reuniam seus pertences, os olhos se encontraram, mergulharam um no outro, confessando tudo aquilo que as pequenas espiadas sussurravam em seus ouvidos.

Naruto colocou a mochila nas costas. Sasuke parou ao lado dele, e juntos caminharam até a saída, constrangidos enquanto as mãos discreta e medrosamente se entrelaçavam.

O toque os fez sorrir, e Sasuke sentiu-se mais leve, ainda tinha que se acostumar com a mudança que o namorado causava em si. Acompanhou Naruto até a esquina onde a mãe dele o buscaria e, mais uma vez naquele mês, corou violentamente quando Naruto lhe segurou o rosto entre as duas mãos e o beijou com carinho e lentidão, deixando o desenho de um sorriso meigo e derretido em seus lábios.

— Até amanhã, Teme.

— Até, Dobe... — sussurrou e limpou a garganta para esconder a vergonha quando Kushina, mãe de Naruto, gritou o nome do filho.

E foi só Naruto entrar no carro, que Sasuke ouviu e reconheceu a buzina do de Itachi. Olhou ao redor e suspirou ao perceber a expressão cretina do irmão.

— Nem uma palavra — ameaçou ao colocar o cinto de segurança.

— Sobre o beijo fofo ou sobre eu estar certo? — Itachi provocou.

— Ah, cala a boca, Itachi!

Itachi riu abertamente ao ligar o carro, e Sasuke bufou ao virar o rosto. Recostou-se no banco, ainda com vergonha, contudo, os lábios formigavam e pegavam sua mente pelas mãos, afastando-a da irritação e a envolvendo na sensação embriagante de felicidade que o invadia após estar com Naruto.

Suspirou, ainda sem saber como aquilo havia começado. No entanto, não importava, gostava do frio no estômago, dos minutos perdidos pela manhã, dos suspiros que deixava escapar, dos sorrisos involuntários! E não podia ser diferente, afinal, para os apaixonados, nada importava, a não ser aqueles que lhes seguravam o coração...

2. März 2018 02:01:22 2 Bericht Einbetten 37
Das Ende

Über den Autor

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Kommentiere etwas

Post!
Marcia Castro Marcia Castro
Muito fofo..
8. März 2018 01:18:41

  • Alice Alamo Alice Alamo
    Oii! Eu às vezes gosto de escrever momentos fofos dos casais, acho que também faz parte <3 Obrigada pelo comentário. Beijoss 12. März 2018 16:15:27
~