Eu não sou um príncipe Follow einem Blog

dcsales D.C. Sales Um jovem sonhava em se tornar um cavaleiro. Seu mundo desmorona quando descobre que terá que ser o escudeiro do arrogante príncipe o resto de sua vida. Tudo muda quando príncipe e escudeiro embarcam em uma jornada para salvar uma donzela indefesa e o príncipe por acidente cai do cavalo. Com o príncipe morto, ele tem a chance de salvar a princesa e ser feliz para ....sempre?
Nicht überprüfte Geschichte

#medieval #32816 #aventura #comédia #ironia #dragão #cavaleiro #eraumavez #fantasia #príncipe #príncesa #romance #sátira
AA Teilen

Capítulo 12 - Que trata da vingança do príncipe do Reino Encantado


Ferradura machucado ficou com os sobreviventes no abrigo, suas ferraduras foram tiradas para que ele não fizesse barulho algum. Eu sussurrava para Verne enquanto voltávamos à praia.

- O dragão parecia ser controlado por um...

- Um príncipe- respondeu Adara- um grande e idiota príncipe.

O dragão estava por perto. Precisamos nos esconder. Adara ficou de um lado, e Verne e eu de outro. Eu insistia em perguntar num tom de voz, baixo.

- Mas como é possível controlar um dragão?

Nada como cuidar desde pequeno. Quando era criança, Adara descobriu um ovo de dragão, e compartilhou seu segredo com o irmão mais novo. O ovo chocou e nasceu uma criatura pequena e indefesa. Eles o mantinham o bebê dragão em uma caverna e descobriram que a princesa era capaz de controla-lo.

O príncipe começou a observá-la todos os dias, tentado descobrir como ela era capaz de conseguir tal façanha. A princesa desejava através do dragão, unir povos, o príncipe, conquista-los. Não havia acordo. O dragão foi se tornando cada vez maior, e a cada dia ficava mais difícil esconder o animal. Especialmente pelos pequenos incêndios que ele causava. A princesa foi informada pelo pai, que estava sendo arranjado um matrimônio com o príncipe do reino do Raio. E ela seria coroada rainha.

Realmente esse rei queria casar a filha.

O príncipe que desejava ser rei não concordou com os planos do pai. Mas para o rei era melhor unificar os reinos e aumentar seus domínios. Um motim para tirar o pai do trono, mas o príncipe não tinha muitos apoiadores e o príncipe foi preso e seus seguidores executados. Para todos, seria melhor que Adara tornasse rainha, inclusive para o dragão que permanecia em segredo.

A princesa aceitou o destino que o pai impusera e aceitou se casar com o príncipe do Reino do Raio.

Raio que o parta.

Chegou o dia do casamento, o príncipe irmão desejava vingança. Nem todos seus seguidores foram mortos naquele dia. Liberto da prisão, o príncipe mal ordenou ao dragão que queimasse a cidade.

A fera causou a destruição. Muitos morreram inclusive o príncipe do Reino do raio e seus pais. Um alívio para princesa, eu quero dizer uma trágica desventura. O príncipe desejava se vingar do pai, mas ele não pensava nas consequências de destruir o reino, ele não seria o rei da mesma maneira. Mas quando se tem um desejo de ser perverso dentro de si, qualquer argumento é válido. Ainda que essa história não faça sentido.

Adara levou o pai para baixo do castelo, onde um lago subterrâneo levava ao mar. O rei queria que a filha fosse junto, mas ela estava decidida a salvar o seu povo que ela mesmo condenara. O rei não insistiu e sem que a filha se apercebesse o rei já havia desaparecido. A princesa já conhecia o pai que tinha. Ela conhecia um lugar, onde o dragão não conseguiria entrar, nem mesmo o príncipe irmão sabia da sua existência e ali próximo, o navio poderia atracar e resgatar os sobreviventes.

Mas não houve tempo para o navio zarpar. Pois o príncipe irmão e seu dragão invadiram o subsolo do castelo e os amotinados mataram todos os sobreviventes, exceto a princesa e o Verne que estava escondido. A princesa tentava de todas as formas fazer com que o dragão a reconhecesse, mas ele não se movimentava sem que o príncipe malvado desse uma ordem.

A ordem era matar a princesa Adara. Mas quando o dragão se preparava para expelir fogo, o pequeno Verne atirou com seu estilingue no olho do príncipe que se debateu em dor e correu para salvar a princesa e jogou um balde de água no dragão. Assim, a princesa e Verne puderam escapar. O príncipe mal ordenou que o dragão que o dragão perseguisse a princesa, mas ela estava com o pequeno Verne, que era referência na arte de se esconder.

A princesa continuou a procurar por sobreviventes e os levava ao abrigo. Enquanto que o irmão tentava encontrá-la. Adara sabia que o irmão não destruiria o barco, pois precisava dele para invadir os outros reinos. Mas antes de partir, seu desejo era destruir o que restava do Reino Encantado.

27. Mai 2019 13:19:57 0 Bericht Einbetten 1
~

Capítulo 11 - Que trata do encontro com a Princesa Adara


Acordamos em um local úmido e escuro, algo como um abrigo, mas para nós uma prisão. A moça com roupa de batalha, havia nos salvo do dragão. Ela estava a nossa frente quando despertei.

- Que tipo de príncipe vem enfrentar um dragão e não trás nem mesmo o escudo?

Deve ser porque eu não sou um príncipe, ou porque eu mesmo sou o escudo. Os questionamentos não pararam, ela desejava saber onde estava o barco. E eu apenas desejava saber onde estava a princesa.

- Todos os príncipes idiotas vêm procurar pela princesa e não pararam para pensar que aqui também pode haver outros sobreviventes.

Eu não quis deixar a garota sem graça, mas sabia que era o primeiro a tentar salvar a princesa. Ferradura acordou. Ele havia se queimado com o fogo do dragão. A jovem cuidava das suas queimaduras.

- Acalmem-se, cavalo. Eu sei que dói. Vou cuidar de você. Logo estará bom novamente.

- Ferradura.

- O que? - Disse a garota surpresa.

- O nome do cavalo é Ferradura.

Olhei a minha volta: mulheres, crianças e idosos. Todos assustados com a criatura do lado de fora. A porta do abrigo se abriu. Um garoto pequeno para sua idade, mas esperto o suficiente para andar pelo reino sem ser percebido pelo dragão. Era conhecido nas ruas do reino encantado como Verne. Cresceu sem pai ou mãe para protegê-lo, mas aprendeu sozinho a fugir do dragão, como fugia dos guardas quando roubava para comer.

- Princesa, as forças da torre foram atacadas pelo dragão. Não sobrou nada.

Espere! Essa é a princesa?

- Há sobreviventes, Verne? - Perguntou a jovem com lágrimas nos olhos.

- Não sei dizer minha senhora. Eu consegui apenas correr, o máximo que pude. Sinto muito! - Falou Verne sentindo-se culpado.

Adara o abraçou e permitiu-se perder uma lágrima. Vidas preciosas foram perdidas. Aquela era a princesa, nenhum pouco frágil como eu imaginava, mas um tanto quanto determinada para dizer:

- Nossas últimas linhas de defesa foram destruídas. As crianças, mulheres e os outros feridos não podem mais ficar aqui. Precisamos do barco, estranho príncipe.

- Eu gostaria de ajudar princesa, mas o barco é pequeno.

- Não seja idiota, temos um pequeno navio suficiente para todos e outros que por ventura encontremos. Mas ele está embaixo do castelo. Onde a criatura insiste em ficar, pois sabe que queremos o navio. Há uma passagem subterrânea, mas precisamos do barco para chegar.

A Princesa Adara tentou me dar uma espada. Ao olhar aquele objeto fiquei perdido pelas lembranças. Na escola para cavaleiros quando tentei segurar a espada, ela fora pesada demais para que eu conseguisse levantá-la.

Humilhado e reprovado na escola para cavaleiros lembro-me da decepção do meu pai, e como me senti arrasado por ser um fracasso.

- Você não precisa de uma espada para provar sua coragem - Disse minha mãe em seu leito de morte- O verdadeiro valor esta dentro de você.

Então, as lembranças me levaram a dizer a princesa:

- Você tem um escudo?

27. Mai 2019 13:19:52 0 Bericht Einbetten 1
~

Capítulo 10 - Que trata dos devaneios do escudeiro do Reino distante

-Meu belo príncipe, venha até mim.

O som vinha por detrás da névoa densa. O castelo se revelou, e não havia uma criatura, apenas uma linda princesa no alto da torre, ela tocava uma harpa .

Mas antes que eu pudesse ver o rosto da princesa, um dragão apareceu e devorou a princesa, incendiando todo o castelo e a fera me seguiu cuspindo fogo .

Despertei, com o barco ao meu lado. E o Ferradura lambendo-me, tentando me despertar. As ondas devem ter me levado direto para o litoral, assim como tudo o que era lixo para ele.

Escondi o barco na areia e comecei a caminhar. O muro que protegia o castelo havia sido destruído e do seu portão, não sobrou nada. Ao entorno do que tudo indica, havia um vilarejo próspero, agora, havia apenas ruínas.
Mais um reino que protegia apenas a realeza, e não daqueles que fazia do reino do encantado, um reino.

O medo também não se afogara nessa viagem. Tentei me esconder atrás do ferradura, mas o cavalo me deu mais um dos seus coices, e fui arremessado para longe e ele fugiu.

Cavalo esperto !

Mesmo tremendo, eu continuava a caminhar, entre pedras e cinzas, sem conseguir ver nada além de fumaça. Algumas pedras faziam grande barulho. Outras tremiam e se aproximava.

- Ferradura, o que você está fazendo aqui?

Cavalo não tão experto.

Obviamente o cavalo não respondeu, mas foi por detrás da fumaça que me dei conta, de que não estávamos sozinhos.

Um humano o controlava. Ou será que um desumano o descontrolava ? Ah! Se eu estivesse com o escudo do príncipe...

O dragão e seu cavaleiro estavam a minha frente. Eu seria a próxima vítima. Para minha surpresa, o Ferradura apareceu em meio ao ataque, disposto a dar sua vida pela minha.

Mas algo nos protegeu. Um escudo, uma garota, uma esperança. A fumaça me tonteou e Ferradura e eu caímos desmaiados.

Que grande protetor de princesas eu estava me tornando.

27. Mai 2019 13:19:46 0 Bericht Einbetten 1
~

Capítulo 9 -Que trata do encontro com o Rei do Reino Encantado e os príncipes desencantados


Ferradura e eu cruzamos o vale, a floresta e as cachoeiras e entre trotadas e caídas, chegamos aos limites das terras do Reino distante e o Reino encantado. Em um lugar chamado Tavernaria, onde todos os reinos se encontravam. O rei do Reino Encantado bebia e brindava com lágrimas o sofrimento de perder a única filha e o castelo para o dragão. E o rei não estava só. Príncipes das mais remotas regiões bebiam junto com ele.

- Pode voltar, meu filho- disse o rei bêbado- Não existe mais reino, não existe mais riqueza e nem mesmo a princesa.

- Mas alguém aqui tentou salvar a princesa? - Eu questionei.

Muitos reis enviaram seus príncipes, assim como fizera o pai de Artur, mas quando os príncipes descobriram circunstâncias para enfrentar o monstro, ou que o rei perdeu toda sua fortuna, desistiram da princesa. Todos os príncipes passavam por uma escola preparatória com lutas de espadas, simulação de resgate de donzelas, regras de etiqueta. Sempre supervisionados pelas rainhas, e ao menor sinal de abuso por parte dos instrutores eles eram convidados a ir para prisão, quer dizer, passar as aulas para outro nobre. Como acreditava-se que os dragões estavam extintos, nada havia além de uma aula teórica, mas, já era algum treinamento. Agora, nenhum príncipe estava preparado para salvar uma princesa sem fortuna.

- Qual o caminho para o castelo?

Tentei perguntar de forma séria, mas os príncipes acharam engraçado o fato do jovem magro de poucas estatura e pequeno para a própria armadura seria capaz de enfrentar o dragão.

- Meu jovem, de onde você é? - Perguntou o rei do Reino encantado.

- Sou do Reino distante.

- Mas eu pensava que o príncipe Artur era mais... - Sem coragem para dizer o que realmente pensava, o rei se calou sobre minha aparência- Por aqui filho!

O ex Rei do reino encantado se rendeu e apontou para uma cidade além do mar e explicou que o castelo ficava em uma ilha central a todos os reinos.

Mas os comentários depreciativos sobre a minha pessoa continuavam:

" Fracote"

"Vai se afogar no mar, antes de chegar à ilha."

"Que príncipe mais feio!"

O que essa última proposição tinha haver com minha capacidade de salvar a princesa? Me importar com aqueles comentários externos apenas realçavam o quanto era aquela a minha opinião sobre mim mesmo.

Após tantos incentivos afetuosos, de alguma forma o Rei começou a levar a sério meu interesse em tentar encontrar a princesa.

- Sabe que ajudar a encontrar minha filha, estará apenas ajudando um velho que não tem nada a oferecer. E tudo o que mais ama é a filha que ficou para traz.

- Sou apenas um jovem que não passou na escola para cavaleiros. Mas garanto ao senhor, que farei tudo o que puder para encontrar a princesa.

O rei do reino encantado pareceu não entender o que eu estava tentando dizer, mas ficou feliz em saber que alguém lutaria por sua filha.

- O que tomou o castelo não é apenas um dragão. É uma criatura inteligente que deseja vingança. - Completou o rei.

Já não estava preparado para enfrentar o dragão mesmo, então não fará a diferença.

-Vai sem o escudo ou espada? Com o que irá lutar, o seu grande coração?

Era possível ouvir as risadas dos jovens príncipes, por um momento não me aguentei e disse:

- Não percebem? O dragão que destruiu o reino encantado, pode a qualquer momento voar e destruir o reino de todos?

Um minuto de silencio e paz para os meus ouvidos.

Havia alguns barcos, mas apenas um poderia ser manejado por apenas uma pessoa e ter um cavalo como passageiro. Por mais que eu insistisse o Ferradura queria entrar no barco.

Pelo visto, todos os súditos do Reino encantado foram impedidos de sair, pois o dragão guardava a passagem para o navio do Reino do Encantado. O rei escapou com o barco, deixando para trás tudo o que mais amava, exceto, sua própria vida.

O mesmo barco que trouxera o rei, agora me levava ao Reino Encantado, ou o que sobrara dele. Ao navegar em águas agitadas, o barco virou antes de chegar à ilha, o Ferradura sabia nadar, mas eu não. Dominado pela força das ondas eu senti algo que não era medo era água salgada...

27. Mai 2019 13:19:42 0 Bericht Einbetten 1
~
Weiterlesen Startseite 1 2 3 4